Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo: sinais de risco

O Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, em Évora, é o único museu nacional a sul do Tejo. Em 2019, o Decreto-Lei n.º 78/2019, de 5 de junho, determinava a mudança de nome do, até então, Museu de Évora, evocando a figura de D. Frei Manuel do Cenáculo, arcebispo de Évora (1802-1814), cuja coleção lhe está na génese. Pelo mesmo decreto, o museu, depois de ter estado sob a dependência da Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRC Alentejo), voltou à tutela da Direção Geral do Património Cultural (DGPC), passando os funcionários a integrar o respetivo mapa de pessoal.

Busto de D. Frei Manuel do Cenáculo
António Augusto da Costa Mota, 1904
Évora, Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo
Fotos: MIR, 2020

Continuar a ler “Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo: sinais de risco”

Estátua de Zeca Afonso em Belmonte

No dia em que faria 91 anos, Zeca Afonso foi homenageado, com a inauguração de uma estátua em Belmonte, terra onde viveu durante algum tempo da juventude. O presidente da Câmara de Belmonte, António Dias Rocha, responsável pela iniciativa, justificou-a como “um tributo ao seu ideal humanista, à sua excelência musical, à sua grandeza social, à sua fraternidade, à sua generosidade, à sua simbologia política, à sua dimensão universal, à democracia” (cit. in “Belmonte…”, 2020). A Ministra da Cultura, Graça Fonseca, esteve presente na cerimónia, onde referiu a classificação da obra fonográfica como “conjunto de bens móveis de interesse nacional” com o principal objetivo de “recolher, investigar e apurar” todo a informação e património sonoro deixado pelo músico.

Tudo estaria bem, não fora… a própria escultura.

Continuar a ler “Estátua de Zeca Afonso em Belmonte”

Museu do Aljube – Resistência e Liberdade

Fixar a memória da cadeia do Aljube, por onde passaram milhares de presos políticos – condenados pela resistência e pela luta em prol da liberdade de pensamento e de expressão – era (é) um imperativo político, social, cultural e ético. O Museu do Aljube procura cumprir esse desígnio, através da homenagem aos resistentes que, ao longo de grande parte do século XX combateram a ditadura e lutaram pela liberdade e pela democracia em Portugal.

Porta de entrada na prisão do Aljube
Lisboa, Museu do Aljube
Foto: MIR, 2020

Continuar a ler “Museu do Aljube – Resistência e Liberdade”

Joaquim Veríssimo Serrão: in memoriam

Joaquim Veríssimo Serrão (Santarém, Tremês, 8 de julho de 1925 – Santarém, 31 de julho de 2020)

Nesta evocação do Prof. Veríssimo Serrão, não resisto a partilhar uma memória muito marginal ao que um memorial deveria ser. Há muitos anos, passava uns dias no campo quando, numa manhã em que acordei mais cedo e resolvi dar uma volta, passei pela casa dos quinteiros e encontrei a D. Gracinda sentada no poial a ler, o indicador a seguir as linhas, um livro. Era um livro grosso, com um texto denso, que se diria improvável nas mãos e, sobretudo, no gosto da D. Gracinda. Contou-me que tinha encontrado o livro, já não me lembro onde, e que aproveitava as madrugadas, antes do aperto dos trabalhos, para o ler, surpreendida com as coisas que aquele senhor sabia, mas também pelo gosto que ela, leitora muito rudimentar, retirava daquelas letras, seguidas a custo, as palavras soletradas, e das madrugadas ocupadas na descoberta daquelas “ai, que histórias tão bonitas” de que a História é feita. Não sei quanto tempo terá levado a ler aquele volume da História de Portugal, de Veríssimo Serrão, mas lembro que todos os dias a encontrava no mesmo sítio, umas páginas adiante, e que ficava ali um bocado, enquanto ela me contava o que tinha lido. A erudição do Professor Veríssimo Serrão chegava-me através das leituras de uma mulher do campo.

