A incrível corrida dos Pokémon

Pokémon, contração dos termos japoneses Poketto Monsutā (Monstros de bolso) começou como por ser um videojogo (Poketto Monsutā Aka e Midori, verde e vermelho), criado por Satoshi Tajiri, lançado no mercado em 1996. Pouco depois, passou para as telas de cinema e para os ecrãs de televisão, Os Pokémon são criaturas monstruosas, geralmente baseadas em animais reais ou em criaturas da mitologia oriental, ou em entes inanimados e lendários.

Galeria de tipos Pokémon

Galeria de tipos Pokémon

Continuar a ler

Olhar com diferentes modos de ver

A imagem de um grupo de adolescentes, sentados numa sala do Rijksmuseum, em Amsterdão, junto à Ronda da Noite (aliás A companhia militar do capitão Frans Banning Cocq e o tenente Willem van Ruytenburg), de Rembrandt, concentrados na consulta de smartphones tem sido alvo de muita polémica e ponto de partida para muitas discussões, desde que, no passado mês de dezembro, começou a circular nas redes sociais.

Rijksmuseum, Amsterdam  Foto: Gijsbert van der Wal, 27 november 2014

Rijksmuseum, Amsterdam
Foto: Gijsbert van der Wal, 2014

Continuar a ler

Persistência e mudança: a difícil adesão dos museus às Humanidades Digitais

[Publicado, em simultâneo, no sítio do Dia das Humanidades Digitais #diahd14]

As novas tecnologias, além de criarem profundas transformações no espaço do nosso quotidiano, alteraram o paradigma epistemológico e metodológico das últimas décadas. Não será possível, ainda, avaliar objetivamente o impacto das novas tecnologias na cultura e na sociedade, mas é inevitável reconhecer as implicações do acesso hipermediático à informação. Hoje, somos detentores, quase involuntários, de grandes quantidades de dados, passando o investigador de “descobridor” a “selecionador-processador- redutor-organizador” da informação obtida, antes de efetuar a respetiva análise. É neste contexto que se formula uma questão de partida: como se reorienta a missão do museu na era digital? A partir desta, perfilam-se novas questões: de que forma se incorporam as Humanidades Digitais no museu? Em que consiste, agora, a função do curador, assumindo a coexistência do mediador-comunicador com a do conservador, após a longa tradição da prevalência das tarefas de conservação e preservação do património sobre a sua divulgação? Os conservadores e restantes profissionais dos museus estão dispostos a encarar a mudança? As tutelas estão, elas próprias, interessadas nessa mudança?

Utilização de recursos de Humanidades Digitais no Museum of Modern Art (MoMA) Foto: MIR, 2014.

Utilização de recursos de Humanidades Digitais no Museum of Modern Art (MoMA)
Foto: MIR, 2014.

Continuar a ler

Museus e tecnologia: uma realidade a dois ritmos

Uma deambulação pelas salas do Museu Nacional de Arte Antiga faz-se com uma reconfortante impressão de constância: são aquelas as obras que nos acostumámos a ver ao longo de décadas; são as mesmas salas, com as portas abertas numa sucessão quase infinita; é a mesma atmosfera familiar. E, no entanto, faz-se também com a grata descoberta de algum refrescamento: de repente, apercebemo-nos de outra sequência, uma peça que não nos lembrávamos de ver ali, uns suportes que foram renovados, a sugestão implícita de um novo percurso.

Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga Foto: MIR, 2014.

Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2014.

Continuar a ler