A autofagia que engoliu o Museu Romântico

O Museu Romântico era isso mesmo: um espaço romântico, evocativo do espírito nostálgico e introspetivo do século XIX. Numa altura em que se pretende suscitar experiências sensoriais e emotivas no museu, este, apesar da apresentação convencional, cumpria esses desígnios, numa atmosfera que nos remetia para as páginas literárias carregadas de alvoroço amoroso e sentimentalismos exacerbados.

Museu Romântico
Porto

Continuar a ler “A autofagia que engoliu o Museu Romântico”

“Recuperação” da Fonte dos Anjinhos no Rossio e a palavra “Lisboa” em forma de árvore azul

Havia no Rossio, a Fonte dos Anjinhos, um bebedouro público de origem francesa, produzida pela fundição Antoine Durenne, em Sommevoire, na 2.ª metade do século XIX, segundo o modelo das fontes Wallace1, a qual se tornou imagem integrante da paisagem urbana, memória dos lisboetas e de todos os que por ali passavam como uma marca da praça.

Fonte dos Anjinhos, na Praça D. Pedro V (Rossio), em Lisboa
Joshua Benoliel, 1908
Lisboa, Arquivo Municipal de Lisboa

Continuar a ler ““Recuperação” da Fonte dos Anjinhos no Rossio e a palavra “Lisboa” em forma de árvore azul”

  1. As fontes Wallace, cujo nome deriva do seu idealizador, o filantropo inglês Sir Richard Wallace que doou 100 exemplares da fonte à cidade de Paris em 1872, com o intuito de dispensar água potável aos desvalidos e a todos os que, na rua, tivessem sede. Posteriormente, estas fontes espalharam por outras cidades em todo o mundo, incluindo Lisboa. Wallace delineou algumas orientações para a sua construção: ser suficientemente altas para que pudessem ser vistas e identificadas à distância, sem destruir a harmonia da paisagem urbana envolvente; ter uma forma que fosse adequada ao uso e. simultaneamente, agradável à vista; ser de baixo custo para permitir a difusão em alta escala; usar materiais resistentes aos elementos, fáceis de moldar e simples de manter. O escultor Charles Lebourg concebeu um pedestal sobre o qual quatro cariátides de inspiração grega, representado as figuras alegóricas da Bondade, da Caridade, da Sobriedade e da Simplicidade que sustentam uma cúpula. []

Tapada das Necessidades, entre a incúria e a fúria

Conta Vilhena Barbosa que, durante o surto de peste bubónica que assolou Lisboa em 1599, um casal da freguesia dos Anjos refugiou-se na Ericeira onde se entregaram à devoção de Nossa Senhora da Saúde, cultuada numa ermida perto da povoação. Acabado o perigo de contágio, furtaram a imagem, regressando com ela a Lisboa. Passaram a recolher esmolas para lhe erguer uma capela e Ana Gouveia de Vasconcelos oferecer um terreno no alto de Alcântara para a sua edificação, em 1607, a qual teve o patrocínio dos marítimos, constituídos em irmandade, e que acorriam ao poder intercessor da imagem nas suas aflições. “D’aqui lhe veiu [sic] o nome de Nossa Senhora das Necessidades, pois que promptamente acudia ás de todos aquelles que imploravam a sua protecção.” (Barbosa, 1862, p. 137)

A ela acorreu também D. João V durante uma crise que o paralisou:

Em 1742, adoecendo gravemente D. João V, fez conduzir para a sua camara a imagem de Nossa Senhora das Necessidades.
Melhorando o rei, atribuiu a sua cura a Nossa Senhora, e em agradecimento, substituiu a capella por um templo rico e sumptuoso, no mesmo logar onde existia a capella e com a mesma invocação; dando-lhe a prerogativa de capella real. (Leal, v. 4, p. 130).

Palácio das Necessidades
Desenho de Nogueira da Silva,
In: Archivo pittoresco: semanário ilustrado, 5(18), 137.

