O futuro dos museus, entre a recuperação e a inovação

Dia Internacional dos Museus 2021: “O futuro dos museus: recuperar e reimaginar”

Um tempo de inusitada crise pode ser interiorizado como uma oportunidade de transformação e, com isso, de melhoria. Ao longo do último ano, vivido entre confinamentos, os museus foram obrigados a encerrar e a procurar novos modelos de comunicação e interação com os públicos, enquanto lidavam (e continuam a lidar) com uma reabertura limitada por imposições sanitárias, com os efeitos decorrentes da quebra de receitas, com uma gestão de meios cada vez mais precários, com os problemas da planificação a médio e a longo prazo, com a imprevisibilidade e a insegurança. Por tudo isso, este é um momento crucial de mudança, mas também de recuperação dos valores identitários do museu.

Também, por isso, o ICOM propõe o tema “O futuro dos museus: recuperar e reimaginar” para o Dia Internacional dos Museus 2021, convidando os museus, os seus profissionais e as comunidades a criar (ou imaginar) e a partilhar novas práticas cocriativas, bem como novos modelos de negócio adaptados a instituições culturais e soluções inovadoras que respondam aos atuais desafios sociais, económicos e ambientais.

Continuar a ler “O futuro dos museus, entre a recuperação e a inovação”

Os museus face ao Covid: Uma ponte sobre águas revoltas

European Seminar 2021
Europe’s “Big Museums” and Covid: The biggest museums talk about the impact: Present and future1
ICOM Europe, 30 de março de 2021, 13h00 (GTM)

“Oh, when times get rough
[…]
Like a bridge over troubled water
I will lay me down”
Paul Simon

O ICOM Europe promoveu uma webinar com o propósito de discutir o presente e as perspetivas dos grandes museus europeus no atual contexto de pandemia de Covid-19. O impacto da crise é um fenómeno global que não deixa os museus incólumes. Em maior ou menor grau, todos os museus sofrem os efeitos do confinamento, da falta de visitantes e da consequente quebra abismal de receitas. No entanto, se todos são atingidos pela crise, são provavelmente os maiores museus, aqueles cuja política se fundamentava em torno do eixo do turismo internacional e das multidões que circulavam de forma desenfreada por circuitos superpovoados e cuja gestão contava com os rendimentos colhidos nas bilheteiras, mas também nos espaços de restauração e nas lojas a que acorriam visitantes ávidos de consumo e da aquisição de memorabilia, esses são aqueles que se veem mais feridos naquilo que se tornou a sua essência.

Continuar a ler “Os museus face ao Covid: Uma ponte sobre águas revoltas”

  1. A gravação da conferência está integralmente disponível em http://icom-europe.mini.icom.museum/activities/conferences/ []

A reinvenção dos museus em época de confinamento: O exemplo que vem do MNAC

Se o ano 2020 foi um tempo de sobressalto e de espanto perante uma ameaça inesperada e inédita, obrigando os museus a fechar portas e, depois, a abri-las em grande contingência, 2021 prolonga a crise que, em Portugal é agora ainda mais grave, com um número inédito de infetados e mortos por Covid-19, implicando um conjunto de medidas cada vez mais restritivas.

Durante o confinamento de 2020, os museus mantiveram-se ativos, assumindo a comunicação digital como uma forma válida de comunicação com os seus públicos, incluindo aqueles que nunca haviam entrado nos espaços físicos das suas exposições. Foi uma resposta imediata às circunstâncias, sem tempo para amadurecer projetos e estratégias, mas que se revelou eficaz dado o seu impacto nas redes sociais e na criação de novas audiências virtuais. Na altura, era possível antecipar uma transformação digital definitiva, mesmo se as ações se limitassem essencialmente à transposição do sistema analógico para o virtual.

Continuar a ler “A reinvenção dos museus em época de confinamento: O exemplo que vem do MNAC”

Os museus, entre a crise e a transformação

No início da pandemia Covid-19, a UNESCO elaborou o relatório  Museums Around the World in the Face of COVID-19 (2020, maio). Já nessa altura, era nítida a crise que se instalava no setor, após uma década de vertiginoso crescimento, com um aumento de 60% no número de museus entre 2012 e 2020: 85.000 museus, isto é, quase 90% dos museus registados em todo o mundo, foram obrigados a encerrar. Era igualmente percetível que o impacto do encerramento dos museus era, não só económico, como também social e que a recuperação da crise seria demorada.

Aviso de encerramento do Mosteiro dos Jerónimos e Museu de Arqueologia devido ao Covid-19
Foto: Lusa, 2020

Continuar a ler “Os museus, entre a crise e a transformação”

Repensar o museu em tempo de pandemia

A vida, tal como a conhecíamos, ficou suspensa. O quotidiano, as rotinas, a normalidade, âncora da nossa segurança, sofreram uma mudança tão inesperada, quanto profunda, substituindo-se por um confinamento que nos obriga ao isolamento e nos convida à frugalidade e à reflexão. A omnipresença da ideia da doença, do sofrimento e da morte traz o questionamento acerca do sentido da vida, ou seja, acerca do sentido das nossa vida, individual e coletiva, agora e depois. É nesse sentido, também, que nos questionamos acerca do sentido do museu, agora e depois.

Sala do Metropolitan Museum of Art, temporariamente fechado devido ao coronavirus
Foto: Alamy Stock Photo, 2020

Embora fechados, os museus continuam presentes, reinventando-se na comunicação dos seus espólios e das suas memórias.

