Covid 19: ponto de viragem para o museu do futuro?

A crise fechou os museus e cancelou a agenda das exposições programadas para este ano, enquanto que outras, entretanto encerradas, mantêm as peças cedidas à espera de poder voltar aos locais de origem, num imbróglio de seguros1. Face a tudo isto, os museus encontraram na internet uma forma de se manter ativos e a comunicar com os seus públicos.

Se, até agora, apenas alguns museus investiam na comunicação virtual e a maioria se limitava à criação de um sítio eletrónico, com informação básica, e a uma presença mais ou menos regular nas redes sociais para divulgar eventos, e poucos arriscavam participações em projetos académicos experimentais e sem continuidade, a crise forçou a maior parte dos museus a repensar as tecnologias da informação e da comunicação como instrumento e estratégia fulcrais para a ação museológica.

Continuar a ler “Covid 19: ponto de viragem para o museu do futuro?”

  1. O Grande Museu Egípcio anunciou o adiamento da reabertura para o próximo ano. Também a grande exposição comemorativa dos 500 anos da morte de Rafael Sanzio, na Scuderie del Quirinale, em Roma, cuja compra antecipada de ingressos bateu todos os recordes, cancelou a abertura e está a reembolsar o valor dos bilhetes adquiridos, disponibilizando vídeos sobre o artista e a exposição, em italiano e inglês. Em contrapartida, a República Checa anuncia a abertura dos museus no próximo dia 25 de maio, sendo um dos primeiros espaços públicos a voltar à normalidade. []

Paixão segundo Aleijadinho, em Congonhas: o sítio e o museu

O Museu de Congonhas é considerado o primeiro ‘museu de sítio’ do Brasil, formalizando-se como um centro interpretativo do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, incluído no Livro de Tombo de Belas Artes do IPHAN, em 1939, e inscrito na Lista do Patrimônio Cultural Mundial da UNESCO, em 1985.

Museu de Congonhas | Galeria da Arquitetura
Museu de Congonhas
Gustavo Penna Arquiteto & Associados (GPA&A), 2015
Congonhas
Foto: GPA&A, 2015

Continuar a ler “Paixão segundo Aleijadinho, em Congonhas: o sítio e o museu”

Repensar o museu em tempo de pandemia

A vida, tal como a conhecíamos, ficou suspensa. O quotidiano, as rotinas, a normalidade, âncora da nossa segurança, sofreram uma mudança tão inesperada, quanto profunda, substituindo-se por um confinamento que nos obriga ao isolamento e nos convida à frugalidade e à reflexão. A omnipresença da ideia da doença, do sofrimento e da morte traz o questionamento acerca do sentido da vida, ou seja, acerca do sentido das nossa vida, individual e coletiva, agora e depois. É nesse sentido, também, que nos questionamos acerca do sentido do museu, agora e depois.

Sala do Metropolitan Museum of Art, temporariamente fechado devido ao coronavirus
Foto: Alamy Stock Photo, 2020

Embora fechados, os museus continuam presentes, reinventando-se na comunicação dos seus espólios e das suas memórias.

Continuar a ler “Repensar o museu em tempo de pandemia”

O Museu do Prado e as alterações climáticas

O Museu do Pardo uniu-se à organização World Wide Fund for Nature (WWF)1, numa campanha de alerta contra as alterações climáticas, a pretexto da Cimeira do Clima (COP25 – 25.ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas), organizada pela Nações Unidas e a decorrer até 13 de dezembro em Madrid.

Continuar a ler “O Museu do Prado e as alterações climáticas”

  1. O “Fundo Mundial para a Natureza” é uma organização não governamental (ONG) internacional para a defesa do meio ambiente que atua nas áreas da conservação, investigação e recuperação ambiental. []

Dia Internacional dos Museus: o museu como centro cultural, ou o futuro da tradição

O Dia Internacional dos Museus, organizado pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM) foi celebrado pela primeira vez em 1977. Desde então, cada vez mais museus em todo o mundo têm vindo a participar no evento, que ocorre a 18 de maio, em ações que, em 2018, mobilizaram mais de 37.000 museus em 158 países.

