Os museus face ao Covid: Uma ponte sobre águas revoltas

European Seminar 2021
Europe’s “Big Museums” and Covid: The biggest museums talk about the impact: Present and future1
ICOM Europe, 30 de março de 2021, 13h00 (GTM)

“Oh, when times get rough
[…]
Like a bridge over troubled water
I will lay me down”
Paul Simon

O ICOM Europe promoveu uma webinar com o propósito de discutir o presente e as perspetivas dos grandes museus europeus no atual contexto de pandemia de Covid-19. O impacto da crise é um fenómeno global que não deixa os museus incólumes. Em maior ou menor grau, todos os museus sofrem os efeitos do confinamento, da falta de visitantes e da consequente quebra abismal de receitas. No entanto, se todos são atingidos pela crise, são provavelmente os maiores museus, aqueles cuja política se fundamentava em torno do eixo do turismo internacional e das multidões que circulavam de forma desenfreada por circuitos superpovoados e cuja gestão contava com os rendimentos colhidos nas bilheteiras, mas também nos espaços de restauração e nas lojas a que acorriam visitantes ávidos de consumo e da aquisição de memorabilia, esses são aqueles que se veem mais feridos naquilo que se tornou a sua essência.

Continuar a ler “Os museus face ao Covid: Uma ponte sobre águas revoltas”

  1. A gravação da conferência está integralmente disponível em http://icom-europe.mini.icom.museum/activities/conferences/ []

Sem cultura, não há futuro: a falta de estratégia que ameaça o património e a reação de quem o defende

O património cultural não está imune à crise provocada pela pandemia Covid-19. Os monumentos e os museus continuam encerrados, ao cabo de um ano de funcionamento irregular e de um acentuado decréscimo de visitantes e, portanto, de uma fortíssima quebra de receitas. De resto, como já assumia o Grupo de Projeto Museus no Futuro (GPMF), no relatório publicado em novembro passado, “Os MPM [Museus, Palácios e Monumentos], fruto de circunstâncias várias e longas, entraram na fase pandémica provocada pela covid-19 numa situação de grande fragilidade que não se pode prolongar” (GPMF, 2020, p. 52). No entanto, a situação, ao longo destes meses, não só se prologou, como se agravou, tornando imperiosa uma política de apoio e uma visão estratégica que considere a conjuntura real do património.

Aviso de encerramento do Mosteiro dos Jerónimos e Museu de Arqueologia devido ao Covid-19
Foto: Lusa, 2020

Continuar a ler “Sem cultura, não há futuro: a falta de estratégia que ameaça o património e a reação de quem o defende”

A reinvenção dos museus em época de confinamento: O exemplo que vem do MNAC

Se o ano 2020 foi um tempo de sobressalto e de espanto perante uma ameaça inesperada e inédita, obrigando os museus a fechar portas e, depois, a abri-las em grande contingência, 2021 prolonga a crise que, em Portugal é agora ainda mais grave, com um número inédito de infetados e mortos por Covid-19, implicando um conjunto de medidas cada vez mais restritivas.

Durante o confinamento de 2020, os museus mantiveram-se ativos, assumindo a comunicação digital como uma forma válida de comunicação com os seus públicos, incluindo aqueles que nunca haviam entrado nos espaços físicos das suas exposições. Foi uma resposta imediata às circunstâncias, sem tempo para amadurecer projetos e estratégias, mas que se revelou eficaz dado o seu impacto nas redes sociais e na criação de novas audiências virtuais. Na altura, era possível antecipar uma transformação digital definitiva, mesmo se as ações se limitassem essencialmente à transposição do sistema analógico para o virtual.

Continuar a ler “A reinvenção dos museus em época de confinamento: O exemplo que vem do MNAC”

Os museus, entre a crise e a transformação

No início da pandemia Covid-19, a UNESCO elaborou o relatório  Museums Around the World in the Face of COVID-19 (2020, maio). Já nessa altura, era nítida a crise que se instalava no setor, após uma década de vertiginoso crescimento, com um aumento de 60% no número de museus entre 2012 e 2020: 85.000 museus, isto é, quase 90% dos museus registados em todo o mundo, foram obrigados a encerrar. Era igualmente percetível que o impacto do encerramento dos museus era, não só económico, como também social e que a recuperação da crise seria demorada.

Aviso de encerramento do Mosteiro dos Jerónimos e Museu de Arqueologia devido ao Covid-19
Foto: Lusa, 2020

Continuar a ler “Os museus, entre a crise e a transformação”

Feliz Ano Novo!

Nem tudo terá sido mau em 2020, mas que 2021 seja para melhorar.

Quando, há um ano, fazíamos votos de um bom e feliz ano novo, não imaginávamos o tempo transformador que se avizinhava: a doença, a angústia, o medo, a distância, o isolamento e a solidão.

