Harmónios: uma exposição de alerta para um património em risco

Exposição “Harmonium: Desenho, pintura e música em relação”
Funchal, Museu de Arte Sacra do Funchal (MASF) (7 jun. – 31 out. 2022)

Exposição “Harmonium”: entrada
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa, 2022

Em conformidade com o título, esta exposição, sob o signo do harmónio e da música litúrgica, põe em diálogo os instrumentos e as partituras compiladas na obra Um século de música sacra na Madeira (Silva, 2008), da autoria de João Arnaldo Rufino da Silva (1934-2016), com as pinturas e os desenhos de Eduardo de Freitas (n. 1955), tendo como ponto de partida os desenhos originais das ilustrações dos temas da liturgia e da devoção que conduzem a estrutura daquela obra. A triangulação entre o harmónio, a música litúrgica e a arte visual de inspiração religiosa, constitui uma advertência para um património em risco, ao divulgar os resultados do inventário dos instrumentos musicais de uso litúrgico, levado a cabo pelo MASF e pela diocese do Funchal, com particular incidência nos harmónios caídos em desuso. Continuar a ler “Harmónios: uma exposição de alerta para um património em risco”

Memórias do barlavento algarvio: Museu Dr. José Formosinho, em Lagos

O Museu Dr. José Formosinho faz parte do polinucleado Museu de Lagos1.

Dr. José Formosinho
José Higino (José Higino Amado da Cunha Júnior, 1902-1993)
Lagos, Museu Dr. José Formosinho (MJF)
Foto: MJF

Continuar a ler “Memórias do barlavento algarvio: Museu Dr. José Formosinho, em Lagos”

  1. Além do Museu Dr. José Formosinho, fazem parte do Museu de Lagos os núcleos Rota da Escravatura – Mercado de Escravos, Forte Ponta da Bandeira, Balneário Romano da Praia da Luz, além do Armazém do Espingardeiro e do Centro de Documentação atualmente encerrados. []

Europa oxalá: narrativas pós-memória

Exposição “Europa oxalá
Lisboa, Fundação Gulbenkian – Galeria principal (4 mar. – 22 ago. 2022)

A exposição, comissariada por António Pinto Ribeiro e pelos artistas Katia Kameli e Aimé Mpane, é temporária e itinerante, tendo sido apresentada no MUCEM – Musée des civilisations de l’Europe et de la Méditerranée, em Marselha (20 out. 2021-16 jan. 2022), e seguirá para o Museu Real da África Central – AfricaMuseum, em Tervuren, na Bélgica (6 out. 2022-5 mar. 2023).

Exposição “Europa oxalá”
Lisboa, Fundação Gulbenkian
Foto: MIR, 2022

O título “Europa oxalá” remete para a Europa do futuro (oxalá – do árabe inshā’Allāẖ, “se Deus quiser”, utilizada como interjeição para exprimir o desejo de que algo aconteça). A escolha deste título para a exposição de cerca de 60 obras de 21 artistas afro-europeus1, nascidos na Europa pós-colonial e cujas origens familiares se situam nas antigas colónias em África (Angola, Argélia, Benim, Cabo Verde, Congo, Guiné-Bissau, Madagáscar), aponta para problemáticas que ultrapassam o universo europeu e artístico em sentido restrito.

Continuar a ler “Europa oxalá: narrativas pós-memória”

  1. Sete destes artistas têm nacionalidade portuguesa: Carlos Bunga, Délio Jasse, Francisco Vidal, Márcio Carvalho, Mónica de Miranda, Pauliana Valente Pimentel e Pedro A. H. Paixão. []

Um tesouro real entre muitos brilhos e seus reflexos

Supponhamos que se completavam a aza direita, e as incompletas, do palacio […]. Como é fabrica vastissima, na ala que lhe construíssem de novo se poderia instalar faustosamente a Bibliotheca chamada da Ajuda, anexada d’um museu, onde as colleções de pinturas e obras d’arte sobrantes do adorno dos palacios reaes, estaria catalogada e reunida […].
(Fialho de Almeida, 1906, p. 502)

A exposição permanente do tesouro real português há muito que era reclamada e, por isso, tem sido aclamada e celebrada desde a abertura do Museu do Tesouro Real1, na ala poente do Palácio Nacional da Ajuda (PNA).

