O tapete no centro de Arraiolos

Centro Interpretativo do Tapete de Arraiolos
Praça do Município 19
Arraiolos

Arraiolos deu o nome aos tapetes e é pelos tapetes que a vila de Arraiolos é conhecida. Os tapetes são bordados a pura lã de ovelha sobre uma base de estopa. Os fios tingidos fazem um ponto cruzado: um meio ponto oblíquo; o segundo, cruzando obliquamente sobre o primeiro; um terceiro passa por cima com o dobro do tamanho, abrindo o ponto seguinte. Primeiro faz-se o desenho, depois preenche-se o fundo.

Rotunda Norte
Arraiolos
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler “O tapete no centro de Arraiolos”

Museu da liturgia ausente

Museu da Liturgia
Rua Jogo de Bola, 15
Tiradentes (MG), Brasil 

Um museu que se diz “da liturgia” cria a expetativa de interpretar o culto, de interpretar o sentido dos rituais e de os relacionar com os princípios teológicos que os fundamentam, de justificar a forma e a função das alfaias. Cria a expetativa de uma abordagem antropológica na elucidação dos fenómenos sociais relacionados com a religiosidade. 

Museu da Liturgia.
Brasil, Tiradentes (MG)

O museu, inaugurado em 2012, ocupa a antiga casa paroquial, adjacente ao edifício da Câmara e nas proximidades da igreja matriz de Santo António. O acervo é constituído por cerca de 420 peças do período colonial mineiro, provenientes da paróquia de Santo António e totalmente restauradas.  Continuar a ler “Museu da liturgia ausente”

Desenho subjacente e imanente

“Drawing Room”
Lisboa, Sociedade Nacional de Belas Artes, 9 – 13 out. 2019

Drawing Room Lisboa
Foto: MIR, 2019

No início era o desenho. É o desenho que nos documenta e nos transmite a vida, o pensamento, as emoções do homem desde os tempos anteriores à história. O desenho sempre esteve lá, como impulso e como expressão, nas pinturas feitas no interior das grutas, nos traços gravados nas rochas, ou subjacente debaixo de camadas de tinta como suporte e guia da composição.

Continuar a ler “Desenho subjacente e imanente”

Capela-mundi: o catálogo

Santos, A. R., & Duarte, M. D. (2019). Capelinha das Aparições: Capela-mundi = Chapel of the ApparitionsWorld chapel. Fátima: Santuário de Fátima. (Arte e património, 3) 

A exposição Capela-múndi: Exposição temporária comemorativa do centenário da construção da Capelinha das Aparições afirmou-se como uma referência no âmbito da museologia da religião. Prestes a terminar, foi agora complementada com a publicação do respetivo catálogoem edição bilingue em português e inglês, tendo sido coordenado editorialmente por Ana Rita Santos e Marco DanieDuarteDiretor do Museu do Santuário de Fátima e comissário da exposição. O catálogo constitui o 3.º número da coleção Arte e património, na sequência de Francisco e Jacinta: Candeias que Deus acendeu (Duarte, 2012), catálogo das exposições comemorativas do centenário dos nascimentos dos Beatos Francisco e Jacinta Marto, e de Estudo científico da Escultura de Nossa Senhora do Rosário de Fátima (Coroado, & Duarte, 2017).   Continuar a ler “Capela-mundi: o catálogo”

Sarah Affonso: tempos, lugares e coisas simples

Exposição “Sarah Affonso e a arte popular do Minho
Curadoria: Ana Vasconcelos
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian, 12 jul, – 07 out. 2019

Exposição “Sarah Affonso: Os dias das pequenas coisas
Curadoria: Maria de Aires Silveira e Emília Ferreira
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, 22 mar. – 2 jun. 2019

Numa iniciativa pouco comum, dois dos principais museus portugueses, o Museu Calouste Gulbenkian (MCC) e o Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC) do Chiado, articularam as respetivas programações num projeto expositivo colaborativo sobre a vida e obra da artista modernista Sarah Affonso (1899-1983), no ano em que se comemora o 120.º aniversário do seu Nascimento.