Pare este ano, o ICOM escolheu, como tema do Dia Internacional dos Museus, “Os Museus como centros culturais: o futuro da tradição” que é, igualmente, o tema da Conferência Geral ICOM Kyoto 2019 (1-7 de setembro).

Dia Internacional dos Museus 2019: cartaz
ICOM, 2019

Continuar a ler “Dia Internacional dos Museus: o museu como centro cultural, ou o futuro da tradição”

Ao alcance do nosso olhar: Projeto “Portugal: Arte e património”

Estão mais de três mil (3384 itens) obras do património cultural português no Google Arts & Culture. No âmbito do projeto “Portugal: Arte e património”, realizado em colaboração com o Ministério da Cultura e com a Direção-Geral do Património Cultural, 22 instituições museológicas1 sob a tutela do Estado permitiram que as suas obras fossem digitalizadas, pelo Google, usando o sistema Art Camera com tecnologia de alta resolução.

Foram selecionadas as obras mais relevantes em cada coleção. Não se conhecem, porém, os critérios que presidiram a esta seleção, mas é percetível a ligação à coleção exposta e às suas valências patrimoniais, artísticas e documentais.

Continuar a ler “Ao alcance do nosso olhar: Projeto “Portugal: Arte e património””

  1. As instituições que participam no projeto são: Casa-Museu Anastácio Gonçalves; Convento de Cristo; Mosteiro da Batalha; Mosteiro de Alcobaça: Mosteiro dos Jerónimos; Museu Monográfico de Conímbriga – Museu Nacional; Museu Nacional da Música; Museu Nacional de Arqueologia; Museu Nacional de Arte Antiga; Museu Nacional de Arte Contemporânea; Museu Nacional de Etnologia & Museu de Arte Popular; Museu Nacional de Machado de Castro; Museu Nacional do Azulejo; Museu Nacional do Teatro e da Dança; Museu Nacional do Traje; Museu Nacional dos Coches; Museu Nacional Grão Vasco; Museu Nacional Soares dos Reis; Palácio Nacional da Ajuda; Palácio Nacional de Mafra; Panteão Nacional; Torre de Belém. []

Museu: real ou virtual?

O museu vive este dilema entre o real e o virtual. O museu é o local onde se expõe e comunica objetos reais, ainda que isto implique uma referência à sua intangibilidade; e mesmo se a definição de museu inclui o património intangível este é representado no museu através de objetos concretos.

Exposição “Fernando Pessoa: Plural como o universo”, 2012
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian

Continuar a ler “Museu: real ou virtual?”

O museu entre a vida e a morte

Os primeiros museus foram criados sob o explícito pretexto de disponibilizar a todos os bens patrimoniais que, até então, haviam estado na exclusiva posse de alguns privilegiados, mesmo que os objetivos políticos implícitos, no contexto das sociedades ocidentais oitocentistas, progressivamente assumindo a propaganda dos seus ideais nacionalistas e colonialistas. Criaram-se, assim, grandes museus universais, com coleções provenientes de culturas distantes, cronológica e geograficamente, e obras consagradas pela história da arte que lhes conferiam uma identidade e aumentavam o prestígio.

Projet d’aménagement de la Grande Galerie du Louvre
Hubert Robert, 1796
Paris, Musée du Louvre

Continuar a ler “O museu entre a vida e a morte”

“Tirando pelo natural” figurações, conceções e transgressões no Museu de Arte Antiga

Exposição “Do tirar polo natural: Inquérito ao retrato português
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), 28 jun. – 30 set. 2018 (prolongamento até 14 out.)

Do tirar pelo natural é o título do tratado escrito por Francisco de Holanda, em 1549, o primeiro tratado do mundo ocidental dedicado ao retrato feito por um português1. E esta é uma exposição de retratos, de figurações individuais e coletivas, ainda que, efetivamente, nem todas tenham sido tiradas pelo natural.

