Ser ou não ser património, uma questão de valor(es)

Umas (poucas) bonecas, algumas cartas (do tempo em que se escreviam cartas), uma caixa com recordações da adolescência, ofertas obtidas ao longo dos anos, uns botões de rosa secos, umas quantas fotografias, uns quantos livros e discos, tudo isso é o meu património. O meu património íntimo e pessoal, um universo que me é exclusivo. Objetos que me ligam ao passado e o transportam ao presente: ao ver isto, recordo amizades e amores, momentos únicos, espaços de contemplação ou de exaltação. Apenas a mim, falam desta maneira e evocam esses momentos e espaços, porque apenas eu os vivi e guardei e, como tal, os valorizei. São também eles que definem a minha identidade, porque fui a mim que marcaram e fui eu que os escolhi. Eu “sou” nesses fragmentos colhidos ao longo da vida, documentando os meus gostos, interesses e escolhas.

Museu da Inocência
Omar Pamuk, 2012
Istambul, Çukurcuma Caddesi
Foto: Susanna Smith

Continuar a ler

Os mármores do Pártenon: questões patrimoniais e museológicas

Pártenon

Em meados do século V a.C., Péricles decidiu a construção de um templo consagrado a Palas Atena, na Rocha Sagrada, designação atribuída à colina da Acrópole, em substituição do já existente e que havia sido danificado durante a invasão persa em 480 a.C.. O templo, de ordem dórica, octostilo1 e períptero2, integra uma dupla cela com pronaos e opistódomo com prostilo de seis colunas. Os arquitetos Iktinos e Kallikrates são reconhecidos como autores do projeto, cuja decoração escultórica é atribuída a Fídias e aos seus discípulos Agorakritos, Alkamenes e a outros escultores e pintores cujo nome se perdeu. Fídias foi o autor da estátua colossal criselefantina3 da deusa Atena Parténos (ou Atena virgem) no interior da cela.

Pártenon de Atenas Gravura de William Miller, a partir de desenho de H. W. Williams In Williams, H. W. (1829). Greece with classical illustrations. London: Longman Rees Orme Brown and Green; and Adam Black.

Pártenon de Atenas
Gravura de William Miller, a partir de desenho de H. W. Williams
In Williams, H. W. (1829). Greece with classical illustrations. London: Longman Rees Orme Brown and Green; and Adam Black.

Legenda: a - frontão b - sequência de métopas  c - friso d - estátua da deusa

Legenda:
a – frontão
b – sequência de métopas
c – friso
d – estátua da deusa

Continuar a ler

  1. Com oito colunas nas fachadas menores. []
  2. Com o perímetro integralmente definido por colunas alinhadas, criando um peristilo exterior. []
  3. Estátua inteiramente revestida a ouro, à exceção das zonas de carnação em marfim. []

A quem pertence o nosso património?

Num grupo de amigos, discutíamos a quem pertence o património que é de todos nós. A quem cabe decidir quem lhe tem acesso, quem deve pagar a manutenção e a conservação e restauro, quem determina o que é visto e de que forma deve ser acedido, quem decide as regras a que está sujeito? A discussão surgiu a propósito do preço dos ingressos: uma família, ou um grupo de dois adultos e duas crianças, paga mais de cem euros para, numa ida a Sintra, visitar o Palácio da Vila, o Castelo dos Mouros e o Palácio da Pena; se a isto juntar o Palácio de Monserrate, o Convento dos Capuchos e o Chalet da Condessa d’Edla, paga quase cento e oitenta euros. As visitas guiadas não estão incluídas.

Sintra

Sintra; Palácio da Vila

Palácio da Pena Foto: PSML

Palácio da Pena
Foto: PSML

Continuar a ler

Acerca do que (ainda) falta ao património

A articulação do património (do latim patrimonium, herança do pai) à cultura surgiu no século XVII, numa crescente tomada de consciência da necessidade de preservação dos bens herdados do passado, a partir do qual se desenvolveu o atual conceito de património cultural, no sentido de “conjunto de todos os bens que constituem os testemunhos de uma civilização ou de uma cultura, contribuindo para a construção da identidade cultural de um povo ou para a representação do pensamento, da criatividade e das realizações alcançadas pela humanidade” (Roque, 2012, p. 69).

