O museu entre a vida e a morte

Os primeiros museus foram criados sob o explícito pretexto de disponibilizar a todos os bens patrimoniais que, até então, haviam estado na exclusiva posse de alguns privilegiados, mesmo que os objetivos políticos implícitos, no contexto das sociedades ocidentais oitocentistas, progressivamente assumindo a propaganda dos seus ideais nacionalistas e colonialistas. Criaram-se, assim, grandes museus universais, com coleções provenientes de culturas distantes, cronológica e geograficamente, e obras consagradas pela história da arte que lhes conferiam uma identidade e aumentavam o prestígio.

Projet d’aménagement de la Grande Galerie du Louvre
Hubert Robert, 1796
Paris, Musée du Louvre

Continuar a ler

“Tirando pelo natural” figurações, conceções e transgressões no Museu de Arte Antiga

Exposição “Do tirar polo natural: Inquérito ao retrato português
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), 28 jun. – 30 set. 2018 (prolongamento até 14 out.)

Do tirar pelo natural é o título do tratado escrito por Francisco de Holanda, em 1549, o primeiro tratado do mundo ocidental dedicado ao retrato feito por um português1. E esta é uma exposição de retratos, de figurações individuais e coletivas, ainda que, efetivamente, nem todas tenham sido tiradas pelo natural.

Francisco de Holanda. (1563). Do tirar polo natural [Manuscrito].
Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa

O culto da imagem está subjacente ao retrato e, sobretudo, à sua versão egocêntrica do autorretrato, onde o indivíduo é sujeito e objeto de expressão artística, a partir da qual se pode traçar o perfil sociológico de cada época e lugar, consoante as transformações registadas no tipo de figura a representar e a forma de o fazer.

Retratos de família
Lisboa, MNAA, Exposição “Do tirar polo natural”
Foto: MIR, 2018

Continuar a ler

  1. Em 1563, Manuel Denis, pintor espanhol de ascendência portuguesa, traduziu para espanhol o Libro de la pintura antigua de Francisco de Holanda (Real Academia de Bellas Artes de San Fernando, Ms. 3-361), o qual é considerado como a cópia mais antiga conhecida e tradução direta do original português. É a partir deste manuscrito que, em 1790, Mons. Joaquim José Ferreira Gordo fez uma cópia para a Academia das Ciências de Lisboa (Ms. 650). Contém: “Da pintura antigua: Livro primeiro”; “Livro segundo da pintura antigua”; e “Do Tirar polo Natural”. É este manuscrito que se encontra nesta exposição. []

Um museu ao alcance de todos

Museu da Comunidade Concelhia da Batalha (MCCB) abriu em 2011 no centro histórico da Vila da Batalha, junto ao Mosteiro de Santa Maria Vitória. O tempo que, entretanto, passou podia ter sido pretexto para deixar cair os propósitos iniciais e abandonar-se ao desgaste que leva à decadência, ou aproveitar para amadurecer e consolidar uma missão que se assumia ambiciosa: ser um museu da região; ser um museu de todos, mas onde os locais identificassem a sua história, o seu património e as suas tradições, e abertos a todos, adotando uma matriz inclusiva e uma estratégia multimodal capazes de suprimir barreiras físicas, intelectuais, sensoriais ou linguísticas. Atendendo à complexidade dos equipamentos museográficos e dos instrumentos tecnológicos em que assenta, implicando uma constante manutenção e atualização, seria de temer que, ao cabo de sete anos, o museu tivesse envelhecido e não tivesse sido capaz de se manter fiel aos seus princípios. Sobretudo, considerando que a proximidade do Mosteiro da Batalha e o seu efeito mediático no turismo de massas poderiam ter um impacto negativo nos propósitos de um museu virado para a comunidade e induzir uma apresentação mais virada para um público indiferenciado e globalizado. Porém, não foi isso que aconteceu e este continua um espaço museológico estimulante com um discurso percetível e acessível.

Museu da Comunidade Concelhia da Batalha (MCCB)
Foto: MCCB | Público: Boa Cama Boa Mesa

Continuar a ler

Hiperconetividade na era da hipermodernidade

“… é fácil confessar que muitíssimas coisas há na terra da Utopia que gostaria de ver implantadas nas nossas cidades, em toda a verdade e não apenas em expectativa”
Thomas More, Utopia

“Hiperconetividade” enquanto conceito subentende-se num artigo de Barry Wellman (2001) acerca das redes sociais e onde aborda aquilo que designa como “globalized connectivity” (Wellman, 2001, p. 230), mas surge efetivamente num estudo, elaborado pelo autor com Anabel Quan-Haase, acerca das múltiplas conexões estabelecidas através das tecnologias da informação e comunicação digital, no qual reconheciam o efeito positivo da tecnologia para fortalecer as relações interpessoais e contrariar as suas hierarquias, ainda que as conexões estabelecidas não se estabeleçam uniformemente – “all […] are connected, but some are more connected than others” (Quan-Haase, & Wellman, 2006, p. 322).

