Ser ou não ser museólogo

RA abertura dos concursos para diretores de museu, os avanços e recuos que resultam em instruções contraditórias, a escolha de Rita Rato para diretora do Museu do Aljube, desencadeou um novo debate sobre o perfil de diretor de museu, à semelhança do que, há uns meses ocorreu em relação ao perfil de diretor do património cultural, na sequência da nomeação de Bernardo Alabaça. Curiosamente, houve quem se manifestasse contra esta nomeação, pela inadequação do perfil académico e profissional de Alabaça para o cargo, e desvalorizasse a formação e experiência de Rita Rato.

A questão de fundo diz respeito ao modelo de museu, ou, melhor, acerca daquilo que cada um concebe acerca do que é e do que deve ser o museu, variando as perspetivas consoante se priorize a coleção (o estudo e o conhecimento, a conservação e preservação) ou a sua interpretação e divulgação junto dos públicos (elaboração do discurso museológico, estratégias de comunicação e mediação).

Continuar a ler “Ser ou não ser museólogo”