Paixão segundo Aleijadinho, em Congonhas: o sítio e o museu

O Museu de Congonhas é considerado o primeiro ‘museu de sítio’ do Brasil, formalizando-se como um centro interpretativo do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, incluído no Livro de Tombo de Belas Artes do IPHAN, em 1939, e inscrito na Lista do Patrimônio Cultural Mundial da UNESCO, em 1985.

Museu de Congonhas | Galeria da Arquitetura
Museu de Congonhas
Gustavo Penna Arquiteto & Associados (GPA&A), 2015
Congonhas
Foto: GPA&A, 2015

Continuar a ler “Paixão segundo Aleijadinho, em Congonhas: o sítio e o museu”

Repensar o museu em tempo de pandemia

A vida, tal como a conhecíamos, ficou suspensa. O quotidiano, as rotinas, a normalidade, âncora da nossa segurança, sofreram uma mudança tão inesperada, quanto profunda, substituindo-se por um confinamento que nos obriga ao isolamento e nos convida à frugalidade e à reflexão. A omnipresença da ideia da doença, do sofrimento e da morte traz o questionamento acerca do sentido da vida, ou seja, acerca do sentido das nossa vida, individual e coletiva, agora e depois. É nesse sentido, também, que nos questionamos acerca do sentido do museu, agora e depois.

Sala do Metropolitan Museum of Art, temporariamente fechado devido ao coronavirus
Foto: Alamy Stock Photo, 2020

Embora fechados, os museus continuam presentes, reinventando-se na comunicação dos seus espólios e das suas memórias.

Continuar a ler “Repensar o museu em tempo de pandemia”

E se um escriba egípcio nos entrasse em casa e olhasse nos olhos? Museus e exposições disponíveis na web

“Ficar em casa” (#ficaremcasa; #stayathome)

Estamos em casa e os museus estão fechados. Porém, estar fechado não significa que não seja possível lá entrar, deambular pela exposição, olhar e ver. Os museus estão fechados, mas deixam uma janela aberta sobre o universo das suas coleções.

Nunca como agora, em que todos estão privados do acesso aos museus, aos sítios patrimoniais e aos espaços de cultura, fez tanto sentido a digitalização no sentido mais amplo de transposição de suportes, edição e processamento da informação e disponibilização dos conteúdos em linha. Não será nunca a mesma coisa, visitar o espaço físico do museu, ver as obras reais e autênticas no sítio ocupam na exposição ou aceder a tudo isso no espaço virtual e, portanto, sem a materialidade que (também) lhe confere sentido.

Público junto à Mona Lisa, de Leonardo da Vinci
Paris, Museu do Louvre
Foto: Michaela Šimove, 2019

Continuar a ler “E se um escriba egípcio nos entrasse em casa e olhasse nos olhos? Museus e exposições disponíveis na web”

Museus na web: Outra forma de ver nestes dias tão estranhos

“Ficar em casa” (#ficaremcasa; #stayathome) tornou-se o lema destes estranhos dias. De repente, tomamos consciência de que o mundo é efetivamente global, enquanto que os nossos universos pessoais se tornam infinitamente mais pequenos e confinados.

Visitante de máscara na Galeria Tretyakov, em Moscovo, Rússia.
Foto: Artyom Geodakyan/Tass, 2020.

Continuar a ler “Museus na web: Outra forma de ver nestes dias tão estranhos”

Museu: real ou virtual?

O museu vive este dilema entre o real e o virtual. O museu é o local onde se expõe e comunica objetos reais, ainda que isto implique uma referência à sua intangibilidade; e mesmo se a definição de museu inclui o património intangível este é representado no museu através de objetos concretos.

Exposição “Fernando Pessoa: Plural como o universo”, 2012
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian

Continuar a ler “Museu: real ou virtual?”

Viagem entre peregrinação e turismo

A prática da deslocação a centros sagrados está já documentada em tribos pré-históricas em todos os continentes, e constitui uma realidade associada a todas as grandes religiões. De facto, a ocorrência de centros sagrados, isto é, de lugares hierofânicos que constituem uma rutura no espaço homogéneo do quotidiano e que os fiéis desejam visitar por motivos espirituais e de renovação pessoal, é inerente ao fenómeno religioso (Eliade, 2004). Regista-se, aqui, nesta necessidade de deslocação ao lugar sagrado, a génese do turismo religioso.

