“Tirando pelo natural” figurações, conceções e transgressões no Museu de Arte Antiga

Exposição “Do tirar polo natural: Inquérito ao retrato português
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), 28 jun. – 30 set. 2018 (prolongamento até 14 out.)

Do tirar pelo natural é o título do tratado escrito por Francisco de Holanda, em 1549, o primeiro tratado do mundo ocidental dedicado ao retrato feito por um português1. E esta é uma exposição de retratos, de figurações individuais e coletivas, ainda que, efetivamente, nem todas tenham sido tiradas pelo natural.

Francisco de Holanda. (1563). Do tirar polo natural [Manuscrito].
Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa

O culto da imagem está subjacente ao retrato e, sobretudo, à sua versão egocêntrica do autorretrato, onde o indivíduo é sujeito e objeto de expressão artística, a partir da qual se pode traçar o perfil sociológico de cada época e lugar, consoante as transformações registadas no tipo de figura a representar e a forma de o fazer.

Retratos de família
Lisboa, MNAA, Exposição “Do tirar polo natural”
Foto: MIR, 2018

Continuar a ler

  1. Em 1563, Manuel Denis, pintor espanhol de ascendência portuguesa, traduziu para espanhol o Libro de la pintura antigua de Francisco de Holanda (Real Academia de Bellas Artes de San Fernando, Ms. 3-361), o qual é considerado como a cópia mais antiga conhecida e tradução direta do original português. É a partir deste manuscrito que, em 1790, Mons. Joaquim José Ferreira Gordo fez uma cópia para a Academia das Ciências de Lisboa (Ms. 650). Contém: “Da pintura antigua: Livro primeiro”; “Livro segundo da pintura antigua”; e “Do Tirar polo Natural”. É este manuscrito que se encontra nesta exposição. []

Cruz processional da Sé do Funchal: Diferentes modos de ver

… uma cruz grande dourada, que de prata pesa
oitenta e dois marcos, vinte onças e duas oitavas …

“Ordem régia a João de Barros, tesoureiro, para que entregue a Álvaro Lopes, cónego da Sé do Funchal, a prata destinada à mesma Sé”
Lisboa, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Cabido da Sé do Funchal, mç. 10, n.º 17, PT/TT/CSF/017/M10/17.

Funchal tinha sido elevado à categoria de cidade em 1508, o bispado tinha sido criado em 1514 e a Sé do Funchal, a primeira do “resto do mundo” tinha sido consagrada em 1517, altura em que já estava concluído a capela-mor com o seu monumental retábulo (o único desta época que se conserva íntegro e in situ) quando rei D. Manuel ordenou mandou lavrar um conjunto de vinte alfaias de prata para engrandecer o tesouro catedralício, as quais chegaram à ilha em 1528, já depois da morte do rei. Depois de ultrapassar várias vicissitudes, como o saque dos corsários franceses em 1566, ou as alterações do gosto que no século XVIII ditaram o desaparecimento das antigas alfaias, desse espólio manuelino restam quatro peças: porta-paz (MASF62), caldeirinha (MASF436), maça de porteiro (MASF65) e cruz processional (MASF56).

Cruz processional (pormenor do verso)
Ourivesaria Portuguesa, Lisboa (?), c. 1527
Prata dourada, relevada e cinzelada
Alt. 127 cm x larg. 55 cm
Prov.: Sé do Funchal
Funchal, MASF56
Foto: Arquivo MASF

Continuar a ler

Uma lição de museologia numa exposição temporária

Exposição “500 anos da dedicação da Sé do Funchal: Fé, arte e cultura: Um olhar sobre a obra do Padre Pita Ferreira”
Funchal, Museu de Arte Sacra do Funchal, 18 out. 2017 – 31 mar. 2018

Pode um museu subsistir quando uma parte considerável do espólio em exposição permanente é cedido a outra instituição, durante alguns meses? Pode! E a confirmação surge através de uma lição de museografia – e, por conseguinte, também de museologia – dada pelo Museu de Arte Sacra do Funchal (MASF), a apontar ainda vias de diálogo e cooperação entre instituições, apesar das diferentes missões e distintas tutelas.