Família
Sarah Affonso, 1937
Exposição “Sarah Affonso e a arte popular do Minho”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler “Sarah Affonso: tempos, lugares e coisas simples”

A arte e o sagrado num simpósio de Museologia

Simpósio Internacional Museologia e Arte: Aspetos Materiais e Imateriais do Património
XIII Aniversário do Programa de Pós-Graduação em Museologia e Património (PPG-PMUS) / VIII Aniversário do Doutorado
Rio de Janeiro, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), Museu do Amanhã; Minas Gerais (cidades históricas de São João del Rei, Tiradentes, Congonhas e Ouro Preto)
1 a 5 de agosto de 2019

Cartaz do Simpósio
UNIRIO, 2019

Continuar a ler “A arte e o sagrado num simpósio de Museologia”

“Encontro no canto da memória”: visita ao atelier de Mário Rita

“O que fica?, perguntas-me. Um encontro no canto da memória.”
Nuno Júdice, Oferenda

A perceção da obra de arte é influenciada pelo sujeito que a vê e pelo contexto em que é vista. Num museu ou numa galeria, vemo-la depurada, depois de sujeita ao escrutínio curatorial. A ida a um atelier é, por isso, uma viagem ao âmago da criação, no seu contexto original, na nudez dos artifícios, concedendo-nos a entrada no universo pessoal e íntimo do criador-artista. É, também, o privilégio da observação não contaminada pela visão de outros, pelo discurso do curador ou pelas análises dos críticos.

Atelier de Mário Rita
Lisboa, julho de 2019
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler ““Encontro no canto da memória”: visita ao atelier de Mário Rita”

Dia da espiga

“Como era dia da espiga, pelas veredas que as terras demarcavam, os grupos da gente operária com exércitos de pequenada, iam entre as searas, serpenteando com fatos de domingo, para colher o ramilhete de papoilas e espigas, que no dizer da lenda lhes traria ao ninho, felicidades e paz.” (Almeida, 1882, p. 74).

O Dia da Espiga ou Quinta-feira da Espiga coincide com a festa da Ascensão. Na tradição cristã, esta festa móvel celebra a elevação de Cristo aos céus, quarenta dias após a Ressurreição e marcando o fim da sua presença junto aos homens. Conforme o dito popular: “da Páscoa à Ascensão, quarenta dias vão “. A contagem dos dias após o Domingo de Páscoa implica que a festa calhe sempre à quinta-feira e, geralmente, no mês de maio, na décima-quarta semana da Páscoa (cfr. Atos 1, 3). Esta é uma festa dita ecuménica, no sentido em que é comemorada por todas as igrejas de matriz cristã. Não havendo registos anteriores ao século V, a Festa da Ascensão é mencionada por João Crisóstomo, Gregório de Níssa e Santo Agostinho, que afirma a sua origem apostólica e uma prática generalizada desde os tempos da Igreja primitiva. 

O dia d’a espiga
A. Rey Colaço, c. 1920 (?)

Continuar a ler “Dia da espiga”

APOM gratias!

Este blogue recebeu o Prémio APOM 2019, na categoria Comunicação Online.

Foi inesperado, apesar de a candidatura supor a hipótese de receber um prémio. Porém, tal como a criação do blogue se deve a uma insistência de amigos e, em particular, da Dália Guerreiro – quantas vezes terei ouvido: “Tens de começar um blogue!” –, foram também amigos que me incentivaram (ou, melhor, “obrigaram” 😊) a candidatá-lo a este prémio. Sem levar a candidatura muito a sério, confesso, tal como também não levo este blogue demasiado a sério. Por isso mesmo se designa a-muse-arte, brincando com “amuse(r)”, numa alusão a divertimento, e com “amuse(-bouche)”, um aperitivo ligeiro que se toma antes do alimento a sério.

Não considerei sequer a possibilidade de receber um prémio, ciente de que estes prémios se destinam a distinguir museus, pelo que também não preparei palavras de agradecimento para a eventualidade de o vir a receber. Como haveria de receber um prémio APOM, sem museu, nem coleção? Não considerei sequer essa possibilidade, nem mesmo depois de saber que tinha sido nomeado.

E, no entanto, o a-muse-arte ganhou um prémio!

Continuar a ler “APOM gratias!”

Prémios APOM 2019

A Associação Portuguesa de Museologia (APOM) atribui, anualmente, prémios a instituições, agentes ou projetos, em 27 categorias que contemplam as várias áreas da ação museológica: incorporação, colecionismo, mecenato, restauro, investigação, projetos de museografia e de museologia, exposições temporárias e reservas visitáveis, inovação e criatividade, filme, multimédia, trabalho jornalístico, educação e mediação cultural, comunicação virtual, informação turística. Este ano, a cerimónia da entrega de prémios aconteceu a 24 de maio, no Teatro Miguel Franco, em Leiria.