Cavalgada dos Magos
Sassetta (Stefano di Giovanni), ca. 1433–35
Nova Iorque, Metropolitan Museum of Art

Peregrinação (do latim per agros, isto é, pelos campos) significa, literalmente, uma deslocação entre lugares, tomando, ao longo do tempo o sentido de jornada realizada por um devoto a um lugar sagrado.

Continuar a ler “Viagem entre peregrinação e turismo”

Hiperconetividade na era da hipermodernidade

“… é fácil confessar que muitíssimas coisas há na terra da Utopia que gostaria de ver implantadas nas nossas cidades, em toda a verdade e não apenas em expectativa”
Thomas More, Utopia

“Hiperconetividade” enquanto conceito subentende-se num artigo de Barry Wellman (2001) acerca das redes sociais e onde aborda aquilo que designa como “globalized connectivity” (Wellman, 2001, p. 230), mas surge efetivamente num estudo, elaborado pelo autor com Anabel Quan-Haase, acerca das múltiplas conexões estabelecidas através das tecnologias da informação e comunicação digital, no qual reconheciam o efeito positivo da tecnologia para fortalecer as relações interpessoais e contrariar as suas hierarquias, ainda que as conexões estabelecidas não se estabeleçam uniformemente – “all […] are connected, but some are more connected than others” (Quan-Haase, & Wellman, 2006, p. 322).

Utilização de recursos de Humanidades Museum of Modern Art (MoMA)
Foto: MIR, 2014.

O termo foi escolhido, pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM), como tema para o Dia Internacional dos Museus 2018: “Museus hiperconectados: novas abordagens, novos públicos”.

Continuar a ler “Hiperconetividade na era da hipermodernidade”

Arte e cultura portuguesa em exposição no museu universal do Google

O Ministério da Cultura, através da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), celebrou, no dia 9 de novembro, um acordo com o Google Cultural Institute, permitindo que as coleções dos museus, palácios e monumentos nacionais passem a estar representadas no Google Arts & Culture.

O Google Arts & Culture é a designação atual do antigo Google Art Project é uma plataforma digital pioneira na digitalização de imagens de alta resolução de obras de obras e na criação de visitas virtuais interativas no interior de alguns dos mais relevantes museus mundiais.

Google Arts and Culture: página de entrada do projeto
Printscreen, 11 nov. 2017

Continuar a ler “Arte e cultura portuguesa em exposição no museu universal do Google”

História da arte digital e museologia

A tecnologia digital alterou os parâmetros da investigação (também) em humanidades: se, há poucas décadas, parte do trabalho do investigador era identificar as fontes e coletar os dados, numa incessante pesquisa em bibliotecas e arquivos, hoje, a profusão de dados a que se tem acesso imediato implica a centralidade do estudo na seleção e no processamento da informação e, sobretudo, na atualização do conhecimento em constante aceleração. Por um lado, a tecnologia digital permite novos métodos e novos campos de investigação, enquanto, por outro lado, o hipertexto, a sintaxe da web, altera a comunicação do conhecimento. Se, em 1997, Steven Johnson Johnson considerava que as inovações mais importantes propiciadas pela web se davam ao nível micro da sintaxe, mas não ao nível macro da narrativa (Johnson, 1997, p. 130), o ambiente colaborativo que entretanto se desenvolveu desencadeou novas formas narrativas (Lloret Romero, & Canet Centellas, 2008), inclusive em contexto académico.

André Malraux no processo de seleção de imagens para o livro Le musée imaginaire de la sculpture mondiale
Foto: Maurice Jarnoux/Paris Match via Getty

Continuar a ler “História da arte digital e museologia”

A incrível corrida dos Pokémon

Pokémon, contração dos termos japoneses Poketto Monsutā (Monstros de bolso) começou como por ser um videojogo (Poketto Monsutā Aka e Midori, verde e vermelho), criado por Satoshi Tajiri, lançado no mercado em 1996. Pouco depois, passou para as telas de cinema e para os ecrãs de televisão, Os Pokémon são criaturas monstruosas, geralmente baseadas em animais reais ou em criaturas da mitologia oriental, ou em entes inanimados e lendários.

