Memórias do barlavento algarvio: Museu Dr. José Formosinho, em Lagos

O Museu Dr. José Formosinho faz parte do polinucleado Museu de Lagos1.

Dr. José Formosinho
José Higino (José Higino Amado da Cunha Júnior, 1902-1993)
Lagos, Museu Dr. José Formosinho (MJF)
Foto: MJF

Continuar a ler “Memórias do barlavento algarvio: Museu Dr. José Formosinho, em Lagos”

  1. Além do Museu Dr. José Formosinho, fazem parte do Museu de Lagos os núcleos Rota da Escravatura – Mercado de Escravos, Forte Ponta da Bandeira, Balneário Romano da Praia da Luz, além do Armazém do Espingardeiro e do Centro de Documentação atualmente encerrados. []

O hammam de Al-‘Ulyã: musealização dos banhos islâmicos de Loulé e da casa senhorial dos Barreto

O topónimo Loulé deriva do árabe Al-‘Ulyã1. Esta designação aparece referenciada em fontes árabes tardias, altura em que terá sido elevada à categoria de cidade, aglutinando núcleos de povoamento disperso no território. As fontes documentais têm vindo a ser confirmadas pela investigação arqueológica, a qual contribuiu para aumentar o conhecimento do período islâmico. A medina inseria-se num espaço muralhado. A entrada principal localizava-se a sul (porta de Faro). Junto a esta, encontrava-se a mesquita, posteriormente, na sequência conquista cristã em 1249, convertida em igreja (atual paroquial de São Clemente) e, na sua proximidade, o mercado. A alcáçova situava-se a noroeste do recinto e, entre os séculos XIV e XV, foi adaptada a residência do alcaide, onde, desde 1995, está instalado o Museu Municipal de Arqueologia, agora designado como Núcleo-sede do Museu Municipal de Loulé.

Castelo de origem árabe
Loulé
Foto: MIR, 2022

Continuar a ler “O hammam de Al-‘Ulyã: musealização dos banhos islâmicos de Loulé e da casa senhorial dos Barreto”

  1. David Lopes (1968) filia o topónimo no árabe al-‘alya, cujo significado remete para ‘altura’, ou ‘elevação’, numa alusão à topografia do local. Garcia Domingues (1987) segue esta versão. Em contrapartida, Luís Fraga da Silva (2002) propõe a filiação de Loulé no híbrido al-olea, ‘oliveira’, em correspondência com a dominância desta espécie na região desde a época romana. []

Europa oxalá: narrativas pós-memória

Exposição “Europa oxalá
Lisboa, Fundação Gulbenkian – Galeria principal (4 mar. – 22 ago. 2022)

A exposição, comissariada por António Pinto Ribeiro e pelos artistas Katia Kameli e Aimé Mpane, é temporária e itinerante, tendo sido apresentada no MUCEM – Musée des civilisations de l’Europe et de la Méditerranée, em Marselha (20 out. 2021-16 jan. 2022), e seguirá para o Museu Real da África Central – AfricaMuseum, em Tervuren, na Bélgica (6 out. 2022-5 mar. 2023).

Exposição “Europa oxalá”
Lisboa, Fundação Gulbenkian
Foto: MIR, 2022

O título “Europa oxalá” remete para a Europa do futuro (oxalá – do árabe inshā’Allāẖ, “se Deus quiser”, utilizada como interjeição para exprimir o desejo de que algo aconteça). A escolha deste título para a exposição de cerca de 60 obras de 21 artistas afro-europeus1, nascidos na Europa pós-colonial e cujas origens familiares se situam nas antigas colónias em África (Angola, Argélia, Benim, Cabo Verde, Congo, Guiné-Bissau, Madagáscar), aponta para problemáticas que ultrapassam o universo europeu e artístico em sentido restrito.

