A arte ainda existe?

Exposição “Une histoire: Art, architecture et design des années 1980 à nos jours
Paris, Centre Pompidou, 2 julho – 7 mar. 2016

O Centre Pompidou apresenta a exposição “Une histoire: Art, architecture et design des années 1980 à nos jours”, comissariada por Christine Macel, com o ambicioso objetivo de contar a recente história da arte através de mais de quatrocentas peças consideradas “des clefs de lecture sur la création la plus contemporaine” (Macel, 2014). São obras de artistas, arquitetos e designers, de cinquenta e cinco países, algumas delas, obviamente, acabadas de entrar na coleção do museu. Como refere Philippe Dagen, num artigo do Le monde, onde anuncia a contra-história da arte:

“L’exercice est difficile. Il impose de composer avec des données générales et d’autres particulières. Les générales, c’est tout ce qui s’est passé durant la période considérée : la création plastique et architecturale dans son ensemble, en premier lieu, les débats théoriques et critiques, mais aussi, déterminantes, les situations historiques, économiques, religieuses, sociales.” (Dagen, 2014, 17 jul.)

Une histoire: Art, architecture et design des années 1980 à nos jours [cartaz da exposição] 2014
Une histoire: Art, architecture et design des années 1980 à nos jours [cartaz da exposição]
2014
Continuar a ler “A arte ainda existe?”

Quando o falso se confunde com o verdadeiro

A notícia é que a pintura Odalisca de pantalón rojo, de Matisse, vai regressar ao Museo de Arte Contemporáneo de Caracas, de onde tinha sido roubada. Porém, a questão é mais complexa em torno da gestão e da segurança museológicas, bem como da avaliação (e valorização) da obra de arte.

Odalisca de calças vermelhas Matisse, 1925.
Odalisca de calças vermelhas
Henri Matisse, 1925.

O facto é que, em 2002, se descobriu que a Odalisca exposta no museu era um falso e que, portanto, o original tinha sido roubado e substituído por uma cópia, presumivelmente, três anos antes, sem que ninguém – curadores, visitantes ou guardas – se tivesse apercebido.

Continuar a ler “Quando o falso se confunde com o verdadeiro”

Rui Chafes, (a sustentada leveza do) peso do paraíso

Exposição “O peso do paraíso”, de Rui Chafes
Lisboa, Centro de Arte Moderna, 13 fevereiro – 18 setembro 2014

Rui Chafes tem a primeira exposição retrospetiva em Portugal ou, pelo menos, a primeira com esta dimensão. São mais de uma centena de obras que preenchem os espaços e se prolongam para lá dele. Muitas nunca tinham sido apresentadas no país, enquanto foi através de outras que nos habituámos à obra de Chafes e aprendemos a distinguir a sua marca. Umas são imensas, exigindo uma reserva de vazio em torno. Outras são breves vibrações que, subitamente, se descobrem em sítios inesperados, quase impercetíveis. Cada uma é um universo único que concentra por inteiro, sem distrações, nem inadvertências. Todas são impositivas: estão ali e aquele lugar pertence-lhes por inteiro. O guião segue uma narrativa entre a força da presença de cada uma, a expetativa que a antecede e a pausa que se lhe segue, seguindo a lógica do contraste entre a intuição do peso e a imanência da leveza que se intui na obra de Chafes.

Exposição "O peso do paraíso" Lisboa, CAM, 2014
Exposição “O peso do paraíso”
Lisboa, CAM, 2014

Continuar a ler “Rui Chafes, (a sustentada leveza do) peso do paraíso”

Entre quem faz e quem vê: os limites do discurso na arte contemporânea

A arte contemporânea pretendia-se acessível e apreensível pelo senso comum, numa reação contra o elitismo das “belas-artes” tradicionais. Afinal, não: a memória coletiva perceciona melhor e, por isso, adere com mais facilidade às formas e composições que lhe são familiares e pode identificar, nomear ou descrever. Talvez seja isso que justifica o alheamento ou a incompreensão face às vanguardas. Continuam por compreender – e por aceitar! – as instalações cuja conceptualização exige uma descodificação mais complexa e elaborada.

Continuar a ler “Entre quem faz e quem vê: os limites do discurso na arte contemporânea”