Entre a morte e a memória: o museu, segundo Valéry, Proust e Adorno

Num texto intitulado “Le problème des musées”1, o poeta Paul Valéry (1871-1945) exprime a melancolia sentida durante a visita às galerias do Museu do Louvre, declarando, à partida: “Je n’aime pas trop les musées. Il y en a beaucoup d’admirables, il n’en est point de délicieux” (p. 2). Compara, ainda, essas galerias, ou “ces solitudes cirées “ (p. 2), às igrejas e aos cemitérios, criando uma analogia entre o museu e o espaço sagrado do templo, num conceito retomado posteriormente para falar do comportamento dos visitantes (Duncan, 1995; Roque, 1990, 2016). Valéry descreve um espaço desconexo e intimador, onde a realidade (as obras de arte) se apresenta fora do contexto do tempo e do espaço e o visitante é obrigado a falar baixo, a manter uma atitude reservada e afastada das obras, apresentada de forma demasiado densa. O ambiente artificial, constrangedor, cansativo e exaustivo do museu influencia negativamente a forma como o visitante aprecia a obra de arte. A grande quantidade de obras expostas, demasiado próximas umas das outras, dificulta a fruição individual de cada uma, o que determina a superficialidade – “Nous devenons superficiels.” (Valéry, 1923, p. 7) – da relação entre o observador e a obra.

Continuar a ler

  1. O texto de Paul Valéry foi publicado em Le Gaulois, a 4 de abril de 1923, e foi posteriormente incluído na antologia Œuvres (t. 2, pp. 1290-1293): Pièces sur l’art, editada por Jean Hytier e publicada em 1960, pela Gallimard, a partir da qual foi feita a versão digital que utilizamos. Existe uma versão em português: Valéry, P. (2008). O problema dos museus. Ars, 6(12), 31-24. []

Museums and digital humanities: from the divide to the bridges

In recent times, many (well, maybe not so many!) projects have been announced, introducing Digital Humanities in museums. Slowly but surely, museums are decreasing the divide that separates them from the digital tools.

F. no Lisboa Story Center Foto: MIR, 2014.

F. no Lisboa Story Center
Foto: MIR, 2014.

Continuar a ler

Museus e tecnologia: uma realidade a dois ritmos

Uma deambulação pelas salas do Museu Nacional de Arte Antiga faz-se com uma reconfortante impressão de constância: são aquelas as obras que nos acostumámos a ver ao longo de décadas; são as mesmas salas, com as portas abertas numa sucessão quase infinita; é a mesma atmosfera familiar. E, no entanto, faz-se também com a grata descoberta de algum refrescamento: de repente, apercebemo-nos de outra sequência, uma peça que não nos lembrávamos de ver ali, uns suportes que foram renovados, a sugestão implícita de um novo percurso.

Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga Foto: MIR, 2014.

Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2014.

Continuar a ler

Pagar, ou não pagar, o acesso à cultura, eis a questão

A questão não é recente. O debate acerca do pagamento da entrada em espaços de cultura e do preço justo dos ingressos não é de hoje, mas torna-se especialmente premente em tempos de crise. Em 2011, Francisco José Viegas, então Secretário de Estado da Cultura, anunciara a intenção de acabar com as entradas gratuitas nos Museus, o que motivou uma forte oposição, nomeadamente, por parte de Isabel Pires de Lima e de Gabriela Canavilhas, que haviam assumido a mesma tutela em Governos anteriores. Também Luís Raposo, na altura Presidente do ICOM, manifestou o seu desacordo, enquanto João Neto, presidente da Associação Portuguesa de Museologia, se pronunciou a favor da medida, defendendo, em entrevista ao pporto, o princípio do “utilizador pagador” (Pporto, 2011, 16 out.). A polémica prolongou-se e, em 2012, João Neto voltou a inflamou a discussão ao defender que o aumento do preço das entradas em museus e monumentos, então a ser preparado pela Direção-geral do Património para o ano seguinte, era imprescindível para fazer face aos custos inerentes. João Neto, na altura, mostrava-se ainda mais redutor do que a própria tutela, mostrando-se contrário à hipótese da gratuitidade nos museus para os desempregados. Em declarações à Lusa, citadas na comunicação social, afirmava: “Não consigo conceber que se paguem ninharias, como se fossem esmolas, porque os museus têm uma riqueza patrimonial e fundamental em termos de conhecimento e de integração das pessoas na sociedade” (cit. in Diário Digital e Lusa, 2012, 28 set.).

