Santa Sofia: basílica, mesquita, museu, mesquita

24 de julho de 2020: dia em que a basílica de Santa Sofia (lat. Sancta Sophia, gr. Hagia Sophia, Divina Sabedoria), em Istambul, volta a ser mesquita.

Presidente Tayyip Erdogan (ao centro) durante a primeira oração na Grande Mesquita de Hagia Sophia
Istamnbul, 24 jul. 2020
Foto: Murat Cetinmuhurdar/PPO/Handout via Reuters

No passado dia 10 de junho, o presidente Recep Tayyip Erdogan assinou o decreto que devolve o edifício ao culto muçulmano, anulando o seu estatuto como monumento e museu que conservava desde 1934, por iniciativa de Mustafa Kemal Atatürk, fundador da Turquia moderna. No âmbito mais alargado da sua política de secularização do Estado, Atatürk fez da transformação de Santa Sofia em museu um emblema de uma Turquia laica.

Continuar a ler “Santa Sofia: basílica, mesquita, museu, mesquita”

O Convento de Cristo e o fogo do deslumbramento

As imagens falam por si: dezenas de botijas de gaz, árvores cortadas, tocos tapados com brita, floreiras sem flores, pedras danificadas e com arestas fraturadas, uma fogueira de 20 metros de altura no claustro. Foram vistas numa reportagem da jornalista Soraia Ramos, no programa “Sexta às 9” da RTP1, no passado dia 2 de Junho, acerca da utilização do Convento de Cristo, em Tomar, da rodagem do filme “O Homem que matou D. Quixote” do realizador Terry Gilliam e que terão envolvido a realização de uma fogueira de cerca de 20 metros de altura no espaço de um dos claustros. Na reportagem, são mostradas imagens da fogueira.

Imagens editadas a partir de fotogramas do vídeo do programa Sexta às Nove RTP 1, 2 jun. 2017

Continuar a ler “O Convento de Cristo e o fogo do deslumbramento”

Lamento pelos homens e pelas pedras

Templo de Bel Palmira, Síria Foto: Bernard Gagnon, 2010.
Templo de Bel
Palmira, Síria
Foto: Bernard Gagnon, 2010.

O templo de Bel, na antiga cidade síria de Palmira, foi destruído pelos militantes do Estado Islâmico: tinha havido a notícia de uma grande explosão no passado fim-de-semana, surgiu a hipótese de o templo ter sido poupado, veio agora a confirmação através da imagem de satélite, que mostra a desolação de duas colunas solitárias, no que antes havia sido um complexo arqueológico monumental. O templo, consagrado ao deus semita Bel, foi erguido no ano 32 sobre templos anteriores e era considerado um dos mais importantes edifícios religiosos da região e um dos mais relevantes exemplares da síntese entre os modelos arquitetónicos greco-romanos e a influência dos estilos vernáculos do Próximo Oriente. Continuar a ler “Lamento pelos homens e pelas pedras”

Iraque, um lugar de triste perplexidade

“My Nimrod, oh my Nimrod, am I still on earth, the place of sad perplexity?”
Jameson, 1848

Chegam notícias, já sem surpresa, de que, ontem, o grupo Estado Islâmico  do Iraque e do Levante (ISIL) terá saqueado e destruído a zona arqueológica de Dur Sharrukin (Korsabad), a “Fortaleza of Sargon”, construída no início do século VIII a.C. e capital da Assíria no tempo de Sargão II. Terão sido utilizadas várias escavadoras que, além dos palácios de Sargão II e do filho Senaquerib, atingiram outros edifícios e vários templos. No dia anterior, tinham destruído a antiga cidade de Hatra, datada do séc. I a.C, e declarada Património Mundial pela UNESCO; na quinta-feira, arrasaram a cidade de Nimrud, capital do império assírio depois de Senaquerib ter rejeitado Korsabad (Oates & Oates, 2001: 23) e considerada uma das principais descobertas arqueológicas do século XX; na semana anterior, invadiram, pilharam e destruíram o Museu da Civilização, em Mosul, e divulgaram um vídeo onde se viam alguns membros do ISIL a derrubar e partir esculturas pré-islâmicas. Algumas peças eram apenas réplicas, mas outras eram obras originais das épocas assíria e acádia, segundo confirmação da UNESCO.

Destruição em Nimrud.
Destruição em Nimrud.
Foto: The Independent, 8 mar. 2015.

Continuar a ler “Iraque, um lugar de triste perplexidade”