Alguns (muitos!) não sobreviveram, outros (muitos mais!) sofrem as marcas da doença e da solidão. No entanto, nós sobrevivemos e chegamos a este dia, com a esperança numa luz que se adivinha ao fundo do túnel de trevas e sombras em que deambulámos nos últimos meses. Se, há um ano, não imaginávamos a pandemia que estava a chegar e alcançaria cada recanto deste mundo definitivamente global, ainda que muito pouco igualitário, também seria impensável, há apenas alguns meses, que a vacina chegaria por estes dias.

Encontramos, entre as obras de Wang Qingsong, uma profética ilustração destes tempos tão estranhos.

Temporary ward 
Wang Qingsong, 2008
Caixa de luz, a partir de uma instalação  ao vivo com 300 figurantes, incluindo doentes e pessoal de saúde 
Newcastle, Northern Stage theater

Se, em Temporary Ward (Enfermaria temporária), se abarca a memória destes dias de doença e sofrimento, o espanto perante o efémero, afinal, tão inevitável e infinito, fixemo-nos na festa de Happy New Year (Feliz ano novo), onde o humor se alia a um tom de irreverência, mas onde tudo parece leve e luminoso, entre aquilo que podemos deixar cair e os sonhos que se elevem, como balões coloridos “entre as mãos de uma criança”, como dizia o poeta a propósito da Pedra Filosofal.

Happy New Year
Wang Qingsong, 2012
Instalação
Pequim, Tang Contemporary

Que, em 2021, renasçamos mais humanos e conscientes na construção de um mundo novo. Que 2021 seja um ano bom para todos nós e que todos sejamos melhores.

E que, no espírito de a-muse-arte, a arte e os museus continuem a servir para nosso contentamento.

Exposição de máscara(s) obrigatória

Exposição virtual “Um mundo de máscaras
Exposição “Um mundo de máscaras
Lisboa, Museu da Farmácia (8 jul. – 30 set. 2020)

No início da pandemia Covid-19, o país decertou o estado de emergência, que vigorou em três períodos quinzenais, entre 19 de março e 2 de maio, obrigando o país ao confinamento compulsivo no domicílio e ao encerramento das instituições. Os museus fecharam as portas e, alguns com maior sucesso e oportunidade do que outros, reinventaram-se na forma de apresentar as coleções ao público e na interpretação da sua missão social1.

Máscara da peste negra
Século XVII-XVIII
Museu da Farmácia
Foto: Pedro Loureiro/Museu da Farmácia

Continuar a ler “Exposição de máscara(s) obrigatória”

  1. Vd. Repensar o museu em tempo de pandemia, e Museus na web: Outra forma de ver nestes dias tão estranhos []

Museums from now on

Portuguese museums activities during the confinement

At the beginning of the pandemic crisis, the Portuguese Government decreed a state of emergency, which was very restrictive in terms of mobility, forcing all workers in activities considered non-essential to remain at home. For this reason, due to confinement, most museums and, in particular, the smaller ones, simply closed and did not maintain any type of communication activity with the public.  Others were limited to disseminating virtual visits or videos of the museum space.

On the other hand, some of the main museums tried to maintain an open communication channel, through social networks, more flexible than institutional websites. In general, these actions were carried out by the directors and the curatorial team.

Anísio Franco (with the camera) and Joaquim Caetano, respectively subdirector and director of the National Museum of Ancient Art, during the recording of the videos “Despite the distance, art is a bridge that unites us”
Photo: Daniel Rocha, 2020
Frame from “Despite the distance, art is a bridge that unites us”

Continuar a ler “Museums from now on”

Covid 19: ponto de viragem para o museu do futuro?

A crise fechou os museus e cancelou a agenda das exposições programadas para este ano, enquanto que outras, entretanto encerradas, mantêm as peças cedidas à espera de poder voltar aos locais de origem, num imbróglio de seguros1. Face a tudo isto, os museus encontraram na internet uma forma de se manter ativos e a comunicar com os seus públicos.

Se, até agora, apenas alguns museus investiam na comunicação virtual e a maioria se limitava à criação de um sítio eletrónico, com informação básica, e a uma presença mais ou menos regular nas redes sociais para divulgar eventos, e poucos arriscavam participações em projetos académicos experimentais e sem continuidade, a crise forçou a maior parte dos museus a repensar as tecnologias da informação e da comunicação como instrumento e estratégia fulcrais para a ação museológica.

Continuar a ler “Covid 19: ponto de viragem para o museu do futuro?”