Passados 226 anos, muitos projetos abandonados entretanto2 e muitas intenções frustradas, o palácio foi finalmente rematado a poente com um projeto de João Carlos Santos, atual diretor-geral do Património Cultural em regime de substituição3, numa intervenção arquitetónica contemporânea circunscrita aos limites da massa edificada preexistente.

Passaram também 20 anos sobre o roubo das joias da coroa portuguesa em exposição no museu municipal de Haia, na Holanda, ocorrido a 2 de dezembro de 2002, o qual constituiu um grave atentado ao património artístico e simbólico nacional, tendo o empréstimo de quinze joias emblemáticas sido alvo de intensa polémica por se destinar a uma apresentação de cariz didático numa instituição que não conseguia garantir a segurança necessária. Porém, foi a indemnização de 6,1 milhões de euros recebida em 2006 que permitiu esta obra por decisão da então ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, com o anunciado objetivo de albergar a exposição permanente do tesouro real. A obra teve início em 2016, através de um protocolo de colaboração entre a Direção Geral do Património (DGPC), a Associação de Turismo de Lisboa (ATL) e a Câmara Municipal de Lisboa (CML).

Casa-forte
Lisboa, Museu do Tesouro Real
Foto: MIR, 2022

Continuar a ler “Um tesouro real entre muitos brilhos e seus reflexos”

  1. O museu abriu ao público no dia 1 de junho de 2022 []
  2. Entre os vários planos apresentados, estão os projetos pioneiros apresentados ao longo do século XIX por Manuel Caetano de Sousa (1738-1802), com uma proposta barroca, José Costa e Silva (1747-1819) numa linguagem neoclássica, Francisco Xavier Fabri (1761- 1817) que sugeria a expansão do palácio para norte, António Francisco Rosa (séc. XVIII-1829), optando por uma solução mais reduzida do edifício, e Joaquim Possidónio Narciso da Silva (1806-1896) que recomendava a reorganização dos diversos espaços, tornando-os mais modernos e cómodos. Posteriormente, Raul Lino (1879-1974) apresentou dois projetos datados de 1935 e 1944. João Nuno Seabra, da Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN), apresentou um projeto, o único que foi efetivamente iniciado, em 1978, tendo sido interrompido devido a um acidente e cuja estrutura foi demolida em 1976. Duarte Lino Pimentel, em 1984, Gonçalo Byrne, em 1989 e por encomenda direta do Instituto Português do Património Cultural (IPPC, estrutura que antecedeu a atual DGPC – Direção Geral do Património) e Vasco Massapina, em 2012, também apresentaram estudos prévios para rematar o palácio a poente. []
  3. João Carlos Santos, foi designado diretor-geral do Património Cultural, em regime de substituição, no passado dia 3 de junho, por despacho do ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva. João Carlos Santos já ocupava este cargo desde a exoneração de Bernardo Alabaça, em junho de 2021, pela então ministra da Cultura, Graça Fonseca. []

“Ver novas todas as coisas”: uma exposição sobre Inácio de Loyola

Exposição “‘Ver novas todas as coisas’: Da conversão à canonização de Inácio de Loyola”
Lisboa, Museu de São Roque (31 mar. – 19 jun. 2022)

