Dois museus entre a paz e a guerra

Em Teerão, dois museus abordam os temas difíceis e controversos da paz e da guerra: o Museu da Paz de Teerão (موزه صلح تهران) e o Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa (موزه انقلاب اسلامی و دفاع مقدس). A ocorrência destes museus está contextualizada pela omnipresente memória da guerra Irão Iraque (1980-1988), iniciada por Saddam Hussein e onde foram utilizadas armas químicas sobre iranianos e curdos, provocando cerca de um milhão de vítimas:

In Iran, countless acres are dedicated to cemeteries for soldiers killed in the 1980s Iran-Iraq war. Endless tears of mourning and pride have fallen for loved ones lost in that “sacred defense”.  And numberless sermons and solemnities have turned martyrdom into the highest form of worship. (Peterson, 2007, 24 dez.)

O Museu da Paz, após um período inicial instável, reabriu ao público definitivamente a 29 de junho de 20111, num novo edifício construído no parque da cidade em pleno centro histórico. Membro da Rede Internacional dos Museus da Paz, o museu é recorrentemente distinguido como pelo comité nacional do ICOM como o melhor museu privado iraniano (em 2018, 2016, 2015, 2014). Junto à entrada, uma escultura com uma pomba pousada sobre um capacete de guerra caído anuncia o discurso.

Museu da Paz de Teerão
Teerão
Fotos: MIR, 2018

Continuar a ler “Dois museus entre a paz e a guerra”

  1. A data foi escolhida por o Dia da Campanha contra Armas Químicas e coincidir com o 24.º aniversário do ataque com gás em à cidade de Sardasht, no noroeste do Irão, e com. Para os iranianos, Sardasht é um símbolo do uso extensivo de armas químicas pelo Iraque na guerra contra o Irão. []

Ameaças ao património

O presidente dos Estados Unidos da América (EUA), num tweet do passado sábado deixou uma ameaça muito substantiva de um ataque rápido e duro àquilo que considera ser sítios patrimoniais de grande importância para a cultura do Irão:

“Let this serve as a WARNING that if Iran strikes any Americans, or American assets, we have targeted 52 Iranian sites (representing the 52 American hostages taken by Iran many years ago), some at a very high level & important to Iran & the Iranian culture, and those targets, and Iran itself, WILL BE HIT VERY FAST AND VERY HARD. The USA wants no more threats!” (United States. President (2017- : Trump), 2020, 4 jan., 11:52)

Pela imagem de si próprio que tem vindo a construir sobretudo desde que é presidente, não lhe podemos exigir – mas deve ser exigido ao presidente de um qualquer país e, sobretudo, de um dos países mais poderosos do mundo – que tenha consciência de que esses sítios patrimoniais não são de grande importância apenas para a cultura do Irão, mas para a cultura e para o “ser” de toda a humanidade.

O Irão tem, atualmente, inscritos 24 sítios na Lista do Património Mundial da Unesco. Depois do isolamento imposto por Aiatolá Khomeini e após o fim da guerra Irão-Iraque, Ali Khamenei permitiu uma maior, ainda que moderada, abertura do país. Contrariamente a alguns preconceitos difundidos no ocidente1, o governo iraniano, através do ICHTO (Organização Iraniana do património cultural, do artesanato e do turismo), protege e conserva o património. “Preserving its cultural heritage, identity, and authenticity have become a political aim, alongside a concern for the interpretation of Iran’s culture and history. […] Iran is reestablishing its mantle as the Gate of All Nations” (Roque, & Forte, 2019, p. 42)

Porta de Todas as Nações
Reinado do rei Aqueménida Xerxes I (486-465 a.C)
Irão, Persépolis, Takht-e Jamshid
Foto: Creative Commons License 3.0

Continuar a ler “Ameaças ao património”

  1. No grupo do Facebook “Arte, museus e património”, alguém afirmava: “Não existe cultura iraniana, existe cultura persa e o Irão já tratou de destruir quase tudo”. []

Olhar para 2020

31 de dezembro de 2019

No último dia do ano e no final da primeira década deste século, são inevitáveis as reflexões sobre o que se passou, em jeito de balanço. Torna-se imperioso o olhar meditativo, introspectivo, sobre o que fizemos, o que conseguimos, mas também sobre o que não realizamos e aquilo que perdemos. Nesta reflexão, em que se misturam conquistas e fracassos, ganhos e perdas, surgem as resoluções para o próximo ano, os nossos votos e desejos, quando, no fundo do nosso olhar, há apenas uma certeza: a vontade de ser feliz. 