Continuar a ler “Europa oxalá: narrativas pós-memória”

  1. Sete destes artistas têm nacionalidade portuguesa: Carlos Bunga, Délio Jasse, Francisco Vidal, Márcio Carvalho, Mónica de Miranda, Pauliana Valente Pimentel e Pedro A. H. Paixão. []

Um tesouro real entre muitos brilhos e seus reflexos

Supponhamos que se completavam a aza direita, e as incompletas, do palacio […]. Como é fabrica vastissima, na ala que lhe construíssem de novo se poderia instalar faustosamente a Bibliotheca chamada da Ajuda, anexada d’um museu, onde as colleções de pinturas e obras d’arte sobrantes do adorno dos palacios reaes, estaria catalogada e reunida […].
(Fialho de Almeida, 1906, p. 502)

A exposição permanente do tesouro real português há muito que era reclamada e, por isso, tem sido aclamada e celebrada desde a abertura do Museu do Tesouro Real1, na ala poente do Palácio Nacional da Ajuda (PNA).

Passados 226 anos, muitos projetos abandonados entretanto2 e muitas intenções frustradas, o palácio foi finalmente rematado a poente com um projeto de João Carlos Santos, atual diretor-geral do Património Cultural em regime de substituição3, numa intervenção arquitetónica contemporânea circunscrita aos limites da massa edificada preexistente.

Passaram também 20 anos sobre o roubo das joias da coroa portuguesa em exposição no museu municipal de Haia, na Holanda, ocorrido a 2 de dezembro de 2002, o qual constituiu um grave atentado ao património artístico e simbólico nacional, tendo o empréstimo de quinze joias emblemáticas sido alvo de intensa polémica por se destinar a uma apresentação de cariz didático numa instituição que não conseguia garantir a segurança necessária. Porém, foi a indemnização de 6,1 milhões de euros recebida em 2006 que permitiu esta obra por decisão da então ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, com o anunciado objetivo de albergar a exposição permanente do tesouro real. A obra teve início em 2016, através de um protocolo de colaboração entre a Direção Geral do Património (DGPC), a Associação de Turismo de Lisboa (ATL) e a Câmara Municipal de Lisboa (CML).

Casa-forte
Lisboa, Museu do Tesouro Real
Foto: MIR, 2022

Continuar a ler “Um tesouro real entre muitos brilhos e seus reflexos”

  1. O museu abriu ao público no dia 1 de junho de 2022 []
  2. Entre os vários planos apresentados, estão os projetos pioneiros apresentados ao longo do século XIX por Manuel Caetano de Sousa (1738-1802), com uma proposta barroca, José Costa e Silva (1747-1819) numa linguagem neoclássica, Francisco Xavier Fabri (1761- 1817) que sugeria a expansão do palácio para norte, António Francisco Rosa (séc. XVIII-1829), optando por uma solução mais reduzida do edifício, e Joaquim Possidónio Narciso da Silva (1806-1896) que recomendava a reorganização dos diversos espaços, tornando-os mais modernos e cómodos. Posteriormente, Raul Lino (1879-1974) apresentou dois projetos datados de 1935 e 1944. João Nuno Seabra, da Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN), apresentou um projeto, o único que foi efetivamente iniciado, em 1978, tendo sido interrompido devido a um acidente e cuja estrutura foi demolida em 1976. Duarte Lino Pimentel, em 1984, Gonçalo Byrne, em 1989 e por encomenda direta do Instituto Português do Património Cultural (IPPC, estrutura que antecedeu a atual DGPC – Direção Geral do Património) e Vasco Massapina, em 2012, também apresentaram estudos prévios para rematar o palácio a poente. []
  3. João Carlos Santos, foi designado diretor-geral do Património Cultural, em regime de substituição, no passado dia 3 de junho, por despacho do ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva. João Carlos Santos já ocupava este cargo desde a exoneração de Bernardo Alabaça, em junho de 2021, pela então ministra da Cultura, Graça Fonseca. []