Fila de visitantes à entrada da Torre de Belém Lisboa, 2014

Fila de visitantes à entrada da Torre de Belém
Lisboa, 2014

Continuar a ler

O lado mais luminoso de Edvard Munch

Ao falar do lado negro de Paul Gauguin e ao ver alguns dos desenhos e xilogravuras que vão estar em exposição no MoMA, era inevitável lembrar Edvard Munch e comparar as faces negras e cadavéricas de um com as declinações do rosto contorcido do outro.

Se há ideias preconcebidas e truncadas em relação à obra de Gauguin, também há um preconceito redutor que limita Munch ao estereótipo de O grito.

Continuar a ler

O lado negro de Gauguin

Exposição “Gauguin: Metamorphoses”
Nova Iorque, Museum of Modern Art (MoMA), 8 março – 8 junho 2014

Num relance, o nome de Paul Gauguin evoca-nos uma vida boémia e aventureira, uma arte colorida e luminosa em ambientes exóticos… Os museus, as exposições, os catálogos têm confirmado esta perspetiva, insistindo na temática taitiana.

Continuar a ler

No museu: da interdição à emoção

“Ne pas toucher, ne pas courir, ne pas parler : les expositions sont souvent le lieu de toutes sortes d’interdits.” (Lequeux, 2014, 28 fev.)

A frase abre um artigo de Emmanuelle Lequeux, publicado no Le Monde, acerca da exposição “Des choses en moins, des choses en plus” (Paris, Palais de Tokyo à Paris, 14 de fevereiro – 2 de março 2014).

Não tocar, não correr, não falar…

Continuar a ler

Conceitos-chave de museologia

Desvallées, A., & Mairesse, F. (2014). Conceitos-chave de museologia. São Paulo: Armand Colin; Comitê Internacional para Museologia do ICOM; Comité Nacional Português do ICOM. Disponível em: http://icom.museum/fileadmin/user_upload/pdf/Key_Concepts_of_Museology/Conceitos-ChavedeMuseologia_pt.pdf

O ICOM Portugal acaba de divulgar a publicação do documento Conceitos-chave de Museologia, disponível em suporte digital (formato pdf pesquisável) e em linha. icom-conceitos-chave

Continuar a ler

O património numa viagem sem retorno

Le voyage de l’obélisque, Louxor / Paris (1829-1836)
Paris, Musée national de la Marine, 12 février – 6 juillet 2014

Ao contrário do que possa parecer, o obelisco que se encontra na praça da Concórdia, em Paris, não foi espoliado pelos franceses e trazido ilicitamente para França.

O que não os iliba absolutamente da responsabilidade de descontextualização de um grande número de vestígios de culturas e civilizações passadas, tendo dado início a um vasto fenómeno de expedições de recolha de antiguidades no Médio Oriente

Continuar a ler

O grilhão do museu

Na noite da passado sábado, o museu Guggenheim foi palco de um protesto levado a cabo por uma coalização de grupos autodenominada Gulf Ultra Luxury Faction (GULF). Durante cerca de 20 minutos, ao longo dos parapeitos da rampa do museu, ergueram faixas e gritaram o protesto contra as condições de trabalho nos estaleiros do Guggenheim Abu Dhabi nos Emiratos Árabes Unidos.

Front cover of an informational brochure distributed during the February 22nd intervention.  Author: Noah Fischer of Occupy Museums.

Front cover of an informational brochure distributed during the February 22nd intervention.
Author: Noah Fischer of Occupy Museums.

Continuar a ler