Júlio Pomar (1926-2018)

Não morreu, Júlio Pomar.
Nasceu em 1926; partiu em 2018.

Pode dizer-se que frequentou a Escola de Artes Decorativas António Arroio e, depois, a Escola Superior de Belas Artes, em Lisboa e, depois, no Porto, mas nem isso é relevante para definir a envergadura daquele que terá sido um dos mais importantes vultos da arte portuguesa (mundial?) do século XX.

O almoço do trolha
Júlio Pomar, 1946-47
Foto: Paulo Spranger / Global Imagens

Continuar a ler

Júlio Pomar: um olhar entre textos e imagens

Exposição “Tratado dos olhos”, de Júlio Pomar
Lisboa, Atelier-Museu Júlio Pomar, 28 fevereiro – 28 setembro

Pomar, J.; Matos, S. A. (ed.); Faro, P. (org.). (2014). Notas sobre uma arte útil: Parte escrita I. Lisboa: Documenta; Atelier-Museu Júlio Pomar.
Júlio Pomar expõe-se através do texto e da imagem. Ao mesmo tempo que se inaugura a exposição Tratado dos olhos, é lançada a obra Notas Sobre uma Arte Útil com textos escritos entre 1942 e 1960, por altura do exílio em Paris. Anuncia-se como o primeiro volume da trilogia intitulada Parte da escrita, completada com Da Cegueira dos Pintores, Parte Escrita II (1985) e Temas e Variações, Parte Escrita III (1968-2013), cuja publicação está prevista para os próximos meses a partir da recolha elaborada por Sara Antónia Matos, diretora do Atelier Museu, e Pedro Faro.

Continuar a ler