Francisco de Holanda. (1563). Do tirar polo natural [Manuscrito].
Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa
O culto da imagem está subjacente ao retrato e, sobretudo, à sua versão egocêntrica do autorretrato, onde o indivíduo é sujeito e objeto de expressão artística, a partir da qual se pode traçar o perfil sociológico de cada época e lugar, consoante as transformações registadas no tipo de figura a representar e a forma de o fazer.

Retratos de família
Lisboa, MNAA, Exposição “Do tirar polo natural”
Foto: MIR, 2018

Continuar a ler ““Tirando pelo natural” figurações, conceções e transgressões no Museu de Arte Antiga”

  1. Em 1563, Manuel Denis, pintor espanhol de ascendência portuguesa, traduziu para espanhol o Libro de la pintura antigua de Francisco de Holanda (Real Academia de Bellas Artes de San Fernando, Ms. 3-361), o qual é considerado como a cópia mais antiga conhecida e tradução direta do original português. É a partir deste manuscrito que, em 1790, Mons. Joaquim José Ferreira Gordo fez uma cópia para a Academia das Ciências de Lisboa (Ms. 650). Contém: “Da pintura antigua: Livro primeiro”; “Livro segundo da pintura antigua”; e “Do Tirar polo Natural”. É este manuscrito que se encontra nesta exposição. []

Um museu ao alcance de todos

Museu da Comunidade Concelhia da Batalha (MCCB) abriu em 2011 no centro histórico da Vila da Batalha, junto ao Mosteiro de Santa Maria Vitória. O tempo que, entretanto, passou podia ter sido pretexto para deixar cair os propósitos iniciais e abandonar-se ao desgaste que leva à decadência, ou aproveitar para amadurecer e consolidar uma missão que se assumia ambiciosa: ser um museu da região; ser um museu de todos, mas onde os locais identificassem a sua história, o seu património e as suas tradições, e abertos a todos, adotando uma matriz inclusiva e uma estratégia multimodal capazes de suprimir barreiras físicas, intelectuais, sensoriais ou linguísticas. Atendendo à complexidade dos equipamentos museográficos e dos instrumentos tecnológicos em que assenta, implicando uma constante manutenção e atualização, seria de temer que, ao cabo de sete anos, o museu tivesse envelhecido e não tivesse sido capaz de se manter fiel aos seus princípios. Sobretudo, considerando que a proximidade do Mosteiro da Batalha e o seu efeito mediático no turismo de massas poderiam ter um impacto negativo nos propósitos de um museu virado para a comunidade e induzir uma apresentação mais virada para um público indiferenciado e globalizado. Porém, não foi isso que aconteceu e este continua um espaço museológico estimulante com um discurso percetível e acessível.

Museu da Comunidade Concelhia da Batalha (MCCB)
Foto: MCCB | Público: Boa Cama Boa Mesa

Continuar a ler “Um museu ao alcance de todos”

Hiperconetividade na era da hipermodernidade

“… é fácil confessar que muitíssimas coisas há na terra da Utopia que gostaria de ver implantadas nas nossas cidades, em toda a verdade e não apenas em expectativa”
Thomas More, Utopia

“Hiperconetividade” enquanto conceito subentende-se num artigo de Barry Wellman (2001) acerca das redes sociais e onde aborda aquilo que designa como “globalized connectivity” (Wellman, 2001, p. 230), mas surge efetivamente num estudo, elaborado pelo autor com Anabel Quan-Haase, acerca das múltiplas conexões estabelecidas através das tecnologias da informação e comunicação digital, no qual reconheciam o efeito positivo da tecnologia para fortalecer as relações interpessoais e contrariar as suas hierarquias, ainda que as conexões estabelecidas não se estabeleçam uniformemente – “all […] are connected, but some are more connected than others” (Quan-Haase, & Wellman, 2006, p. 322).

Utilização de recursos de Humanidades Museum of Modern Art (MoMA)
Foto: MIR, 2014.

O termo foi escolhido, pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM), como tema para o Dia Internacional dos Museus 2018: “Museus hiperconectados: novas abordagens, novos públicos”.