Utilização de recursos de Humanidades Museum of Modern Art (MoMA)
Foto: MIR, 2014.

O termo foi escolhido, pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM), como tema para o Dia Internacional dos Museus 2018: “Museus hiperconectados: novas abordagens, novos públicos”.

Continuar a ler

Cruz processional da Sé do Funchal: Diferentes modos de ver

… uma cruz grande dourada, que de prata pesa
oitenta e dois marcos, vinte onças e duas oitavas …

“Ordem régia a João de Barros, tesoureiro, para que entregue a Álvaro Lopes, cónego da Sé do Funchal, a prata destinada à mesma Sé”
Lisboa, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Cabido da Sé do Funchal, mç. 10, n.º 17, PT/TT/CSF/017/M10/17.

Funchal tinha sido elevado à categoria de cidade em 1508, o bispado tinha sido criado em 1514 e a Sé do Funchal, a primeira do “resto do mundo” tinha sido consagrada em 1517, altura em que já estava concluído a capela-mor com o seu monumental retábulo (o único desta época que se conserva íntegro e in situ) quando rei D. Manuel ordenou mandou lavrar um conjunto de vinte alfaias de prata para engrandecer o tesouro catedralício, as quais chegaram à ilha em 1528, já depois da morte do rei. Depois de ultrapassar várias vicissitudes, como o saque dos corsários franceses em 1566, ou as alterações do gosto que no século XVIII ditaram o desaparecimento das antigas alfaias, desse espólio manuelino restam quatro peças: porta-paz (MASF62), caldeirinha (MASF436), maça de porteiro (MASF65) e cruz processional (MASF56).

Cruz processional (pormenor do verso)
Ourivesaria Portuguesa, Lisboa (?), c. 1527
Prata dourada, relevada e cinzelada
Alt. 127 cm x larg. 55 cm
Prov.: Sé do Funchal
Funchal, MASF56
Foto: Arquivo MASF

Continuar a ler

A reinvenção do museu e as metamorfoses do objeto

Numa sociedade em mudança, face aos novos paradigmas da comunicação e transmissão, ou divulgação, do conhecimento, o museu reavalia os seus próprios conceitos e funções.

The British Museum: the Egyptian Room, with visitors.
Wood e Credit: Wellcome Library, London.

Continuar a ler

Entre a morte e a memória: o museu, segundo Valéry, Proust e Adorno

Num texto intitulado “Le problème des musées”1, o poeta Paul Valéry (1871-1945) exprime a melancolia sentida durante a visita às galerias do Museu do Louvre, declarando, à partida: “Je n’aime pas trop les musées. Il y en a beaucoup d’admirables, il n’en est point de délicieux” (p. 2). Compara, ainda, essas galerias, ou “ces solitudes cirées “ (p. 2), às igrejas e aos cemitérios, criando uma analogia entre o museu e o espaço sagrado do templo, num conceito retomado posteriormente para falar do comportamento dos visitantes (Duncan, 1995; Roque, 1990, 2016). Valéry descreve um espaço desconexo e intimador, onde a realidade (as obras de arte) se apresenta fora do contexto do tempo e do espaço e o visitante é obrigado a falar baixo, a manter uma atitude reservada e afastada das obras, apresentada de forma demasiado densa. O ambiente artificial, constrangedor, cansativo e exaustivo do museu influencia negativamente a forma como o visitante aprecia a obra de arte. A grande quantidade de obras expostas, demasiado próximas umas das outras, dificulta a fruição individual de cada uma, o que determina a superficialidade – “Nous devenons superficiels.” (Valéry, 1923, p. 7) – da relação entre o observador e a obra.

