Museu que nasce torto

No programa eleitoral para a câmara de Lisboa, em 2017, Fernando Medina, eleito presidente do município, propunha a criação de um museu dedicado à expansão portuguesa, permitindo subentender-se uma estratégia de promoção e oferta turística enquadrada por esta euforia política que motiva ações tão díspares como a reposição da carreira do elétrico 24, ou a criação de canteiros de flores nos separadores das avenidas. A mediatização alcançada permite-nos concluir que o assunto está longe de ser consensual, a começar pela designação como Museu das Descobertas.

A questão não é nova, nem se limita a um debate no âmbito da museologia e do património. A maior parte dos museus europeus criados no século XIX têm um ineludível cunho colonialista, assente no conceito da supremacia do homem branco e das civilizações que o enquadram.

Saleiro
África, Benim, primeiro quartel do século XVI
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga

Continuar a ler