A liberdade (não) garantida: diálogos entre iconografia religiosa e representações da contemporaneidade

Exposição “Liberdade garantida”
Santarém, Museu Diocesano de Santarém (20 abr. – 30 dez. 2024)

Um museu diocesano é um museu eclesiástico e, como tal, assume a evangelização como missão e propósito (Roque, 2023). Criado há dez anos, com uma exposição de grande duração e sustentado por uma continuada investigação de reconhecido mérito, o Museu Diocesano de Santarém não cristalizou na intenção inicial de servir de veículo à mensagem religiosa. Enquanto amadurece os modelos de gestão, exposição, interpretação e mediação, o museu, ao longo desta década, tem procurado consolidar e inovar as suas estratégias de relação com os públicos presenciais ou potenciais.

Exposição “Liberdade garantida”
Santarém, Museu Diocesano
Foto: MIR, 2024

Continuar a ler “A liberdade (não) garantida: diálogos entre iconografia religiosa e representações da contemporaneidade”

Biblioteca e casa-museu: perfil do colecionador Anselmo Braamcamp Freire

Museu Municipal de Santarém | Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire
Santarém

Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire, no primeiro andar do antigo palácio dos Barões de Almeirim
Santarém, Biblioteca Pública e Museu Municipal

Um colecionador que doa o seu espólio bibliográfico e artístico com a intenção de o tornar aberto e acessível foi o pretexto para a criação de um museu e biblioteca que lhe perpetuam o nome e a memória.

Busto de Anselmo Braamcamp Freire
António Teixeira Lopes, s.d.
Santarém, Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire

Continuar a ler “Biblioteca e casa-museu: perfil do colecionador Anselmo Braamcamp Freire”

Museu do Neo-Realismo e a água que cai no deserto

“Neorrealismo” é um conceito múltiplo, que envolve múltiplos significados e contextos, que incluem, entre outros, a literatura, a arte, o cinema e a fotografia, e provoca análises divergentes e até contraditórias (vd. Leavitt, 2020, p. 11 e segs.). Em Portugal – tal como acontecera em Itália desde o tempo de Mussolini e, sobretudo, através da cinematografia de Luchino Visconti, a partir do filme seminal La terra trema (1948), cujo texto de abertura pode ser lido como um manifesto do neorrealismo italiano (id., p. 14) – o movimento neorrealista coincidiu com o tempo do Estado Novo e formalizou-se como uma reação, ou oposição, à propaganda do regime. Enquanto este patrocinava uma estética idealizada da ruralidade, onde se excluíam os sinais de pobreza, sofrimento ou injustiça, conferindo-lhe uma suavizada aura de humildade e alegre resignação, o movimento neorrealista centrou-se no retrato e caraterização das classes populares e trabalhadoras, denunciando as suas condições de exploração e de exclusão social e dando voz às suas lutas, reivindicações e revoltas.

Sem título
Lima de Freitas, 1957
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo

Continuar a ler “Museu do Neo-Realismo e a água que cai no deserto”

João Abel Manta e as caricaturas de um tempo entre a ditadura e a liberdade

Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos (5 abr. – 20 dez. 2024)

João Abel Manta (n. 1928), sendo autor de uma obra plural e facetada no domínio das artes é conhecido, sobretudo, pela sua atividade como cartoonista.

Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

Continuar a ler “João Abel Manta e as caricaturas de um tempo entre a ditadura e a liberdade”

Museu Nacional Soares dos Reis: um museu renovado e as suas histórias

Depois de ter estado parcialmente encerrado para obras entre 2019 e abril de 2023, o Museu Nacional Soares dos Reis (MNSR) reabriu com uma exposição de longa duração e uma nova linguagem museográfica.

Integrando os espólios fundacionais do Museu de Pinturas e Estampas e outros objetos de Belas Artes, criado por D. Pedro IV de Portugal, em 1833, com o intuito de salvaguardar os bens sequestrados aos absolutistas e conventos abandonados na guerra civil (1832-34) sob direção de João Baptista Ribeiro, e recebendo, logo em seguida, os bens dos conventos extintos pelo Decreto de 30 de maio de 1834, o museu reivindica o título de primeiro museu público de arte do país.

Museu Soares dos Reis no Palácio dos Carrancas
Porto, MNSR
Foto: MIR, 2024

Continuar a ler “Museu Nacional Soares dos Reis: um museu renovado e as suas histórias”

Tesouros da Terra Santa

Exposição “O Tesouro dos Reis: Obras-primas do Terra Sancta Museum”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian (10 nov. 2023 – 26 fev. 2024)

Jerusalém é um lugar primacial ou umbilical, no sentido primevo de omphalo como centro do mundo. Se os gregos o localizavam em Delfos, assinalado por uma pedra erguida no templo de Zeus, a Bíblia através das palavras do profeta Ezequiel situa-o aqui: “Assim diz o Senhor Deus: Esta é Jerusalém; coloquei-a no meio das nações e das terras que estão ao redor dela” (Ez. 5:5).