Troféu APOM
Série Luminescent.Mouseion.Opus
Fernando Quintas
2017
Vidro float com incrustações
Foto: APOM, 2019

Além de premiar o trabalho feito e de reconhecer o esforço, tantas vezes incompreendido, de quem trabalha nos museus, o mérito de quem ultrapassa os constrangimentos de recursos financeiros muito abaixo do necessário e de equipas diminutas, os prémios APOM constituem um incentivo para quem luta diariamente para cumprir a missão patrimonial e social do museu. Acresce o valor, não despiciendo, de estes prémios serem atribuídos entre pares.

Continuar a ler “Prémios APOM 2019”

Festa no museu

Se tivesse de eleger uma imagem que ilustrasse a festa que pode haver no museu, esta seria a minha escolha.
Se tivesse de escoher uma imagem que ilustrasse a maior conexão entre o museu, a obra e o público, esta seria também a minha escolha.

Visita à exposição “Graça Morais: Metamorfoses da Humanidade”
Lisboa, Museu do Chiado
Foto: MIR, 2019 (18 de maio)

Na visita à exposição “Graça Morais: Metamorfoses da Humanidade” – orientada pelas curadora/diretora do museu e pela artista, seguida por um grupo numeroso e eclético – o discurso na primeira pessoa abriu-nos a perspetiva da criação da obra (o momento, o lugar, a razão, o sentido) e da construção da exposição (as escolhas, a organização, o propósito, o sentido).

Continuar a ler “Festa no museu”

Dia Internacional dos Museus: o museu como centro cultural, ou o futuro da tradição

O Dia Internacional dos Museus, organizado pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM) foi celebrado pela primeira vez em 1977. Desde então, cada vez mais museus em todo o mundo têm vindo a participar no evento, que ocorre a 18 de maio, em ações que, em 2018, mobilizaram mais de 37.000 museus em 158 países.

Pare este ano, o ICOM escolheu, como tema do Dia Internacional dos Museus, “Os Museus como centros culturais: o futuro da tradição” que é, igualmente, o tema da Conferência Geral ICOM Kyoto 2019 (1-7 de setembro).

Dia Internacional dos Museus 2019: cartaz
ICOM, 2019

Continuar a ler “Dia Internacional dos Museus: o museu como centro cultural, ou o futuro da tradição”

O “eu” que se expõe nas Metamorfoses da Humanidade

Exposição “Graça Morais: Metamorfoses da Humanidade”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, 22 mar. – 2 jun. 2019

A exposição Metamorfoses da Humanidade apresenta um conjunto de mais de oito dezenas de desenhos e pintura sobre papel da pintora Graça Morais.

Exposição “Graça Morais: Metamorfoses da Humanidade”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler “O “eu” que se expõe nas Metamorfoses da Humanidade”

Maio, maduro maio: tradições algarvias

Os romanos festejavam entre 30 de abri e 3 de maio as “floralias”, a festa dos cereais e das flores. O festival romano era dedicado a Flora, a deusa das frutas e flores, e celebrava a fertilidade do solo, dos animais e das pessoas. Na Grécia, o Protomagia assinalava o auge da floração e, por isso, faziam-se coroas de flores e ramos verdes. Na tradição celta, o festival Beltane celebrava-se na primeira noite do mês, com danças à volta da fogueira.

Mayas. […] em Roma se celebrava com ramos, hervas, e capellas de flores no mes de Mayo, por ser o tempo em que as plantas saõ mais viçosas […] Mayas ainda hoje se usaõ em Portugal nos Domingos e dias Santos do mês de Mayo, pondo se em algumas ruas humas mesas, cubertas com alcatifas, ou outros pannos, e se assenta em cada huma dellas huma menina, ou moça, bem vestida, que pede dinheiro às pessoas que passaõ. (Bluteau, 1716, p. 372)

Maia
Estômbar
Chapéu de empreita feita por Ema da Silva e cozido por Mariana Jacinto
Foto: MIR, 2013

Continuar a ler “Maio, maduro maio: tradições algarvias”