Dois museus entre a paz e a guerra

Em Teerão, dois museus abordam os temas difíceis e controversos da paz e da guerra: o Museu da Paz de Teerão (موزه صلح تهران) e o Museu da Revolução Islâmica e da Sagrada Defesa (موزه انقلاب اسلامی و دفاع مقدس). A ocorrência destes museus está contextualizada pela omnipresente memória da guerra Irão Iraque (1980-1988), iniciada por Saddam Hussein e onde foram utilizadas armas químicas sobre iranianos e curdos, provocando cerca de um milhão de vítimas:

In Iran, countless acres are dedicated to cemeteries for soldiers killed in the 1980s Iran-Iraq war. Endless tears of mourning and pride have fallen for loved ones lost in that “sacred defense”.  And numberless sermons and solemnities have turned martyrdom into the highest form of worship. (Peterson, 2007, 24 dez.)

O Museu da Paz, após um período inicial instável, reabriu ao público definitivamente a 29 de junho de 20111, num novo edifício construído no parque da cidade em pleno centro histórico. Membro da Rede Internacional dos Museus da Paz, o museu é recorrentemente distinguido como pelo comité nacional do ICOM como o melhor museu privado iraniano (em 2018, 2016, 2015, 2014). Junto à entrada, uma escultura com uma pomba pousada sobre um capacete de guerra caído anuncia o discurso.

Museu da Paz de Teerão
Teerão
Fotos: MIR, 2018

Continuar a ler “Dois museus entre a paz e a guerra”

  1. A data foi escolhida por o Dia da Campanha contra Armas Químicas e coincidir com o 24.º aniversário do ataque com gás em à cidade de Sardasht, no noroeste do Irão, e com. Para os iranianos, Sardasht é um símbolo do uso extensivo de armas químicas pelo Iraque na guerra contra o Irão. []
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search