É apenas esse o voto que formulamos a todos os que passam por aqui: que, em 2020, vivam tempos muito felizes.

Série Les Voyeurs (033)
Mário Rita, 2014
Técnica mista sobre papel.

Nota: Se os desenhos de Mário Rita ilustraram o Natal, porque não voltar a este outro desenho como epígrafe para o novo ano? Sobretudo, porque a obra de Mário Rita nos inspira e é merecedora do nosso olhar.

Natal de um Menino envolto em panos

“Hoje, na cidade de David, nasceu-vos um Salvador, que é o Messias, Senhor. Isto vos servirá de sinal para o identificardes: Encontrareis um Menino envolto em panos e deitado numa manjedoira” (Lc 2: 11-12)

Há, nas obras de Mário Rita, uma nostalgia que nos determina a memória de um tempo que já não é, de uma crença que desapareceu mas deixou uma cicatriz, ou um indício. Há, nas obras de Mário Rita, uma subtileza mística que nos convoca a uma peregrinação íntima ao mais profundo, talvez ao mais esquecido, daquilo que somos, daquilo que fomos.

Continuar a ler “Natal de um Menino envolto em panos”

O primeiro cartão de Boas-Festas: inglês… ou português?

Henri Cole terá sido o criador do primeiro cartão de Boas-Festas?

Segundo o sítio eletrónico do Victoria & Albert Museum, de que Henri Cole foi o diretor fundador, sim. Henry Cole foi um destacado funcionário público, patrono das artes, educador e inventor que, na década de 1840, teve um papel cruciak na reforma do sistema postal britânico, ajudando a criar o Uniform Penny Post, incentivando o envio de cumprimentos sazonais em papéis timbrados e cartões de visita decorados.

Cartão de Boas-Festas
John Callcott Horsley, 1843
Londres, Victoria and Albert Museum, n. MSL.3293-1987.

Em 1843, os correios lançaram um selo de 1 penny (centavo de libra esterlina), embaratecendo o envio da tradicional correspondência de Natal. Cole tinha uma enorme rede de amigos e conhecidos a quem cumpria enviar os votos natalícios e, na época vitoriana, seria uma imperdoável falta de etiqueta não o fazer. Revelando um espírito prático, Cole inventou uma estratégia que lhe permitia ganhar tempo e esforço: um cartão ilustrado com um tríptico, cujo desenho encomendou ao artista John Callcott Horsley, seu amigo pessoal. Horsley representou, ao centro, uma cena cercada por uma treliça decorativa, com a representação de três gerações da família Cole a brindar durante a ceia natalícia, enquanto, nas laterais, se representam atos de doação. A mensagem sintetizava o duplo sentido de Natal, entre a celebração e a caridade. Na entrada do diário de 17 de dezembro de 1843, Cole registou: “In the Evg Horsley came & brought his design for Christmas Cards”. Foram impressas mil cópias, personalizadas depois por uma saudação manuscrita.

O cartão foi posto à venda, mas o preço elevado não lhe permitiu o sucesso que só veio a alcançar posteriormente. No entanto, permitiu que Cole seja referido como o inventor do cartão de Natal.

Fernando Coburgo, 1839 Ass. e dat.: “Fernando Coburgo fecit, 1839” Sintra, Palácio Nacional da Pena, , inv. 3355/1 Foto: PSML /Ana Cristina Machado

No entanto, em Portugal, alguns anos antes, já o rei D. Fernando II, assinava e datava um cartão de Boas Festas: “Fernando Coburgo fecit, 1839”. Afinal, o primeiro cartão de Boas-Festas terá sido criado em Portugal.

Árvore de Natal, árvore da vida e do renascimento

Desde o antigo império persa, o cipreste é a árvore da vida, símbolo da eternidade e da imortalidade, devido à qualidade da madeira, durável e indestrutível, e da folhagem perene1, cujos óleos eram usados no combate à peste (Farahmand, 2020). A importância do cipreste na cultura persa está registada na representação dos desfiles processionais gravados nos palácios de Persépolis, ou jardins desenhados nas miniaturas persas (Dehkordi, 2017).

