Falcão, de herói a vilão

Em carta aberta ao diretor do Diário do Alentejo, assinada por Francisco Costa, faz-se o elogio de José António Falcão. Dele se diz, em síntese biográfica, que “recém-licenciado, foi especializar-se no estrangeiro, com uma das prestigiadas bolsas da Fundação Gulbenkian (difíceis de obter e, por isso, alvo de intenso escrutínio” que, regressado ao país, “a sua paixão pelo Alentejo […] viria a materializar-se numa série de iniciativas muito interessantes e que bastante contribuíram para modificar a perceção sobre a arte, a história e a identidade da região” (Costa, 2020, p. 3). Dele diz-se, ainda, que foi escolhido “para dirigir benevolamente, um organismo [Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja, DPHA] que, partindo do nada, recuperou mais de uma centena de edifícios e inúmeras obras de arte, documentos, livros, etc., sem que a diocese gastasse nisso mundos e fundos” (id., ibid.). Numa altura em que a diocese celebra os 250 anos da sua refundação, José António Falcão e os outros membros do departamento são referidos como “os grandes ausentes”. A carta faz eco dos encómios, prémios e distinções que o DPHA e o próprio José António Falcão recolheram até 2017, altura em que o DPHA foi extinto, causando alguma agitação entre aqueles que se diziam surpresos e os que insinuavam justificações sombrias – e, a este respeito vale a pena consultar ambas as entradas na Wikipédia, relativas ao Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja e a José António Falcão, o “depositário de notável cursos studiorum” que se tornou “o ‘Homem do Património’ no Sul de Portugal”, fazendo uma leitura atenta e crítica, das linhas às entrelinhas, naquilo que diz e naquilo que ignora.

Afinal, talvez não tenha sido exatamente assim.

Continuar a ler “Falcão, de herói a vilão”