  1. O Grande Museu Egípcio anunciou o adiamento da reabertura para o próximo ano. Também a grande exposição comemorativa dos 500 anos da morte de Rafael Sanzio, na Scuderie del Quirinale, em Roma, cuja compra antecipada de ingressos bateu todos os recordes, cancelou a abertura e está a reembolsar o valor dos bilhetes adquiridos, disponibilizando vídeos sobre o artista e a exposição, em italiano e inglês. Em contrapartida, a República Checa anuncia a abertura dos museus no próximo dia 25 de maio, sendo um dos primeiros espaços públicos a voltar à normalidade. []

Repensar o museu em tempo de pandemia

A vida, tal como a conhecíamos, ficou suspensa. O quotidiano, as rotinas, a normalidade, âncora da nossa segurança, sofreram uma mudança tão inesperada, quanto profunda, substituindo-se por um confinamento que nos obriga ao isolamento e nos convida à frugalidade e à reflexão. A omnipresença da ideia da doença, do sofrimento e da morte traz o questionamento acerca do sentido da vida, ou seja, acerca do sentido das nossa vida, individual e coletiva, agora e depois. É nesse sentido, também, que nos questionamos acerca do sentido do museu, agora e depois.

Sala do Metropolitan Museum of Art, temporariamente fechado devido ao coronavirus
Foto: Alamy Stock Photo, 2020

Embora fechados, os museus continuam presentes, reinventando-se na comunicação dos seus espólios e das suas memórias.

Continuar a ler “Repensar o museu em tempo de pandemia”

Um desafio do J. Paul Getty Museum em época de quarentena

O isolmento social presdispõe à procura de atividades criativas para entreter os dias e de divertimentos caseiros que compensem a ansiedade do confinamento e a angústia perante o avolumar das notícias acerca de uma tragédia que atinge toda a humanidade.

Enquanto, por todo o mundo, os museus inevitavelmente encerrados se concentram em estratégias de comunicação com os seus públicos ausentes, disponibilizando visitas virtuais, novos discursos sobre as coleções expostas ou em reservas, descobrindo outras perspetivas e detalhes, o J. Paul Getty Museum lançou, no passado dia 25 de março, um desafio através da Twitter @GettyMuseum: “We challenge you to recreate a work of art with objects (and people) in your home.”

Continuar a ler “Um desafio do J. Paul Getty Museum em época de quarentena”

A força universal da imagem

A figura do Papa que sobe sozinho numa imensa praça vazia, a luz molhada do crepúsculo, o cenário despido, a sobriedade de tudo o que o rodeia, tornam esta imagem uma magnífica metáfora dos dias que correm. Uma imagem poderosa de solidão e resiliência, face às trevas que cobrem os nossos dias:

Há semanas, parece que a tarde caiu. Densas trevas cobriram as nossas praças, ruas e cidades; apoderaram-se das nossas vidas, enchendo tudo de um silêncio ensurdecedor e de um vazio desolador…. Vimo-nos amedrontados e perdidos. (Tradução livre da homilia do Papa Francisco, 2020, 28 mar.)

Coronavirus: il Papa, già si sente la fame, conseguenza della ...
Foto: ANSA, 2020

Continuar a ler “A força universal da imagem”

E se um escriba egípcio nos entrasse em casa e olhasse nos olhos? Museus e exposições disponíveis na web

“Ficar em casa” (#ficaremcasa; #stayathome)

Estamos em casa e os museus estão fechados. Porém, estar fechado não significa que não seja possível lá entrar, deambular pela exposição, olhar e ver. Os museus estão fechados, mas deixam uma janela aberta sobre o universo das suas coleções.

Nunca como agora, em que todos estão privados do acesso aos museus, aos sítios patrimoniais e aos espaços de cultura, fez tanto sentido a digitalização no sentido mais amplo de transposição de suportes, edição e processamento da informação e disponibilização dos conteúdos em linha. Não será nunca a mesma coisa, visitar o espaço físico do museu, ver as obras reais e autênticas no sítio ocupam na exposição ou aceder a tudo isso no espaço virtual e, portanto, sem a materialidade que (também) lhe confere sentido.

Público junto à Mona Lisa, de Leonardo da Vinci
Paris, Museu do Louvre
Foto: Michaela Šimove, 2019

Continuar a ler “E se um escriba egípcio nos entrasse em casa e olhasse nos olhos? Museus e exposições disponíveis na web”

Museus na web: Outra forma de ver nestes dias tão estranhos

“Ficar em casa” (#ficaremcasa; #stayathome) tornou-se o lema destes estranhos dias. De repente, tomamos consciência de que o mundo é efetivamente global, enquanto que os nossos universos pessoais se tornam infinitamente mais pequenos e confinados.

Visitante de máscara na Galeria Tretyakov, em Moscovo, Rússia.
Foto: Artyom Geodakyan/Tass, 2020.

Continuar a ler “Museus na web: Outra forma de ver nestes dias tão estranhos”