Jardim persa com cipreste
Miniatura em: Bayasanghori Shâhnâmeh (Livro dos reis), de Ferdowsi Tousi, 1430.
Fonte: Wikimedia Commons

Adding the rows of cypress trees adorning the walls of Persepolis, depicted under the guard of Persian soldiers, to the cypress trees remaining from the Islamic period, one better realizes the eternality of the cypress tree in Iranian culture, and becomes even more eager to discover the secret of this eternality. (Yazdkhasti, 2019, 20 Dec.)

Na antiga mitologia iraniana, o cipreste é uma das árvores que permite alcançar a eterna juventude: no texto primacial do zoroastrismo, Avesta, Zoroastro aponta para o cipreste, apelidando-o de árvore celestial e, numa descrição próxima do paraíso terrestre no Génesis bíblico, afirma que as suas folhas conferem o conhecimento, enquanto quem comer dos seus frutos se torna eterno. A palavra “paraíso” deriva do termo persa “pardis”, para designar um jardim fechado, normalmente cercado por ciprestes.

O cipreste está, também, associado ao culto solar: “Zoroastrian religion cypress is special tree of sun and birth and it is ever green and fresh tree stable against coldness and darkness. So there was a symbol of sunshine and life giving and sign of eternality and liberty and stability against dreadful forces” (Hadadi, Adelzadeh, & Jabari, 2012, p. 475). Por isso, numa tradição que remonta à era arsácida, em meados do século III a.C., a “Yalda”, a noite mais escura e mais longa do ano era celebrada junto a ciprestes decorados e iluminados, à volta dos quais eram deixados presentes (Hadadi et al., 2012). “Yalda” é uma palavra sírica importada para a língua persa, que significa nascimento, e na religião mitraísta Yalda designa o nascimento de Mitra. O culto solar propagou-se pela Ásia Menor, Médio Oriente e norte de África, atingindo as zonas mediterrânicas sob a influência das culturas grega e romana.

Celebração da noite Yalda
Miniatura in: Layla Majnun (cópia mogol), 1557-58
Londres, Bristish Library

O povo iraniano celebra a noite de Yalda a 21 de dezembro (Yazdkhasti, 2019, 20 Dec.). Reúnem-se em família ou em grupos de amigos, e festejam comendo nozes, melancia e romãs, frutas que restavam do último verão e cuja cor vermelha evoca as tonalidades do sol nascente e, por conseguinte, o renascimento. Ficam acordados para enfrentar as forças do mal, dominantes nessa noite, enquanto aguardam o dia seguinte em que Mitra domina.

Se a festa do nascimento de Cristo, no mundo ocidental, é uma persistência do culto solar a Mitra no solstício de inverno, o cipreste enfeitado de romãs é a imagem que inspira a árvore de Natal, uma árvore verde decorada com bolas vermelhas.

Referências bibliográficas:
Dehkordi, S. A. Studying the role and symbolic meanings of cypress tree in miniatures of “Shahnameh Tahmasbi”. Bagh-e Nazar, 13(45), 112-103.
Farahmand, H. (2020). The genus Cupressus L.: Mythology to biotechnology with emphasis on Mediterranean cypress (Cupressus sempervirens L.). Horticultural reviews, 47, 213-288. doi: 10.1002/9781119625407.ch5 
Hadidi, K., Adelzadeh, P., & Jabari, A. (2012). Survey on the status of cypress in Iran myths. Journal of Applied Environmental and Biological Sciences, 2(9), pp.475-479.
Roque, M. I. (2014, 24 dez.). A festa do Natal. A-muse-arte (blog). Acedido em https://amusearte.hypotheses.org/801
Roque, M. I. (2016, 27 dez.). Tradições de Natal. A-muse-arte. Acedido em https://amusearte.hypotheses.org/1659
Yazdkhasti, N. (2019, 20 Dec.).  The origin of the Christmas tree. Encountering with heritage (blog). Acedido em https://museumatter.blogspot.com/2019/12/for-iranians-cypress-persian-sarv-is.html

  1. Sendo uma árvore sempre-viva, tornou-se um símbolo de longevidade e de eternidade, o que a justifica nos cemitérios como sinal de crença na vida após a morte. []

