In memoriam George Floyd: arte de rua

O funeral de George Floyd, asfixiado pela força de um joelho sobre o pescoço, num ato de violência policial no passado dia 25 de maio, é hoje, 9 de junho. Ao longo destas duas semanas, George Floyd tornou-se o símbolo da luta contra o racismo e a discriminação, gerando um movimento de repúdio e revolta por todo o mundo. A par das manifestações organizadas pelo movimento Black Lives Matter que, no passado fim de semana, vandalizaram monumentos relacionados com o passado esclavagista ou com políticas opressoras das populações não-brancas (vd. Roque, 2020).

The Tragic Killing of George Floyd | Jewish Federation of Greater ...
Mural George Floyd
Xena Goldman, Cadex Herrera, Greta McLain, Niko Alexander e Pablo Hernandez, 2020
Minneapolis
Foto: Lorie Shaull

Continuar a ler “In memoriam George Floyd: arte de rua”

25 de abril e a arte saiu à rua

A Revolução de 25 de Abril, em 1974, levado a cabo pelo Movimento das Forças Armadas (MFA), depôs o regime ditatorial do Estado Novo, vigente desde 1933, e deu início à implementação de um regime democrático. Tal como o povo, também a arte saiu à rua. Os artistas que vinham a afirmar-se desde a década anterior, tanto os que regressavam, como os que não haviam chegado a sair do país, ansiavam por seguir as tendências vividas além Pirenéus e experimentar novas linguagens e exprimir livremente a sua criatividade. O ambiente revolucionário fomentou a renovação da participação cultural, num encontro fusional entre os artistas e o povo, onde eram recrutados os novos públicos da arte. A nova conjuntura estimulou o aparecimento da propaganda política em larga escala e a explosão da arte gráfica: a arte não só saiu à rua, como se lhe colou às paredes.

Mural alusivo ao 25 de abril
Foto: Henrique Matos, 1978

Continuar a ler “25 de abril e a arte saiu à rua”