Em 20 de maio de 1521, Iñigo (posteriormente Inácio) de Loyola foi ferido numa batalha em Pamplona. Durante a convalescença, leu a Vita Christi, de Rodolfo da Saxônia, e a Legenda Áurea, uma coletânea de narrativas hagiográficas, tomadas como exemplum e reunidas em meados do século XIII por Jacobus de Voragine, o que lhe provocou uma profunda transformação espiritual e a sua conversão religiosa. Inácio de Loyola descreveu esse momento de iluminação, dizendo que “se le empegaron abrir los ojos del entendimiento; y no que viese alguna visión, sino entendiendo y conociendo muchas cosas, tanto de cosas espirituales, como de cosas de la fe y de letras; y esto con una ilustración tan grande, que le parecían todas las cosas nuevas” (Fontes narrativi…, 1943, v. 1, p. 404).

Informação da exposição na igreja de São Roque
Foto: Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, 2022

Continuar a ler ““Ver novas todas as coisas”: uma exposição sobre Inácio de Loyola”

A ventura de Dom Manuel e um reino que se viu renovado

Exposição “Vi o reino renovar: Arte no tempo de D. Manuel I”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga (25 jun. – 26 set. 2021)

A exposição celebra os quinhentos anos da morte de D. Manuel I (1469–1521), cujo reinado de 26 anos lhe granjeou o cognome “O Venturoso”, Não é, porém, uma exposição centrada no rei, mas no reino que renovou e na arte desse tempo marcado pela conjuntura da favorável da expansão marítima. “O império está em franca expansão, há dinheiro e é preciso comunicar a todos o novo papel que Portugal tem no mundo. O rei precisa, também, de mostrar que é legítimo o seu direito ao trono enquanto primeiro monarca do novo ramo da dinastia de Avis” (Joaquim Caetano cit. in Canelas, 2021, p. 30).

Em primeiro plano, Anjo heráldico, de Diogo Pires-o-Moço, 1518-1522
Atrás, reproduções em gesso das estátuas de D. Manuel e D. Maria, de Nicolau de Chanterene, (1517) c. 1958
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

O título é colhido da obra Miscelânea e variedade de histórias, de Garcia de Resende, onde o cronista regista em verso a situação do reino:

[…]
vijmos seu edificar,
no reyno fazer alçar
paços, igrejas, mosteiros
grandes, pouos caualleiros,
vij ho reyno renouar.
(Resende, 1622, p. 155)

Continuar a ler “A ventura de Dom Manuel e um reino que se viu renovado”

D. Maria II: uma exposição anunciada para o centenário do nascimento da rainha

Exposição “D. Maria II: De princesa brasileira a rainha de Portugal: 1819-1853”
Lisboa, Palácio Nacional da Ajuda, Galeria do Rei D. Luís, (26 maio – 29 set. 2021)

O bicentenário do nascimento de D. Maria II (1819-1853) ocorreu em 2019. No âmbito das comemorações, realizou-se, no Palácio da Ajuda, o congresso internacional “D. Maria II, Princesa do Brasil, Rainha de Portugal: Arte, património e identidade” (12-14 novembro)1 e previa-se uma exposição monográfica. Após sucessivos adiamentos, a que o período conturbado da pandemia não terá sido alheio, a exposição abriu finalmente na Galeria do rei D. Luís, o segundo filho da rainha evocada.

Após o impacto do congresso, a ampla campanha de divulgação que precedeu a inauguração e, também, a vontade de regressar aos museus poucas semanas após o longo confinamento, o público respondeu de forma muito positiva e entusiasmada, considerando o número de visitantes no primeiro fim de semana após a abertura e a afluência de grupos em visitas guiadas na segunda-feira seguinte.

