Museus não precisam de ser neutros, mas devem ser independentes… e rigorosos

Nas aulas de Museologia, há três décadas, ainda ouvíamos a defesa da neutralidade do museu como o mais relevante e central objetivo do discurso museológico. Lembro-me de alguns de nós nos questionarmos acerca da (im)possibilidade de construir um discurso neutro, de nos libertarmos da subjetividade e do contexto. Discutíamos, também, se seríamos capazes de identificar e anular os preconceitos (ou pré-conceitos) que nos amarram. E, alguns de nós, defendíamos a possibilidade de enunciar uma perspetiva, a nossa perspetiva, se a fundamentássemos, isto é, se a assumíssemos como hipótese de partida, construindo o discurso museológico com o rigor da pesquisa científica na sua validação. Cada vez mais se consolidou esta ideia, ainda que alguns aspetos fossem sendo alterados e corrigidos.

Hoje, o ICOM assume uma posição idêntica. Suay Aksoy, Presidente do ICOM, no encontro anual do CIMAM “The 21st Century Art Museum: Is Context Everything?” (15-17 nov., Sydney, Museum of Contemporary Art Australia), assumiu que:

Museums have two dimensions that make them of extreme relevance regarding the profound social changes the world is currently undergoing. On one hand, they play a scientific role in regards to cultural heritage. […] Meanwhile, on another hand, museums are not neutral. They never have, and never will. They are not separate from their social and historical context. (Aksoy, 2019)

Suay Aksoy no CIMAM 2019
Sydney, Museum of Contemporary Art Australia

Continuar a ler “Museus não precisam de ser neutros, mas devem ser independentes… e rigorosos”

Museu da liturgia ausente

Museu da Liturgia
Rua Jogo de Bola, 15
Tiradentes (MG), Brasil 

Um museu que se diz “da liturgia” cria a expetativa de interpretar o culto, de interpretar o sentido dos rituais e de os relacionar com os princípios teológicos que os fundamentam, de justificar a forma e a função das alfaias. Cria a expetativa de uma abordagem antropológica na elucidação dos fenómenos sociais relacionados com a religiosidade. 

Museu da Liturgia.
Brasil, Tiradentes (MG)

O museu, inaugurado em 2012, ocupa a antiga casa paroquial, adjacente ao edifício da Câmara e nas proximidades da igreja matriz de Santo António. O acervo é constituído por cerca de 420 peças do período colonial mineiro, provenientes da paróquia de Santo António e totalmente restauradas.  Continuar a ler “Museu da liturgia ausente”

“Tirando pelo natural” figurações, conceções e transgressões no Museu de Arte Antiga

Exposição “Do tirar polo natural: Inquérito ao retrato português
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), 28 jun. – 30 set. 2018 (prolongamento até 14 out.)

Do tirar pelo natural é o título do tratado escrito por Francisco de Holanda, em 1549, o primeiro tratado do mundo ocidental dedicado ao retrato feito por um português1. E esta é uma exposição de retratos, de figurações individuais e coletivas, ainda que, efetivamente, nem todas tenham sido tiradas pelo natural.

Francisco de Holanda. (1563). Do tirar polo natural [Manuscrito].
Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa
O culto da imagem está subjacente ao retrato e, sobretudo, à sua versão egocêntrica do autorretrato, onde o indivíduo é sujeito e objeto de expressão artística, a partir da qual se pode traçar o perfil sociológico de cada época e lugar, consoante as transformações registadas no tipo de figura a representar e a forma de o fazer.

Retratos de família
Lisboa, MNAA, Exposição “Do tirar polo natural”
Foto: MIR, 2018

Continuar a ler ““Tirando pelo natural” figurações, conceções e transgressões no Museu de Arte Antiga”

  1. Em 1563, Manuel Denis, pintor espanhol de ascendência portuguesa, traduziu para espanhol o Libro de la pintura antigua de Francisco de Holanda (Real Academia de Bellas Artes de San Fernando, Ms. 3-361), o qual é considerado como a cópia mais antiga conhecida e tradução direta do original português. É a partir deste manuscrito que, em 1790, Mons. Joaquim José Ferreira Gordo fez uma cópia para a Academia das Ciências de Lisboa (Ms. 650). Contém: “Da pintura antigua: Livro primeiro”; “Livro segundo da pintura antigua”; e “Do Tirar polo Natural”. É este manuscrito que se encontra nesta exposição. []

Museografia renovada no Museu de Arte Antiga: exposição de escultura e pintura portuguesa

No passado dia 14 de julho, o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) reabriu o terceiro piso, dedicado à escultura e pintura portuguesas.