Continuar a ler “Tapada das Necessidades, entre a incúria e a fúria”

Era uma vez… um jardim de infância

Há cerca de um mês, a Câmara Municipal de Lisboa (“Antiga creche”, 2021, 26 jan.) anunciava que a “antiga creche do jardim da Estrela” iria dar “lugar a biblioteca do ambiente” e que “as obras de requalificação” começariam no início de fevereiro. Notícia a todos os níveis louvável, porque iria ser recuperado – não é isso que se depreende de umas obras de requalificação? – o antigo “edifício icónico projetado em 1882 pelo Arq. José Luiz Monteiro” e porque esta estrutura de madeira, sustentável, integrada num dos mais emblemáticos jardins da capital, era uma escolha tão acertada para uma biblioteca dedicada ao ambiente, que se tornava simbólica, valendo por aquilo que representa em termos ecológicos e de sustentabilidade, reforçada pelo restauro e preservação que deixava supor.

Planta e alçado do chalet para a escola Froebel, mandado construir pela Câmara Municipal de Lisboa no jardim da Estela
In Froebel. Revista de instrução primária, (1), p. 5

Continuar a ler “Era uma vez… um jardim de infância”

Ameaças ao património

O presidente dos Estados Unidos da América (EUA), num tweet do passado sábado deixou uma ameaça muito substantiva de um ataque rápido e duro àquilo que considera ser sítios patrimoniais de grande importância para a cultura do Irão:

“Let this serve as a WARNING that if Iran strikes any Americans, or American assets, we have targeted 52 Iranian sites (representing the 52 American hostages taken by Iran many years ago), some at a very high level & important to Iran & the Iranian culture, and those targets, and Iran itself, WILL BE HIT VERY FAST AND VERY HARD. The USA wants no more threats!” (United States. President (2017- : Trump), 2020, 4 jan., 11:52)

Pela imagem de si próprio que tem vindo a construir sobretudo desde que é presidente, não lhe podemos exigir – mas deve ser exigido ao presidente de um qualquer país e, sobretudo, de um dos países mais poderosos do mundo – que tenha consciência de que esses sítios patrimoniais não são de grande importância apenas para a cultura do Irão, mas para a cultura e para o “ser” de toda a humanidade.

O Irão tem, atualmente, inscritos 24 sítios na Lista do Património Mundial da Unesco. Depois do isolamento imposto por Aiatolá Khomeini e após o fim da guerra Irão-Iraque, Ali Khamenei permitiu uma maior, ainda que moderada, abertura do país. Contrariamente a alguns preconceitos difundidos no ocidente1, o governo iraniano, através do ICHTO (Organização Iraniana do património cultural, do artesanato e do turismo), protege e conserva o património. “Preserving its cultural heritage, identity, and authenticity have become a political aim, alongside a concern for the interpretation of Iran’s culture and history. […] Iran is reestablishing its mantle as the Gate of All Nations” (Roque, & Forte, 2019, p. 42)

Porta de Todas as Nações
Reinado do rei Aqueménida Xerxes I (486-465 a.C)
Irão, Persépolis, Takht-e Jamshid
Foto: Creative Commons License 3.0

Continuar a ler “Ameaças ao património”

  1. No grupo do Facebook “Arte, museus e património”, alguém afirmava: “Não existe cultura iraniana, existe cultura persa e o Irão já tratou de destruir quase tudo”. []

Terramotos sobre o património

O sismo que, na manhã de 30 de outubro, atingiu o centro de Itália, sobretudo em Marche e Umbria, mas sentindo-se também nas regiões de Abruzzo e Lazio, atingindo as cidades de Castelsantangelo sul Nera, Núrcia e Preci, com uma magnitude de 6.6 na escala de Ritcher, e as sucessivas réplicas, trouxeram-nos imagens de devastação e um sentimento de perda face aos monumentos caídos por terra. Este foi o mais forte sismo sentido em Itália desde 1980, mas a região já tinha sido violentamente atingida em 24 de agosto por um outro com a magnitude de 6.2, que matou cerca de 300 pessoas, para lá dos imensos danos materiais. Agora, não há notícia de mortos e esta é, definitivamente, uma imensa graça no meio de toda a tragédia. “Buildings are note people” (Jones, 2016, 30 out.), dizia, a propósito, o cronista de The Guardian. E isto deve ser a epígrafe de qualquer comentário acerca do património irremediavelmente perdido, quaisquer que sejam as ações de restauro que venham a acontecer.

Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, antes do sismo de out. 2016
Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, antes do sismo de out. 2016
Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, após o sismo de out. 2016
Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, após o sismo de out. 2016
Foto: Corriere della Sera

Continuar a ler “Terramotos sobre o património”