Exposição “D. Maria II: De princesa brasileira a rainha de Portugal”
Foto: MIR, 2021

Continuar a ler “D. Maria II: uma exposição anunciada para o centenário do nascimento da rainha”

  1. O Congresso foi organizado pelo ARTIS – Instituto de História da Arte, Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa e pelo Programa de Pós-graduação em Artes Visuais, Escola de Belas Artes, Universidade Federal do Rio de Janeiro, sob a coordenação de Clara Moura Soares e Marize Malta. Os contributos de mais de duas dezenas de investigadores, portugueses e brasileiros, foram publicados no mesmo ano (Soares & Malta, 2019). []

Os museus face ao Covid: Uma ponte sobre águas revoltas

European Seminar 2021
Europe’s “Big Museums” and Covid: The biggest museums talk about the impact: Present and future1
ICOM Europe, 30 de março de 2021, 13h00 (GTM)

“Oh, when times get rough
[…]
Like a bridge over troubled water
I will lay me down”
Paul Simon

O ICOM Europe promoveu uma webinar com o propósito de discutir o presente e as perspetivas dos grandes museus europeus no atual contexto de pandemia de Covid-19. O impacto da crise é um fenómeno global que não deixa os museus incólumes. Em maior ou menor grau, todos os museus sofrem os efeitos do confinamento, da falta de visitantes e da consequente quebra abismal de receitas. No entanto, se todos são atingidos pela crise, são provavelmente os maiores museus, aqueles cuja política se fundamentava em torno do eixo do turismo internacional e das multidões que circulavam de forma desenfreada por circuitos superpovoados e cuja gestão contava com os rendimentos colhidos nas bilheteiras, mas também nos espaços de restauração e nas lojas a que acorriam visitantes ávidos de consumo e da aquisição de memorabilia, esses são aqueles que se veem mais feridos naquilo que se tornou a sua essência.

Continuar a ler “Os museus face ao Covid: Uma ponte sobre águas revoltas”

  1. A gravação da conferência está integralmente disponível em http://icom-europe.mini.icom.museum/activities/conferences/ []

Repensar o museu em tempo de pandemia

A vida, tal como a conhecíamos, ficou suspensa. O quotidiano, as rotinas, a normalidade, âncora da nossa segurança, sofreram uma mudança tão inesperada, quanto profunda, substituindo-se por um confinamento que nos obriga ao isolamento e nos convida à frugalidade e à reflexão. A omnipresença da ideia da doença, do sofrimento e da morte traz o questionamento acerca do sentido da vida, ou seja, acerca do sentido das nossa vida, individual e coletiva, agora e depois. É nesse sentido, também, que nos questionamos acerca do sentido do museu, agora e depois.

Sala do Metropolitan Museum of Art, temporariamente fechado devido ao coronavirus
Foto: Alamy Stock Photo, 2020

Embora fechados, os museus continuam presentes, reinventando-se na comunicação dos seus espólios e das suas memórias.

Continuar a ler “Repensar o museu em tempo de pandemia”

Museus não precisam de ser neutros, mas devem ser independentes… e rigorosos

Nas aulas de Museologia, há três décadas, ainda ouvíamos a defesa da neutralidade do museu como o mais relevante e central objetivo do discurso museológico. Lembro-me de alguns de nós nos questionarmos acerca da (im)possibilidade de construir um discurso neutro, de nos libertarmos da subjetividade e do contexto. Discutíamos, também, se seríamos capazes de identificar e anular os preconceitos (ou pré-conceitos) que nos amarram. E, alguns de nós, defendíamos a possibilidade de enunciar uma perspetiva, a nossa perspetiva, se a fundamentássemos, isto é, se a assumíssemos como hipótese de partida, construindo o discurso museológico com o rigor da pesquisa científica na sua validação. Cada vez mais se consolidou esta ideia, ainda que alguns aspetos fossem sendo alterados e corrigidos.

