Rapture: memória metafórica para este tempo

You who are living, live the best life you can
Don’t count on the earth to preserve memory
Ai Quing,  19801

Exposição “Ai Weiwei: Rapture”
Lisboa, Cordoaria Nacional (4 jun. – 28 nov. 2021)

Se a exposição “Raptures” de Ai Weiwei, se tivesse prolongado, esta seria uma recomendação em época de Natal, para que, entre luzes, cores, brilhos, músicas e alegria, a consciência fosse despertada para outras realidades mais sombrias. Não seria, talvez, oportuno nestes dias já sobrecarregados por uma pandemia que se arrasta em contínuos números de infetados, hospitalizados e mortos, por uma ameaça constante que impede colos e abraços e nos impõe inusitadas solidões. Não seria oportuno, mas talvez nos alertasse para os nossos egoísmos quotidianos, relembrando a tragédia daqueles que, à pandemia, juntam a tragédia de um destino sem lar, sem um lugar a que chamem seu, a fugir do medo para chegar a um sítio fechado por arame farpado onde apenas abunda o medo e a desesperança.

Exposição “Rapture”; em primeiro plano, “Brainless Figure in Cork” (Figura sem cérebro em cortiça), 2021, autorretrato do artista algemado à cadeira, produzido na Corticeira Amorim que juntou a tecnologia industrial CNC à escultura convencional
Lisboa, Cordoaria Nacional
Foto: MIR, 2021

Continuar a ler “Rapture: memória metafórica para este tempo”

  1. Ai Quing, pai do artista, citado em Weiwei (2021). Vd. nota seguinte. []

A tragédia humana no olhar de Ai Weiwei

‘If my art has nothing to do with people’s pain and sorrow, what is ‘art’ for?’ (Ai Weiwei)

Ao longo da semana, assistimos ao desmantelamento da selva de Calais, esse enorme campo onde a crua fragilidade da nossa (des)humanidade era posta a nu: começou com o desmantelamento organizado e oficial das barracas, continuou através do enorme incêndio que as autoridades denunciam como fogo posto e manteve um incessante ritmo de transferência dos refugiados, levados de autocarro para centros de acolhimento dispersos em território francês.

Campo de refugiados em Calais Foto: Ai Weiwei, 27 out. 2016
Campo de refugiados em Calais
Foto: Ai Weiwei, 27 out. 2016

Continuar a ler “A tragédia humana no olhar de Ai Weiwei”

Entre quem faz e quem vê: os limites do discurso na arte contemporânea

A arte contemporânea pretendia-se acessível e apreensível pelo senso comum, numa reação contra o elitismo das “belas-artes” tradicionais. Afinal, não: a memória coletiva perceciona melhor e, por isso, adere com mais facilidade às formas e composições que lhe são familiares e pode identificar, nomear ou descrever. Talvez seja isso que justifica o alheamento ou a incompreensão face às vanguardas. Continuam por compreender – e por aceitar! – as instalações cuja conceptualização exige uma descodificação mais complexa e elaborada.

Continuar a ler “Entre quem faz e quem vê: os limites do discurso na arte contemporânea”

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search