Tesouros da Terra Santa

Exposição “O Tesouro dos Reis: Obras-primas do Terra Sancta Museum”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian (10 nov. 2023 – 26 fev. 2024)

Jerusalém é um lugar primacial ou umbilical, no sentido primevo de omphalo como centro do mundo. Se os gregos o localizavam em Delfos, assinalado por uma pedra erguida no templo de Zeus, a Bíblia através das palavras do profeta Ezequiel situa-o aqui: “Assim diz o Senhor Deus: Esta é Jerusalém; coloquei-a no meio das nações e das terras que estão ao redor dela” (Ez. 5:5).

Cidade de Jerusalém
Erhard Reuwich (desenho)
In: Breydenbach, B. (1486). Peregrinatio in Terram Sanctam. Mainz: Peter Schöffer the Elder.

Por razões diversas, Jerusalém faz parte da geografia sagrada das três principais religiões monoteístas abraâmicas – cristianismo, judaísmo e islamismo. No judaísmo, Jerusalém é a cidade que o rei David proclamou como capital do reino no século X a.C. e o lugar do Templo de Salomão e do Segundo Templo onde, segundo a tradição, se situa o atual Muro das Lamentações. Segundo o islamismo, Maomé foi miraculosamente transportado de Meca para Jerusalém, de onde ascendeu ao Paraíso, segundo o primeiro verso do Al-Isra (a viagem noturna] que identifica a mesquita de al-Aqsa (a mais distante) como o destino da jornada do profeta. Para os cristãos, além das referências que lhe são feitas no Antigo Testamento, este é o lugar do Cenáculo, onde Jesus tomou a Última Ceia e instituiu a Eucaristia, antes de aí cumprir o périplo da sua Paixão e Morte no Monte Gólgota, onde a tradição situa o túmulo de Adão, perto do sítio do Santo Sepulcro. A partir destas referências que a valorizam como cidade santa Jerusalém torna-se um lugar mítico: “Stories about Jerusalem should not be dismissed because they are ‘only’ myths: they are important precisely because they are myths” (Armstrong, 2005, p. XVIII).

Continuar a ler “Tesouros da Terra Santa”

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search