“Ver novas todas as coisas”: uma exposição sobre Inácio de Loyola

Exposição “‘Ver novas todas as coisas’: Da conversão à canonização de Inácio de Loyola”
Lisboa, Museu de São Roque (31 mar. – 19 jun. 2022)

Em 20 de maio de 1521, Iñigo (posteriormente Inácio) de Loyola foi ferido numa batalha em Pamplona. Durante a convalescença, leu a Vita Christi, de Rodolfo da Saxônia, e a Legenda Áurea, uma coletânea de narrativas hagiográficas, tomadas como exemplum e reunidas em meados do século XIII por Jacobus de Voragine, o que lhe provocou uma profunda transformação espiritual e a sua conversão religiosa. Inácio de Loyola descreveu esse momento de iluminação, dizendo que “se le empegaron abrir los ojos del entendimiento; y no que viese alguna visión, sino entendiendo y conociendo muchas cosas, tanto de cosas espirituales, como de cosas de la fe y de letras; y esto con una ilustración tan grande, que le parecían todas las cosas nuevas” (Fontes narrativi…, 1943, v. 1, p. 404).

Informação da exposição na igreja de São Roque
Foto: Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, 2022

Continuar a ler ““Ver novas todas as coisas”: uma exposição sobre Inácio de Loyola”

Paisagens povoadas de gentes e histórias

Exposição “Paisagens povoadas: Narrativas da coleção do MNAC (1855-1920)
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea (16 fev. – 28 ago. 2022)

Exposição “Paisagens Povoadas”
Lisboa, MNAC
Foto: MIR, 2022

A exposição “Paisagens povoadas”, com (excelente!) curadoria de Maria De Aires Silveira, cita a expressão “fórmula naturalista da arte moderna” cunhada por Ramalho Ortigão (1885, p. 342) para se referir à representação paisagística que se encontrava “inteiramente enunciada depois de duzentos anos na obra dos pintores holandeses” (id., ibid.)1. Enquanto que a paisagem se implantara na pintura flamenga e holandesa, com um caráter simbólico, didático e moralizador, em Portugal, só a partir da segunda metade do século XVIII, mercê do renovado interesse pela pintura oriunda do norte europeu – evidente nas práticas colecionistas – e também da vinda dos pintores franceses Jean Pillement (1728-1808), Alexandre-Jean Noël (1752-1834) e Nicolas Delerive (1755-1818), começa a registar-se um crescente interesse por este género. Porém, a pintura do Morgado de Setúbal (José António Benedito Soares de Faria e Barros, 1752-1809), artista autodidata com um inequívoco pendor naturalista, é um caso singular no panorama artístico português da época, enquanto a pintura de paisagem se mantinha incipiente ou secundarizada em fundos cenográficos de outras tipologias e temáticas. A corrente naturalista continuava a suscitar uma forte oposição nos meios académicos e eruditos, tradicionalmente ligados à teoria clássica, considerando que a observação sensível da natureza era inferior à experiência intelectual da criação artística. Durante a revolução francesa de 1848, um grupo de artistas, em que se incluíam Théodore Rousseau (1812-1867), Jean-Baptiste Camille Corot (1796-1875) e Jean-François Millet (1814-1875), refugiou-se em Barbizon, privilegiando a paisagem como tema central das suas pinturas. Por seu turno, a invenção e a produção comercial da bisnaga de tinta2 permitiu que o exercício da pintura saísse da oficina e se fizesse ao ar livre, em contacto direto com a natureza.