Galeria de tipos Pokémon
Galeria de tipos Pokémon

Continuar a ler “A incrível corrida dos Pokémon”

Museologia e tecnologia digital na Rota da Escravatura

Núcleo Museológico Rota da Escravatura
Lagos, Praça do Infante, edifício do Mercado dos Escravos

Núcleo Museológico Rota da Escravatura: entrada Foto: MIR, 2016
Núcleo Museológico Rota da Escravatura: entrada
Foto: MIR, 2016

É um museu pequeno e com poucos objetos. Nem é propriamente um museu, mas um núcleo museológico que aborda a memória de um passado negro. Estas poderiam ser as determinantes de uma iniciativa votada ao fracasso. Continuar a ler “Museologia e tecnologia digital na Rota da Escravatura”

A estratégia da sauna finlandesa

As fronteiras das Humanidades Digitais: Ensaio de geografia política de uma comunidade científica.

Versão portuguesa do texto La stratégie du Sauna finlandais
Por Marin Dacos, 1 jun. 2013
https://bn.hypotheses.org/11138

Tradução:
Dália Guerreiro
UÉ-CIDEHUS
https://bdh.hypotheses.org/
Maria Isabel Roque
Universidade Europeia / UÉ-CIDEHUS
http://amusearte.hypotheses.org/

Resumo

Fala-se de Humanidades Digitais! Mas será que as Humanidades Digitais existem como comunidade unida e coerente? O governo desta comunidade é equilibrado e democrático? Até agora, ainda não tinha havido um estudo acerca desta comunidade, sustentado por um inquérito que abrangesse todos os seus membros, numa perspetiva multilinguística e geográfica. O inquérito “Who are you, Digital Humanists?” – lançado no THATCamp Luxemburgo (2012), e divulgado durante o DH2012, Hambourg – permitiu juntar uma amostra incompleta, ainda que significativa, de 850 indivíduos que aceitaram responder ao nosso questionário. Constatou-se, por um lado, uma grande diversidade linguística e geográfica, tendo havido um grupo de não participantes, por não terem visto o inquérito ou por não lhe terem prestado atenção, e, por outro lado, a exceção do inglês como primeira língua, a par da sua predominância como segunda língua. Revelou-se que as Humanidades Digitais estavam muito marcadas pela História e pelos estudos clássicos, mas muito pouco, realmente muito pouco, ligadas às disciplinas que se interessam pelo mundo contemporâneo, sejam as ciências da Web, ou as relacionadas com a mineração de dados e de textos. Descobriu-se também um evento de grande importância, o encontro Digital Humanities 2012, cujo tema era a diversidade cultural e que foi presidido pela Europa, América do Norte ou, mais precisamente, pelo Reino Unido e as sua ex-colónias (Irlanda, Canadá, Estados Unidos de América, Austrália). Diríamos que a anglofonia voltou a marcar pontos. A fim de medir os progressos da diversidade no âmago do poder da nossa comunidade, este artigo propõe a criação de um indicador, o Digital Humanities Decision Power (DHDP), para calcular a distância entre os grupos de Humanidades Digitais e medir as suas faculdades na peritagem e nos procedimentos de seleção científica. Com base neste indicador, seria necessário um debate coletivo para tornar a nossa comunidade mais aberta à diversidade linguística e geográfica. A isso, nós chamamos a estratégia da Sauna finlandesa.

Dacos_2013_estrategia-da-sauna-finlandesa

O amanhã do museu começa hoje

“[…] eles ignoravam que hoje era ontem e haveria amanhã”
Clarice Lispector1

Após séculos e séculos de colecionismo privado, a idade dos museus implantou-se no século XIX como um espaço para a preservação do património a transmitir às gerações futuras. O museu surgiu sob um signo de sacralidade – no momento em que a sociedade se tornava laica, o sentimento religioso impregnava-se na glorificação do passado e dos seus testemunhos materiais – constituindo-se como um reduto separado da vida quotidiana, um santuário adequado à mitificação das coleções de pintura e escultura, ourivesaria, joalharia, mobiliário, manuscritos iluminados e códices.

Mostra Vaticana, 1888.
Mostra Vaticana, 1888.

Continuar a ler “O amanhã do museu começa hoje”

  1. Lispector, C. (1974). Onde estivestes de noite? Rio de Janeiro: Artenova. []