Deambulações no Dia Internacional dos Museus: Museu de Arte Contemporânea e Museu Bordalo Pinheiro

O dia dos museus é pretexto para deambulações pelos museus, aproveitando o tom de festa e de celebração, a programação diferente, as exposições que são inauguradas. Calhando o dia 18 de maio num dia útil, torna-se necessário conciliar horários de trabalho – e, ontem, também, com uma queda que, tendo rasgado as calças, obrigou a uma troca de roupa e, também, a uma maior lentidão – e gerir a frustração face a tudo o que fica por ver e que irá ocupar a agenda dos próximos dias.

A escolha caiu no Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC) e no Museu Bordalo Pinheiro (MBP). As razões poderiam ter sido muitas, quer pelas diferenças entre ambos, como as tutelas, modelos de gestão, coleções, museografia, quer pelas afinidades possíveis de encontrar. Porém, a verdade é que a escolha teve a ver sobretudo com o gosto pessoal. E, assumindo o quanto somos influenciados pelas redes sociais, a forma como ambos os museus se mantiveram ativos e dinamizaram a interação com as suas audiências, determinou a escolha no universo de possibilidades dentro desse gosto pessoal. Ficou adiada a ida ao Museu de Arte Antiga (se não fosse a queda!), à sala Lalique do Museu Gulbenkian, às exposições do Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal, inauguradas à noite (fica a promessa, Joanna Latkta) …

Exposição “Meu Amigo: Obras e documentos da coleção Ernesto de Sousa (1921-1988)”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea
Foto: MIR, 2021
Exposição “Pé d’orelha: Conversas entre Bordalo e Querubim”
Lisboa, Museu Bordalo Pinheiro
Foto: MIR, 2021

Em ambos os museus visitados, é comovente assistir ao regresso do público, ver os espaços animados de gente e constatar a vontade que todos sentíamos de voltar a ver “aquelas” obras com a emoção de um reencontro.

Continuar a ler “Deambulações no Dia Internacional dos Museus: Museu de Arte Contemporânea e Museu Bordalo Pinheiro”

Da recuperação à reimaginação: a lição do Museu de Arte Contemporânea em tempo de confinamento

O Museu Nacional de Arte Contemporânea manteve uma atividade exemplar em tempos de confinamento, com um conjunto de propostas inovadoras que ultrapassavam a mera transposição das atividades convencionais do museu para o suporte digital (vd. A reinvenção dos museus em época de confinamento: O exemplo que vem do MNAC) em duas vertentes essenciais: estratégias participativas que integravam a ação do público alargado a uma escala, literalmente, global; criação de conteúdos que passam a constituir fontes primárias para a historiografia da arte contemporânea.

Fotograma extraído dos vídeo “O Fungagá das Artes 16” no Youtube

O envolvimento do público passou, sobretudo, pelo “Fungagá das artes”, iniciativa conjunta do MNAC e da Fundação Millenium BCP, um curso de artes, pintura e desenho, dirigido maioritariamente pelo pintor Nelson Ferreira e transmitido regularmente aos fins de semana no canal Youtube. A par da intenção didática e lúdica, as sessões tinham uma componente muito interativa, dinamizando um contínuo diálogo entre o formador, o museu e os seus participantes, cujos comentários escritos apareciam em destaque sobre a imagem.

Exposição no MNAC dos desenhos com recriações da pintura O Grupo de Leão
Imagem: Facebook MNAC, 21 de abril 2021

Os participantes eram convidados a partilhar os seus desenhos nas redes sociais, utilizando as hashtags #mnacportugal e #ofungagádasartes, mas também a enviá-los pelo correio. Foi o caso da sessão 16, dedicada à pintura O Grupo de Leão, de Columbano Bordalo Pinheiro (1857-1929), a meio da qual o MNAC propôs “convidar os nossos amigos de todos os sítios do mundo para esta festa do Grupo do Leão”. Da observação e recriação da obra, passou à imersão no tema representado. Além disso, em contradição com a intangibilidade do encontro virtual, provocou a sua materialização através do envio dos desenhos. Os indivíduos que constituíam a audiência tornaram-se produtores de narrativas visuais e as suas obras ganharam o estatuto de objeto museal e, como tal, foram inseridos num espaço do percurso expositivo após a reabertura do museu.

Série “O processo criativo: Depoimentos de artistas” no Youtube
Fotogramas extraídos dos vídeos de Mário Rita, em cima, de The Lisbon wire Man (David Oliveira), ao meio, e de Joanna Latka, em baixo.