Continuar a ler “Paisagens povoadas de gentes e histórias”

  1. A expressão de Ramalho Ortigão encontra-se nas crónicas de viagem que realizou à Holanda entre 1833, publicadas nesse mesmo ano pela Tipografia da Gazeta de Notícias, no Rio de Janeiro. Aqui, segue-se a 1.ª edição da casa, do Porto, em 1855. []
  2. O pintor John Goffe Rand patenteou, em 1841, a invenção da bisnaga de tinta, um tubo de estanho com uma tampa de rosca, que permitia conservar a tinta por longos períodos de tempo sem secar. []

Museu Ibérico de Arqueologia e Arte em Abrantes

Quando a notícia de inauguração de um museu municipal, anunciado há mais de uma década, inclui a informação foi feito um investimento de 6,3 milhões de euros, a expetativa é grande. Avoluma-se quando isso implicou a requalificação de um antigo convento assinada pelo arquiteto Carrilho da Graça que, afinal, se mostra desiludido por o resultado não coincidir com o projeto inicial. E a expetativa aumenta, ainda mais, quando o projeto de museologia foi desenvolvido por Fernando António Batista Pereira e Luiz Oosterbeck, em colaboração com o P-06 Atelier e a equipa do museu ao longo de quase quinze anos. Quando a expetativa é grande, maior é o risco de desapontamento. Porém, isso não acontece, de forma alguma, no Museu Ibérico de Arqueologia e Arte (MIAA).

Entrada do museu
Abrantes, Museu Ibérico de Arqueologia e Arte
Foto: MIR, 2021

Continuar a ler “Museu Ibérico de Arqueologia e Arte em Abrantes”

A ventura de Dom Manuel e um reino que se viu renovado

Exposição “Vi o reino renovar: Arte no tempo de D. Manuel I”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga (25 jun. – 26 set. 2021)

A exposição celebra os quinhentos anos da morte de D. Manuel I (1469–1521), cujo reinado de 26 anos lhe granjeou o cognome “O Venturoso”, Não é, porém, uma exposição centrada no rei, mas no reino que renovou e na arte desse tempo marcado pela conjuntura da favorável da expansão marítima. “O império está em franca expansão, há dinheiro e é preciso comunicar a todos o novo papel que Portugal tem no mundo. O rei precisa, também, de mostrar que é legítimo o seu direito ao trono enquanto primeiro monarca do novo ramo da dinastia de Avis” (Joaquim Caetano cit. in Canelas, 2021, p. 30).

Em primeiro plano, Anjo heráldico, de Diogo Pires-o-Moço, 1518-1522
Atrás, reproduções em gesso das estátuas de D. Manuel e D. Maria, de Nicolau de Chanterene, (1517) c. 1958
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

O título é colhido da obra Miscelânea e variedade de histórias, de Garcia de Resende, onde o cronista regista em verso a situação do reino:

[…]
vijmos seu edificar,
no reyno fazer alçar
paços, igrejas, mosteiros
grandes, pouos caualleiros,
vij ho reyno renouar.
(Resende, 1622, p. 155)

Continuar a ler “A ventura de Dom Manuel e um reino que se viu renovado”

O fio que tece uma trama de rostos…

Exposição “Rostos de Fátima, fisionomias de uma paisagem espiritual”
Fátima, Convivium de Santo Agostinho, Basílica da Santíssima Trindade (28 nov. 2020 – 15 out. 2022)

Esta exposição tem, literalmente, um fio condutor.

Tear (detalhe), no espaço introdutório da exposição
Foto: MIR, 2021

A primeira peça é um tear artesanal com uma peça em meia urdidura e de cuja teia parte um fio vermelho que une cada um dos pontos da exposição, ou os diferentes rostos que constroem a narrativa da exposição. Ao lado, sobre a imagem de uma meada de fios, as palavras-chave que constituem o mote desta narrativa, mas cuja chave de leitura apenas será revelada no final: esquecemos, lições, história, crise, sofrimento, forma de viver, humanidade, rostos, mãos, vozes.

A exposição está estruturada em duas partes sequenciais e complementares, marcada no chão com uma faixa onde se apresenta o respetivo título. A primeira parte “Paisagem humana: que rostos em Fátima?”, concreta e denotativa, mostra os rostos conhecidos daqueles que traçam a história e a fisionomia material do santuário de Fátima. A segunda “Fisionomias espirituais: que rostos de Fátima?”, conceptual e conotativa, assume uma função referencial e interpretativa do sentido espiritual do lugar.

