O que diz uma rua acerca de Lisboa renascentista

Exposição “A cidade global: Lisboa no Renascimento
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 24 fev. – 9 abr. 2017

A exposição baseia-se na obra homónima, The global city: On the streets of Renaissance Lisbon, editada por Annemarie Jordan Gschwend e K.J.P. Lowe, em 2016. A obra recebeu o prémio Almirante Teixeira da Mota, atribuído pela Academia Naval de Lisboa. Entre outros elogios da crítica, Theodore K. Rabb, afirmou no Times Literary Supplement:

What may be the most remaskable about this book is the high standard of interdisciplinary scholarship that it maintains. […] This is modern historical inquiry at its best: clear, precise, forthcoming about problems of evidence, and relentlessly focused on its central questions; what does this street tell us about Lisbon, and what does the movement of goods and people was essential to Portuguese Empire tell us about the world Lisbon shaped? (Rabb, 2016, 10 feb.)

A ideia de transformar esta obra numa representação museográfica da Lisboa quinhentista tornou-se realidade no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA).

A polémica das vistas da Rua Nova

No entanto, a exposição transformou-se em muito mais e do aquilo que era para ser.

Primeiro, porque a inauguração foi sendo sucessivamente atrasada, obrigando a reduzir o prazo de abertura dos quatro meses inicialmente previstos, para cerca de mês e meio, devido aos compromissos com os museus ou colecionadores particulares que cederam cerca de 250 peças. Atendendo a que os custos com empréstimos, seguros, montagem e desmontagem, transporte, se mantêm praticamente inalterados, seria previsível que o investimento tivesse fraco retorno.

Segundo e sobretudo, porque a exposição foi antecedida de acesa polémica entre investigadores, como há muito tempo não víamos, ultrapassando os corredores da academia, para ganhar o campo fértil dos jornais e, de imediato, das redes sociais. Como não há má publicidade, a curiosidade que atingiu o grande público agiu como propaganda eficaz e a exposição tem tido uma inusitada afluência de público, com frequentes filas de espera e o espaço expositivo frequentemente superlotado. Ou seja, esta polémica atenuou os efeitos do atraso e a elevada afluência de público significa receitas de bilheteira e o retorno financeiro que se julgava comprometido.

Vista da Rua Nova dos Mercadores: Rua Nova dos Ferros com a esquina do Largo do Pelourinho Velho
Autor flamengo desconhecido, 1570-1619
Óleo sobre tela
Londres, col. Kelmscott Manor, Society of Antiquaries of London
Imagem: Society of Antiquaries of London

Continuar a ler

A queda de um arcanjo

Domingo, Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), final de uma manhã com entrada gratuita, um visitante brasileiro a procurar o melhor enquadramento para uma foto ou uma selfie… e, no instante seguinte, a escultura de São Miguel Arcanjo caída por terra, partida.

Imagem partilhada por Nuno Miguel Rodrigues no Facebook

Imagem partilhada por Nuno Miguel Rodrigues no Facebook

Continuar a ler

O museu que vamos deixar de ver

Exposição “Obras em reserva: O museu que não se vê”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 18 maio 2016 – 23 out. 2016

Há um irresistível fascínio na visita às reservas. É a possibilidade de espreitar aquilo a que só alguns têm acesso, o inacessível que escapa à norma do exposto, aquilo que está vedado e se torna, por isso mesmo, mais apetecível à nossa curiosidade e a um inevitável impulso voyeurista. O horizonte onírico de quem se cinge ao espaço definido da cena expositiva, na expetativa do que se encontra em bastidores.

Exposição "O museu que vamos deixar de ver": núcleo 1 Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga Foto: MIR, 2016

Exposição “O museu que vamos deixar de ver”: núcleo 2
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2016

Continuar a ler

Museografia renovada no Museu de Arte Antiga: exposição de escultura e pintura portuguesa

No passado dia 14 de julho, o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) reabriu o terceiro piso, dedicado à escultura e pintura portuguesas.

