Arte e cultura portuguesa em exposição no museu universal do Google

O Ministério da Cultura, através da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), celebrou, no dia 9 de novembro, um acordo com o Google Cultural Institute, permitindo que as coleções dos museus, palácios e monumentos nacionais passem a estar representadas no Google Arts & Culture.

O Google Arts & Culture é a designação atual do antigo Google Art Project é uma plataforma digital pioneira na digitalização de imagens de alta resolução de obras de obras e na criação de visitas virtuais interativas no interior de alguns dos mais relevantes museus mundiais.

Google Arts and Culture: página de entrada do projeto
Printscreen, 11 nov. 2017

Continuar a ler

História da arte digital e museologia

A tecnologia digital alterou os parâmetros da investigação (também) em humanidades: se, há poucas décadas, parte do trabalho do investigador era identificar as fontes e coletar os dados, numa incessante pesquisa em bibliotecas e arquivos, hoje, a profusão de dados a que se tem acesso imediato implica a centralidade do estudo na seleção e no processamento da informação e, sobretudo, na atualização do conhecimento em constante aceleração. Por um lado, a tecnologia digital permite novos métodos e novos campos de investigação, enquanto, por outro lado, o hipertexto, a sintaxe da web, altera a comunicação do conhecimento. Se, em 1997, Steven Johnson Johnson considerava que as inovações mais importantes propiciadas pela web se davam ao nível micro da sintaxe, mas não ao nível macro da narrativa (Johnson, 1997, p. 130), o ambiente colaborativo que entretanto se desenvolveu desencadeou novas formas narrativas (Lloret Romero, & Canet Centellas, 2008), inclusive em contexto académico.

André Malraux no processo de seleção de imagens para o livro Le musée imaginaire de la sculpture mondiale
Foto: Maurice Jarnoux/Paris Match via Getty

Continuar a ler

Museologia e tecnologia digital na Rota da Escravatura

Núcleo Museológico Rota da Escravatura
Lagos, Praça do Infante, edifício do Mercado dos Escravos

Núcleo Museológico Rota da Escravatura: entrada Foto: MIR, 2016

Núcleo Museológico Rota da Escravatura: entrada
Foto: MIR, 2016

É um museu pequeno e com poucos objetos. Nem é propriamente um museu, mas um núcleo museológico que aborda a memória de um passado negro. Estas poderiam ser as determinantes de uma iniciativa votada ao fracasso. Continuar a ler

Digital Humanities involving people and museums

Kenderdine, S. (2016). Embodiment, entanglement and immersion in digital cultural heritage. In S. Schreibman, Siemens, & Unsworth (Eds.), A new companion to digital humanities (pp. 22-41). Chichester, West Sussex, UK; Malden, MA, USA: John Wiley & Sons.
new-companion-digital-humanities

Continuar a ler

Museums and digital humanities: from the divide to the bridges

In recent times, many (well, maybe not so many!) projects have been announced, introducing Digital Humanities in museums. Slowly but surely, museums are decreasing the divide that separates them from the digital tools.

F. no Lisboa Story Center Foto: MIR, 2014.

F. no Lisboa Story Center
Foto: MIR, 2014.

Continuar a ler

Cultural tourism and digital humanities

Co-author: Dália Guerreiro

Tourism sector has been reformulated in the post-modern society and, over the past six decades, has experienced continued expansion and diversification, but it faces challenges demanding it to develop innovative solutions for the consumption of the cultural heritage. Meanwhile, advances in technologies for aggregating and searching collections data had open the debate about how museums and heritage sites may use digital data to promote their collections knowledge and to react to the visitors’ diversified expectations.

We are like vapours: Pacifying the South China Sea Museu Marítimo de Hong-Kong, 2013

We are like vapours: Pacifying the South China Sea
Museu Marítimo de Hong-Kong, 2013

Continuar a ler

#HDPT2015 Simplesmente Humanidades

Digital Humanities is just the humanities of the present day.
Alex Raid

Maria Clara Paixão de Sousa, Professora da Universidade de São Paulo, apresentou esta epígrafe na conferência de abertura do Congresso das Humanidades Digitais em Portugal. Depois, Manuel Portela observou que, tal como não se falou de “humanidades tipográficas” no século XV, também é provável que o termo “digitais” venha a cair porque, naturalmente, toda a investigação em Humanidades se apoia na tecnologia digital, de forma mais ou menos essencial.

Apresentação de Maria Clara Paixão de Sousa, na mesa com Rita Marquilhas Foto: MIR, 2015.

Apresentação de Maria Clara Paixão de Sousa, na mesa com Rita Marquilhas
Foto: MIR, 2015.

Continuar a ler

Digitalização: nova vida para bibliotecas e museus

Em jeito de advertência, devo dizer que há assuntos de que não é possível falar objetivamente, sem nos colocarmos inteiros, com um turbilhão de memórias a afetar a lucidez da análise… talvez, sobretudo, quando se trata de algo em que investimos tempo, suor e lágrimas, travando lutas desesperadas por pequenas vitórias.

Continuar a ler