Guerreiros e mártires nos primórdios da nacionalidade

Exposição “Guerreiros e mártires: A cristandade e o islão na formação de Portugal”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga (20 nov. 2020 – 25 abr. 2021)

Em 2020, foi comemorado o “Jublieu dos Mártires de Marrocos e de Santo António”1, passados 800 anos sobre o martírio de um grupo de franciscanos italianos: os padres Berardo e Otão, o diácono Pedro e os leigos Acúrsio e Adjuto. Os cinco franciscanos passaram por Portugal, em 1219, a caminho de Marrocos, onde foram executados a 16 de janeiro de 1220 pelo miramolin2, o califa almóada Abu Yusuf al-Mustansir: “ElRey sahio de si de ira, & tomando com furor sua espada elle mesmo os matou com suas mãos, abrindo-lhes pello meyo as cabeças, & despois os degolou” (Rivadeneyra, 1674, p. 182). O infante D. Pedro, irmão do rei D. Afonso II, que os acompanhara a Marrocos, providenciou para resgatar os seus restos mortais e trazê-los para Coimbra, “obrando o Senhor alguns milagres em o caminho por sua intercessam” (id., p. 184)3.

Relicários dos Santos de Marrocos; à esquerda, casula feita a partir dos tecidos que envolveram as suas ossadas
Exposição “Guerreiros e mártires”
Foto: MIR, 2021

Continuar a ler “Guerreiros e mártires nos primórdios da nacionalidade”

  1. No âmbito das comemorações do ano jubilar, houve duas outras exposições, ambas em Coimbra: “Do martírio à santidade: Iconografia e devoção dos Mártires de Marrocos”, no Museu Nacional Machado de Castro; “De Fernão se fez António”, na antiga livraria do Mosteiro de Santa Cruz. []
  2. Título usado pelos historiadores medievais europeus para designar o califa de Bagdad e que, por extensão, passou a designar os soberanos muçulmanos. []
  3. A chegada solene das relíquias, impressionou Fernando de Bulhões, frade regrante de Santo Agostinho, que se encontrava na altura no Mosteiro de Santa Cruz e conhecera os mártires na sua passagem pela cidade, o que o levou a juntar-se à comunidade franciscana que se reunia num eremitério dos Olivais sob a invocação de Santo António do Deserto (Santo Antão), motivo pelo qual mudou o nome para António []