Cidade de Jerusalém
Erhard Reuwich (desenho)
In: Breydenbach, B. (1486). Peregrinatio in Terram Sanctam. Mainz: Peter Schöffer the Elder.

Por razões diversas, Jerusalém faz parte da geografia sagrada das três principais religiões monoteístas abraâmicas – cristianismo, judaísmo e islamismo. No judaísmo, Jerusalém é a cidade que o rei David proclamou como capital do reino no século X a.C. e o lugar do Templo de Salomão e do Segundo Templo onde, segundo a tradição, se situa o atual Muro das Lamentações. Segundo o islamismo, Maomé foi miraculosamente transportado de Meca para Jerusalém, de onde ascendeu ao Paraíso, segundo o primeiro verso do Al-Isra (a viagem noturna] que identifica a mesquita de al-Aqsa (a mais distante) como o destino da jornada do profeta. Para os cristãos, além das referências que lhe são feitas no Antigo Testamento, este é o lugar do Cenáculo, onde Jesus tomou a Última Ceia e instituiu a Eucaristia, antes de aí cumprir o périplo da sua Paixão e Morte no Monte Gólgota, onde a tradição situa o túmulo de Adão, perto do sítio do Santo Sepulcro. A partir destas referências que a valorizam como cidade santa Jerusalém torna-se um lugar mítico: “Stories about Jerusalem should not be dismissed because they are ‘only’ myths: they are important precisely because they are myths” (Armstrong, 2005, p. XVIII).

Continuar a ler “Tesouros da Terra Santa”

Museu do Côa: um preâmbulo à arte rupestre e muito mais do que isso

O Museu do Côa foi inaugurado em meados 2010. A abertura do espaço museológico ultrapassou o próprio acontecimento, ao cabo de um longo processo que desde meados da década de 1990 havia passado da esfera académica para se tornar em motivo de discussão pública, alargando-se a toda a sociedade e adquirindo uma inevitável dimensão política. As opiniões dividiam-se entre a valorização do impacto económico e social que a construção de uma barragem hidroelétrica, já em curso, teria no desenvolvimento da região e o reconhecimento da importância do património arqueológico existente no vale e do seu contributo para o esclarecimento da arte rupestre do Paleolítico Superior, desfazendo alguns mitos instalados e superando categorias de pensamento instituído mesmo na comunidade científica.

Sítio Arqueológico do Côa
Foto: Pedro Guimarães / Fundação Coa Parque (Arquivo), s/d

Continuar a ler “Museu do Côa: um preâmbulo à arte rupestre e muito mais do que isso”

O brilho e a sumptuosidade do barroco: exposição dos andores de prata de Beja na igreja de S. Roque, em Lisboa

Exposição dos andores de prata do Museu Rainha D. Leonor
Lisboa, igreja de São Roque (20 jul. 2023 – jan. 2024)

O Museu Rainha Dona Leonor, em Beja, está temporariamente encerrado ao público por contingência dos trabalhos inerentes à obra de recuperação e valorização do seu edifício sede, o Convento da Conceição, no âmbito da candidatura “Valorização e Conservação do Convento de Nossa Senhora da Conceição – Museu Rainha Dona Leonor, em Beja” apresentada ao Alentejo 2020 pela Associação Portas do Território em parceria com a Direção Regional de Cultura do Alentejo e a Câmara Municipal de Beja.

Esta circunstância propicia a criação de novas estratégias na gestão das coleções, tal como a apresentação dos andores de prata de São João Evangelista e São João Batista, duas das mais emblemáticas peças do museu, na capela de São Francisco Xavier, na igreja de S. Roque, em Lisboa. Assinala-se a articulação de esforços do Museu Rainha D. Leonor e do Museu de São Roque, como exemplar da colaboração entre museus de diferentes tutelas e, também, da proficiência dos seus responsáveis1 na visualização do bem comum.

Musealização dos andores de S. João Evangelista e de S. João Batista
Lisboa, igreja de São Roque
Foto: MIR, 2023

Continuar a ler “O brilho e a sumptuosidade do barroco: exposição dos andores de prata de Beja na igreja de S. Roque, em Lisboa”

  1. Porque se justifica identificar os nomes de quem tornou isto possível, destaca-se, aqui, a mediação da APOM – Associação Portuguesa de Museologia, através do seu Presidente, João Neto, a iniciativa de Deolinda Tavares, diretora do Museu Rainha D. Leonor, o apoio de Ana Paula Amendoeira, Diretora Regional de Cultura do Alentejo,  e a disponibilidade oferecida por Margarida Montenegro, antiga Diretora da Cultura da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, entretanto substituída por Teresa Nicolau, e de Teresa Morna, diretora do Museu de S, Roque. []

A queda de um museu

O Museu da Ciência da Universidade de Coimbra foi inaugurado em dezembro de 2006.