Há praticamente uma década que o terceiro piso se circunscrevia aos corredores sobrecarregados no perímetro do átrio. As obras de renovação deste piso, realizadas ao longo dos últimos seis meses1, permitiram a reabertura das salas situadas na retaguarda do anterior espaço expositivo e, sobretudo, envolveram a reformulação da museografia e do discurso museológico. Agora, com treze salas2, são expostas 243 obras (152 de pintura e 91 de escultura), as quais foram alvo de limpeza ou de restauro, sendo algumas apresentadas pela primeira vez.

Os painéis de São Vicente Nuno Gonçalves, c. 1470 Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga

Os painéis de São Vicente
Nuno Gonçalves, c. 1470
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2016.

Continuar a ler

  1. As obras tiveram início a 11 de janeiro. Durante este tempo, os Painéis de São Vicente, considerados uma das obras mais emblemáticas do museu e, por isso, muito procurada pelos visitantes, foi colocada provisoriamente numa das salas do primeiro piso do museu. []
  2. O museu numera as salas do terceiro piso de 1 a 13. Não obstante, a imprensa tem vindo a divulgar que, após a reabertura deste piso, a exposição ocupa 16 salas. A discrepância entre os números justifica-se pelo facto de os jornalistas contabilizarem como salas independentes os dois corredores laterais (com exposição de esculturas) da zona central, ao longo da caixa de escada, bem como a sala que lhe fica no topo. []

Ponto de viragem: um novo modelo de gestão para o Museu Nacional de Arte Antiga

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) é o nosso museu de referência.
Não sendo o primeiro museu português numa ordem cronológica, o museu abriu ao público a 12 de junho de 1884, com a designação de Museu de Belas Artes e Arqueologia, com a mais relevante coleção pública do património móvel artístico do país:

“No acervo, dominavam as tipologias chamadas de «belas-artes»: a pintura, proveniente do depósito de S. Francisco; a colecção de objectos litúrgicos de ourivesaria, transferida em 1867 da Casa da Moeda para a Academia; as colecções de escultura e artes decorativas vindas dos conventos femininos; e mesmo o acervo de desenhos, gravuras, arte ornamental e arqueologia, que vinha a ser adquirido pelo museu. A incorporação dos bens oriundos dos conventos das freiras, relançada pela Lei de Abril de 1861, conferiu maior homogeneidade à colecção deste museu como repositório da história da arte nacional.” (Roque, 2011, p. 59)

Inauguração da Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental, no Museu Nacional de Bellas Artes <br> O occidente. (21 Jan. 1882). 5(111), 17.

Inauguração da Exposição Retrospectiva de Arte Ornamental, no Museu Nacional de Bellas Artes
O occidente
Lisboa: Lallement Frères. Ano 5, vol. V, n.º 111 (21 Jan. 1882), p. 17.

Continuar a ler

#ComingOutMNAA: o museu na “nossa” na rua

2015/10/03, aqui se dava conta da iniciativa #ComingOutMNAA, sugerindo que “se os transeuntes da rua não vão ao museu, vai o museu ter com os transeuntes da rua”. Na altura, referia que o “contraste entre o museu e a rua era mais acentuado em Londres”, onde a National Gallery criou o projeto The Grand Tour, para levar algumas das mais emblemáticas obras da coleção às ruas de Convent Garden, Soho e Chinatown, enquanto, em Lisboa, o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) optou pelas zonas mais turísticas do Chiado e Bairro Alto. Porém, não são estas as ruas que faltam ao museu.

ComingOut MNAA Lisboa, Largo de S. Carlos Foto: MIR, 2015

ComingOut MNAA
Lisboa, Largo de S. Carlos
Foto: MIR, 2015

O “Robin das Artes” – dois jovens que não querem ser identificados – completa o círculo de forma magistral: ao longo das semanas, aproveitando a madrugada e com o engenho da oportunidade, retiraram quatro quadros (dos catorze desaparecidos) que deslocaram – “Não é um roubo, é um deslocamento”, como dizem ao Observador (cit. in Coelho, 2015, 6 dez.) – para a outra “margem”, no sentido literal do termo. Estão expostos como se estivessem no museu, com a respetiva moldura e a tabela informativa com um breve texto explicativo.

O “Retrato do Conde de Farrobo”, o “São Damião”, o “Retrato do Senhor de Noirmont” e “Conversação” estão agora junto dos públicos “marginalizados”, excluídos dos espaços privilegiados da cultura, ignorados enquanto recetores potenciais do discurso museológico.