A criação de conteúdos inéditos é particularmente relevante na série de vídeos “O processo criativo: Depoimentos de artistas”, dando visibilidade a mais de uma centena de artistas contemporâneos, permitindo-lhes falar na primeira pessoa sobre os seus processos criativos.

Em vídeos de pequena duração, raramente excedendo os 5 minutos, os depoimentos são tão variados quanto as expressões plásticas. Se a maioria dos artistas não gosta de verbalizar sobre a sua obra, aqui são levados à construção de um discurso textual. Concisos ou eloquentes, objetivos ou subjetivos e introspetivos, racionais ou emotivos, descritivos ou interpretativos, estes depoimentos afastam-se dos discursos de eruditos e críticos. Aqui, a forma como cada um concebe o seu depoimento também se constitui como signo; os próprios silêncios, como os espaços em branco, têm um significado que contribui para elucidar a obra e para conhecer o seu criador. Com esta série, o MNAC um corpus documental de indiscutível importância para o estudo da arte contemporânea, ao mesmo tempo que disponibiliza o conhecimento dos artistas aos públicos coevos e futuros.

Ao mesmo tempo que recupera a sua missão através da conexão estabelecida com públicos e da criação e disponibilização do conhecimento, o museu reimagina a formalização das funções museológicas aplicando novos métodos de atuação e utilizando os instrumentos e técnicas disponíveis de forma criativa e sustentável. Dessa forma, cumpre os desígnios enunciados na epígrafe proposta pelo ICOM para o Dia Internacional dos Museus em 2021 e, com isso, sugere vias de atuação para que aqueles possam ser cumpridos.

Imagem de topo:  Hilda Frias, 2020.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Da recuperação à reimaginação: a lição do Museu de Arte Contemporânea em tempo de confinamento," in a.muse.arte , 2021/05/18, https://amusearte.hypotheses.org/7332.

O futuro dos museus, entre a recuperação e a inovação

Dia Internacional dos Museus 2021: “O futuro dos museus: recuperar e reimaginar”

Um tempo de inusitada crise pode ser interiorizado como uma oportunidade de transformação e, com isso, de melhoria. Ao longo do último ano, vivido entre confinamentos, os museus foram obrigados a encerrar e a procurar novos modelos de comunicação e interação com os públicos, enquanto lidavam (e continuam a lidar) com uma reabertura limitada por imposições sanitárias, com os efeitos decorrentes da quebra de receitas, com uma gestão de meios cada vez mais precários, com os problemas da planificação a médio e a longo prazo, com a imprevisibilidade e a insegurança. Por tudo isso, este é um momento crucial de mudança, mas também de recuperação dos valores identitários do museu.

Também, por isso, o ICOM propõe o tema “O futuro dos museus: recuperar e reimaginar” para o Dia Internacional dos Museus 2021, convidando os museus, os seus profissionais e as comunidades a criar (ou imaginar) e a partilhar novas práticas cocriativas, bem como novos modelos de negócio adaptados a instituições culturais e soluções inovadoras que respondam aos atuais desafios sociais, económicos e ambientais.

Continuar a ler “O futuro dos museus, entre a recuperação e a inovação”

Hiperconetividade na era da hipermodernidade

“… é fácil confessar que muitíssimas coisas há na terra da Utopia que gostaria de ver implantadas nas nossas cidades, em toda a verdade e não apenas em expectativa”
Thomas More, Utopia

“Hiperconetividade” enquanto conceito subentende-se num artigo de Barry Wellman (2001) acerca das redes sociais e onde aborda aquilo que designa como “globalized connectivity” (Wellman, 2001, p. 230), mas surge efetivamente num estudo, elaborado pelo autor com Anabel Quan-Haase, acerca das múltiplas conexões estabelecidas através das tecnologias da informação e comunicação digital, no qual reconheciam o efeito positivo da tecnologia para fortalecer as relações interpessoais e contrariar as suas hierarquias, ainda que as conexões estabelecidas não se estabeleçam uniformemente – “all […] are connected, but some are more connected than others” (Quan-Haase, & Wellman, 2006, p. 322).

Utilização de recursos de Humanidades Museum of Modern Art (MoMA)
Foto: MIR, 2014.

O termo foi escolhido, pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM), como tema para o Dia Internacional dos Museus 2018: “Museus hiperconectados: novas abordagens, novos públicos”.