Museu de Ciência
Foto: Emanuel Brás, s.d.
(“João Mendes Ribeiro”, 2015)

Está instalado no antigo Laboratorio Chimico, criado no contexto da reforma pombalina da universidade, o qual foi construído de raiz, entre 1773 e 1777, sobre as antigas instalações do refeitório, das cozinhas e áreas anexas do extinto Colégio da Companhia de Jesus. Continuar a ler “A queda de um museu”

Harmónios: uma exposição de alerta para um património em risco

Exposição “Harmonium: Desenho, pintura e música em relação”
Funchal, Museu de Arte Sacra do Funchal (MASF) (7 jun. – 31 out. 2022)

Exposição “Harmonium”: entrada
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa, 2022

Em conformidade com o título, esta exposição, sob o signo do harmónio e da música litúrgica, põe em diálogo os instrumentos e as partituras compiladas na obra Um século de música sacra na Madeira (Silva, 2008), da autoria de João Arnaldo Rufino da Silva (1934-2016), com as pinturas e os desenhos de Eduardo de Freitas (n. 1955), tendo como ponto de partida os desenhos originais das ilustrações dos temas da liturgia e da devoção que conduzem a estrutura daquela obra. A triangulação entre o harmónio, a música litúrgica e a arte visual de inspiração religiosa, constitui uma advertência para um património em risco, ao divulgar os resultados do inventário dos instrumentos musicais de uso litúrgico, levado a cabo pelo MASF e pela diocese do Funchal, com particular incidência nos harmónios caídos em desuso. Continuar a ler “Harmónios: uma exposição de alerta para um património em risco”

Memórias do barlavento algarvio: Museu Dr. José Formosinho, em Lagos

O Museu Dr. José Formosinho faz parte do polinucleado Museu de Lagos1.

Dr. José Formosinho
José Higino (José Higino Amado da Cunha Júnior, 1902-1993)
Lagos, Museu Dr. José Formosinho (MJF)
Foto: MJF

Continuar a ler “Memórias do barlavento algarvio: Museu Dr. José Formosinho, em Lagos”

  1. Além do Museu Dr. José Formosinho, fazem parte do Museu de Lagos os núcleos Rota da Escravatura – Mercado de Escravos, Forte Ponta da Bandeira, Balneário Romano da Praia da Luz, além do Armazém do Espingardeiro e do Centro de Documentação atualmente encerrados. []

O hammam de Al-‘Ulyã: musealização dos banhos islâmicos de Loulé e da casa senhorial dos Barreto

O topónimo Loulé deriva do árabe Al-‘Ulyã1. Esta designação aparece referenciada em fontes árabes tardias, altura em que terá sido elevada à categoria de cidade, aglutinando núcleos de povoamento disperso no território. As fontes documentais têm vindo a ser confirmadas pela investigação arqueológica, a qual contribuiu para aumentar o conhecimento do período islâmico. A medina inseria-se num espaço muralhado. A entrada principal localizava-se a sul (porta de Faro). Junto a esta, encontrava-se a mesquita, posteriormente, na sequência conquista cristã em 1249, convertida em igreja (atual paroquial de São Clemente) e, na sua proximidade, o mercado. A alcáçova situava-se a noroeste do recinto e, entre os séculos XIV e XV, foi adaptada a residência do alcaide, onde, desde 1995, está instalado o Museu Municipal de Arqueologia, agora designado como Núcleo-sede do Museu Municipal de Loulé.

Castelo de origem árabe
Loulé
Foto: MIR, 2022

Continuar a ler “O hammam de Al-‘Ulyã: musealização dos banhos islâmicos de Loulé e da casa senhorial dos Barreto”

  1. David Lopes (1968) filia o topónimo no árabe al-‘alya, cujo significado remete para ‘altura’, ou ‘elevação’, numa alusão à topografia do local. Garcia Domingues (1987) segue esta versão. Em contrapartida, Luís Fraga da Silva (2002) propõe a filiação de Loulé no híbrido al-olea, ‘oliveira’, em correspondência com a dominância desta espécie na região desde a época romana. []

Europa oxalá: narrativas pós-memória

Exposição “Europa oxalá
Lisboa, Fundação Gulbenkian – Galeria principal (4 mar. – 22 ago. 2022)

A exposição, comissariada por António Pinto Ribeiro e pelos artistas Katia Kameli e Aimé Mpane, é temporária e itinerante, tendo sido apresentada no MUCEM – Musée des civilisations de l’Europe et de la Méditerranée, em Marselha (20 out. 2021-16 jan. 2022), e seguirá para o Museu Real da África Central – AfricaMuseum, em Tervuren, na Bélgica (6 out. 2022-5 mar. 2023).

