Viagem entre peregrinação e turismo

A prática da deslocação a centros sagrados está já documentada em tribos pré-históricas em todos os continentes, e constitui uma realidade associada a todas as grandes religiões. De facto, a ocorrência de centros sagrados, isto é, de lugares hierofânicos que constituem uma rutura no espaço homogéneo do quotidiano e que os fiéis desejam visitar por motivos espirituais e de renovação pessoal, é inerente ao fenómeno religioso (Eliade, 2004). Regista-se, aqui, nesta necessidade de deslocação ao lugar sagrado, a génese do turismo religioso.

Cavalgada dos Magos
Sassetta (Stefano di Giovanni), ca. 1433–35
Nova Iorque, Metropolitan Museum of Art

Peregrinação (do latim per agros, isto é, pelos campos) significa, literalmente, uma deslocação entre lugares, tomando, ao longo do tempo o sentido de jornada realizada por um devoto a um lugar sagrado.

Continuar a ler

Novas vias da peregrinação: turismo, turismo cultural e turismo religioso

Turismo religioso é, em certa medida, um conceito contraditório: enquanto “turismo” se refere a uma atividade de lazer, superficial e consumista, a qualidade de “religioso” implica uma atitude de fé, profunda e comprometida com a espiritualidade do lugar. Ainda que assumindo que o sagrado e o profano constituem categoriais opostas, que mutuamente se excluem, a sua coexistência parece inevitável em fenómenos como este.

Santuário de Fátima
Foto: O Mirante, 2016

Continuar a ler