A arte que vem das ilhas do ouro branco

Exposição “As ilhas do ouro branco: Encomenda artística na Madeira: Séculos XV-XVI
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 16 nov. 2017 – 18 mar. 2018

Esta segunda ilha [a Madeira] acharom boa, specialmente de muy nobres auguas corredyas, que levam pera regar a qualquer parte que querem; e começarom ally de fazer suas sementeiras muy grandes, de que lhes vierom muy abastosas novidades. De y virom a terra de boõs ares e saadya, e de muytas aves, que logo no começo tomavam com as maãos, e assy muytas bondades que acharam na dicta ilha.
Gomes Eanes de Zurara (1841, p. 387)

João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira, após o descerco de Ceuta, terão seguido para a costa africana com o propósito de combater os mouros e, devido a um temporal acostaram à ilha de Porto Santo1 Depois de dar a nova ao Infante D. Henrique, regressaram à ilha na companhia de Bartolomeu Dias que a quis povoar. Daí avistaram, então, um negrume a quebrar a linha do horizonte e “partiram em taõ boa hora que com pouca difficuldade lhes quiz Deos deparar outra Ilha também deserta, muito mòr que a do Porto Santo, à qual por ser chea de bosques puzeraõ nome de Madeira” (Góis, 1724, p. 24). Damião de Góis, na Crónica do Príncipe D. João registou o descerco em 1419, o que aponta para a chegada ao arquipélago no ano seguinte; Jerónimo Dias Leite, cronista madeirense e autor da obra Descobrimento da Ilha da Madeira, situa os factos no verão de 1419.

Exposição “As ilhas do ouro branco”
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2017

Continuar a ler

  1. O arquipélago madeirense era conhecido, pelo menos, desde meados do século XIV, sendo conhecidas as representações cartográficas das ilhas, no Atlas Medicis de Mediceo (c. 1370), na carta atribuída aos irmãos Pizzigani (1367), no planisfério catalão de Abraão Cresques (1375), na carta de Solleri (1385) e na carta de Pinelli, de 1390. []