“Encontro no canto da memória”: visita ao atelier de Mário Rita

“O que fica?, perguntas-me. Um encontro no canto da memória.”
Nuno Júdice, Oferenda

A perceção da obra de arte é influenciada pelo sujeito que a vê e pelo contexto em que é vista. Num museu ou numa galeria, vemo-la depurada, depois de sujeita ao escrutínio curatorial. A ida a um atelier é, por isso, uma viagem ao âmago da criação, no seu contexto original, na nudez dos artifícios, concedendo-nos a entrada no universo pessoal e íntimo do criador-artista. É, também, o privilégio da observação não contaminada pela visão de outros, pelo discurso do curador ou pelas análises dos críticos.

Atelier de Mário Rita
Lisboa, julho de 2019
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler ““Encontro no canto da memória”: visita ao atelier de Mário Rita”

Mário Rita, “le voyeur” no caminho da luz

Exposição “Les Voyeurs”, de Mário Rita
Lisboa, Miguel Justino Contemporary Art, 24 set. – 24 out. 2015

São para mim verdades do Homem que se renova […] pela singularidade que alguns conseguem ver. Esses tenho a certeza que levam na frente a Luz.
Mário Rita, 2015

Em Mário Rita, sobressai a força com que liberta o seu universo introspetivo na linha, no traço, nas manchas, no gesto subentendido. Entre o abstracionismo mais minimalista, o figurativismo e o neoexpressionismo mais intuitivo, Mário Rita exercita a capacidade do desenho a carvão nas representações de figuras fragmentadas ou intersecionadas, em que se misturam pinceladas fluídas de cor e colagens, velaturas e opacidades, ou, nas obras mais recentes, experimentando materiais inéditos como as colchas de seda cujas texturas e padrões que se insinuam sob a pintura. No desenho, ou na pintura, o impulso intuitivo do gesto predomina sobre a geometria da composição.

Exposição "Les voyeurs", 2015.
Exposição “Les voyeurs”, 2015. Foto: Mário Rita, 2015.

Continuar a ler “Mário Rita, “le voyeur” no caminho da luz”