Uma lição de museologia numa exposição temporária

Exposição “500 anos da dedicação da Sé do Funchal: Fé, arte e cultura: Um olhar sobre a obra do Padre Pita Ferreira”
Funchal, Museu de Arte Sacra do Funchal, 18 out. 2017 – 31 mar. 2018

Pode um museu subsistir quando uma parte considerável do espólio em exposição permanente é cedido a outra instituição, durante alguns meses? Pode! E a confirmação surge através de uma lição de museografia – e, por conseguinte, também de museologia – dada pelo Museu de Arte Sacra do Funchal (MASF), a apontar ainda vias de diálogo e cooperação entre instituições, apesar das diferentes missões e distintas tutelas.

Exposição “500 Anos da dedicação da Sé do Funchal “: núcleo 1, vista geral da sala 1
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa / Arquivo MASF, 2017

Continuar a ler

MoMA: um novo discurso museológico em resposta a Trump

Lembro que, há umas décadas (quando tirei o curso de Museologia), o postulado maior era que o museu devia ser isento, sem esclarecer as dúvidas daí decorrentes acerca do que isso significaria. O que é um museu isento? Ou, em sentido mais lato, o que é discurso isento?

Visitantes junto à obra do pintor iraniano Charles Hossein Zenderoudi, em exposição no Museum of Modern Art (MoMA, Nova Iorque
Foto: Angela Weiss / Getty Images | Univision

Continuar a ler

O futuro dos museus

Como serão os museus no futuro? De que forma irão incorporar as novas tecnologias no funcionamento, na gestão, na comunicação com os públicos? E quem serão os públicos dos museus no futuro?

Começa a desenhar-se o difícil equilíbrio entre o museu e o público: por um lado, o instinto conservador que, em nome da segurança e da preservação, cria barreiras em toro das obras expostas; por outro lado, uma crescente predisposição de toda a sociedade para acolher experiências cada vez mais interativas e dinâmicas.

Continuar a ler