Art and censorship

By Francisco Oliveira

Introduction

Perhaps one of the best ways to look at art should be to understand the artist’s foundations for his creations and the world that goes beyond his aspirations and inspirations. Nevertheless, when the artist touches last with his brush on the canvas, his work is no longer a personal possession. No longer expresses only his motivations and ideologies. It is, from then on, for the world to appreciate, interpret, and to own, in many different ways.

After a crescendo of a public and generalized idea towards the limits of the artistic work, trying to define them as clear as possible, and ultimately aiming to censor, it also became clear that there should be a response to these movements. As it has happened many times before, the confrontation between art and the currents that strive to limit her results in discussion, controversy, and – too often – in art’s defeat.

Image result for bronze statue of eros sleeping
Bronze statue of Eros sleeping, artist unknown, 3rd–2nd century B.C.

Continuar a ler “Art and censorship”

O Museu do Prado e as alterações climáticas

O Museu do Pardo uniu-se à organização World Wide Fund for Nature (WWF)1, numa campanha de alerta contra as alterações climáticas, a pretexto da Cimeira do Clima (COP25 – 25.ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas), organizada pela Nações Unidas e a decorrer até 13 de dezembro em Madrid.

Continuar a ler “O Museu do Prado e as alterações climáticas”

  1. O “Fundo Mundial para a Natureza” é uma organização não governamental (ONG) internacional para a defesa do meio ambiente que atua nas áreas da conservação, investigação e recuperação ambiental. []

Em torno da definição de museu

O museu é uma instituição permanente sem fins lucrativos, ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta ao público, que adquire, conserva, investiga, comunica e expõe o património material e imaterial da humanidade e do seu meio envolvente com fins de educação, estudo e deleite. (ICOM, 2007)1

Definir “o” museu parece redutor da pluralidade tipológica do museu. A função do artigo definido é a individualização do nome, de forma particular, precisa e objetiva. Neste caso, o artigo “o”, distingue o museu de outras instituições similares e subentende uma uniformização em função dos vários parâmetros incluídos na definição que constitui a sua marca identitária. Continuar a ler “Em torno da definição de museu”

  1. Versão portuguesa disponível em http://icom-portugal.org/2015/03/19/definicao-museu/ []

Imoral censura: o que se pode, ou não pode ver no museu

Devagar, lentamente, começaram a surgir indícios. Esparsos e irrelevantes, não ligámos. Continuaram, tornaram-se mais frequentes e preocupantes, ficou impossível não lhes darmos importância.

Quando, em 2011, o Museum of Fine Arts, em Boston, realizou a exposição “Degas and the nude”, em colaboração com o Musée d’Orsay, o escândalo estalou, face às representações do nu académico lado a lado com os “brothel monotypes”, estimulando um pendor voyeurista, curioso do universo íntimo, algo decadente, das prostitutas e dançarinas que enchem as telas de Degas. Pensámos que seria algo circunscrito à sociedade americana, tradicionalista e conservadora, que aproveitava para trazer à tona as acusações de antissemitismo e as suspeições em relação à vida celibatária do pintor.

Exposição “Degas and the Nude”
9 out. 2011 – 5 fev. 2012
Boston, Museum of Fine Arts
Foto: Flickr Hive Mind, 2011

Continuar a ler “Imoral censura: o que se pode, ou não pode ver no museu”

Entre a morte e a memória: o museu, segundo Valéry, Proust e Adorno

Num texto intitulado “Le problème des musées”1, o poeta Paul Valéry (1871-1945) exprime a melancolia sentida durante a visita às galerias do Museu do Louvre, declarando, à partida: “Je n’aime pas trop les musées. Il y en a beaucoup d’admirables, il n’en est point de délicieux” (p. 2). Compara, ainda, essas galerias, ou “ces solitudes cirées “ (p. 2), às igrejas e aos cemitérios, criando uma analogia entre o museu e o espaço sagrado do templo, num conceito retomado posteriormente para falar do comportamento dos visitantes (Duncan, 1995; Roque, 1990, 2016). Valéry descreve um espaço desconexo e intimador, onde a realidade (as obras de arte) se apresenta fora do contexto do tempo e do espaço e o visitante é obrigado a falar baixo, a manter uma atitude reservada e afastada das obras, apresentada de forma demasiado densa. O ambiente artificial, constrangedor, cansativo e exaustivo do museu influencia negativamente a forma como o visitante aprecia a obra de arte. A grande quantidade de obras expostas, demasiado próximas umas das outras, dificulta a fruição individual de cada uma, o que determina a superficialidade – “Nous devenons superficiels.” (Valéry, 1923, p. 7) – da relação entre o observador e a obra.

