Descolonizar o museu

The complexity reveals the fact that in reality, one does not always have the ‘answer’ – and that is the answer itself.
(Kilomba, 2010, p. 143)

Os gregos da época Helenística faziam cópias de arte clássica, com que enriqueciam as coleções particulares; os Romanos apropriaram-se dessas cópias, juntamente com outros objetos sofisticados que convergiam para a capital do império, provenientes das vastas possessões territoriais na Europa, África e Ásia; por volta do século XVI, as embarcações vindas da Índia e do Brasil traziam para a Europa, objetos e materiais exóticos que despoletaram um novo impulso colecionista; as expedições napoleónicas no Egipto e em Itália trouxeram um enorme fluxo de objetos para o Louvre, abrindo o precedente do financiamento de expedições por parte dos grandes museus nacionais europeus nas áreas colonizadas do Médio Oriente e de África, da Índia, da Austrália e da América Central e do Sul, recebendo, em troca, os vestígios de grandes civilizações já desaparecidas ou que estavam a ser dizimadas pela força política de uma escravatura tão intensa quanto camuflada. Resumir, desta forma simplista, um fenómeno complexo e poliédrico, é incorreto e inadequado, mas poderá ajudar a compreender o contexto das narrativas coloniais dos museus ocidentais.

Chegada ao Louvre dos tesouros artísticos trazidos pela Grande Armée
Jacques-François-Joseph Swebach, Século XVIII
Paris, Museu do Louvre

Continuar a ler