Hoje, o ICOM assume uma posição idêntica. Suay Aksoy, Presidente do ICOM, no encontro anual do CIMAM “The 21st Century Art Museum: Is Context Everything?” (15-17 nov., Sydney, Museum of Contemporary Art Australia), assumiu que:

Museums have two dimensions that make them of extreme relevance regarding the profound social changes the world is currently undergoing. On one hand, they play a scientific role in regards to cultural heritage. […] Meanwhile, on another hand, museums are not neutral. They never have, and never will. They are not separate from their social and historical context. (Aksoy, 2019)

Suay Aksoy no CIMAM 2019
Sydney, Museum of Contemporary Art Australia

Continuar a ler “Museus não precisam de ser neutros, mas devem ser independentes… e rigorosos”

Museu da liturgia ausente

Museu da Liturgia
Rua Jogo de Bola, 15
Tiradentes (MG), Brasil 

Um museu que se diz “da liturgia” cria a expetativa de interpretar o culto, de interpretar o sentido dos rituais e de os relacionar com os princípios teológicos que os fundamentam, de justificar a forma e a função das alfaias. Cria a expetativa de uma abordagem antropológica na elucidação dos fenómenos sociais relacionados com a religiosidade. 

Museu da Liturgia.
Brasil, Tiradentes (MG)

O museu, inaugurado em 2012, ocupa a antiga casa paroquial, adjacente ao edifício da Câmara e nas proximidades da igreja matriz de Santo António. O acervo é constituído por cerca de 420 peças do período colonial mineiro, provenientes da paróquia de Santo António e totalmente restauradas.  Continuar a ler “Museu da liturgia ausente”

“Tirando pelo natural” figurações, conceções e transgressões no Museu de Arte Antiga

Exposição “Do tirar polo natural: Inquérito ao retrato português
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), 28 jun. – 30 set. 2018 (prolongamento até 14 out.)

Do tirar pelo natural é o título do tratado escrito por Francisco de Holanda, em 1549, o primeiro tratado do mundo ocidental dedicado ao retrato feito por um português1. E esta é uma exposição de retratos, de figurações individuais e coletivas, ainda que, efetivamente, nem todas tenham sido tiradas pelo natural.

Francisco de Holanda. (1563). Do tirar polo natural [Manuscrito].
Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa
O culto da imagem está subjacente ao retrato e, sobretudo, à sua versão egocêntrica do autorretrato, onde o indivíduo é sujeito e objeto de expressão artística, a partir da qual se pode traçar o perfil sociológico de cada época e lugar, consoante as transformações registadas no tipo de figura a representar e a forma de o fazer.

Retratos de família
Lisboa, MNAA, Exposição “Do tirar polo natural”
Foto: MIR, 2018

Continuar a ler ““Tirando pelo natural” figurações, conceções e transgressões no Museu de Arte Antiga”

  1. Em 1563, Manuel Denis, pintor espanhol de ascendência portuguesa, traduziu para espanhol o Libro de la pintura antigua de Francisco de Holanda (Real Academia de Bellas Artes de San Fernando, Ms. 3-361), o qual é considerado como a cópia mais antiga conhecida e tradução direta do original português. É a partir deste manuscrito que, em 1790, Mons. Joaquim José Ferreira Gordo fez uma cópia para a Academia das Ciências de Lisboa (Ms. 650). Contém: “Da pintura antigua: Livro primeiro”; “Livro segundo da pintura antigua”; e “Do Tirar polo Natural”. É este manuscrito que se encontra nesta exposição. []

Museografia renovada no Museu de Arte Antiga: exposição de escultura e pintura portuguesa

No passado dia 14 de julho, o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) reabriu o terceiro piso, dedicado à escultura e pintura portuguesas.

Há praticamente uma década que o terceiro piso se circunscrevia aos corredores sobrecarregados no perímetro do átrio. As obras de renovação deste piso, realizadas ao longo dos últimos seis meses1, permitiram a reabertura das salas situadas na retaguarda do anterior espaço expositivo e, sobretudo, envolveram a reformulação da museografia e do discurso museológico. Agora, com treze salas2, são expostas 243 obras (152 de pintura e 91 de escultura), as quais foram alvo de limpeza ou de restauro, sendo algumas apresentadas pela primeira vez.

