Museus não precisam de ser neutros, mas devem ser independentes… e rigorosos

Nas aulas de Museologia, há três décadas, ainda ouvíamos a defesa da neutralidade do museu como o mais relevante e central objetivo do discurso museológico. Lembro-me de alguns de nós nos questionarmos acerca da (im)possibilidade de construir um discurso neutro, de nos libertarmos da subjetividade e do contexto. Discutíamos, também, se seríamos capazes de identificar e anular os preconceitos (ou pré-conceitos) que nos amarram. E, alguns de nós, defendíamos a possibilidade de enunciar uma perspetiva, a nossa perspetiva, se a fundamentássemos, isto é, se a assumíssemos como hipótese de partida, construindo o discurso museológico com o rigor da pesquisa científica na sua validação. Cada vez mais se consolidou esta ideia, ainda que alguns aspetos fossem sendo alterados e corrigidos.

Hoje, o ICOM assume uma posição idêntica. Suay Aksoy, Presidente do ICOM, no encontro anual do CIMAM “The 21st Century Art Museum: Is Context Everything?” (15-17 nov., Sydney, Museum of Contemporary Art Australia), assumiu que:

Museums have two dimensions that make them of extreme relevance regarding the profound social changes the world is currently undergoing. On one hand, they play a scientific role in regards to cultural heritage. […] Meanwhile, on another hand, museums are not neutral. They never have, and never will. They are not separate from their social and historical context. (Aksoy, 2019)

Suay Aksoy no CIMAM 2019
Sydney, Museum of Contemporary Art Australia

Continuar a ler “Museus não precisam de ser neutros, mas devem ser independentes… e rigorosos”

Apeshit no Museu do Louvre

O clip Apeshit, que integra o álbum Everything is Love, da dupla-casal The Carters (Beyoncé e Jay-Z), foi gravado no Museu do Louvre, em Paris, sob a direção de Ricky Saiz. O vídeo, lançado no passado dia 16 de junho, atingiu mais de 50 milhões de visualizações em duas semanas e, naturalmente, gerou polémicas sobretudo em torno do discurso e suas leituras, mas também acerca da utilização do espaço do museu e das imagens de algumas obras excecionais da arte ocidental, em contraponto às referências explícitas feitas no texto a marcas de prestígio como as tradicionais Lamborghini, fabricante italiana de carros de desporto exclusivos, Phillippe Patek, empresa suíça que produz relógios e artigos de luxo, e a sua recente congénere Richard Mille, ou as contemporâneas Alexander Wang, criada pelo designer que lhe deu o nome, reconhecida sobretudo pelas malhas de cachemira num estilo depurado e urbano, ou Evisu, marca japonesa de artigos em ganga1. O museu do Louvre é o cenário, a marca de prestígio cultural, a par das restantes marcas de prestígio social, que sublinham o universo de luxo, riqueza e poder que os Carters pretendem transmitir, assumindo atributos de realeza. No entanto, é (ou aparenta ser) algo mais do que isso. Enquanto alguns se fixam nesta ostentação do poder e, em particular, do poder do dinheiro, outros vêem óbvias referências aos Illuminati2, uma sociedade secreta fundada em 1776, no contexto do Iluminismo, a que Jay-Z é suposto pertencer, e outros, ainda, encontram evidências da afirmação do poder negro num museu colonialista e cujas obras testemunham e sublinham o (pre)domínio da cultura ocidental e da hegemonia branca.

Beyoncé e Jay-Z frente à Mona Lisa, de Leonardo da Vinci, no museu do Louvre
Foto: Beyoncé e Jay-Z / YouTube, 2018

Continuar a ler “Apeshit no Museu do Louvre”

  1. A marca Evisu é mencionada em várias músicas rap, nomeadamente, nas “Show You How” et “Jigga That Nigga” de Jay-Z. []
  2. A ligação entre o Louvre e os Illuminati foi ficcionada por Dan Brown na obra O código da Vinci. []

Uma lição de museologia numa exposição temporária

Exposição “500 anos da dedicação da Sé do Funchal: Fé, arte e cultura: Um olhar sobre a obra do Padre Pita Ferreira”
Funchal, Museu de Arte Sacra do Funchal, 18 out. 2017 – 31 mar. 2018

Pode um museu subsistir quando uma parte considerável do espólio em exposição permanente é cedido a outra instituição, durante alguns meses? Pode! E a confirmação surge através de uma lição de museografia – e, por conseguinte, também de museologia – dada pelo Museu de Arte Sacra do Funchal (MASF), a apontar ainda vias de diálogo e cooperação entre instituições, apesar das diferentes missões e distintas tutelas.

Exposição “500 Anos da dedicação da Sé do Funchal “: núcleo 1, vista geral da sala 1
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa / Arquivo MASF, 2017

Continuar a ler “Uma lição de museologia numa exposição temporária”

MoMA: um novo discurso museológico em resposta a Trump

Lembro que, há umas décadas (quando tirei o curso de Museologia), o postulado maior era que o museu devia ser isento, sem esclarecer as dúvidas daí decorrentes acerca do que isso significaria. O que é um museu isento? Ou, em sentido mais lato, o que é discurso isento?

Visitantes junto à obra do pintor iraniano Charles Hossein Zenderoudi, em exposição no Museum of Modern Art (MoMA, Nova Iorque
Foto: Angela Weiss / Getty Images | Univision

Continuar a ler “MoMA: um novo discurso museológico em resposta a Trump”

O futuro dos museus

Como serão os museus no futuro? De que forma irão incorporar as novas tecnologias no funcionamento, na gestão, na comunicação com os públicos? E quem serão os públicos dos museus no futuro?

Começa a desenhar-se o difícil equilíbrio entre o museu e o público: por um lado, o instinto conservador que, em nome da segurança e da preservação, cria barreiras em toro das obras expostas; por outro lado, uma crescente predisposição de toda a sociedade para acolher experiências cada vez mais interativas e dinâmicas.

Continuar a ler “O futuro dos museus”