Mosteiro de Alcobaça: deambulatório da igreja Foto: MIR, 2014

Mosteiro de Alcobaça: deambulatório da igreja
Foto: MIR, 2014

Continuar a ler

A ilha do património entre Belém e Ajuda

António Lamas assumiu, em finais de outubro, a presidência do Centro Cultural de Belém (CCB). Mais do que ocupar o pelouro deixado vago por Vasco Graça Moura, falecido em abril, Lamas tem a missão bem mais vasta de reformular e dinamizar o eixo patrimonial-monumental-museológico das zonas contíguas de Belém e da Ajuda, integrando no projeto o Mosteiro dos Jerónimos, a Torre de Belém, o Palácio da Ajuda, o Padrão dos Descobrimentos, os museus dos Coches, de Arqueologia, de Etnologia e de Arte Popular, os jardins Tropical e Botânico, o Planetário.

Mosteiro dos Jerónimos e praça do Império Foto: MIR, 2013.

Mosteiro dos Jerónimos e praça do Império
Foto: MIR, 2013.

Continuar a ler

“Cadenas d’amour” (ainda): o peso da realidade ou a fantasia do virtual?

Primeiro, foram as notícias do ritual de fechar cadeados sobre um local público e jogar fora a chave, criando uma analogia com a relação amorosa fechada num elo inquebrável. A pont des Arts, ponte pedestre sobre o Sena, junto ao museu do Loouvre, tornou-se o epicentro deste fenómeno tornado viral (Vd. “Cadenas d’amour” na pont des Arts). No filme Ho voglia di te, do italiano  Luis Prieto, a partir do romance homónimo de Federico Moccia, o par amoroso Step e Babi, cuja história é um encadeamento de encontros e desencontros, prendem um cadeado a um candeeiro da Ponte Milvio, em Roma. Para lá de todas as reflexões acerca da necessidade de criar novas fórmulas ritualizadas para firmar uma união, ou novas formas de representação e exposição do compromisso, da necessidade de assinalar os afetos, um dos aspetos mais relevantes de análise é o cruzamento deste fenómeno com a utilização do património e, atendendo ao peso efetivo dos cadeados, com os riscos de degradação que lhe eram inerentes.

Cadeados na Pont des Arts, em Paris Foto: MIR, 2013

Cadeados na Pont des Arts, em Paris
Foto: MIR, 2013

Continuar a ler

Tempo de férias, tempo de ir ao museu

É tempo de verão, tempo de evasão, tempo e pretexto para contrariar as rotinas. Tempo para procurar outros locais e cumprir novas obrigações e rituais diferentes. Tempo de descobrir os sítios imperdíveis em cada local, ir lá marcar presença, fazer um documento de prova e divulgá-lo ao mundo. Tempo de selfies, tempo de facebook, pinterest ou instagram.

É tempo de ir aos museus e de visitar monumentos…Tempo, também, de pensar em quem os visita e como os visita; e tempo, também, de pensar como se preparam os museus e os monumentos para receber quem os visita.

Também em Portugal começam a crescer as filas junto à entrada de monumentos e nas bilheteiras de alguns museus. Falta-nos (ou sou eu que os desconheço), porém, estudos de público que permitissem enquadrar quem procura, quais as motivações, o nível de satisfação ou de deceção atingido…

Mosteiro da Batalha, 2014

Capelas Imperfeitas, Mosteiro de Santa Maria da Vitória
Batalha, julho de 2014

Continuar a ler

O turismo, sob o desígnio da cultura

O termo turismo deriva da designação Grand Tour, designação dada ao circuito da aristocracia e alta burguesia ao longo da Europa e, em particular, pela França e Itália, entre o século XVII e meados do XIX, a fim de conhecer os vestígios da história e da cultura do passado.