Entrada da exposição
Foto: Santuário de Fátima

Continuar a ler “O fio que tece uma trama de rostos…”

D. Maria II: uma exposição anunciada para o centenário do nascimento da rainha

Exposição “D. Maria II: De princesa brasileira a rainha de Portugal: 1819-1853”
Lisboa, Palácio Nacional da Ajuda, Galeria do Rei D. Luís, (26 maio – 29 set. 2021)

O bicentenário do nascimento de D. Maria II (1819-1853) ocorreu em 2019. No âmbito das comemorações, realizou-se, no Palácio da Ajuda, o congresso internacional “D. Maria II, Princesa do Brasil, Rainha de Portugal: Arte, património e identidade” (12-14 novembro)1 e previa-se uma exposição monográfica. Após sucessivos adiamentos, a que o período conturbado da pandemia não terá sido alheio, a exposição abriu finalmente na Galeria do rei D. Luís, o segundo filho da rainha evocada.

Após o impacto do congresso, a ampla campanha de divulgação que precedeu a inauguração e, também, a vontade de regressar aos museus poucas semanas após o longo confinamento, o público respondeu de forma muito positiva e entusiasmada, considerando o número de visitantes no primeiro fim de semana após a abertura e a afluência de grupos em visitas guiadas na segunda-feira seguinte.

Exposição “D. Maria II: De princesa brasileira a rainha de Portugal”
Foto: MIR, 2021

Continuar a ler “D. Maria II: uma exposição anunciada para o centenário do nascimento da rainha”

  1. O Congresso foi organizado pelo ARTIS – Instituto de História da Arte, Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa e pelo Programa de Pós-graduação em Artes Visuais, Escola de Belas Artes, Universidade Federal do Rio de Janeiro, sob a coordenação de Clara Moura Soares e Marize Malta. Os contributos de mais de duas dezenas de investigadores, portugueses e brasileiros, foram publicados no mesmo ano (Soares & Malta, 2019). []

Guerreiros e mártires nos primórdios da nacionalidade

Exposição “Guerreiros e mártires: A cristandade e o islão na formação de Portugal”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga (20 nov. 2020 – 25 abr. 2021)

Em 2020, foi comemorado o “Jublieu dos Mártires de Marrocos e de Santo António”1, passados 800 anos sobre o martírio de um grupo de franciscanos italianos: os padres Berardo e Otão, o diácono Pedro e os leigos Acúrsio e Adjuto. Os cinco franciscanos passaram por Portugal, em 1219, a caminho de Marrocos, onde foram executados a 16 de janeiro de 1220 pelo miramolin2, o califa almóada Abu Yusuf al-Mustansir: “ElRey sahio de si de ira, & tomando com furor sua espada elle mesmo os matou com suas mãos, abrindo-lhes pello meyo as cabeças, & despois os degolou” (Rivadeneyra, 1674, p. 182). O infante D. Pedro, irmão do rei D. Afonso II, que os acompanhara a Marrocos, providenciou para resgatar os seus restos mortais e trazê-los para Coimbra, “obrando o Senhor alguns milagres em o caminho por sua intercessam” (id., p. 184)3.

Relicários dos Santos de Marrocos; à esquerda, casula feita a partir dos tecidos que envolveram as suas ossadas
Exposição “Guerreiros e mártires”
Foto: MIR, 2021

Continuar a ler “Guerreiros e mártires nos primórdios da nacionalidade”

