Um tesouro real entre muitos brilhos e seus reflexos

Supponhamos que se completavam a aza direita, e as incompletas, do palacio […]. Como é fabrica vastissima, na ala que lhe construíssem de novo se poderia instalar faustosamente a Bibliotheca chamada da Ajuda, anexada d’um museu, onde as colleções de pinturas e obras d’arte sobrantes do adorno dos palacios reaes, estaria catalogada e reunida […].
(Fialho de Almeida, 1906, p. 502)

A exposição permanente do tesouro real português há muito que era reclamada e, por isso, tem sido aclamada e celebrada desde a abertura do Museu do Tesouro Real1, na ala poente do Palácio Nacional da Ajuda (PNA).

Passados 226 anos, muitos projetos abandonados entretanto2 e muitas intenções frustradas, o palácio foi finalmente rematado a poente com um projeto de João Carlos Santos, atual diretor-geral do Património Cultural em regime de substituição3, numa intervenção arquitetónica contemporânea circunscrita aos limites da massa edificada preexistente.

Passaram também 20 anos sobre o roubo das joias da coroa portuguesa em exposição no museu municipal de Haia, na Holanda, ocorrido a 2 de dezembro de 2002, o qual constituiu um grave atentado ao património artístico e simbólico nacional, tendo o empréstimo de quinze joias emblemáticas sido alvo de intensa polémica por se destinar a uma apresentação de cariz didático numa instituição que não conseguia garantir a segurança necessária. Porém, foi a indemnização de 6,1 milhões de euros recebida em 2006 que permitiu esta obra por decisão da então ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, com o anunciado objetivo de albergar a exposição permanente do tesouro real. A obra teve início em 2016, através de um protocolo de colaboração entre a Direção Geral do Património (DGPC), a Associação de Turismo de Lisboa (ATL) e a Câmara Municipal de Lisboa (CML).

Casa-forte
Lisboa, Museu do Tesouro Real
Foto: MIR, 2022

Continuar a ler “Um tesouro real entre muitos brilhos e seus reflexos”

  1. O museu abriu ao público no dia 1 de junho de 2022 []
  2. Entre os vários planos apresentados, estão os projetos pioneiros apresentados ao longo do século XIX por Manuel Caetano de Sousa (1738-1802), com uma proposta barroca, José Costa e Silva (1747-1819) numa linguagem neoclássica, Francisco Xavier Fabri (1761- 1817) que sugeria a expansão do palácio para norte, António Francisco Rosa (séc. XVIII-1829), optando por uma solução mais reduzida do edifício, e Joaquim Possidónio Narciso da Silva (1806-1896) que recomendava a reorganização dos diversos espaços, tornando-os mais modernos e cómodos. Posteriormente, Raul Lino (1879-1974) apresentou dois projetos datados de 1935 e 1944. João Nuno Seabra, da Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN), apresentou um projeto, o único que foi efetivamente iniciado, em 1978, tendo sido interrompido devido a um acidente e cuja estrutura foi demolida em 1976. Duarte Lino Pimentel, em 1984, Gonçalo Byrne, em 1989 e por encomenda direta do Instituto Português do Património Cultural (IPPC, estrutura que antecedeu a atual DGPC – Direção Geral do Património) e Vasco Massapina, em 2012, também apresentaram estudos prévios para rematar o palácio a poente. []
  3. João Carlos Santos, foi designado diretor-geral do Património Cultural, em regime de substituição, no passado dia 3 de junho, por despacho do ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva. João Carlos Santos já ocupava este cargo desde a exoneração de Bernardo Alabaça, em junho de 2021, pela então ministra da Cultura, Graça Fonseca. []
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search