Lições de museografia na Gulbenkian

Exposição “Art on display: Formas de expor 1949-69
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 23 mar. – 31 dez. 2019

A comemoração dos 50 anos do Museu Gulbenkian (vd. A vida de Calouste Gulbenkian em exposição), inaugurado a 2 de outubro de 1969, é pretexto para sublinhar o enorme contributo no âmbito da museografia e, de forma particular, na forma como concebe, desenvolve e analisa os aspetos museográficos, não só no museu, como também – sobretudo? – nas exposições temporárias que nos ficam na memória1

Átrio do museu
Exposição “Art on display 1949-69”
Lisboa, FCG
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler “Lições de museografia na Gulbenkian”

  1. Há dias, num jantar de amigos, demos por nós a evocar exposições que nos marcaram e recuámos aos finais da década de 1970, lembrando-nos de algumas, como se tivesse sido ontem. Como nota negativa, apenas o facto de todos partilharmos o desgosto pelo desaparecimento do papel de parede em tons de verde no enquadramento da coleção Lalique. []

A vida de Calouste Gulbenkian em exposição

Exposição “Calouste: uma vida, não uma exposição”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 23 mar. – 31 dez. 2019

Calouste Sarkis Gulbenkian nasceu a 23 de março de 1869, perto de Istambul, na Turquia Otomana, no seio de uma família de ricos comerciantes e filantropos arménios. Os 150 anos do seu nascimento coincidem com os 50 anos do Museu Calouste Gulbenkian, inaugurado em outubro de 1969, de acordo com as disposições testamentárias de Gulbenkian relativas à sua vastíssima coleção de arte. No âmbito desta dupla comemoração, o museu organizou uma exposição sobre Calouste Gulbenkian, comissariada por Paulo Pires do Vale, traçando uma cronologia da sua vida numa sequência retrospetiva que inicia na construção do museu, no cruzamento entre o homem e a obra póstuma do seu legado.

Calouste Sarkis Gulbenkian em jovem
Fotógrafo: [s.n]
[s.L.], [s.d.]
Lisboa, Arquivos Gulbenkian PT FCG FCG:CSCA-S001/01-FOTO00001

Continuar a ler “A vida de Calouste Gulbenkian em exposição”

Reflexo(e)s do outro lado do espelho

Exposição “Do outro lado do espelho
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian, 26 out. 2017 – 5 fev. 2018

You can just see a little peep of the passage in Looking-glass House, if you leave the door of our drawing-room wide open: and it’s very like our passage as far as you can see, only you know it may be quite different on beyond.
Lewis Carrol, 2010 (1871), p. 5

A Gulbenkian propõe-nos uma viagem ao universo de Alice, do outro lado do espelho, ao mesmo tempo que nos desafia a uma reflexão acerca da nossa identidade, da imagem, ou consciência, do eu e das suas pluralidades, das facetas projetadas no espelho poliédrico da nossa existência. É a epígrafe que marca a entrada na exposição, extraída da segunda aventura de Alice, na obra Alice do outro lado do espelho e o que ela encontrou por lá1: “Quem sou eu do outro lado do espelho?” – “And now, who am I? I will remembre if I can! I’m derermined to do it!” (Carrol, 2010, 23).

Exposição “Do outro lado do espelho”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2017

Continuar a ler “Reflexo(e)s do outro lado do espelho”

  1. Alice do outro lado do espelho e o que ela encontrou por lá, no original Through the looking-glass, and what Alice found there, publicado em 1871, é a continuação da obra Alice no País das Maravilhas (Alice’s Adventures in Wonderland), escrita em 1865, por Lewis Carroll, pseudónimo de Charles Lutwidge Dodgson. []

Olhares sobre Almada Negreiros, o “ser moderno” em exposição na Gulbenkian

Exposição “José de Almada Negreiros: uma maneira de ser moderno”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian (MCG), 3 fev. – 5 jun. 2017

“Reparem bem nos meus olhos, não são meus, são os olhos do nosso século! Os olhos que furam para detrás de tudo.”
Almada Negreiros (1921). A Invenção do Dia Claro

Foi anunciada uma “exposição antológica mostra a obra de um artista que catalisa a vanguarda nos anos 1910 e atravessa todo o século XX” (Museu Calouste Gulbenkian, 2017). Foi prevista como uma das grandes exposições do ano e o afluxo de público nas primeiras semanas parecem confirmá-lo. Adivinhava-se, portanto, um prolongado e aprofundado olhar sobre a obra de Almada Negreiros (1893-1970), nas suas múltiplas linguagens e expressões, estendendo-se pela pintura, desenho, teatro, pintura mural, ilustração e artes gráficas, mas também pela dança, teatro, ou pelo romance, contos, conferências, ensaios, poesia… Esperava-se, também, que mostrasse, interpretasse e relacionasse a obra de um “autor profuso e diversificado”, com “uma conceção heteróclita do artista moderno” (Id., ibid.), reavaliando as suas conexões no contexto dos modernismos e das suas expressões híbridas e complexas.

Exposição “José de Almada Negreiros: uma maneira de ser moderno”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2017

Continuar a ler “Olhares sobre Almada Negreiros, o “ser moderno” em exposição na Gulbenkian”

Os museus da Gulbenkian na rota de um novo ciclo

Penelope Curtis será a primeira estrangeira a dirigir o Museu Calouste Gulbenkian e anuncia-se uma inédita articulação com o Centro de Arte Moderna (CAM). Foi escolhida através de um concurso, igualmente pouco comum entre nós, percebendo-se a intenção de recrutar alguém de perfil internacional, ao ser amplamente divulgado no estrangeiro através da parceria com a  Liz Amos Associates, uma empresa de recrutamento britânica especializada na área cultural.

Museu Calouste Gulbenkian
Museu Calouste Gulbenkian

Continuar a ler “Os museus da Gulbenkian na rota de um novo ciclo”