Museus com máscaras de cera

Umberto Eco descreveu o diorama, uma estratégia de reconstrução de ambientes em contexto museológico como uma viagem na hiper-realidade, onde a representação da realidade (“the real thing”), através de um artifício ficcionado (“the absolute fake”) e, portanto, falso, se torna real e autêntico: “the diorama aims to estavlish itself as a substitute for reality, as something even more real” (Eco, 1986, p. 8). O facto é que todo o museu é, em si, uma ficção, mesmo se todos os objetos expostos forem autênticos; nunca serão totalmente autênticos, no sentido em que a função (a função-signo, diria Barthes, 1964, p. 106, II.1.4) e o contexto original que os justificava em ambiente real lhes foi truncado no museu, quando, em contrapartida, “everything looks real, and therefore it is real; in any case the fact that it seems real is real, and the thing is real” (Eco, 1986, p. 16). Umberto Eco não falava apenas de dioramas que assentam num método próprio, com técnicas exaustivamente descritas, para a reprodução de um momento específico, mas referia-se especificamente a museus de cera: “The contents of a European wax museum are well-known: ‘live’ speaking images, from Julius Caesar to Pope John XXIII, in various settings. As a rule, the environment is squalid, always, subdued, diffident.” (Eco, 1986, p. 8)

Museu de Cera: os três pastorinhos videntes Jacinta, Lúcia e Francisco
Fátima
Foto: MIR, 2017

Continuar a ler