Exposição “Europa oxalá”
Lisboa, Fundação Gulbenkian
Foto: MIR, 2022

O título “Europa oxalá” remete para a Europa do futuro (oxalá – do árabe inshā’Allāẖ, “se Deus quiser”, utilizada como interjeição para exprimir o desejo de que algo aconteça). A escolha deste título para a exposição de cerca de 60 obras de 21 artistas afro-europeus1, nascidos na Europa pós-colonial e cujas origens familiares se situam nas antigas colónias em África (Angola, Argélia, Benim, Cabo Verde, Congo, Guiné-Bissau, Madagáscar), aponta para problemáticas que ultrapassam o universo europeu e artístico em sentido restrito.

Continuar a ler “Europa oxalá: narrativas pós-memória”

  1. Sete destes artistas têm nacionalidade portuguesa: Carlos Bunga, Délio Jasse, Francisco Vidal, Márcio Carvalho, Mónica de Miranda, Pauliana Valente Pimentel e Pedro A. H. Paixão. []

Um tesouro real entre muitos brilhos e seus reflexos

Supponhamos que se completavam a aza direita, e as incompletas, do palacio […]. Como é fabrica vastissima, na ala que lhe construíssem de novo se poderia instalar faustosamente a Bibliotheca chamada da Ajuda, anexada d’um museu, onde as colleções de pinturas e obras d’arte sobrantes do adorno dos palacios reaes, estaria catalogada e reunida […].
(Fialho de Almeida, 1906, p. 502)

A exposição permanente do tesouro real português há muito que era reclamada e, por isso, tem sido aclamada e celebrada desde a abertura do Museu do Tesouro Real1, na ala poente do Palácio Nacional da Ajuda (PNA).

Passados 226 anos, muitos projetos abandonados entretanto2 e muitas intenções frustradas, o palácio foi finalmente rematado a poente com um projeto de João Carlos Santos, atual diretor-geral do Património Cultural em regime de substituição3, numa intervenção arquitetónica contemporânea circunscrita aos limites da massa edificada preexistente.

Passaram também 20 anos sobre o roubo das joias da coroa portuguesa em exposição no museu municipal de Haia, na Holanda, ocorrido a 2 de dezembro de 2002, o qual constituiu um grave atentado ao património artístico e simbólico nacional, tendo o empréstimo de quinze joias emblemáticas sido alvo de intensa polémica por se destinar a uma apresentação de cariz didático numa instituição que não conseguia garantir a segurança necessária. Porém, foi a indemnização de 6,1 milhões de euros recebida em 2006 que permitiu esta obra por decisão da então ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, com o anunciado objetivo de albergar a exposição permanente do tesouro real. A obra teve início em 2016, através de um protocolo de colaboração entre a Direção Geral do Património (DGPC), a Associação de Turismo de Lisboa (ATL) e a Câmara Municipal de Lisboa (CML).

Casa-forte
Lisboa, Museu do Tesouro Real
Foto: MIR, 2022

Continuar a ler “Um tesouro real entre muitos brilhos e seus reflexos”

  1. O museu abriu ao público no dia 1 de junho de 2022 []
  2. Entre os vários planos apresentados, estão os projetos pioneiros apresentados ao longo do século XIX por Manuel Caetano de Sousa (1738-1802), com uma proposta barroca, José Costa e Silva (1747-1819) numa linguagem neoclássica, Francisco Xavier Fabri (1761- 1817) que sugeria a expansão do palácio para norte, António Francisco Rosa (séc. XVIII-1829), optando por uma solução mais reduzida do edifício, e Joaquim Possidónio Narciso da Silva (1806-1896) que recomendava a reorganização dos diversos espaços, tornando-os mais modernos e cómodos. Posteriormente, Raul Lino (1879-1974) apresentou dois projetos datados de 1935 e 1944. João Nuno Seabra, da Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN), apresentou um projeto, o único que foi efetivamente iniciado, em 1978, tendo sido interrompido devido a um acidente e cuja estrutura foi demolida em 1976. Duarte Lino Pimentel, em 1984, Gonçalo Byrne, em 1989 e por encomenda direta do Instituto Português do Património Cultural (IPPC, estrutura que antecedeu a atual DGPC – Direção Geral do Património) e Vasco Massapina, em 2012, também apresentaram estudos prévios para rematar o palácio a poente. []
  3. João Carlos Santos, foi designado diretor-geral do Património Cultural, em regime de substituição, no passado dia 3 de junho, por despacho do ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva. João Carlos Santos já ocupava este cargo desde a exoneração de Bernardo Alabaça, em junho de 2021, pela então ministra da Cultura, Graça Fonseca. []
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search