São Damião, Mestre desconhecido, c. 1460-1470.  Av. Prof. Rui Luís Gomes, Almada Foto: André Costa, 2015.

Conversação, Pieter de Hooch, 1663-1665
Almada
Foto: André Costa, 2015.

O “Robin das Artes” refaz e, em certa medida, corrige o processo desencadeado pelo MNAA, instalando-os nos lugares mais (in)esperados, nos bairros populares de Almada e do Seixal, nas antípodas do museu. É aqui que, por fim, o desafio ganha amplitude.

São Damião, Bartolomé Bermejo, c. 1460-1470 Almada, Av. Prof. Rui Luís Gomes Foto: André Costa, 2015.

São Damião, Bartolomé Bermejo, c. 1460-1470
Almada, Av. Prof. Rui Luís Gomes
Foto: André Costa, 2015.

São estes os públicos que desafiam a ação mediadora do museu. Talvez quem aqui mora não costume ir ao museu, mas certamente nunca se sentiu convidado. Talvez não saiba que obras são estas, porque nunca ninguém lhes contou, nem explicou. E se alguém se sentir intrigado e desafiado a ir, a compreender e a saber, que o museu os saiba acolher.

Finalmente, agora, o museu está na rua, pendurado nas paredes de prédios sociais, inserido no quotidiano da gente comum.

Agora, sim, o museu está na “nossa” rua.

Referência e fonte das imagens:
Coelho, S. O. (2015, 6 dez.). ‘Robin das Artes’ tirou quatro quadros do Chiado e deu-os ao Miratejo. Observador. Acedido em http://observador.pt/2015/12/06/robin-das-artes-tirou-quatro-quadros-do-chiado-e-deu-os-ao-miratejo/

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "#ComingOutMNAA: o museu na “nossa” na rua," in a.muse.arte , 2015/12/06, https://amusearte.hypotheses.org/1118.

Joyeuse Entrée entre outras pompas e circunstâncias

O Museu Nacional de Arte Antiga expõe, pela primeira vez em Portugal, aquela que é considerada uma das mais antigas e rara perspetiva de Lisboa, pertencente à coleção do Castelo de Weilburg, na Alemanha. A vista da cidade, que se apresenta engalanada, serviria de projeto à entrada triunfal de Filipe II em Lisboa, no ano de 1619.

Joyeuse Entrée Autor desconhecido, 1613 Castelo de Weilburg Foto: Museu Nacional de Arte Antiga

Joyeuse Entrée
Autor desconhecido, 1613
Castelo de Weilburg
Foto: Museu Nacional de Arte Antiga

Sabe-se muito pouco acerca do historial desta obra: não se conhece o autor; na pintura, está explícita a data “1613”, ano em que esteve planeada uma vinda do rei a Portugal, a qual acabou por só acontecer cerca de seis anos mais tarde; não se sabe em que circunstâncias foi pintada; tampouco se percebe como ingressou no castelo de Weilburg onde foi localizada recentemente por Andreas Gehlert.

Gehlert desvendou a pintura em outubro de 2008, no Gabinete de Estudos Olisiponenses, numa conferência intitulada “Uma esplêndida vista de Lisboa no Castelo de Weilburg, Alemanha”, inserida no âmbito do programa comemorativo do centenário do nascimento do Padre António Vieira, seguido da notícia intitulada “Uma esplêndida vista de Lisboa no Castelo de Weilburg, Alemanha”, publicada na revista Monumentos (2008, dez.). Descrevia-a como um quadro panorâmico de grande formato e considerava-a como a mais importante fonte iconográfica de Lisboa durante a era filipina, avançando tratar-se de um pedido do vice-rei Cristóvão de Moura e por ocasião da visita do rei Filipe III de Espanha. Mais recentemente, em 2014, A. Gehlert publicou o estudo “The Weilburg painting showing the Lisbon entry of 1619 in its historical and pictorial context”, na Revista de História da Arte, 11, número temático sobre Estudos de Lisboa, da responsabilidade do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa.