Continuar a ler “Repensar o museu em tempo de pandemia”

E se um escriba egípcio nos entrasse em casa e olhasse nos olhos? Museus e exposições disponíveis na web

“Ficar em casa” (#ficaremcasa; #stayathome)

Estamos em casa e os museus estão fechados. Porém, estar fechado não significa que não seja possível lá entrar, deambular pela exposição, olhar e ver. Os museus estão fechados, mas deixam uma janela aberta sobre o universo das suas coleções.

Nunca como agora, em que todos estão privados do acesso aos museus, aos sítios patrimoniais e aos espaços de cultura, fez tanto sentido a digitalização no sentido mais amplo de transposição de suportes, edição e processamento da informação e disponibilização dos conteúdos em linha. Não será nunca a mesma coisa, visitar o espaço físico do museu, ver as obras reais e autênticas no sítio ocupam na exposição ou aceder a tudo isso no espaço virtual e, portanto, sem a materialidade que (também) lhe confere sentido.

Público junto à Mona Lisa, de Leonardo da Vinci
Paris, Museu do Louvre
Foto: Michaela Šimove, 2019

Continuar a ler “E se um escriba egípcio nos entrasse em casa e olhasse nos olhos? Museus e exposições disponíveis na web”

Museus na web: Outra forma de ver nestes dias tão estranhos

“Ficar em casa” (#ficaremcasa; #stayathome) tornou-se o lema destes estranhos dias. De repente, tomamos consciência de que o mundo é efetivamente global, enquanto que os nossos universos pessoais se tornam infinitamente mais pequenos e confinados.

Visitante de máscara na Galeria Tretyakov, em Moscovo, Rússia.
Foto: Artyom Geodakyan/Tass, 2020.

Continuar a ler “Museus na web: Outra forma de ver nestes dias tão estranhos”

Arte e cultura portuguesa em exposição no museu universal do Google

O Ministério da Cultura, através da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), celebrou, no dia 9 de novembro, um acordo com o Google Cultural Institute, permitindo que as coleções dos museus, palácios e monumentos nacionais passem a estar representadas no Google Arts & Culture.

O Google Arts & Culture é a designação atual do antigo Google Art Project é uma plataforma digital pioneira na digitalização de imagens de alta resolução de obras de obras e na criação de visitas virtuais interativas no interior de alguns dos mais relevantes museus mundiais.

Google Arts and Culture: página de entrada do projeto
Printscreen, 11 nov. 2017

Continuar a ler “Arte e cultura portuguesa em exposição no museu universal do Google”

História da arte digital e museologia

A tecnologia digital alterou os parâmetros da investigação (também) em humanidades: se, há poucas décadas, parte do trabalho do investigador era identificar as fontes e coletar os dados, numa incessante pesquisa em bibliotecas e arquivos, hoje, a profusão de dados a que se tem acesso imediato implica a centralidade do estudo na seleção e no processamento da informação e, sobretudo, na atualização do conhecimento em constante aceleração. Por um lado, a tecnologia digital permite novos métodos e novos campos de investigação, enquanto, por outro lado, o hipertexto, a sintaxe da web, altera a comunicação do conhecimento. Se, em 1997, Steven Johnson Johnson considerava que as inovações mais importantes propiciadas pela web se davam ao nível micro da sintaxe, mas não ao nível macro da narrativa (Johnson, 1997, p. 130), o ambiente colaborativo que entretanto se desenvolveu desencadeou novas formas narrativas (Lloret Romero, & Canet Centellas, 2008), inclusive em contexto académico.

André Malraux no processo de seleção de imagens para o livro Le musée imaginaire de la sculpture mondiale
Foto: Maurice Jarnoux/Paris Match via Getty

Continuar a ler “História da arte digital e museologia”

Museologia e tecnologia digital na Rota da Escravatura

Núcleo Museológico Rota da Escravatura
Lagos, Praça do Infante, edifício do Mercado dos Escravos

Núcleo Museológico Rota da Escravatura: entrada Foto: MIR, 2016
Núcleo Museológico Rota da Escravatura: entrada
Foto: MIR, 2016

É um museu pequeno e com poucos objetos. Nem é propriamente um museu, mas um núcleo museológico que aborda a memória de um passado negro. Estas poderiam ser as determinantes de uma iniciativa votada ao fracasso. Continuar a ler “Museologia e tecnologia digital na Rota da Escravatura”

Cultural tourism and digital humanities

Co-author: Dália Guerreiro

Tourism sector has been reformulated in the post-modern society and, over the past six decades, has experienced continued expansion and diversification, but it faces challenges demanding it to develop innovative solutions for the consumption of the cultural heritage. Meanwhile, advances in technologies for aggregating and searching collections data had open the debate about how museums and heritage sites may use digital data to promote their collections knowledge and to react to the visitors’ diversified expectations.

We are like vapours: Pacifying the South China Sea Museu Marítimo de Hong-Kong, 2013
We are like vapours: Pacifying the South China Sea
Museu Marítimo de Hong-Kong, 2013

Continuar a ler “Cultural tourism and digital humanities”

#HDPT2015 Simplesmente Humanidades

Digital Humanities is just the humanities of the present day.
Alex Raid

Maria Clara Paixão de Sousa, Professora da Universidade de São Paulo, apresentou esta epígrafe na conferência de abertura do Congresso das Humanidades Digitais em Portugal. Depois, Manuel Portela observou que, tal como não se falou de “humanidades tipográficas” no século XV, também é provável que o termo “digitais” venha a cair porque, naturalmente, toda a investigação em Humanidades se apoia na tecnologia digital, de forma mais ou menos essencial.

Apresentação de Maria Clara Paixão de Sousa, na mesa com Rita Marquilhas Foto: MIR, 2015.
Apresentação de Maria Clara Paixão de Sousa, na mesa com Rita Marquilhas
Foto: MIR, 2015.

Continuar a ler “#HDPT2015 Simplesmente Humanidades”