Deambulações no Dia Internacional dos Museus: Museu de Arte Contemporânea e Museu Bordalo Pinheiro

O dia dos museus é pretexto para deambulações pelos museus, aproveitando o tom de festa e de celebração, a programação diferente, as exposições que são inauguradas. Calhando o dia 18 de maio num dia útil, torna-se necessário conciliar horários de trabalho – e, ontem, também, com uma queda que, tendo rasgado as calças, obrigou a uma troca de roupa e, também, a uma maior lentidão – e gerir a frustração face a tudo o que fica por ver e que irá ocupar a agenda dos próximos dias.

A escolha caiu no Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC) e no Museu Bordalo Pinheiro (MBP). As razões poderiam ter sido muitas, quer pelas diferenças entre ambos, como as tutelas, modelos de gestão, coleções, museografia, quer pelas afinidades possíveis de encontrar. Porém, a verdade é que a escolha teve a ver sobretudo com o gosto pessoal. E, assumindo o quanto somos influenciados pelas redes sociais, a forma como ambos os museus se mantiveram ativos e dinamizaram a interação com as suas audiências, determinou a escolha no universo de possibilidades dentro desse gosto pessoal. Ficou adiada a ida ao Museu de Arte Antiga (se não fosse a queda!), à sala Lalique do Museu Gulbenkian, às exposições do Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal, inauguradas à noite (fica a promessa, Joanna Latkta) …

Exposição “Meu Amigo: Obras e documentos da coleção Ernesto de Sousa (1921-1988)”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea
Foto: MIR, 2021
Exposição “Pé d’orelha: Conversas entre Bordalo e Querubim”
Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro
Foto: MIR, 2021

Em ambos os museus visitados, é comovente assistir ao regresso do público, ver os espaços animados de gente e constatar a vontade que todos sentíamos de voltar a ver “aquelas” obras com a emoção de um reencontro.

Continuar a ler “Deambulações no Dia Internacional dos Museus: Museu de Arte Contemporânea e Museu Bordalo Pinheiro”

Eduardo Salavisa e o cadeirão que fica vazio

Eduardo Salavisa é o desenhador que documenta o quotidiano, as rotinas, os rostos, os gestos. Ainda ontem, o Público contava como, durante o verão, os amigos se haviam sentado (ou não) num cadeirão da sua sala, enquanto lhes fixava os rostos, os corpos, os gestos, as posições, os nomes e as histórias, sabendo que esse retrato era uma despedida: “As memórias destes momentos em que amigos meus me visitaram no momento terminal da minha vida foram registados por um desenho”. Desses desenhos se fez o livro Caderno de retratos: Memórias imperfeitas, editado pelas Edições Afrontamento, e a exposição ”Um cadeirão e 96 retratos”, no Museu Bordalo Pinheiro, em Lisboa. Esteve na exposição, novamente a desenhar quem quisesse ocupar o cadeirão.

Eduardo Salavisa na exposição ”Um cadeirão e 96 retratos”
Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro
Foto: Câmara Municipal de Lisboa

Continuar a ler “Eduardo Salavisa e o cadeirão que fica vazio”