A Grand Tour Group of Five Gentlemen in Rome John Brown (atrib.), 1773 Londres, National Trust, Ham House; foto: National Trust Images/Derrick E. Witty

A Grand Tour Group of Five Gentlemen in Rome
John Brown (atrib.), 1773
Londres, National Trust, Ham House; foto: National Trust Images/Derrick E. Witty

Continuar a ler

Glasgow School of Art, entre a tragédia e a esperança

Ontem, foram muitos os que ficaram estarrecidos face às imagens do incêndio na Glasgow School of Art, às chamas e ao fumo que saía pelo telhado, fazendo com que se receasse o pior.

Incêndio na Glasgow School of Art. 23 maio 2014

O edifício, projetado por Mackintosh entre 1899 e 1909, era considerado um dos principais edifícios do início do século XX, precursor de uma nova mentalidade arquitetónica, fazendo a ligação entre a complexidade da Arte Nova e o despojamento do Modernismo.

Continuar a ler

Libertar o amor e salvar as pontes

A campanha No love locks visa acabar com os cadeados (Vd. “Cadenas d’amour” na pont des Arts, neste blogue) que proliferam pelas pontes e começam a ameaçar os monumentos da cidade, sobretudo, desde que a Pont des Arts e a Pont de l’ Archevêché (ou ponte Lovelock, como agora é identificada no Google Maps) ficaram esgotadas.

Pont des Arts, Paris Foto:Jean-Baptiste Gurliat/Mairie de Paris

Pont des Arts, Paris
Foto:Jean-Baptiste Gurliat/Mairie de Paris

A iniciativa partiu de Lisa Anselmo e Lisa Taylor Huff, duas americanas que atualmente vivem em Paris. A campanha foi iniciada em fevereiro passado, inclui uma petição que foi conta atualmente com quase 6000 assinaturas, e está a ser divulgada através de um blogue, de uma página no facebook e no twitter. As potencialidades de comunicação das novas tecnologias são largamente aproveitadas para assegurar a eficácia de uma ação que é exclusivamente cívica, enquanto as autoridades se mantêm hesitantes entre a reputação dos cadeados, junto dos turistas, destacando o seu lado romântico, e os riscos patrimoniais e também de segurança que esta prática contagiante acarreta. O sítio oficial da Câmara de Paris alerta :“Si on se réjouit que les amoureux soient si nombreux, ce rituel pose néanmoins quelques problèmes puisque ces témoignages d’amour, milliers de petits cadenas en acier, pèsent très lourd!” (Mairie de Paris, 2014) E, ao mesmo tempo, interroga : “La passerelle des Arts va-t-elle devenir victime des amoureux qui veulent sceller leur amour dans la durée?”

A opinião pública também se encontra dividida e Lisa Anselmo e Lisa Taylor Huff têm vindo a ser acusadas de retrógradas, antiquadas e de se intrometerem em assuntos que não lhes dizem respeito. Os amantes, esses, continuam a selar o amor através dos cadeados…

E nós continuamos a estranhar que isto seja uma prova de amor. Que seja necessário encontrar novos rituais para confirmar o compromisso entre duas pessoas que se amam. Que seja necessário demonstrar esse sentimento através de sinais exteriores e aparentes. E, mais ainda, que se respeite tanto esta atitude sem lógica, ao ponto de não a proibir, como se proíbe qualquer atentado ao património público.

Referência e fonte das imagens:
Mairie de Paris (2014, abr.). L’amour déborde à la passerelle des Arts. http://www.paris.fr/accueil/paris-mag/trop-lourd-l-amour-a-la-passerelle-des-arts/rub_9683_actu_134240_port_23863

“Cadenas d’amour” na pont des Arts

Um gesto que se tornou um ritual amoroso, um sinal exterior de compromisso, uma jura de amor entre casais: amarrar um cadeado nas guardas de uma ponte, local público de passagem, e atirar a chave ao rio. Por vezes, com o nome de quem ali o deixa, a data, uma frase… Não se sabe exatamente onde ou quando começou, mas tornou-se um fenómeno viral, que alguns municípios tentam combater, proibindo a prática, multando quem a pratica.

Continuar a ler