Dizer o indizível

(Porque calar não é possível)

18 de maio é o dia escolhido pelo Conselho Internacional dos Museus (ICOM) para celebrar o Dia dos Museus. O tema proposto para 2017 é “Museus e histórias controversas: dizer o indizível em museus”.  Se o museu sempre se assumiu como um instrumento discursivo em torno de um repositório de memórias, propõe-se, agora, uma ação mais interventiva na construção do discurso e das narrativas que, silenciosamente, se subentendiam sob a camada visível do que era exposto.

Contrariando o princípio anquilosado de isenção no discurso, o museu, desde a Nova Museologia, tende a assumir que qualquer exposição é uma versão dos fenómenos que compõem a realidade e que a pode utilizar de forma interventiva. As coleções museológicas são repositórios documentais que importa (re)analisar para lá das convenções e das retóricas que definem a história oficial (ou oficializada). Se não há uma verdade absoluta, se os caminhos do conhecimento e da consciência não são direitos, nem unívocos, tudo o que podemos expor são fragmentos e pontos de vista. Se assumirmos que é através da pluralidade de perspetivas, postas em confronto e sujeitas a debate, que reconstrói a realidade, todas as narrativas são possíveis e todas são, igualmente, questionáveis. O princípio da (impossível) isenção é sobreposto pelo (imprescindível) rigor na investigação e na apresentação da informação.

Asesinos ! Asesinos
Kader Attia, 2014
Foto: Nora Rupp

Assumir a pluralidade de perspetivas, não implica apenas quem enuncia o discurso, mas também quem o recebe, nas suas múltiplas individualidades. Por isso, dizer o indizível no museu, implica também falar a diversas vozes, em diferentes tons e registos, para que cada um encontre o seu próprio discurso, aquele que lhe corresponde e lhe é dirigido.

Dizer o indizível é ousar abordar aquilo que se julgou prudente esquecer: é decidir que não há histórias proibidas, por mais dolorosas, ou incómodas, ou constrangedoras; é aceitar que não há memórias interditas; é enfrentar o passado, as fraquezas, tanto quanto as grandezas, da nossa humanidade. É ter a audácia de enfrentar os fantasmas e os tabus, é ter a humildade de aprender com os erros da nossa civilização e fazer deles uma advertência face às ameaças do nosso quotidiano. Dizer o indizível, no museu, é sacudir a poeira dos cadáveres que têm estado esquecidos nas prateleiras das nossas reservas.

Saying the unspeakable in museums looks at how to understand the incomprehensible aspects of the contested histories inherent to the human race. It also encourages museums to play an active role in peacefully addressing traumatic histories through mediation and multiple points of view. (ICOM, 2017)

Essa é, cada vez mais, a missão do museu.

“As coleções criam conexões”: o papel dos museus na sociedade contemporânea

18 de maio, Dia Internacional dos Museus 2014 | ‘Museus: coleções criam conexões

O ICOM (Conselho Internacional de Museus) é uma organização internacional não-governamental criada em 1946, associada à UNESCO e com a missão de promover e proteger o património cultural e natural, tangível e intangível. Atualmente com mais de 30.000 membros em 137 países, o ICOM assume-se como uma rede de profissionais ligados aos museus e ao património, tendo como propósito a cooperação e troca de conhecimentos e metodologias.

Em 1977, o ICOM criou o Dia Internacional dos Museus, a 18 de maio, tendo em vista a sensibilização do público para o papel dos museus no desenvolvimento da sociedade. Com uma adesão crescente desde essa altura, em 2013, cerca de 35.000 museus em 143 países participaram nesta iniciativa.

Este ano, o tema é “As coleções criam conexões” propondo uma reflexão sobre o papel dinâmico do museu na relação que o museu cria com a comunidade, alargada e fluída, dos seus públicos.

ICOM, Dia Internacional dos Museus 2014 Museus: coleções criam conexões

ICOM
Dia Internacional dos Museus
18 maio 2014

Torna-se cada vez mais premente a reflexão acerca do perímetro da função patrimonial do museu no contexto da cultura contemporânea, cada vez mais globalizada, e em vertiginosa mutação de referências, num fenómeno de encurtamento das coordenadas espaço-tempo. É nesse contexto que o museu reivindica a competência de “criar conexões” através das coleções.

Continuar a ler