  1. No âmbito das comemorações do ano jubilar, houve duas outras exposições, ambas em Coimbra: “Do martírio à santidade: Iconografia e devoção dos Mártires de Marrocos”, no Museu Nacional Machado de Castro; “De Fernão se fez António”, na antiga livraria do Mosteiro de Santa Cruz. []
  2. Título usado pelos historiadores medievais europeus para designar o califa de Bagdad e que, por extensão, passou a designar os soberanos muçulmanos. []
  3. A chegada solene das relíquias, impressionou Fernando de Bulhões, frade regrante de Santo Agostinho, que se encontrava na altura no Mosteiro de Santa Cruz e conhecera os mártires na sua passagem pela cidade, o que o levou a juntar-se à comunidade franciscana que se reunia num eremitério dos Olivais sob a invocação de Santo António do Deserto (Santo Antão), motivo pelo qual mudou o nome para António []

Uma semente que germina por Lisboa, cidade verde

Exposição “Hortas de Lisboa: Da Idade Média ao século XXI
Lisboa, Museu de Lisboa, Palácio Pimenta (23 out. 2020 – 19 set. 2021)

A horta é, por definição, o lugar de cultivo de legumes, hortaliças, temperos, ervas medicinais e, eventualmente, árvores de fruto, para consumo alimentar e assente num modelo de agricultura sazonal e de regadio. Durante séculos, as hortas existentes no perímetro da cidade asseguravam o sustento da população. A expansão urbana empurrou-as para os arrabaldes, para as zonas periféricas que, como Carnide (vd. projeto e-Carnide), mantêm evidentes traços de ruralidade, até que, nos últimos anos, se tem vindo a registar um esforço, por vezes artificial, ou contrariando a espontaneidade de algumas iniciativas, no sentido da implementação de hortas reguladas pelo município.

Quintas urbanas na Quinta da Granja em Lisboa
Foto: MIR, 2020

A exposição, estruturada em seis núcleos, explora duas vertentes: a histórica, fazendo uma síntese da evolução dos espaços rurais no tecido urbano desde a época medieval à contemporaneidade; a antropológica, através da análise como o indivíduo urbano lida com as memórias da ruralidade e as projeta no seu quotidiano.

Continuar a ler “Uma semente que germina por Lisboa, cidade verde”

Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo: sinais de risco

O Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, em Évora, é o único museu nacional a sul do Tejo. Em 2019, o Decreto-Lei n.º 78/2019, de 5 de junho, determinava a mudança de nome do, até então, Museu de Évora, evocando a figura de D. Frei Manuel do Cenáculo, arcebispo de Évora (1802-1814), cuja coleção lhe está na génese. Pelo mesmo decreto, o museu, depois de ter estado sob a dependência da Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRC Alentejo), voltou à tutela da Direção Geral do Património Cultural (DGPC), passando os funcionários a integrar o respetivo mapa de pessoal.

Busto de D. Frei Manuel do Cenáculo
António Augusto da Costa Mota, 1904
Évora, Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo
Fotos: MIR, 2020

Continuar a ler “Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo: sinais de risco”

“Vestida de branco”: uma exposição em torno de uma imagem

Exposição “Vestida de Branco: A imagem de Nossa Senhora do Rosário de Fátima”
Fátima, Convivium de Santo Agostinho, Basílica da Santíssima Trindade, 30 nov. 2019 – 15 out. 2020

O Museu do Santuário de Fátima continua a série de exposições comemorativas de centenários relacionados com as aparições. A exposição “Vestida de branco” é comissariada por Marco Daniel Duarte, com museografia dos arquitetos Humberto Dias e Pedro Gândara e design de Inês do Carmo.

Esta é uma exposição comemorativa do centenário da primeira escultura de Nossa Senhora de Fátima.  Porém, o objeto nuclear da exposição, isto é, a imagem da Senhora de Fátima venerada na Capelinha, mantém-se afastado do espaço expositivo, embora se anuncie a sua presença, por um dia, no próximo dia 13 de junho, assinalando o centenário da sua chegada ao santuário.

Figuras recortadas a convergir para a entrada da exposição
Convivium de Santo Agostinho
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler ““Vestida de branco”: uma exposição em torno de uma imagem”

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search