O primeiro cartão de Boas-Festas: inglês… ou português?

Henri Cole terá sido o criador do primeiro cartão de Boas-Festas?

Segundo o sítio eletrónico do Victoria & Albert Museum, de que Henri Cole foi o diretor fundador, sim. Henry Cole foi um destacado funcionário público, patrono das artes, educador e inventor que, na década de 1840, teve um papel cruciak na reforma do sistema postal britânico, ajudando a criar o Uniform Penny Post, incentivando o envio de cumprimentos sazonais em papéis timbrados e cartões de visita decorados.

Cartão de Boas-Festas
John Callcott Horsley, 1843
Londres, Victoria and Albert Museum, n. MSL.3293-1987.

Em 1843, os correios lançaram um selo de 1 penny (centavo de libra esterlina), embaratecendo o envio da tradicional correspondência de Natal. Cole tinha uma enorme rede de amigos e conhecidos a quem cumpria enviar os votos natalícios e, na época vitoriana, seria uma imperdoável falta de etiqueta não o fazer. Revelando um espírito prático, Cole inventou uma estratégia que lhe permitia ganhar tempo e esforço: um cartão ilustrado com um tríptico, cujo desenho encomendou ao artista John Callcott Horsley, seu amigo pessoal. Horsley representou, ao centro, uma cena cercada por uma treliça decorativa, com a representação de três gerações da família Cole a brindar durante a ceia natalícia, enquanto, nas laterais, se representam atos de doação. A mensagem sintetizava o duplo sentido de Natal, entre a celebração e a caridade. Na entrada do diário de 17 de dezembro de 1843, Cole registou: “In the Evg Horsley came & brought his design for Christmas Cards”. Foram impressas mil cópias, personalizadas depois por uma saudação manuscrita.

O cartão foi posto à venda, mas o preço elevado não lhe permitiu o sucesso que só veio a alcançar posteriormente. No entanto, permitiu que Cole seja referido como o inventor do cartão de Natal.

Fernando Coburgo, 1839 Ass. e dat.: “Fernando Coburgo fecit, 1839” Sintra, Palácio Nacional da Pena, , inv. 3355/1 Foto: PSML /Ana Cristina Machado

No entanto, em Portugal, alguns anos antes, já o rei D. Fernando II, assinava e datava um cartão de Boas Festas: “Fernando Coburgo fecit, 1839”. Afinal, o primeiro cartão de Boas-Festas terá sido criado em Portugal.

Tradições de Natal

O início do inverno é tempo de exaltação e de festa em ação de graças pela luz revigoradora que sucede às trevas, quando, após o solstício, os dias se tornam cada vez maiores. As festas associadas ao Natal têm início no dia de Santo André e incluem os dias de São Nicolau e de Santa Luzia, respetivamente, a 6 e a 13 de dezembro.

Many Happy Returns of the Day William Powell Frith (1819-1909), 1856 North Yorkshire, Harrogate Museums and Art Gallery
Many happy returns of the day
William Powell Frith (1819-1909), 1856
North Yorkshire, Harrogate Museums and Art Gallery

Continuar a ler “Tradições de Natal”

Adoração dos Magos

A Epifania não é um episódio da Natividade, mas é reconhecida como a primeira teofania de Cristo e, por conseguinte, como o acontecimento fundador da Nova Aliança, registando-se como um símbolo da divindade de Cristo. Daí que, nos primeiros tempos do Cristianismo, a festa da Epifania se tenha sobreposto ao tema da Natividade e a representação iconográfica da adoração dos magos remonte aos primeiros tempos do cristianismo.

A vinda dos magos para homenagear o Menino, é referida em Mateus (Mt 2, 1-12), sendo registada de forma quase idêntica nos textos apócrifos (Proto-Evangelho de São Tiago 21, 1-3; Evangelho do Pseudo-Mateus 16, 1-2).

“Tendo Jesus nascido em Belém da Judeia, no tempo do rei Herodes, chegaram a Jerusalém uns magos vindos do Oriente. […] E a estrela, que tinham visto no Oriente, ia adiante deles, até que, chegando ao lugar onde estava o Menino, parou. Ao ver a estrela sentiram, grande alegria, e, entrando em casa, viram o Menino com Maria, Sua mãe. Prostrando-se, adoraram-n’O, e, abrindo os cofres, ofertaram-Lhe presentes: Ouro, incenso e mirra.” (Mt 2, 1-11)

Nos evangelhos são genericamente referidos como homens sábios ou magos, a denominação dada aos sacerdotes persas de Zoroastro que, além das funções religiosas, se dedicavam ao estudo da astronomia e da astrologia, atribuindo-se-lhes poderes ocultos.

Inicialmente, os Magos, em número indefinido e sem se lhes atribuírem nomes, eram representados de maneira indiferenciada, com o traje persa dos sacerdotes de Mitra: barrete frígio e manto sobre as costas. Desfilam em cortejo na direção da Virgem, trono vivo de Deus menino, a quem levam presentes em bandejas ou em ricos recetáculos de ourivesaria.

A partir do elenco de presentes, o número dos magos acaba por se fixar em três. Nos Excerpta latina barbari, uma cronologia composta em grego, no século V, e traduzida para latim, surge a mais antiga referência conhecida aos nomes dos três magos: “In his diebus sub Augusto Kalendas Ianuarias magi obtulerunt ei munera et adoravunt eum: magi autem vocabantur Bithisarea Melchior Gathaspa”[1] (Auctores antiquissimi 1892, 278)

Epifania Autor desconhecido, século VI, 1.º quartel Ravena, Igreja de Santo Apolinário o Novo
Epifania
Autor desconhecido, século VI, 1.º quartel
Ravena, Igreja de Santo Apolinário o Novo

Continuar a ler “Adoração dos Magos”

A festa do Natal

Nos Evangelhos canónicos, a referência ao nascimento de Cristo é esparsa. Mesmo o evangelista Lucas, dos quatro o mais minucioso, insere-o no tema do anúncio aos pastores.

“E quando eles ali [Belém] se encontravam, completaram-se os dias de ela dar à luz. E teve o seu filho primogénito, que envolveu em panos e recostou numa manjedoira, por não haver para eles lugar na hospedaria. Na mesma região, encontravam-se uns pastores, que pernoitavam nos campos, guardando os seus rebanhos durante a noite. O anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor refulgiu em volta deles, e tiveram muito medo. Disse-lhes o anjo: ‘Não temais, pois vos anuncio uma grande alegria, que o será para todo o povo: Hoje, na cidade de David, nasceu-vos um Salvador, que é o Messias, Senhor. Isto vos servirá de sinal para o identificardes: Encontrareis um Menino envolto em panos e deitado numa manjedoira”. […] “Quando os anjos se afastaram deles em direção ao Céu, os pastores disseram uns aos outros: “Vamos então até Belém e vejamos o que aconteceu e que o Senhor nos deu a conhecer.’ Foram apressadamente e encontraram Maria, José e o Menino, deitado na manjedoira.” (Lc 2, 6-16)

Natividade
Josefa de Óbidos, 1650-60
Col. particular

Continuar a ler “A festa do Natal”