Cruz processional da Sé do Funchal: Diferentes modos de ver

… uma cruz grande dourada, que de prata pesa
oitenta e dois marcos, vinte onças e duas oitavas …

“Ordem régia a João de Barros, tesoureiro, para que entregue a Álvaro Lopes, cónego da Sé do Funchal, a prata destinada à mesma Sé”
Lisboa, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Cabido da Sé do Funchal, mç. 10, n.º 17, PT/TT/CSF/017/M10/17.

Funchal tinha sido elevado à categoria de cidade em 1508, o bispado tinha sido criado em 1514 e a Sé do Funchal, a primeira do “resto do mundo” tinha sido consagrada em 1517, altura em que já estava concluído a capela-mor com o seu monumental retábulo (o único desta época que se conserva íntegro e in situ) quando rei D. Manuel ordenou mandou lavrar um conjunto de vinte alfaias de prata para engrandecer o tesouro catedralício, as quais chegaram à ilha em 1528, já depois da morte do rei. Depois de ultrapassar várias vicissitudes, como o saque dos corsários franceses em 1566, ou as alterações do gosto que no século XVIII ditaram o desaparecimento das antigas alfaias, desse espólio manuelino restam quatro peças: porta-paz (MASF62), caldeirinha (MASF436), maça de porteiro (MASF65) e cruz processional (MASF56).

Cruz processional (pormenor do verso)
Ourivesaria Portuguesa, Lisboa (?), c. 1527
Prata dourada, relevada e cinzelada
Alt. 127 cm x larg. 55 cm
Prov.: Sé do Funchal
Funchal, MASF56
Foto: Arquivo MASF

Continuar a ler

Uma lição de museologia numa exposição temporária

Exposição “500 anos da dedicação da Sé do Funchal: Fé, arte e cultura: Um olhar sobre a obra do Padre Pita Ferreira”
Funchal, Museu de Arte Sacra do Funchal, 18 out. 2017 – 31 mar. 2018

Pode um museu subsistir quando uma parte considerável do espólio em exposição permanente é cedido a outra instituição, durante alguns meses? Pode! E a confirmação surge através de uma lição de museografia – e, por conseguinte, também de museologia – dada pelo Museu de Arte Sacra do Funchal (MASF), a apontar ainda vias de diálogo e cooperação entre instituições, apesar das diferentes missões e distintas tutelas.

Exposição “500 Anos da dedicação da Sé do Funchal “: núcleo 1, vista geral da sala 1
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa / Arquivo MASF, 2017

Continuar a ler

A arte que vem das ilhas do ouro branco

Exposição “As ilhas do ouro branco: Encomenda artística na Madeira: Séculos XV-XVI
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 16 nov. 2017 – 18 mar. 2018; prolongamento até 31 mar. 2018.

Esta segunda ilha [a Madeira] acharom boa, specialmente de muy nobres auguas corredyas, que levam pera regar a qualquer parte que querem; e começarom ally de fazer suas sementeiras muy grandes, de que lhes vierom muy abastosas novidades. De y virom a terra de boõs ares e saadya, e de muytas aves, que logo no começo tomavam com as maãos, e assy muytas bondades que acharam na dicta ilha.
Gomes Eanes de Zurara (1841, p. 387)

João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira, após o descerco de Ceuta, terão seguido para a costa africana com o propósito de combater os mouros e, devido a um temporal acostaram à ilha de Porto Santo1 Depois de dar a nova ao Infante D. Henrique, regressaram à ilha na companhia de Bartolomeu Dias que a quis povoar. Daí avistaram, então, um negrume a quebrar a linha do horizonte e “partiram em taõ boa hora que com pouca difficuldade lhes quiz Deos deparar outra Ilha também deserta, muito mòr que a do Porto Santo, à qual por ser chea de bosques puzeraõ nome de Madeira” (Góis, 1724, p. 24). Damião de Góis, na Crónica do Príncipe D. João registou o descerco em 1419, o que aponta para a chegada ao arquipélago no ano seguinte; Jerónimo Dias Leite, cronista madeirense e autor da obra Descobrimento da Ilha da Madeira, situa os factos no verão de 1419.

Exposição “As ilhas do ouro branco”
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2017

Continuar a ler

  1. O arquipélago madeirense era conhecido, pelo menos, desde meados do século XIV, sendo conhecidas as representações cartográficas das ilhas, no Atlas Medicis de Mediceo (c. 1370), na carta atribuída aos irmãos Pizzigani (1367), no planisfério catalão de Abraão Cresques (1375), na carta de Solleri (1385) e na carta de Pinelli, de 1390. []