Feliz Ano Novo!

Nem tudo terá sido mau em 2020, mas que 2021 seja para melhorar.

Quando, há um ano, fazíamos votos de um bom e feliz ano novo, não imaginávamos o tempo transformador que se avizinhava: a doença, a angústia, o medo, a distância, o isolamento e a solidão.

Alguns (muitos!) não sobreviveram, outros (muitos mais!) sofrem as marcas da doença e da solidão. No entanto, nós sobrevivemos e chegamos a este dia, com a esperança numa luz que se adivinha ao fundo do túnel de trevas e sombras em que deambulámos nos últimos meses. Se, há um ano, não imaginávamos a pandemia que estava a chegar e alcançaria cada recanto deste mundo definitivamente global, ainda que muito pouco igualitário, também seria impensável, há apenas alguns meses, que a vacina chegaria por estes dias.

Encontramos, entre as obras de Wang Qingsong, uma profética ilustração destes tempos tão estranhos.

Temporary ward 
Wang Qingsong, 2008
Caixa de luz, a partir de uma instalação  ao vivo com 300 figurantes, incluindo doentes e pessoal de saúde 
Newcastle, Northern Stage theater

Se, em Temporary Ward (Enfermaria temporária), se abarca a memória destes dias de doença e sofrimento, o espanto perante o efémero, afinal, tão inevitável e infinito, fixemo-nos na festa de Happy New Year (Feliz ano novo), onde o humor se alia a um tom de irreverência, mas onde tudo parece leve e luminoso, entre aquilo que podemos deixar cair e os sonhos que se elevem, como balões coloridos “entre as mãos de uma criança”, como dizia o poeta a propósito da Pedra Filosofal.

Happy New Year
Wang Qingsong, 2012
Instalação
Pequim, Tang Contemporary

Que, em 2021, renasçamos mais humanos e conscientes na construção de um mundo novo. Que 2021 seja um ano bom para todos nós e que todos sejamos melhores.

E que, no espírito de a-muse-arte, a arte e os museus continuem a servir para nosso contentamento.