Exposição “500 Anos da dedicação da Sé do Funchal “: núcleo 1, vista geral da sala 1
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa / Arquivo MASF, 2017

Continuar a ler

Museografia renovada no Museu de Arte Antiga: exposição de escultura e pintura portuguesa

No passado dia 14 de julho, o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) reabriu o terceiro piso, dedicado à escultura e pintura portuguesas.

Há praticamente uma década que o terceiro piso se circunscrevia aos corredores sobrecarregados no perímetro do átrio. As obras de renovação deste piso, realizadas ao longo dos últimos seis meses1, permitiram a reabertura das salas situadas na retaguarda do anterior espaço expositivo e, sobretudo, envolveram a reformulação da museografia e do discurso museológico. Agora, com treze salas2, são expostas 243 obras (152 de pintura e 91 de escultura), as quais foram alvo de limpeza ou de restauro, sendo algumas apresentadas pela primeira vez.

Os painéis de São Vicente Nuno Gonçalves, c. 1470 Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga

Os painéis de São Vicente
Nuno Gonçalves, c. 1470
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2016.

Continuar a ler

  1. As obras tiveram início a 11 de janeiro. Durante este tempo, os Painéis de São Vicente, considerados uma das obras mais emblemáticas do museu e, por isso, muito procurada pelos visitantes, foi colocada provisoriamente numa das salas do primeiro piso do museu. []
  2. O museu numera as salas do terceiro piso de 1 a 13. Não obstante, a imprensa tem vindo a divulgar que, após a reabertura deste piso, a exposição ocupa 16 salas. A discrepância entre os números justifica-se pelo facto de os jornalistas contabilizarem como salas independentes os dois corredores laterais (com exposição de esculturas) da zona central, ao longo da caixa de escada, bem como a sala que lhe fica no topo. []

O não-museu dos Coches

Não, o novo Museu dos Coches ainda não abriu. O que abriu, no passado sábado (23 de maio), foi o novo espaço para onde transitaram os coches do antigo museu.

Ao longo do fim-de-semana, houve filas intermináveis, porque era novidade e era gratuito e, talvez sobretudo, porque a publicidade e toda a polémica geraram uma imensa curiosidade. Um comunicado da Direção Geral do Património Cultural, confirmava o afluxo de 19.865 visitantes e a realização de cerca de 250 visitas guiadas. Parece um bom prenúncio para as expetativas de Jorge Barreto Xavier, secretário de Estado da Cultura que, na conferência de apresentação do novo museu aos jornalistas, disse esperar pelo menos 350 mil visitantes por ano, o que significa um aumento exponencial face aos 207 mil que, em 2014, visitaram o museu nas antigas instalações.

Museu dos Coches Foto: MIR, maio 2015

Museu dos Coches
Foto: MIR, maio 2015

Continuar a ler

A materialização do desenho de Piranesi

Exposição “Diverse maniere: Piranesi, fantasy and excess
Londres, Sir John Soane’s Museum, 7 março – 31 maio 2014

Giovanni Battista Piranesi, nasceu em Mogliano di Mestre, junto a Veneza, no ano de 1720, e morreu em Roma, em 1778. Interessou-se por arqueologia e pelos cânones da arte clássica, aprendeu arquitetura e engenharia, completou a formação com o gravador Carlo Zucchi. Chegou a Roma, em 1740, integrado na comitiva do Embaixador de Veneza, e começou a trabalhar como assistente de Vasi, reputado gravador de vedute da cidade, em colaboração com o pintor Panini. Roma era, na altura, um lugar cosmopolita de grande prestígio, passagem obrigatória do Grand Tour, ponto de encontro artistas, escritores e intelectuais de toda a Europa.

Veduta del Pantheon. In Piranesi, G. B. (1756). Le anLeantichità romane, v. 1 antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.Leantichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.

Veduta del Pantheon. In Piranesi, G. B. (1756). Le  antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.

Continuar a ler