Petição pela demolição da Torre de Belém

Há uma petição1 em curso pela “Demolição da Torre De Belem e Monumento aos Descobrimentos”, evocando como argumento que “É inconcebivel que em pleno seculo XXVI and se mantenham simbolos alusivos ao racismo colonial. Exigimos a Demolição do Monumento aos Descobrimentos e Torre De Belem, como torre de vigia da entrada do mercado de escravos” – a citação é literal, mantendo os erros de português (que não têm a ver com o Acordo Ortográfico).

Nem é necessário contrapor a este argumento, evocando o revisionismo histórico, considerando que não se pode julgar o passado com base em padrões morais do presente. Porque, na realidade, até se pode analisar criticamente o passado, comparando-o com os nossos padrões e valores. O que não se pode é transformar o passado. Podemos, sim, transformar o presente.

Esta fúria iconoclasta, a violência com que se manifesta é, afinal, redutora, ao cingir a luta contra o racismo à destruição daquilo que consideram ser os símbolos de um passado esclavagista. Como se dizia acerca do vandalismo que atingiu a estátua do padre António Vieira “esta iconoclastia já não é uma luta contra o racismo, contra a xenofobia, contra a injustiça e a desigualdade, mas a violência de uns energúmenos cuja causa é apenas isso, a raiva que alastra como um rastilho de pólvora” (Roque, 2020).

Assistindo a vaga iconoclasta que tem grassado nos últimos dias e que visa, agora, a Torre de Belém, lembro o segundo ato de As moscas, de Jean-Paul Sartre, quando o Sumo Sacerdote invoca os mortos em nome da cólera, da amargura e do espírito de vingança: “[…] Vinde saciar o vosso ódio sobre os vivos! […] Olhai ali os vivos, as vossas gordas presas vivas! Vamos, carregai sobre eles em turbilhão, e roei-os até os ossos! De pé! De pé! De pé!!!” (Sartre, 1979, p. 75).  São estes, os energúmenos do ódio e da vingança.

E a luta contra o racismo, contra a xenofobia, contra a desigualdade, contra a injustiça, onde está? E a reflexão sobre o passado colonialista, sobre o eurocentrismo, sobre a supremacia sobre as culturas dos povos colonizados, onde está?

Referências:
Roque, M. I. (2020, 11 jun.). Padre António Vieira: A destruição do indestrutível. In a.muse.arte. Disponível em https://amusearte.hypotheses.org/6613
Sartre, J.-P. (1979). As moscas. Lisboa: Editorial Presença.

  1. No momento em que este post está ser escrito, a petição com quase uma centena de assinaturas. []

Padre António Vieira: a destruição do indestrutível

Z”O homem é o indestrutível e que no entanto pode ser destruído.”
Maurice Blanchot 1

Padre António Vieira
Marco Fidalgo, 2017
Lisboa, Largo Trindade Coelho

Pode, ou não, gostar-se da estátua em bronze do padre António Vieira (1608-1697), da autoria de Marco Fidalgo, inaugurada em 2017, no Largo Trindade Coelho, em Lisboa, fronteiro à igreja jesuítica de S. Roque e complexo residencial da antiga Casa Professa da Companhia de Jesus. A escultura, representa o padre António Vieira, rodeado por três crianças índias, erguendo a mão esquerda com o crucifixo, enquanto a direita pousa no ombro de um dos meninos.

Continuar a ler “Padre António Vieira: a destruição do indestrutível”

  1. In:  Blanchot, M. (2007). A conversa infinita (v. 1, p. 80). A experiência limite. Paulo: Escuta. []

Os princípios, os fins e os meios: da morte de George Floyd ao derrube da estátua de Colston

Um homem morreu, deitado no chão, com um joelho opressor sobre o pescoço, a clamar estar a morrer, durante nove minutos. A ser filmado, à vista de todos. Chamava-se George Floyd e era negro. Assistimos à sua morte e ouvimo-lo dizer enquanto morria: “Please, I can’t breathe. My stomach hurts, my neck hurts, everything hurts. They’re going to kill me…”

George Floyd a morrer sob o joelho do polícia
Minneapolis (MN), 25 de maio de 2020
Imagem: AFP

