O mundo impossível de Escher

No Museu de Arte Popular, está agora patente uma exposição com 200 obras do artista holandês Mauritz Cornelis Escher. A exposição é controversa pelos moldes da utilização do espaço que se esperava reabrir como Museu de Arte Popular, não pelo artista conhecido pelo grafismo de construções impossíveis e ilusões de ótica.

M. C. Escher1

Mauritus Cornelis Escher  (1898-1972) desenvolveu uma vasta obra gráfica, sobretudo em xilografia e litografia, a partir de conceitos matemáticos. Com uma notória perícia técnica no âmbito da gravura, Escher subverteu os princípios clássicos da perspetiva para criar estruturas impossíveis. Em sintonia com os princípios de rutura da arte contemporânea, encontrou um novo campo de inspiração na inevitável contradição entre a bidimensionalidade do papel ou da tela e a realidade tridimensional. Influenciado pelo ritmo dos padrões geométricos, Escher desconstrói-lhes a previsibilidade, acrescentando-lhes movimentos de translação, rotação, reflexão, ou seja, transformações isométricas que permitem movimentar a figura no espaço.

Influenciado pela arte islâmica e, em particular pelo geometrismo da decoração azulejar, algumas das composições de Escher derivam da divisão regular do plano numa matriz em que se inserem figuras que se repetem e transfiguram.

Céu e Água I
M. C. Escher, 1938
Xilogravura

Continuar a ler

  1. Texto publicado em: (2013, dez.). M. C. Escher. In Lumen Veritatis: Boletim da Sociedade Científica da Universidade Católica Portuguesa, 28, 5-6.
    Acedido em http://www2.ucp.pt/resources/Documentos/SCUCP/LumenVeritatis/Lumen_28_IMP.PDF []

Escher em vez de um museu

Tinha sido prometido um museu de arte popular há muito fechado, desejado e anunciado. A designação de “arte popular” obriga a repensar uma série de conceitos formulados durante o Estado Novo, sob a orientação de António Ferro, mas que são mais abrangentes do que a política propagandística do regime. Parece subsistir, aqui, um envergonhado preconceito contra a versão folclorista da identidade nacional a impedir uma reflexão alargada acerca da diversidade antropológica e etnográfica do país, das artes e das tradições que, lentamente, se vão perdendo sem que haja capacidade para se lhes fixar a memória.

Museu de Arte Popular, Lisboa, Portugal
Fotógrafo: Estúdio Horácio Novais, após 1948
Lisboa, Biblioteca de Arte, Fundação Calouste Gulbenkian

A questão não é exclusiva ao panorama nacional português. Para citar um exemplo extrínseco à realidade nacional, basta lembrar os debates em torno da criação do Musée de Quai Branly, ou do MUCEM e da respetiva designação, em substituição do Musée national des arts et traditions populaires, em Paris, criado por George-Henri Rivière (Vd., por exemplo: Auby, 1993, pp. 14 e seguintes; Grosjean, 2014). Lá, como cá, fica patente a questão: “comment prendre en charge l’ethnologie française [ou a portuguesa], dans ses dimensions historique et contemporaine?” (“Sous le MUCEM”, 2013, p. 3) Continuar a ler