Museus não precisam de ser neutros, mas devem ser independentes… e rigorosos

Nas aulas de Museologia, há três décadas, ainda ouvíamos a defesa da neutralidade do museu como o mais relevante e central objetivo do discurso museológico. Lembro-me de alguns de nós nos questionarmos acerca da (im)possibilidade de construir um discurso neutro, de nos libertarmos da subjetividade e do contexto. Discutíamos, também, se seríamos capazes de identificar e anular os preconceitos (ou pré-conceitos) que nos amarram. E, alguns de nós, defendíamos a possibilidade de enunciar uma perspetiva, a nossa perspetiva, se a fundamentássemos, isto é, se a assumíssemos como hipótese de partida, construindo o discurso museológico com o rigor da pesquisa científica na sua validação. Cada vez mais se consolidou esta ideia, ainda que alguns aspetos fossem sendo alterados e corrigidos.

Hoje, o ICOM assume uma posição idêntica. Suay Aksoy, Presidente do ICOM, no encontro anual do CIMAM “The 21st Century Art Museum: Is Context Everything?” (15-17 nov., Sydney, Museum of Contemporary Art Australia), assumiu que:

Museums have two dimensions that make them of extreme relevance regarding the profound social changes the world is currently undergoing. On one hand, they play a scientific role in regards to cultural heritage. […] Meanwhile, on another hand, museums are not neutral. They never have, and never will. They are not separate from their social and historical context. (Aksoy, 2019)

Suay Aksoy no CIMAM 2019
Sydney, Museum of Contemporary Art Australia

Continuar a ler “Museus não precisam de ser neutros, mas devem ser independentes… e rigorosos”

Natal dos ausentes

No passado dia 9 de dezembro, Bansky revelou, na página do Instagram, uma obra alusiva à época de Natal, pintada no bairro de joalheiros em Birmingham, através de um vídeo acompanhado pela seguinte legenda:

“God bless Birmingham.
In the 20 minutes we filmed Ryan on this bench passers-by gave him a hot drink, two chocolate bars and a lighter – without him ever asking for anything.”

Continuar a ler “Natal dos ausentes”

O urinol, a sanita, uma banana e fita-cola: a arte que se destrói a ela própria

Em 1917, Marcel Duchamp (ou Elsa von Freytag-Loringhoven1 expôs um urinol, em posição invertida e, portanto, destituído de função, assinado “R. MUTT” e datado “1917”.

Fonte
Marcel Duchamp, 1917
Foto: Alfred Stieglitz, 1917

Duchamp foi o pioneiro do Dadaísmo, cujo principal mérito terá sido o de forçar a questão acerca da definição de arte e o debate entre arte e conceito. Porém, o efeito contraditório é que o conceito tem vindo a sobrepor-se à arte, sem que se definam os campos próprios das artes plásticas, performativas e conceptuais, para lá das inevitáveis (e vantajosas) interconexões.

Continuar a ler “O urinol, a sanita, uma banana e fita-cola: a arte que se destrói a ela própria”

  1. Numa carta endereçada à irmã, Duchamp sugere ter sido uma amiga quem, sob o pseudónimo de Richard Mutt, a autora da obra Fonte, datada de 1917 e apresentada na Society of Independent Artists em Nova Iorque. Esta amiga seria Elsa von Freytag-Loringhoven (1874-1927), tal como é sugerido por Irene Gammel e Suzanne Zelazo (Freytag-Loringhoven, Gammel, & Zelazo, 2016). []

Lições de museografia na Gulbenkian

Exposição “Art on display: Formas de expor 1949-69
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 23 mar. – 31 dez. 2019

A comemoração dos 50 anos do Museu Gulbenkian (vd. A vida de Calouste Gulbenkian em exposição), inaugurado a 2 de outubro de 1969, é pretexto para sublinhar o enorme contributo no âmbito da museografia e, de forma particular, na forma como concebe, desenvolve e analisa os aspetos museográficos, não só no museu, como também – sobretudo? – nas exposições temporárias que nos ficam na memória1

Átrio do museu
Exposição “Art on display 1949-69”
Lisboa, FCG
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler “Lições de museografia na Gulbenkian”

  1. Há dias, num jantar de amigos, demos por nós a evocar exposições que nos marcaram e recuámos aos finais da década de 1970, lembrando-nos de algumas, como se tivesse sido ontem. Como nota negativa, apenas o facto de todos partilharmos o desgosto pelo desaparecimento do papel de parede em tons de verde no enquadramento da coleção Lalique. []

O Museu do Prado e as alterações climáticas

O Museu do Pardo uniu-se à organização World Wide Fund for Nature (WWF)1, numa campanha de alerta contra as alterações climáticas, a pretexto da Cimeira do Clima (COP25 – 25.ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas), organizada pela Nações Unidas e a decorrer até 13 de dezembro em Madrid.

