O tríduo da Páscoa, segundo Mário Rita

Regressamos a uma terra misteriosa
trazemos uma ferida
e o corpo ferido
imprevistamente nos volta
para margens mais remotas
[…]”
José Tolentino Mendonça1

Tríduo Pascal (em latim, Triduum Paschale) é a designação dada no Cristianismo às celebrações da Semana Santa em memória da Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo. A missa de Quinta-feira Santa recorda a Última Ceia de Cristo, como preparação dos momentos da Paixão. Os sinos tocam durante a recitação do Glória e, após esse momento, ficam em silêncio. Segue-se o ritual da lavagem dos pés, evocando o ato de Cristo aos apóstolos, segundo o relato no Evangelho de João (13:1-17). Este é um gesto de humildade e despojamento que prepara para o mistério eucarístico da Última Ceia. As celebrações de Quinta-feira terminam com o desnudamento dos altares. A liturgia deste dia encerra a Quaresma e dá início ao chamado Tríduo Pascal, ao mesmo tempo que anuncia o sentido deste tempo de silêncio, despojamento e ascese.

Crucificação; Ressurreição
Mário Rita, 2015
Exposição “Les Voyeurs”, 2015
Lisboa, Miguel Justino Contemporary Art

Mário Rita consegue incorporar o espírito do Tríduo Pascal neste conjunto de pinturas que, no entanto, escapam à iconografia convencional dos episódios da Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo. Além disso, sendo que a temática religiosa não é frequente na arte contemporânea, também Mário Rita não a usa com um propósito confessional. É, porém, uma expressão introspetiva e denuncia um imenso lirismo na representação do dramatismo e solidão que estas figuras evocam.

Continuar a ler “O tríduo da Páscoa, segundo Mário Rita”

  1. “O silêncio”, in: A noite abre meus olhos: Poesia reunida. Lisboa: Assírio & Alvim, 2014. []

Tempo de Páscoa, entre a sombra que desce e a luz que se anuncia

Consensual angel spinning this word’s thread
he descends
and light-sensitive darkness
follows him down.
Geoffrey Hill1

Há, na obra de Mário Rita, vislumbres de espiritualidade que citam, de forma jamais explícita, uma tradição iconográfica cristã. Por vezes, apenas o título orienta a leitura e define a perceção da representação. Certamente, serão títulos conferidos postumamente à criação, pelo que esta se desenvolve subjetivamente a comandar o gesto que define o traço.

Crucificação
Mário Rita, 2015
Carvão sobre colcha de seda
Foto: Valdemar Ricardo Alves, 2015

Continuar a ler “Tempo de Páscoa, entre a sombra que desce e a luz que se anuncia”

  1. “Psalms of Assize”. In Hill, G. (1994). New & collected poems, 1952-1992 (p. 209). Boston: Houghton Mifflin. []

“Encontro no canto da memória”: visita ao atelier de Mário Rita

“O que fica?, perguntas-me. Um encontro no canto da memória.”
Nuno Júdice, Oferenda

A perceção da obra de arte é influenciada pelo sujeito que a vê e pelo contexto em que é vista. Num museu ou numa galeria, vemo-la depurada, depois de sujeita ao escrutínio curatorial. A ida a um atelier é, por isso, uma viagem ao âmago da criação, no seu contexto original, na nudez dos artifícios, concedendo-nos a entrada no universo pessoal e íntimo do criador-artista. É, também, o privilégio da observação não contaminada pela visão de outros, pelo discurso do curador ou pelas análises dos críticos.

Atelier de Mário Rita
Lisboa, julho de 2019
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler ““Encontro no canto da memória”: visita ao atelier de Mário Rita”

Mário Rita, “le voyeur” no caminho da luz

Exposição “Les Voyeurs”, de Mário Rita
Lisboa, Miguel Justino Contemporary Art, 24 set. – 24 out. 2015

São para mim verdades do Homem que se renova […] pela singularidade que alguns conseguem ver. Esses tenho a certeza que levam na frente a Luz.
Mário Rita, 2015

Em Mário Rita, sobressai a força com que liberta o seu universo introspetivo na linha, no traço, nas manchas, no gesto subentendido. Entre o abstracionismo mais minimalista, o figurativismo e o neoexpressionismo mais intuitivo, Mário Rita exercita a capacidade do desenho a carvão nas representações de figuras fragmentadas ou intersecionadas, em que se misturam pinceladas fluídas de cor e colagens, velaturas e opacidades, ou, nas obras mais recentes, experimentando materiais inéditos como as colchas de seda cujas texturas e padrões que se insinuam sob a pintura. No desenho, ou na pintura, o impulso intuitivo do gesto predomina sobre a geometria da composição.

Exposição "Les voyeurs", 2015.
Exposição “Les voyeurs”, 2015. Foto: Mário Rita, 2015.

Continuar a ler “Mário Rita, “le voyeur” no caminho da luz”

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search