41.º Simpósio Anual do ICOFOM 2018: Museologia e sagrado

O 41.º Simpósio Anual do ICOFOM, tendo como tema “Museologia e o Sagrado, realizou-se em Teerão (Irão), entre 15 e 19 de outubro de 2018.

41.º Simpósio Anual do ICOFOM 2018: foto de grupo com as assinaturas dos participantes
Teerão, Museu Nacional de Arte Islâmica
Foto: Niloofar Yazdkhasti, 2018

Museus concebidos como templos ou que ocupam espaços que outrora foram igrejas; objetos apartados do culto e que são expostos em museus; rituais religiosos que se evocam no comportamento dos visitantes em espaços museológicos; museus que sacralizam objetos profanos, criando-lhes altares de exaltação; indivíduos que procuram o museu para manter a ligação a objetos que, para eles, continuam sagrados – tudo isto são fatores da relação entre o museu e o sagrado.

Continuar a ler

Hidden meanings: Christian art exhibited at the museum

Mixing museums with the sacred seems to be a paradox, since the museum is the place where objects are exhibited, while the sacred is something to hide. Nevertheless, the concept of sacred crosses museum studies, since there are many objects related to religious rituals and worship exhibited in museums.

Exhibition “As Ilhas do Ouro Branco”
Lisboa, MNAA
Photo: Rui Marote e DR, 2017

Musealization always implies a decontextualization process, by moving an object from its original context to an artificial and representational place. Regarding the religious object, this musealization also involves a process of desacralization and, eventually, a re-sacralization. So, to understand this phenomenon, it is necessary to consider the concept of the sacred itself and their implications, such as separation, untouchability, reverence or contemplation.

Continuar a ler

Museologia de religião: Análise de uma exposição comemorativa do centenário das Aparições

Exposição “As cores do sol: A luz de Fátima no mundo contemporâneo
Fátima, Convivium de Santo Agostinho, Basílica da Santíssima Trindade, 26 nov. 2016 – 31 out. 2018

A história é conhecida de todos: depois das aparições do anjo, com um cariz preparatório, os três pequenos pastores Lúcia, Francisco e Jacinta, viram, pela primeira vez, a 13 de maio de 1917, uma senhora “muito formosa […], envolta num clarão mais brilhante que o sol” que lhes pedira que rezassem o terço e que tornassem àquele local, seis meses seguidos no mesmo dia e à mesma hora. Para aquela que seria a última aparição, a Virgem prometera-lhes um milagre, dizendo que “no último mês fazia um sinal no sol, que todos haviam de acreditar”.

Lúcia, Francisco e Jacinta
Cova da Iria, 1917
In: (1917, 29 out.). Ilustração Portuguesa, (610), 356.
Foto: Joshua Benoliel; Arquivo Fotográfico/
Santuário de Fátima

Continuar a ler