Tudo o que eu quero – é uma exposição

Exposição “Tudo o que eu quero: Artistas portuguesas de 1900 a 2020”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian (2 jun. – 23 ago. 2021)

São cerca de 200 obras de 40 artistas portuguesas1 num arco cronológico que abrange todo o século XX e chega aos nossos dias e que integra pintura, escultura,  desenho,  objeto,  livro,  instalação, filme e vídeo.

Exposição “Tudo o que eu quero”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2021

Continuar a ler “Tudo o que eu quero – é uma exposição”

  1. Aurélia de Sousa, Mily Possoz, Rosa Ramalho, Maria Lamas, Sarah Affonso, Ofélia Marques, Maria Helena Vieira da Silva, Maria Keil, Salette Tavares, Menez, Ana Hatherly, Lourdes Castro, Helena Almeida, Paula Rego, Maria Antónia Siza, Ana Vieira, Maria José Oliveira, Clara Menéres, Graça Morais, Maria José Aguiar, Luísa Cunha, Rosa Carvalho, Ana Léon, Ângela Ferreira, Joana Rosa, Ana Vidigal, Armanda Duarte, Fernanda Fragateiro, Patrícia Garrido, Gabriela Albergaria, Susanne Themlitz, Grada Kilomba, Maria Capelo, Patrícia Almeida, Joana Vasconcelos, Carla Filipe, Filipa César, Inês Botelho, Isabel Carvalho, Sónia Almeida. []

25 de abril e a arte saiu à rua

A Revolução de 25 de Abril, em 1974, levado a cabo pelo Movimento das Forças Armadas (MFA), depôs o regime ditatorial do Estado Novo, vigente desde 1933, e deu início à implementação de um regime democrático. Tal como o povo, também a arte saiu à rua. Os artistas que vinham a afirmar-se desde a década anterior, tanto os que regressavam, como os que não haviam chegado a sair do país, ansiavam por seguir as tendências vividas além Pirenéus e experimentar novas linguagens e exprimir livremente a sua criatividade. O ambiente revolucionário fomentou a renovação da participação cultural, num encontro fusional entre os artistas e o povo, onde eram recrutados os novos públicos da arte. A nova conjuntura estimulou o aparecimento da propaganda política em larga escala e a explosão da arte gráfica: a arte não só saiu à rua, como se lhe colou às paredes.

Mural alusivo ao 25 de abril
Foto: Henrique Matos, 1978

Continuar a ler “25 de abril e a arte saiu à rua”