Deambulações no Dia Internacional dos Museus: Museu de Arte Contemporânea e Museu Bordalo Pinheiro

O dia dos museus é pretexto para deambulações pelos museus, aproveitando o tom de festa e de celebração, a programação diferente, as exposições que são inauguradas. Calhando o dia 18 de maio num dia útil, torna-se necessário conciliar horários de trabalho – e, ontem, também, com uma queda que, tendo rasgado as calças, obrigou a uma troca de roupa e, também, a uma maior lentidão – e gerir a frustração face a tudo o que fica por ver e que irá ocupar a agenda dos próximos dias.

A escolha caiu no Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC) e no Museu Bordalo Pinheiro (MBP). As razões poderiam ter sido muitas, quer pelas diferenças entre ambos, como as tutelas, modelos de gestão, coleções, museografia, quer pelas afinidades possíveis de encontrar. Porém, a verdade é que a escolha teve a ver sobretudo com o gosto pessoal. E, assumindo o quanto somos influenciados pelas redes sociais, a forma como ambos os museus se mantiveram ativos e dinamizaram a interação com as suas audiências, determinou a escolha no universo de possibilidades dentro desse gosto pessoal. Ficou adiada a ida ao Museu de Arte Antiga (se não fosse a queda!), à sala Lalique do Museu Gulbenkian, às exposições do Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal, inauguradas à noite (fica a promessa, Joanna Latkta) …

Exposição “Meu Amigo: Obras e documentos da coleção Ernesto de Sousa (1921-1988)”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea
Foto: MIR, 2021
Exposição “Pé d’orelha: Conversas entre Bordalo e Querubim”
Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro
Foto: MIR, 2021

Em ambos os museus visitados, é comovente assistir ao regresso do público, ver os espaços animados de gente e constatar a vontade que todos sentíamos de voltar a ver “aquelas” obras com a emoção de um reencontro.

Continuar a ler “Deambulações no Dia Internacional dos Museus: Museu de Arte Contemporânea e Museu Bordalo Pinheiro”

Da recuperação à reimaginação: a lição do Museu de Arte Contemporânea em tempo de confinamento

O Museu Nacional de Arte Contemporânea manteve uma atividade exemplar em tempos de confinamento, com um conjunto de propostas inovadoras que ultrapassavam a mera transposição das atividades convencionais do museu para o suporte digital (vd. A reinvenção dos museus em época de confinamento: O exemplo que vem do MNAC) em duas vertentes essenciais: estratégias participativas que integravam a ação do público alargado a uma escala, literalmente, global; criação de conteúdos que passam a constituir fontes primárias para a historiografia da arte contemporânea.

Fotograma extraído dos vídeo “O Fungagá das Artes 16” no Youtube

O envolvimento do público passou, sobretudo, pelo “Fungagá das artes”, iniciativa conjunta do MNAC e da Fundação Millenium BCP, um curso de artes, pintura e desenho, dirigido maioritariamente pelo pintor Nelson Ferreira e transmitido regularmente aos fins de semana no canal Youtube. A par da intenção didática e lúdica, as sessões tinham uma componente muito interativa, dinamizando um contínuo diálogo entre o formador, o museu e os seus participantes, cujos comentários escritos apareciam em destaque sobre a imagem.

Exposição no MNAC dos desenhos com recriações da pintura O Grupo de Leão
Imagem: Facebook MNAC, 21 de abril 2021

Os participantes eram convidados a partilhar os seus desenhos nas redes sociais, utilizando as hashtags #mnacportugal e #ofungagádasartes, mas também a enviá-los pelo correio. Foi o caso da sessão 16, dedicada à pintura O Grupo de Leão, de Columbano Bordalo Pinheiro (1857-1929), a meio da qual o MNAC propôs “convidar os nossos amigos de todos os sítios do mundo para esta festa do Grupo do Leão”. Da observação e recriação da obra, passou à imersão no tema representado. Além disso, em contradição com a intangibilidade do encontro virtual, provocou a sua materialização através do envio dos desenhos. Os indivíduos que constituíam a audiência tornaram-se produtores de narrativas visuais e as suas obras ganharam o estatuto de objeto museal e, como tal, foram inseridos num espaço do percurso expositivo após a reabertura do museu.

Série “O processo criativo: Depoimentos de artistas” no Youtube
Fotogramas extraídos dos vídeos de Mário Rita, em cima, de The Lisbon wire Man (David Oliveira), ao meio, e de Joanna Latka, em baixo.

