Os princípios, os fins e os meios: da morte de George Floyd ao derrube da estátua de Colston

Um homem morreu, deitado no chão, com um joelho opressor sobre o pescoço, a clamar estar a morrer, durante nove minutos. A ser filmado, à vista de todos. Chamava-se George Floyd e era negro. Assistimos à sua morte e ouvimo-lo dizer enquanto morria: “Please, I can’t breathe. My stomach hurts, my neck hurts, everything hurts. They’re going to kill me…”

George Floyd a morrer sob o joelho do polícia
Minneapolis (MN), 25 de maio de 2020
Imagem: AFP

Ouvimo-lo falar de tudo o que lhe doía, do ar que lhe faltava, da morte que o abatia. Perante as imagens, não podíamos ficar indiferentes. Sabemos que há outros casos de tortura, em Minneapolis ou no aeroporto de Lisboa. Porém, o facto de ter sido filmado e de a visualização das imagens se ter tornado viral, conferiu-lhe uma força incomum. George Floyd tornou-se o símbolo de todas as vítimas de racismo e da violência policial. As palavras que lhe ouvimos tomaram a amplitude de um grito e tornaram-se na bandeira que se agita por todo o mundo. Essas palavras ecoam numa voz que grita em uníssono, num movimento solidário que se sobrepôs ao isolamento imposto pela pandemia e saiu para a rua. Por todo o mundo, as pessoas saíram à rua, numa manifestação que nos enche de esperança, porque ainda somos capazes de indignação e revolta. Contra o racismo, a xenofobia, contra o poder das supremacias que rejeitam os diferentes e oprimem os mais fracos, esta manifestações são por uma causa justa.

A história diz-nos que mesmo as causas justas podem ser exacerbadas e provocar danos; diz-nos que a evolução se processa à custa de movimentos contraditórios. Os equívocos, os exageros, os erros e, até, a instrumentalização que ocorreram nessas manifestações não lhe tiram a razão, nem lhe diminui a causa.

Continuar a ler “Os princípios, os fins e os meios: da morte de George Floyd ao derrube da estátua de Colston”

Descolonizar não é (só) devolver

O Programa para a Descolonização da Cultura, apresentado pela (então ainda) deputada do Livre à Assembleia da República provocou a exaltação, sem ter suscitado um debate que, de resto, tem vindo a acontecer de forma incipiente e sempre agarrado a episódios de cariz imediatista.

O conteúdo do texto não traz propriamente nada de novo, nada que não tenha vindo a ser assumido como uma reflexão inevitável seguida de ações concertadas, ao defender que “à descolonização política e institucional dos territórios deve suceder agora, passadas décadas da sua independência, a descolonização do conhecimento e da cultura para uma efetiva descolonização das sociedades ocidentais”.

Continuar a ler “Descolonizar não é (só) devolver”

Descolonizar o museu: o exemplo que vem do Rijksmuseum

O Rijksmuseum, museu nacional holandês, foi fundado em 1800, em Haia, de onde foi transferido, em 1808, para Amsterdão, onde ficou provisoriamente instalado no palácio real, mudando em 1855 para a sua localização atual, num edifício construído especificamente para o efeito, segundo projeto de Pertus J.H. Cuypers. Concebido segundo o modelo francês do museu do Louvre, este museu insere-se no modelo da museologia oitocentista, pautada por princípios eurocêntricos, nacionalistas e, obviamente, colonialistas. Ao longo dos anos, o museu sofreu sucessivas alterações respondendo ao contínuo crescimento dos seus acervos. A renovação mais recente restabeleceu a estrutura original de Cuypers, integrando a coleções num único circuito cronológico que conta a história da arte e da história holandesas. Ao mesmo tempo, o museu tem vindo a renovar e a atualizar o discurso museológico e as narrativas do seu passado.

Imagem de divulgação da exposição: Gezicht op de plantage Cornelis Vriendschap in Suriname; met verklarende lijst [Vista da plantação de Cornelis Vriendschap no Suriname; com legenda explicativa]
Amsterdão, Rijksmuseum

Continuar a ler “Descolonizar o museu: o exemplo que vem do Rijksmuseum”

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search