Continuar a ler “Hiperconetividade na era da hipermodernidade”

Dizer o indizível

(Porque calar não é possível)

18 de maio é o dia escolhido pelo Conselho Internacional dos Museus (ICOM) para celebrar o Dia dos Museus. O tema proposto para 2017 é “Museus e histórias controversas: dizer o indizível em museus”.  Se o museu sempre se assumiu como um instrumento discursivo em torno de um repositório de memórias, propõe-se, agora, uma ação mais interventiva na construção do discurso e das narrativas que, silenciosamente, se subentendiam sob a camada visível do que era exposto.

Contrariando o princípio anquilosado de isenção no discurso, o museu, desde a Nova Museologia, tende a assumir que qualquer exposição é uma versão dos fenómenos que compõem a realidade e que a pode utilizar de forma interventiva. As coleções museológicas são repositórios documentais que importa (re)analisar para lá das convenções e das retóricas que definem a história oficial (ou oficializada). Se não há uma verdade absoluta, se os caminhos do conhecimento e da consciência não são direitos, nem unívocos, tudo o que podemos expor são fragmentos e pontos de vista. Se assumirmos que é através da pluralidade de perspetivas, postas em confronto e sujeitas a debate, que reconstrói a realidade, todas as narrativas são possíveis e todas são, igualmente, questionáveis. O princípio da (impossível) isenção é sobreposto pelo (imprescindível) rigor na investigação e na apresentação da informação.

Asesinos ! Asesinos
Kader Attia, 2014
Foto: Nora Rupp

Assumir a pluralidade de perspetivas, não implica apenas quem enuncia o discurso, mas também quem o recebe, nas suas múltiplas individualidades. Por isso, dizer o indizível no museu, implica também falar a diversas vozes, em diferentes tons e registos, para que cada um encontre o seu próprio discurso, aquele que lhe corresponde e lhe é dirigido.

Dizer o indizível é ousar abordar aquilo que se julgou prudente esquecer: é decidir que não há histórias proibidas, por mais dolorosas, ou incómodas, ou constrangedoras; é aceitar que não há memórias interditas; é enfrentar o passado, as fraquezas, tanto quanto as grandezas, da nossa humanidade. É ter a audácia de enfrentar os fantasmas e os tabus, é ter a humildade de aprender com os erros da nossa civilização e fazer deles uma advertência face às ameaças do nosso quotidiano. Dizer o indizível, no museu, é sacudir a poeira dos cadáveres que têm estado esquecidos nas prateleiras das nossas reservas.

Saying the unspeakable in museums looks at how to understand the incomprehensible aspects of the contested histories inherent to the human race. It also encourages museums to play an active role in peacefully addressing traumatic histories through mediation and multiple points of view. (ICOM, 2017)

Essa é, cada vez mais, a missão do museu.

“As coleções criam conexões”: o papel dos museus na sociedade contemporânea

18 de maio, Dia Internacional dos Museus 2014 | ‘Museus: coleções criam conexões

O ICOM (Conselho Internacional de Museus) é uma organização internacional não-governamental criada em 1946, associada à UNESCO e com a missão de promover e proteger o património cultural e natural, tangível e intangível. Atualmente com mais de 30.000 membros em 137 países, o ICOM assume-se como uma rede de profissionais ligados aos museus e ao património, tendo como propósito a cooperação e troca de conhecimentos e metodologias.

Em 1977, o ICOM criou o Dia Internacional dos Museus, a 18 de maio, tendo em vista a sensibilização do público para o papel dos museus no desenvolvimento da sociedade. Com uma adesão crescente desde essa altura, em 2013, cerca de 35.000 museus em 143 países participaram nesta iniciativa.

Este ano, o tema é “As coleções criam conexões” propondo uma reflexão sobre o papel dinâmico do museu na relação que o museu cria com a comunidade, alargada e fluída, dos seus públicos.

ICOM, Dia Internacional dos Museus 2014 Museus: coleções criam conexões
ICOM
Dia Internacional dos Museus
18 maio 2014

Torna-se cada vez mais premente a reflexão acerca do perímetro da função patrimonial do museu no contexto da cultura contemporânea, cada vez mais globalizada, e em vertiginosa mutação de referências, num fenómeno de encurtamento das coordenadas espaço-tempo. É nesse contexto que o museu reivindica a competência de “criar conexões” através das coleções.

Continuar a ler ““As coleções criam conexões”: o papel dos museus na sociedade contemporânea”