Continuar a ler “Hiperconetividade na era da hipermodernidade”

Cruz processional da Sé do Funchal: Diferentes modos de ver

… uma cruz grande dourada, que de prata pesa
oitenta e dois marcos, vinte onças e duas oitavas …

“Ordem régia a João de Barros, tesoureiro, para que entregue a Álvaro Lopes, cónego da Sé do Funchal, a prata destinada à mesma Sé”
Lisboa, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Cabido da Sé do Funchal, mç. 10, n.º 17, PT/TT/CSF/017/M10/17.

Funchal tinha sido elevado à categoria de cidade em 1508, o bispado tinha sido criado em 1514 e a Sé do Funchal, a primeira do “resto do mundo” tinha sido consagrada em 1517, altura em que já estava concluído a capela-mor com o seu monumental retábulo (o único desta época que se conserva íntegro e in situ) quando rei D. Manuel ordenou mandou lavrar um conjunto de vinte alfaias de prata para engrandecer o tesouro catedralício, as quais chegaram à ilha em 1528, já depois da morte do rei. Depois de ultrapassar várias vicissitudes, como o saque dos corsários franceses em 1566, ou as alterações do gosto que no século XVIII ditaram o desaparecimento das antigas alfaias, desse espólio manuelino restam quatro peças: porta-paz (MASF62), caldeirinha (MASF436), maça de porteiro (MASF65) e cruz processional (MASF56).

Cruz processional (pormenor do verso)
Ourivesaria Portuguesa, Lisboa (?), c. 1527
Prata dourada, relevada e cinzelada
Alt. 127 cm x larg. 55 cm
Prov.: Sé do Funchal
Funchal, MASF56
Foto: Arquivo MASF

Continuar a ler “Cruz processional da Sé do Funchal: Diferentes modos de ver”

Entre a morte e a memória: o museu, segundo Valéry, Proust e Adorno

Num texto intitulado “Le problème des musées”1, o poeta Paul Valéry (1871-1945) exprime a melancolia sentida durante a visita às galerias do Museu do Louvre, declarando, à partida: “Je n’aime pas trop les musées. Il y en a beaucoup d’admirables, il n’en est point de délicieux” (p. 2). Compara, ainda, essas galerias, ou “ces solitudes cirées “ (p. 2), às igrejas e aos cemitérios, criando uma analogia entre o museu e o espaço sagrado do templo, num conceito retomado posteriormente para falar do comportamento dos visitantes (Duncan, 1995; Roque, 1990, 2016). Valéry descreve um espaço desconexo e intimador, onde a realidade (as obras de arte) se apresenta fora do contexto do tempo e do espaço e o visitante é obrigado a falar baixo, a manter uma atitude reservada e afastada das obras, apresentada de forma demasiado densa. O ambiente artificial, constrangedor, cansativo e exaustivo do museu influencia negativamente a forma como o visitante aprecia a obra de arte. A grande quantidade de obras expostas, demasiado próximas umas das outras, dificulta a fruição individual de cada uma, o que determina a superficialidade – “Nous devenons superficiels.” (Valéry, 1923, p. 7) – da relação entre o observador e a obra.

Continuar a ler “Entre a morte e a memória: o museu, segundo Valéry, Proust e Adorno”

  1. O texto de Paul Valéry foi publicado em Le Gaulois, a 4 de abril de 1923, e foi posteriormente incluído na antologia Œuvres (t. 2, pp. 1290-1293): Pièces sur l’art, editada por Jean Hytier e publicada em 1960, pela Gallimard, a partir da qual foi feita a versão digital que utilizamos. Existe uma versão em português: Valéry, P. (2008). O problema dos museus. Ars, 6(12), 31-24. []

Museu, o novo templo

Quase no final do percurso expositivo, senti o telemóvel a vibrar e saí para atender a chamada; fiquei junto à porta, a falar baixinho, sob o olhar atento do vigilante e, quando acabei, ao tentar regressar à sala, fui imediatamente advertida:
“Tem de voltar a entrar. Aqui é a saída!”
Quantos ordens, advertências, avisos a moldar o comportamento adequado ao espaço museológico!

Mostra Vaticana, 1888.
Mostra Vaticana, 1888.

Continuar a ler “Museu, o novo templo”