Continuar a ler “Entre a morte e a memória: o museu, segundo Valéry, Proust e Adorno”

  1. O texto de Paul Valéry foi publicado em Le Gaulois, a 4 de abril de 1923, e foi posteriormente incluído na antologia Œuvres (t. 2, pp. 1290-1293): Pièces sur l’art, editada por Jean Hytier e publicada em 1960, pela Gallimard, a partir da qual foi feita a versão digital que utilizamos. Existe uma versão em português: Valéry, P. (2008). O problema dos museus. Ars, 6(12), 31-24. []

Museus e tecnologia: uma realidade a dois ritmos

Obra convidada: São Tiago Maior, de José de Ribera
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 17 maio – 28 set. 2014

Uma deambulação pelas salas do Museu Nacional de Arte Antiga faz-se com uma reconfortante impressão de constância: são aquelas as obras que nos acostumámos a ver ao longo de décadas; são as mesmas salas, com as portas abertas numa sucessão quase infinita; é a mesma atmosfera familiar. E, no entanto, faz-se também com a grata descoberta de algum refrescamento: de repente, apercebemo-nos de outra sequência, uma peça que não nos lembrávamos de ver ali, uns suportes que foram renovados, a sugestão implícita de um novo percurso.

Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga Foto: MIR, 2014.
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2014.

Continuar a ler “Museus e tecnologia: uma realidade a dois ritmos”

Pagar, ou não pagar, o acesso à cultura, eis a questão

A questão não é recente. O debate acerca do pagamento da entrada em espaços de cultura e do preço justo dos ingressos não é de hoje, mas torna-se especialmente premente em tempos de crise. Em 2011, Francisco José Viegas, então Secretário de Estado da Cultura, anunciara a intenção de acabar com as entradas gratuitas nos Museus, o que motivou uma forte oposição, nomeadamente, por parte de Isabel Pires de Lima e de Gabriela Canavilhas, que haviam assumido a mesma tutela em Governos anteriores. Também Luís Raposo, na altura Presidente do ICOM, manifestou o seu desacordo, enquanto João Neto, presidente da Associação Portuguesa de Museologia, se pronunciou a favor da medida, defendendo, em entrevista ao pporto, o princípio do “utilizador pagador” (Pporto, 2011, 16 out.). A polémica prolongou-se e, em 2012, João Neto voltou a inflamou a discussão ao defender que o aumento do preço das entradas em museus e monumentos, então a ser preparado pela Direção-geral do Património para o ano seguinte, era imprescindível para fazer face aos custos inerentes. João Neto, na altura, mostrava-se ainda mais redutor do que a própria tutela, mostrando-se contrário à hipótese da gratuitidade nos museus para os desempregados. Em declarações à Lusa, citadas na comunicação social, afirmava: “Não consigo conceber que se paguem ninharias, como se fossem esmolas, porque os museus têm uma riqueza patrimonial e fundamental em termos de conhecimento e de integração das pessoas na sociedade” (cit. in Diário Digital e Lusa, 2012, 28 set.).

Fila de visitantes à entrada da Torre de Belém Lisboa, 2014
Fila de visitantes à entrada da Torre de Belém
Lisboa, 2014

Continuar a ler “Pagar, ou não pagar, o acesso à cultura, eis a questão”

O lado mais luminoso de Edvard Munch

Ao falar do lado negro de Paul Gauguin e ao ver alguns dos desenhos e xilogravuras que vão estar em exposição no MoMA, era inevitável lembrar Edvard Munch e comparar as faces negras e cadavéricas de um com as declinações do rosto contorcido do outro.

Se há ideias preconcebidas e truncadas em relação à obra de Gauguin, também há um preconceito redutor que limita Munch ao estereótipo de O grito.

Continuar a ler “O lado mais luminoso de Edvard Munch”

No museu: da interdição à emoção

“Ne pas toucher, ne pas courir, ne pas parler : les expositions sont souvent le lieu de toutes sortes d’interdits.” (Lequeux, 2014, 28 fev.)

A frase abre um artigo de Emmanuelle Lequeux, publicado no Le Monde, acerca da exposição “Des choses en moins, des choses en plus” (Paris, Palais de Tokyo à Paris, 14 de fevereiro – 2 de março 2014).

Não tocar, não correr, não falar…

Continuar a ler “No museu: da interdição à emoção”

Conceitos-chave de museologia

Desvallées, A., & Mairesse, F. (2014). Conceitos-chave de museologia. São Paulo: Armand Colin; Comitê Internacional para Museologia do ICOM; Comité Nacional Português do ICOM. Disponível em: http://icom.museum/fileadmin/user_upload/pdf/Key_Concepts_of_Museology/Conceitos-ChavedeMuseologia_pt.pdf

O ICOM Portugal acaba de divulgar a publicação do documento Conceitos-chave de Museologia, disponível em suporte digital (formato pdf pesquisável) e em linha. icom-conceitos-chave

Continuar a ler “Conceitos-chave de museologia”

O património numa viagem sem retorno

Le voyage de l’obélisque, Louxor / Paris (1829-1836)
Paris, Musée national de la Marine, 12 février – 6 juillet 2014

Ao contrário do que possa parecer, o obelisco que se encontra na praça da Concórdia, em Paris, não foi espoliado pelos franceses e trazido ilicitamente para França.

O que não os iliba absolutamente da responsabilidade de descontextualização de um grande número de vestígios de culturas e civilizações passadas, tendo dado início a um vasto fenómeno de expedições de recolha de antiguidades no Médio Oriente

Continuar a ler “O património numa viagem sem retorno”