Há praticamente uma década que o terceiro piso se circunscrevia aos corredores sobrecarregados no perímetro do átrio. As obras de renovação deste piso, realizadas ao longo dos últimos seis meses1, permitiram a reabertura das salas situadas na retaguarda do anterior espaço expositivo e, sobretudo, envolveram a reformulação da museografia e do discurso museológico. Agora, com treze salas2, são expostas 243 obras (152 de pintura e 91 de escultura), as quais foram alvo de limpeza ou de restauro, sendo algumas apresentadas pela primeira vez.

Os painéis de São Vicente Nuno Gonçalves, c. 1470 Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Os painéis de São Vicente
Nuno Gonçalves, c. 1470
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2016.

Continuar a ler “Museografia renovada no Museu de Arte Antiga: exposição de escultura e pintura portuguesa”

  1. As obras tiveram início a 11 de janeiro. Durante este tempo, os Painéis de São Vicente, considerados uma das obras mais emblemáticas do museu e, por isso, muito procurada pelos visitantes, foi colocada provisoriamente numa das salas do primeiro piso do museu. []
  2. O museu numera as salas do terceiro piso de 1 a 13. Não obstante, a imprensa tem vindo a divulgar que, após a reabertura deste piso, a exposição ocupa 16 salas. A discrepância entre os números justifica-se pelo facto de os jornalistas contabilizarem como salas independentes os dois corredores laterais (com exposição de esculturas) da zona central, ao longo da caixa de escada, bem como a sala que lhe fica no topo. []

Públicos para o património: uma questão de mais ou menos

Os números relativos ao crescimento da indústria do turismo, publicados pela Organização Mundial do Turismo (UNWTO, 2016) são inequívocos: em 2015, as chegadas de turistas internacionais aumentaram 4,4%, num total de 1.184 milhões de turistas em viagem para destinos internacionais, o que equivale a um aumento de 50 milhões em relação ao ano anterior; estes números confirmam a tendência de crescimento de 4% anuais que tem vindo a registar-se desde 2010. A procura da Europa como destino continua a crescer, mas os destinos meridionais de sol e praia começam a ceder face à concorrência de paragens mais exóticas, enquanto turismo cultural ganha uma importância crescente. A qualidade de turismo cultural, ou o consumo de produtos culturais no destino, é, ainda, um elemento diferenciador que permite a demarcação face ao turismo de massa.

Turismo internacional: índice de chegadas, 2015 Fonte: UNWTO
Turismo internacional: índice de chegadas, 2015
Fonte: UNWTO

Continuar a ler “Públicos para o património: uma questão de mais ou menos”

Os mármores do Pártenon: questões patrimoniais e museológicas

Pártenon

Em meados do século V a.C., Péricles decidiu a construção de um templo consagrado a Palas Atena, na Rocha Sagrada, designação atribuída à colina da Acrópole, em substituição do já existente e que havia sido danificado durante a invasão persa em 480 a.C.. O templo, de ordem dórica, octostilo1 e períptero2, integra uma dupla cela com pronaos e opistódomo com prostilo de seis colunas. Os arquitetos Iktinos e Kallikrates são reconhecidos como autores do projeto, cuja decoração escultórica é atribuída a Fídias e aos seus discípulos Agorakritos, Alkamenes e a outros escultores e pintores cujo nome se perdeu. Fídias foi o autor da estátua colossal criselefantina3 da deusa Atena Parténos (ou Atena virgem) no interior da cela.

Pártenon de Atenas Gravura de William Miller, a partir de desenho de H. W. Williams In Williams, H. W. (1829). Greece with classical illustrations. London: Longman Rees Orme Brown and Green; and Adam Black.
Pártenon de Atenas
Gravura de William Miller, a partir de desenho de H. W. Williams
In Williams, H. W. (1829). Greece with classical illustrations. London: Longman Rees Orme Brown and Green; and Adam Black.

Legenda: a - frontão b - sequência de métopas c - friso d - estátua da deusa
Legenda:
a – frontão
b – sequência de métopas
c – friso
d – estátua da deusa

Continuar a ler “Os mármores do Pártenon: questões patrimoniais e museológicas”

  1. Com oito colunas nas fachadas menores. []
  2. Com o perímetro integralmente definido por colunas alinhadas, criando um peristilo exterior. []
  3. Estátua inteiramente revestida a ouro, à exceção das zonas de carnação em marfim. []

Uma questão de gosto

Strange Beauty: Masters of the German Renaissance
Londres, National Gallery, 19 February – 11 May 2014

A exposição de pintura renascentista alemã que acaba de inaugurar na National Gallery, em Londres, apresenta alguns dos principais artistas deste período, como Hans Holbein o Novo, Albrecht Dürer e Lucas Cranach, o Velho. Como se diz, na apresentação da exposição, “All famous artists in their own time, the exhibition will highlight the ways in which their paintings, drawings and prints were valued in the 16th century for qualities such as expression and inventiveness.” (The National Gallery, 2014) Aparentemente, nada de novo…

Continuar a ler “Uma questão de gosto”