A criação de conteúdos inéditos é particularmente relevante na série de vídeos “O processo criativo: Depoimentos de artistas”, dando visibilidade a mais de uma centena de artistas contemporâneos, permitindo-lhes falar na primeira pessoa sobre os seus processos criativos.

Em vídeos de pequena duração, raramente excedendo os 5 minutos, os depoimentos são tão variados quanto as expressões plásticas. Se a maioria dos artistas não gosta de verbalizar sobre a sua obra, aqui são levados à construção de um discurso textual. Concisos ou eloquentes, objetivos ou subjetivos e introspetivos, racionais ou emotivos, descritivos ou interpretativos, estes depoimentos afastam-se dos discursos de eruditos e críticos. Aqui, a forma como cada um concebe o seu depoimento também se constitui como signo; os próprios silêncios, como os espaços em branco, têm um significado que contribui para elucidar a obra e para conhecer o seu criador. Com esta série, o MNAC um corpus documental de indiscutível importância para o estudo da arte contemporânea, ao mesmo tempo que disponibiliza o conhecimento dos artistas aos públicos coevos e futuros.

Ao mesmo tempo que recupera a sua missão através da conexão estabelecida com públicos e da criação e disponibilização do conhecimento, o museu reimagina a formalização das funções museológicas aplicando novos métodos de atuação e utilizando os instrumentos e técnicas disponíveis de forma criativa e sustentável. Dessa forma, cumpre os desígnios enunciados na epígrafe proposta pelo ICOM para o Dia Internacional dos Museus em 2021 e, com isso, sugere vias de atuação para que aqueles possam ser cumpridos.

Imagem de topo:  Hilda Frias, 2020.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Da recuperação à reimaginação: a lição do Museu de Arte Contemporânea em tempo de confinamento," in a.muse.arte , 2021/05/18, https://amusearte.hypotheses.org/7332.

Sarah Affonso: tempos, lugares e coisas simples

Exposição “Sarah Affonso e a arte popular do Minho
Curadoria: Ana Vasconcelos
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian, 12 jul, – 07 out. 2019

Exposição “Sarah Affonso: Os dias das pequenas coisas
Curadoria: Maria de Aires Silveira e Emília Ferreira
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea, 22 mar. – 2 jun. 2019

Numa iniciativa pouco comum, dois dos principais museus portugueses, o Museu Calouste Gulbenkian (MCC) e o Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC), articularam as respetivas programações num projeto expositivo colaborativo sobre a vida e obra da artista modernista Sarah Affonso (1899-1983), no ano em que se comemora o 120.º aniversário do seu Nascimento.

Família
Sarah Affonso, 1937
Exposição “Sarah Affonso e a arte popular do Minho”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler “Sarah Affonso: tempos, lugares e coisas simples”

O “eu” que se expõe nas Metamorfoses da Humanidade

Exposição “Graça Morais: Metamorfoses da Humanidade”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea, 22 mar. – 2 jun. 2019

A exposição Metamorfoses da Humanidade apresenta um conjunto de mais de oito dezenas de desenhos e pintura sobre papel da pintora Graça Morais.

Exposição “Graça Morais: Metamorfoses da Humanidade”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea 
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler “O “eu” que se expõe nas Metamorfoses da Humanidade”

Narrativas de uma coleção acidentada

No mínimo invulgar: uma semana antes da inauguração da exposição da Coleção SEC, no Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC), o diretor do museu, David Santos apresentou a demissão alegando “incompatibilidades insuperáveis” com a tutela.

David Santos, no Museu do Chiado
David Santos, no MNAC

A coleção da Secretaria de Estado da Cultura (SEC), conhecida como Coleção SEC, é um acervo de quase um milhar de obras, adquiridas pelo estado desde 1976 – muito por ação de Fernando Calhau, simultaneamente artista, funcionário da Secretaria de Estado, além de membro fundador e diretor do Instituto de Arte Contemporânea – com obras representativas, em particular, das décadas de 1960 a 1980 e da produção dos mais relevantes artistas portugueses contemporâneos: Vieira da Silva, Júlio Pomar, Lourdes Castro, René Bértholo, Helena Almeida, Julião Sarmento, Menez, Carlos Botelho, Carlos Calvet, Catarina Baleiras.

Continuar a ler “Narrativas de uma coleção acidentada”