Continuar a ler

  1. O texto de Paul Valéry foi publicado em Le Gaulois, a 4 de abril de 1923, e foi posteriormente incluído na antologia Œuvres (t. 2, pp. 1290-1293): Pièces sur l’art, editada por Jean Hytier e publicada em 1960, pela Gallimard, a partir da qual foi feita a versão digital que utilizamos. Existe uma versão em português: Valéry, P. (2008). O problema dos museus. Ars, 6(12), 31-24. []

Museu, o novo templo

Quase no final do percurso expositivo, senti o telemóvel a vibrar e saí para atender a chamada; fiquei junto à porta, a falar baixinho, sob o olhar atento do vigilante e, quando acabei, ao tentar regressar à sala, fui imediatamente advertida:
“Tem de voltar a entrar. Aqui é a saída!”
Quantos ordens, advertências, avisos a moldar o comportamento adequado ao espaço museológico!

Mostra Vaticana, 1888.

Mostra Vaticana, 1888.

Continuar a ler

A incrível corrida dos Pokémon

Pokémon, contração dos termos japoneses Poketto Monsutā (Monstros de bolso) começou como por ser um videojogo (Poketto Monsutā Aka e Midori, verde e vermelho), criado por Satoshi Tajiri, lançado no mercado em 1996. Pouco depois, passou para as telas de cinema e para os ecrãs de televisão, Os Pokémon são criaturas monstruosas, geralmente baseadas em animais reais ou em criaturas da mitologia oriental, ou em entes inanimados e lendários.

Galeria de tipos Pokémon

Galeria de tipos Pokémon

Continuar a ler

Públicos para o património: uma questão de mais ou menos

Os números relativos ao crescimento da indústria do turismo, publicados pela Organização Mundial do Turismo (UNWTO, 2016) são inequívocos: em 2015, as chegadas de turistas internacionais aumentaram 4,4%, num total de 1.184 milhões de turistas em viagem para destinos internacionais, o que equivale a um aumento de 50 milhões em relação ao ano anterior; estes números confirmam a tendência de crescimento de 4% anuais que tem vindo a registar-se desde 2010. A procura da Europa como destino continua a crescer, mas os destinos meridionais de sol e praia começam a ceder face à concorrência de paragens mais exóticas, enquanto turismo cultural ganha uma importância crescente. A qualidade de turismo cultural, ou o consumo de produtos culturais no destino, é, ainda, um elemento diferenciador que permite a demarcação face ao turismo de massa.

Turismo internacional: índice de chegadas, 2015 Fonte: UNWTO

Turismo internacional: índice de chegadas, 2015
Fonte: UNWTO

Continuar a ler

Ver através das mãos que desenham

O Rijksmuseum, sem acusar a pressão do número de visitantes e sem se atrever a tomar para a inibição da procura, tem vindo a manifestar algum incómodo perante o desconforto e cansaço do público em salas superpovoadas. A missão museológica de “dar a ver” as obras exposta fica comprometida face à multidão que passa ao longo do percurso expositivo, em direção a determinadas obras-primas consideradas essenciais. Nesse sentido, propõe um conjunto de visitas temáticas, que diversificam os percursos, também numa tentativa de descongestionar o acesso às obras mais mediáticas. Não obstante, estudos feitos no museu permitiram concluir que os visitantes não se demoram frente às obras expostas (cfr. Aart Van Harten, guia do museu, cit. in Guillermard , 2016, 5 fev.). Por isso mesmo, tem vindo a apresentar formas alternativas de ver para lá do percurso expositivo em que o visitante se move. Destaca-se a app, com um vasto número de informações complementares e largo espetro de ligações, propostas interpretativas, interativas e lúdicas para aquisição e aplicação de conhecimentos. Estratégias que levem o visitante a fixar o olhar, ao invés de passar sem ver.

Fachada do Rijksmuseum, com o anúncio da campanha #Hierteekenen, ou (#Startdrawing)

Fachada do Rijksmuseum, com o anúncio da campanha #Hierteekenen, ou (#Startdrawing)
Amsterdão, 2015

Continuar a ler

O amanhã do museu começa hoje

“[…] eles ignoravam que hoje era ontem e haveria amanhã”
Clarice Lispector1

Após séculos e séculos de colecionismo privado, a idade dos museus implantou-se no século XIX como um espaço para a preservação do património a transmitir às gerações futuras. O museu surgiu sob um signo de sacralidade – no momento em que a sociedade se tornava laica, o sentimento religioso impregnava-se na glorificação do passado e dos seus testemunhos materiais – constituindo-se como um reduto separado da vida quotidiana, um santuário adequado à mitificação das coleções de pintura e escultura, ourivesaria, joalharia, mobiliário, manuscritos iluminados e códices.

Mostra Vaticana, 1888.

Mostra Vaticana, 1888.

