“Recuperação” da Fonte dos Anjinhos no Rossio e a palavra “Lisboa” em forma de árvore azul

Havia no Rossio, a Fonte dos Anjinhos, um bebedouro público de origem francesa, produzida pela fundição Antoine Durenne, em Sommevoire, na 2.ª metade do século XIX, segundo o modelo das fontes Wallace1, a qual se tornou imagem integrante da paisagem urbana, memória dos lisboetas e de todos os que por ali passavam como uma marca da praça.

Fonte dos Anjinhos, na Praça D. Pedro V (Rossio), em Lisboa
Joshua Benoliel, 1908
Lisboa, Arquivo Municipal de Lisboa

Continuar a ler ““Recuperação” da Fonte dos Anjinhos no Rossio e a palavra “Lisboa” em forma de árvore azul”

  1. As fontes Wallace, cujo nome deriva do seu idealizador, o filantropo inglês Sir Richard Wallace que doou 100 exemplares da fonte à cidade de Paris em 1872, com o intuito de dispensar água potável aos desvalidos e a todos os que, na rua, tivessem sede. Posteriormente, estas fontes espalharam por outras cidades em todo o mundo, incluindo Lisboa. Wallace delineou algumas orientações para a sua construção: ser suficientemente altas para que pudessem ser vistas e identificadas à distância, sem destruir a harmonia da paisagem urbana envolvente; ter uma forma que fosse adequada ao uso e. simultaneamente, agradável à vista; ser de baixo custo para permitir a difusão em alta escala; usar materiais resistentes aos elementos, fáceis de moldar e simples de manter. O escultor Charles Lebourg concebeu um pedestal sobre o qual quatro cariátides de inspiração grega, representado as figuras alegóricas da Bondade, da Caridade, da Sobriedade e da Simplicidade que sustentam uma cúpula. []

Os brasões do império e a persistência dos símbolos

Enquanto o resto do mundo mergulhava numa guerra implacável, Portugal do Estado Novo alheava-se na propaganda do regime e construía uma exposição monumental que exaltava as glórias nacionais e do império colonial… Comemorava-se o 8º centenário da fundação da nacionalidade, a pretexto da data em que D. Afonso Henriques usou pela vez o título de Rei de Portugal (1140), e o 3º centenário da restauração da independência, após o período filipino (1640).

Fonte da Praça do Império Foto: André Varela Remígio, 29 ago. 2014.
Fonte da Praça do Império
Foto: André Varela Remígio, 29 ago. 2014.

Continuar a ler “Os brasões do império e a persistência dos símbolos”

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search