Ouvimo-lo falar de tudo o que lhe doía, do ar que lhe faltava, da morte que o abatia. Perante as imagens, não podíamos ficar indiferentes. Sabemos que há outros casos de tortura, em Minneapolis ou no aeroporto de Lisboa. Porém, o facto de ter sido filmado e de a visualização das imagens se ter tornado viral, conferiu-lhe uma força incomum. George Floyd tornou-se o símbolo de todas as vítimas de racismo e da violência policial. As palavras que lhe ouvimos tomaram a amplitude de um grito e tornaram-se na bandeira que se agita por todo o mundo. Essas palavras ecoam numa voz que grita em uníssono, num movimento solidário que se sobrepôs ao isolamento imposto pela pandemia e saiu para a rua. Por todo o mundo, as pessoas saíram à rua, numa manifestação que nos enche de esperança, porque ainda somos capazes de indignação e revolta. Contra o racismo, a xenofobia, contra o poder das supremacias que rejeitam os diferentes e oprimem os mais fracos, esta manifestações são por uma causa justa.

A história diz-nos que mesmo as causas justas podem ser exacerbadas e provocar danos; diz-nos que a evolução se processa à custa de movimentos contraditórios. Os equívocos, os exageros, os erros e, até, a instrumentalização que ocorreram nessas manifestações não lhe tiram a razão, nem lhe diminui a causa.

Continuar a ler “Os princípios, os fins e os meios: da morte de George Floyd ao derrube da estátua de Colston”

Elefante de Bernini vandalizado

É “apenas” mais uma notícia de vandalismo: alguém vandalizou o elefante obeliscoforo da escultura de Bernini instalada na pequena Piazza della Minerva, junto ao Panteão, em Roma. O ato de vandalismo, aparentemente, não teve testemunhas, e foi denunciado às autoridades por um grupo de turistas espanhóis que encontraram o fragmento quebrado, a presa esquerda do animal, no chão, ao lado da estátua, a qual foi igualmente riscada. Se a presa truncada poderia ter sido acidentalmente provocada por um ato tresloucado, os riscos que cobrem a escultura denunciam a sua intencionalidade destruidora.

Elefante vandalizado
Foto: AP Photo / Gregorio Borgia
Elefante vandalizado
Foto: AP Photo / Gregorio Borgia

Continuar a ler “Elefante de Bernini vandalizado”

O homem que queria autofotografar-se com uma estátua

O episódio foi rápido e conta-se de forma igualmente breve: um indivíduo de 24 anos tentou subir à peanha de suporte à escultura do rei D. Sebastião, na entrada da estação do Rossio, a pedra não aguentou o peso e a estátua caiu desfeita no chão. O indivíduo não sofreu quaisquer lesões, mas quis o acaso que estivessem no local dois agentes da PSP que registaram o ato e identificaram o autor, que irá ser processado pela Infraestruturas de Portugal (IP), a empresa que gere o património da estação e pretende ser ressarcida das despesas relacionadas com o restauro, e provavelmente, pelo Ministério Público dado que o edifício está classificado como património nacional.

Entrada da estação do Rossio depois da queda da estátua de D. Sebastião Foto: Rádio Renascença
Entrada da estação do Rossio depois da queda da estátua de D. Sebastião
Foto: Rádio Renascença

Continuar a ler “O homem que queria autofotografar-se com uma estátua”

Selfie no museu

17 de março, Accademia delle Belle Arti di Brera, em Milão.
Um visitante, jovem estudante, em visita ao museu, encontrou a escultura Satiro ubriaco [sátiro adormecido], também conhecido como o Fauno Barberini, atribuída à oficina de Antonio Canova, datada de princípios do século XIX e de óbvia referência neoclássica, feita a partir da cópia de um original grego da época helenística, de cerca de 220 a.C., atualmente na Gliptoteca de Munique (Inv. 218). O jovem deve ter achado alguma graça à figura, ou à atitude, com o corpo estirado sobre uma rocha em evidente estado de embriaguez, a cabeça pendida sobre o ombro, o braço direito erguido a servir-lhe de apoio, as pernas despudoradamente abertas…
Continuar a ler “Selfie no museu”

Entre quem faz e quem vê: os limites do discurso na arte contemporânea

A arte contemporânea pretendia-se acessível e apreensível pelo senso comum, numa reação contra o elitismo das “belas-artes” tradicionais. Afinal, não: a memória coletiva perceciona melhor e, por isso, adere com mais facilidade às formas e composições que lhe são familiares e pode identificar, nomear ou descrever. Talvez seja isso que justifica o alheamento ou a incompreensão face às vanguardas. Continuam por compreender – e por aceitar! – as instalações cuja conceptualização exige uma descodificação mais complexa e elaborada.

Continuar a ler “Entre quem faz e quem vê: os limites do discurso na arte contemporânea”