Continuar a ler “O Museu do Prado e as alterações climáticas”

  1. O “Fundo Mundial para a Natureza” é uma organização não governamental (ONG) internacional para a defesa do meio ambiente que atua nas áreas da conservação, investigação e recuperação ambiental. []

Portugal é o melhor destino

Portugal ganha o prémio World’s Leading Destination 2019 (melhor destino do mundo) pelo terceiro ano consecutivo.

Na 25.ª anual cerimónia dos World Travel Awards (WTA), que decorreu esta quinta-feira em Muscat, capital de Omã, Portugal conquistou 13 prémios: o Turismo de Portugal é, também pelo terceiro ano consecutivo, o melhor organismo oficial de turismo; Lisboa, o melhor destino ‘city break’ do mundo; a Madeira, o melhor destino insular; os passadiços do Paiva (Arouca UNESCO Global Geopark), a melhor atração turística do mundo no segmento de aventura; os Parques de Sintra, o melhor organismo de conservação da natureza. Todos já haviam recebido antes as mesmas distinções o ano passado.

Rua Augusta, em Lisboa
Foto: Diana Quintela/GI, 2017

Continuar a ler “Portugal é o melhor destino”

Descolonizar o museu: o exemplo que vem do Rijksmuseum

O Rijksmuseum, museu nacional holandês, foi fundado em 1800, em Haia, de onde foi transferido, em 1808, para Amsterdão, onde ficou provisoriamente instalado no palácio real, mudando em 1855 para a sua localização atual, num edifício construído especificamente para o efeito, segundo projeto de Pertus J.H. Cuypers. Concebido segundo o modelo francês do museu do Louvre, este museu insere-se no modelo da museologia oitocentista, pautada por princípios eurocêntricos, nacionalistas e, obviamente, colonialistas. Ao longo dos anos, o museu sofreu sucessivas alterações respondendo ao contínuo crescimento dos seus acervos. A renovação mais recente restabeleceu a estrutura original de Cuypers, integrando a coleções num único circuito cronológico que conta a história da arte e da história holandesas. Ao mesmo tempo, o museu tem vindo a renovar e a atualizar o discurso museológico e as narrativas do seu passado.

Imagem de divulgação da exposição: Gezicht op de plantage Cornelis Vriendschap in Suriname; met verklarende lijst [Vista da plantação de Cornelis Vriendschap no Suriname; com legenda explicativa]
Amsterdão, Rijksmuseum

Continuar a ler “Descolonizar o museu: o exemplo que vem do Rijksmuseum”

A vida de Calouste Gulbenkian em exposição

Exposição “Calouste: uma vida, não uma exposição”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 23 mar. – 31 dez. 2019

Calouste Sarkis Gulbenkian nasceu a 23 de março de 1869, perto de Istambul, na Turquia Otomana, no seio de uma família de ricos comerciantes e filantropos arménios. Os 150 anos do seu nascimento coincidem com os 50 anos do Museu Calouste Gulbenkian, inaugurado em outubro de 1969, de acordo com as disposições testamentárias de Gulbenkian relativas à sua vastíssima coleção de arte. No âmbito desta dupla comemoração, o museu organizou uma exposição sobre Calouste Gulbenkian, comissariada por Paulo Pires do Vale, traçando uma cronologia da sua vida numa sequência retrospetiva que inicia na construção do museu, no cruzamento entre o homem e a obra póstuma do seu legado.

Calouste Sarkis Gulbenkian em jovem
Fotógrafo: [s.n]
[s.L.], [s.d.]
Lisboa, Arquivos Gulbenkian PT FCG FCG:CSCA-S001/01-FOTO00001

Continuar a ler “A vida de Calouste Gulbenkian em exposição”