A Joyeuse Entrée de Filipe II em Lisboa e outras “Pompas e circunstâncias”[1]

Na Europa medieval, há notícia de palanques ornamentados com tecidos e tapeçarias ou de armações com arcos e festões de flores por ocasião de festas populares, cortesãs ou religiosas. “Os pórticos das igrejas são o cenário das plataformas, dos palcos de todo o teatro festivo.” (Atanásio, 1984: 55) Uma pintura datada de cerca de 1522, representando a chegada das relíquias de Santa Auta à Igreja da Madre de Deus, mostra o aparato do cortejo religioso, junto à entrada do templo onde se ergue um altar e um púlpito revestidos a tecidos de estofo rico e adamascado, cobrindo parte do pórtico, já de feição manuelina e cuja ornamentação se terá inspirado nos “arcos e demais arranjos efémeros das festas” (Atanásio, 1984: 55).

Continuar a ler

É, outra vez, uma pintora chamada Josefa… Acerca dos textos da exposição no Museu de Arte Antiga

Exposição “Josefa de Óbidos e a Invenção do Barroco Português
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 16 maio – 6 set. 2015

É a primeira vez que, neste blogue, escrevo duas vezes sobre o mesmo assunto. E não o faria se a Maria Vlachou não me tivesse referido – em comentário público no Facebook – que a experiência que teve nesta exposição não era assim tão positiva como a contava em Era uma vez uma Era uma vez uma pintora chamada Josefa. Acontece que Maria Vlachou é voz creditada em assuntos de comunicação cultural1 e as sua opiniões nesta matéria merecem ser ouvidas, até porque é das poucas pessoas entre nós a refletirem publicamente sobre isto.

Eu gostei da exposição; os “meus adolescentes”, que costumo usar como barómetro da eficácia comunicativa dos museus ou das exposições a que vamos, também gostaram a ponto de perder a noção do tempo.

Exposição "Josefa de Óbidos": entrada Museu Nacional de Arte Antiga Foto: MIR, 2014

Exposição “Josefa de Óbidos”: entrada
Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2014

Continuar a ler

  1. Dispensa apresentações, mas é a fundadora e diretora da Acesso Cultura e autora do blogue Musing on Culture. []

Era uma vez uma pintora chamada Josefa…

Exposição “Josefa de Óbidos e a Invenção do Barroco Português
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 16 maio – 6 set. 2015

A exposição “Josefa de Óbidos e a Invenção do Barroco Português” é mais do que a apresentação da pintora e da sua obra. A propósito desta exposição, apetece dizer “era uma vez”, porque aqui se conta uma história, entre tramas e contextos que se cruzam, narrativas que se sucedem acerca dos seus lugares, dos tempos, das relações e das referências que construíram a vida e a arte de Josefa de Óbidos.

Há muito tempo que não gostava tanto de uma exposição. E devo confessar que não sou (ou não era) apreciadora de Josefa de Óbidos, apesar da revelação iniciada por Nuno Vassalo e Silva, numa visita sem pressas, em 1991, na Galeria D. Luís, já deserta após o fecho da exposição. Mesmo assim, não consegui ultrapassar o preconceito acerca de uma pintura aparentemente monocórdica e ingénua, com uns Meninos corados, de corpinho rechonchudo percetível sob a camisinha rendada, barros decorados com laços de seda e cestas de flores e frutas…

Menino Jesus, Salvador do Mundo (3) Exposição "Josefa de Óbidos..." Foto: MIR, 2015

Menino Jesus, Salvador do Mundo (3)
Exposição “Josefa de Óbidos”
Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2015

Continuar a ler

“Título, autor e data”: o que diz uma tabela?

A comunicação no museu passa pela decifrar o que está exposto. Mas pode uma tabela1 com o registo do “título, autor e data”, por vezes, com o material e as dimensões, traduzir o significado da obra? Permitem, estes dados, descodificar o sentido da obra?

A informação, mesmo quando sucinta e redutora, pode ser redundante e inexpressiva. “Autor desconhecido” pode ser pertinente enquanto não-informação, ou seja, onde é a ausência dos dados o elemento significativo, mas será este um dado definitivo para a compreensão da obra? Também a referência à data, embora a situe numa linha cronológica, fornece, ao visitante comum, alguma informação sobre o contexto em que obra foi criada, ou sobre a complexidade de sistemas culturais, ideológicos, sociais, económicos, que a determinaram a ser daquela, e não de outra, forma?

