Ameaças ao património

O presidente dos Estados Unidos da América (EUA), num tweet do passado sábado deixou uma ameaça muito substantiva de um ataque rápido e duro àquilo que considera ser sítios patrimoniais de grande importância para a cultura do Irão:

“Let this serve as a WARNING that if Iran strikes any Americans, or American assets, we have targeted 52 Iranian sites (representing the 52 American hostages taken by Iran many years ago), some at a very high level & important to Iran & the Iranian culture, and those targets, and Iran itself, WILL BE HIT VERY FAST AND VERY HARD. The USA wants no more threats!” (United States. President (2017- : Trump), 2020, 4 jan., 11:52)

Pela imagem de si próprio que tem vindo a construir sobretudo desde que é presidente, não lhe podemos exigir – mas deve ser exigido ao presidente de um qualquer país e, sobretudo, de um dos países mais poderosos do mundo – que tenha consciência de que esses sítios patrimoniais não são de grande importância apenas para a cultura do Irão, mas para a cultura e para o “ser” de toda a humanidade.

O Irão tem, atualmente, inscritos 24 sítios na Lista do Património Mundial da Unesco. Depois do isolamento imposto por Aiatolá Khomeini e após o fim da guerra Irão-Iraque, Ali Khamenei permitiu uma maior, ainda que moderada, abertura do país. Contrariamente a alguns preconceitos difundidos no ocidente1, o governo iraniano, através do ICHTO (Organização Iraniana do património cultural, do artesanato e do turismo), protege e conserva o património. “Preserving its cultural heritage, identity, and authenticity have become a political aim, alongside a concern for the interpretation of Iran’s culture and history. […] Iran is reestablishing its mantle as the Gate of All Nations” (Roque, & Forte, 2019, p. 42)

Porta de Todas as Nações
Reinado do rei Aqueménida Xerxes I (486-465 a.C)
Irão, Persépolis, Takht-e Jamshid
Foto: Creative Commons License 3.0

Continuar a ler “Ameaças ao património”

  1. No grupo do Facebook “Arte, museus e património”, alguém afirmava: “Não existe cultura iraniana, existe cultura persa e o Irão já tratou de destruir quase tudo”. []

Instituto dos Museus e Monumentos: Uma medida que já não é medida

Na audição do Orçamento de Estado da Cultura para 2018, o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, revelou uma nova medida inserida numa reforma administrativa mais alargada: a criação do Instituto dos Museus e Monumentos.

Percebia-se – até porque a declaração surgiu na sequência de uma questão formulada pela deputada centrista Teresa Caeiro acerca do anunciado modelo de gestão do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) – que esta a promessa medida estaria relacionada com a promessa de uma maior autonomia administrativa e financeira do museu, em resposta à pretensão sucessivamente formulada pelo diretor do museu, António Filipe Pimentel, face a uma situação de quase rutura verificada no passado Verão.

Continuar a ler “Instituto dos Museus e Monumentos: Uma medida que já não é medida”

Terramotos sobre o património

O sismo que, na manhã de 30 de outubro, atingiu o centro de Itália, sobretudo em Marche e Umbria, mas sentindo-se também nas regiões de Abruzzo e Lazio, atingindo as cidades de Castelsantangelo sul Nera, Núrcia e Preci, com uma magnitude de 6.6 na escala de Ritcher, e as sucessivas réplicas, trouxeram-nos imagens de devastação e um sentimento de perda face aos monumentos caídos por terra. Este foi o mais forte sismo sentido em Itália desde 1980, mas a região já tinha sido violentamente atingida em 24 de agosto por um outro com a magnitude de 6.2, que matou cerca de 300 pessoas, para lá dos imensos danos materiais. Agora, não há notícia de mortos e esta é, definitivamente, uma imensa graça no meio de toda a tragédia. “Buildings are note people” (Jones, 2016, 30 out.), dizia, a propósito, o cronista de The Guardian. E isto deve ser a epígrafe de qualquer comentário acerca do património irremediavelmente perdido, quaisquer que sejam as ações de restauro que venham a acontecer.

Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, antes do sismo de out. 2016
Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, antes do sismo de out. 2016
Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, após o sismo de out. 2016
Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, após o sismo de out. 2016
Foto: Corriere della Sera

Continuar a ler “Terramotos sobre o património”