Os painéis de São Vicente Nuno Gonçalves, c. 1470 Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Os painéis de São Vicente
Nuno Gonçalves, c. 1470
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2016.

Continuar a ler “Museografia renovada no Museu de Arte Antiga: exposição de escultura e pintura portuguesa”

  1. As obras tiveram início a 11 de janeiro. Durante este tempo, os Painéis de São Vicente, considerados uma das obras mais emblemáticas do museu e, por isso, muito procurada pelos visitantes, foi colocada provisoriamente numa das salas do primeiro piso do museu. []
  2. O museu numera as salas do terceiro piso de 1 a 13. Não obstante, a imprensa tem vindo a divulgar que, após a reabertura deste piso, a exposição ocupa 16 salas. A discrepância entre os números justifica-se pelo facto de os jornalistas contabilizarem como salas independentes os dois corredores laterais (com exposição de esculturas) da zona central, ao longo da caixa de escada, bem como a sala que lhe fica no topo. []

Públicos para o património: uma questão de mais ou menos

Os números relativos ao crescimento da indústria do turismo, publicados pela Organização Mundial do Turismo (UNWTO, 2016) são inequívocos: em 2015, as chegadas de turistas internacionais aumentaram 4,4%, num total de 1.184 milhões de turistas em viagem para destinos internacionais, o que equivale a um aumento de 50 milhões em relação ao ano anterior; estes números confirmam a tendência de crescimento de 4% anuais que tem vindo a registar-se desde 2010. A procura da Europa como destino continua a crescer, mas os destinos meridionais de sol e praia começam a ceder face à concorrência de paragens mais exóticas, enquanto turismo cultural ganha uma importância crescente. A qualidade de turismo cultural, ou o consumo de produtos culturais no destino, é, ainda, um elemento diferenciador que permite a demarcação face ao turismo de massa.

Turismo internacional: índice de chegadas, 2015 Fonte: UNWTO
Turismo internacional: índice de chegadas, 2015
Fonte: UNWTO

Continuar a ler “Públicos para o património: uma questão de mais ou menos”

Os mármores do Pártenon: questões patrimoniais e museológicas

Pártenon

Em meados do século V a.C., Péricles decidiu a construção de um templo consagrado a Palas Atena, na Rocha Sagrada, designação atribuída à colina da Acrópole, em substituição do já existente e que havia sido danificado durante a invasão persa em 480 a.C.. O templo, de ordem dórica, octostilo1 e períptero2, integra uma dupla cela com pronaos e opistódomo com prostilo de seis colunas. Os arquitetos Iktinos e Kallikrates são reconhecidos como autores do projeto, cuja decoração escultórica é atribuída a Fídias e aos seus discípulos Agorakritos, Alkamenes e a outros escultores e pintores cujo nome se perdeu. Fídias foi o autor da estátua colossal criselefantina3 da deusa Atena Parténos (ou Atena virgem) no interior da cela.

Pártenon de Atenas Gravura de William Miller, a partir de desenho de H. W. Williams In Williams, H. W. (1829). Greece with classical illustrations. London: Longman Rees Orme Brown and Green; and Adam Black.
Pártenon de Atenas
Gravura de William Miller, a partir de desenho de H. W. Williams
In Williams, H. W. (1829). Greece with classical illustrations. London: Longman Rees Orme Brown and Green; and Adam Black.

Legenda: a - frontão b - sequência de métopas c - friso d - estátua da deusa
Legenda:
a – frontão
b – sequência de métopas
c – friso
d – estátua da deusa

Continuar a ler “Os mármores do Pártenon: questões patrimoniais e museológicas”

  1. Com oito colunas nas fachadas menores. []
  2. Com o perímetro integralmente definido por colunas alinhadas, criando um peristilo exterior. []
  3. Estátua inteiramente revestida a ouro, à exceção das zonas de carnação em marfim. []
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search