Tabela da custódia de Belém no Museu Nacional de Arte Antiga Foto: MIR, 2014

Tabela da custódia de Belém no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA)
Foto: MIR, 2014

Continuar a ler

  1. Tende a generalizar-se a designação tabela – há tempo, numas provas de mestrado, o arguente advertiu o aluno para o “erro” de designar “legenda”, um termo desatualizado, em vez de “tabela”. Não obstante, legenda significa, etimologicamente, “as coisas que são para ler, que devem ser lidas” e pode designar a informação escrita que informa, comenta ou ajuda a interpretar uma imagem, pelo que a sua aplicação em contexto museológico não pode ser considerada errada. []

O Museu de Arte Antiga em discurso direto

Tenho, com o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), uma antiga relação de amor. Como muitas relações de amor duradoras, também esta é um contínuo desenrolar de encontros e desencontros, de amuos e reconciliações, de exigências e desilusões.

Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga

Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga

Continuar a ler

Tanto esplendor e glória para tão pouco contar

Exposição “Splendor et gloria: Cinco joias setecentistas de exceção
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 24 set 2014 – 4 jan. 2015

O título da exposição Splendor et gloria: Cinco joias setecentistas de exceção, no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) sugere e sublinha que esta é uma oportunidade rara. As notas oficiais confirmam o estatuto de singularidade – quer do procedimento museológico, quer da qualidade das peças expostas – através de uma adjetivação superlativada: “Um dos mais ambiciosos projetos do MNAA”, “o esplendor artístico”, “obra-prima”, “dois artistas excecionais”, “peças de exceção”, “um acervo a todos os títulos excecional” (MNAA, 2014a). Nuno Vassallo e Silva, Diretor Geral do Património Cultural, concorre a este discurso laudatório, afirmando que “as peças de assinalável importância artística e patrimonial, são de incontestável primeira água […], fazendo desta exposição uma das mais importantes alguma vez realizada pelo Museu das Janelas Verdes, sob a direção de António Filipe Pimentel” (MNAA, 2014b, p. 9).

Exposição Splendor et gloria Foto: MIR, set. 2014

Exposição Splendor et gloria
Foto: MIR, set. 2014

Continuar a ler

Museus e tecnologia: uma realidade a dois ritmos

Uma deambulação pelas salas do Museu Nacional de Arte Antiga faz-se com uma reconfortante impressão de constância: são aquelas as obras que nos acostumámos a ver ao longo de décadas; são as mesmas salas, com as portas abertas numa sucessão quase infinita; é a mesma atmosfera familiar. E, no entanto, faz-se também com a grata descoberta de algum refrescamento: de repente, apercebemo-nos de outra sequência, uma peça que não nos lembrávamos de ver ali, uns suportes que foram renovados, a sugestão implícita de um novo percurso.

Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga Foto: MIR, 2014.

Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2014.

Continuar a ler

Os tesouros da Casa de Saboia em Lisboa

Exposição “Os Saboias. Reis e Mecenas (Turim, 1730-1750)
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 17 maio – 28 set. 2014

A exposição chega ao fim no próximo domingo, coincidindo com as Jornadas Europeias do Património, o que faz prever um epílogo com grande afluência, na sequência da popularidade alcançada ao longo dos últimos meses.

Vista da antiga ponte sobre o Pó, em Turim, de Bernardo Bellotto. Foto: Público, Sandra Ribeiro.

“Vista da antiga ponte sobre o Pó”, em Turim, de Bernardo Bellotto.
Foto: Público, Sandra Ribeiro.

Na sequência da exposição “Rubens, Brueghel, Lorrain: A paisagem do Norte no Museu do Prado“, também esta decorre igualmente da parceria entre o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) e a empresa Everything is New, que assegura o investimento inicial, a museografia e a comunicação, tendo em contrapartida a receita da bilheteira até um montante previamente acordado, a partir do qual se reparte a 50% com a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC). De acordo com os dados publicados no sítio eletrónico da Everything is New, a exposição já foi vista por mais de 19.000 visitantes, muito aquém, portanto, dos 80.000 que viram a exposição do Prado.

Continuar a ler