Continuar a ler

  1. Lispector, C. (1974). Onde estivestes de noite? Rio de Janeiro: Artenova. []

Museu e património no destino da viagem

A Grand Tour nos primórdios do turismo cultural

As circunstâncias do aparecimento simultâneo dos atuais conceitos de ‘turismo’ e de ‘museu’, no contexto da Europa iluminista, sustentam um percurso feito de conexões e mútuas influências. Ao longo do século XVIII, no contexto do Iluminismo europeu, desenvolveram-se as práticas de viagem e de colecionismo que constituem a proto-história do turismo e da museologia. O denominador comum era o conhecimento do passado e dos seus vestígios materiais, o que coincidia também com a crescente consciência em torno do património e da necessidade de o conservar no seu ambiente original.

British gentlemen in Rome Katharine Read, ca.  1750 Yale Center for British Art, Paul Mellon Collection

British gentlemen in Rome
Katharine Read, ca. 1750
Yale Center for British Art, Paul Mellon Collection

Continuar a ler

#ComingOutMNAA: o museu na “nossa” na rua

2015/10/03, aqui se dava conta da iniciativa #ComingOutMNAA, sugerindo que “se os transeuntes da rua não vão ao museu, vai o museu ter com os transeuntes da rua”. Na altura, referia que o “contraste entre o museu e a rua era mais acentuado em Londres”, onde a National Gallery criou o projeto The Grand Tour, para levar algumas das mais emblemáticas obras da coleção às ruas de Convent Garden, Soho e Chinatown, enquanto, em Lisboa, o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) optou pelas zonas mais turísticas do Chiado e Bairro Alto. Porém, não são estas as ruas que faltam ao museu.

ComingOut MNAA Lisboa, Largo de S. Carlos Foto: MIR, 2015

ComingOut MNAA
Lisboa, Largo de S. Carlos
Foto: MIR, 2015

O “Robin das Artes” – dois jovens que não querem ser identificados – completa o círculo de forma magistral: ao longo das semanas, aproveitando a madrugada e com o engenho da oportunidade, retiraram quatro quadros (dos catorze desaparecidos) que deslocaram – “Não é um roubo, é um deslocamento”, como dizem ao Observador (cit. in Coelho, 2015, 6 dez.) – para a outra “margem”, no sentido literal do termo. Estão expostos como se estivessem no museu, com a respetiva moldura e a tabela informativa com um breve texto explicativo.

O “Retrato do Conde de Farrobo”, o “São Damião”, o “Retrato do Senhor de Noirmont” e “Conversação” estão agora junto dos públicos “marginalizados”, excluídos dos espaços privilegiados da cultura, ignorados enquanto recetores potenciais do discurso museológico.

São Damião, Mestre desconhecido, c. 1460-1470.  Av. Prof. Rui Luís Gomes, Almada Foto: André Costa, 2015.

Conversação, Pieter de Hooch, 1663-1665
Almada
Foto: André Costa, 2015.

O “Robin das Artes” refaz e, em certa medida, corrige o processo desencadeado pelo MNAA, instalando-os nos lugares mais (in)esperados, nos bairros populares de Almada e do Seixal, nas antípodas do museu. É aqui que, por fim, o desafio ganha amplitude.

São Damião, Bartolomé Bermejo, c. 1460-1470 Almada, Av. Prof. Rui Luís Gomes Foto: André Costa, 2015.

São Damião, Bartolomé Bermejo, c. 1460-1470
Almada, Av. Prof. Rui Luís Gomes
Foto: André Costa, 2015.

São estes os públicos que desafiam a ação mediadora do museu. Talvez quem aqui mora não costume ir ao museu, mas certamente nunca se sentiu convidado. Talvez não saiba que obras são estas, porque nunca ninguém lhes contou, nem explicou. E se alguém se sentir intrigado e desafiado a ir, a compreender e a saber, que o museu os saiba acolher.

Finalmente, agora, o museu está na rua, pendurado nas paredes de prédios sociais, inserido no quotidiano da gente comum.

Agora, sim, o museu está na “nossa” rua.

Referência e fonte das imagens:
Coelho, S. O. (2015, 6 dez.). ‘Robin das Artes’ tirou quatro quadros do Chiado e deu-os ao Miratejo. Observador. Acedido em http://observador.pt/2015/12/06/robin-das-artes-tirou-quatro-quadros-do-chiado-e-deu-os-ao-miratejo/

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "#ComingOutMNAA: o museu na “nossa” na rua," in a.muse.arte , 2015/12/06, https://amusearte.hypotheses.org/1118.