Continuar a ler “Joaquim Veríssimo Serrão: in memoriam”

Ser ou não ser museólogo

RA abertura dos concursos para diretores de museu, os avanços e recuos que resultam em instruções contraditórias, a escolha de Rita Rato para diretora do Museu do Aljube, desencadeou um novo debate sobre o perfil de diretor de museu, à semelhança do que, há uns meses ocorreu em relação ao perfil de diretor do património cultural, na sequência da nomeação de Bernardo Alabaça. Curiosamente, houve quem se manifestasse contra esta nomeação, pela inadequação do perfil académico e profissional de Alabaça para o cargo, e desvalorizasse a formação e experiência de Rita Rato.

A questão de fundo diz respeito ao modelo de museu, ou, melhor, acerca daquilo que cada um concebe acerca do que é e do que deve ser o museu, variando as perspetivas consoante se priorize a coleção (o estudo e o conhecimento, a conservação e preservação) ou a sua interpretação e divulgação junto dos públicos (elaboração do discurso museológico, estratégias de comunicação e mediação).

Continuar a ler “Ser ou não ser museólogo”

Aquisição de obras de arte contemporânea: uma boa notícia (e algumas questões)

Acaba de ser anunciada a aquisição, pelo Estado, de 65 obras de arte contemporânea de 57 artistas nacionais, no valor de 500 mil euros. Esta aquisição junta-se à que foi feita o ano passado, de 21 obras por 300 mil euros e prevê-se que no próximo ano se conclua o investimento de um milhão de euros prometido até ao final da legislatura.

Toquem os tambores que esta é uma boa notícia!

Indiscutivelmente uma boa notícia, porque implica uma compensação financeira aos artistas numa altura em que o mercado está menos ativo e porque traduz o reconhecimento e a promoção das suas obras. Boa notícia, portanto.

Continuar a ler “Aquisição de obras de arte contemporânea: uma boa notícia (e algumas questões)”

A queda das estátuas

A estátua de Cristóvão Colombo, da autoria de Henrique Moreira e inaugurada em 1968 no Parque de Santa Catarina, no Funchal, foi vandalizada.

Cristóvão Colombo
Henrique Moreira, 1968
Funchal, Parque de Santa Catarina

O episódio é um sinal ou epítome destes últimos tempos. A pretexto da morte de George Floyd, no passado mês de maio, vários monumentos e memoriais foram mutilados, destruídos ou removidos do espaço público. Têm subjacente e como pretensa justificação, a luta contra instaladas hierarquias de dominação e de privilégio, envolvendo questões anticolonialistas, antirracistas e antixenófobos, a que se juntam motivações de justiça social. O propósito da luta tem, assim, uma abrangência ética, relativa à transformação dos hábitos e costumes e, por inerência, das condutas individuais.

Continuar a ler “A queda das estátuas”

Santa Sofia: basílica, mesquita, museu, mesquita

24 de julho de 2020: dia em que a basílica de Santa Sofia (lat. Sancta Sophia, gr. Hagia Sophia, Divina Sabedoria), em Istambul, volta a ser mesquita.

Presidente Tayyip Erdogan (ao centro) durante a primeira oração na Grande Mesquita de Hagia Sophia
Istamnbul, 24 jul. 2020
Foto: Murat Cetinmuhurdar/PPO/Handout via Reuters

No passado dia 10 de junho, o presidente Recep Tayyip Erdogan assinou o decreto que devolve o edifício ao culto muçulmano, anulando o seu estatuto como monumento e museu que conservava desde 1934, por iniciativa de Mustafa Kemal Atatürk, fundador da Turquia moderna. No âmbito mais alargado da sua política de secularização do Estado, Atatürk fez da transformação de Santa Sofia em museu um emblema de uma Turquia laica.

Continuar a ler “Santa Sofia: basílica, mesquita, museu, mesquita”

Falcão, de herói a vilão

Em carta aberta ao diretor do Diário do Alentejo, assinada por Francisco Costa, faz-se o elogio de José António Falcão. Dele se diz, em síntese biográfica, que “recém-licenciado, foi especializar-se no estrangeiro, com uma das prestigiadas bolsas da Fundação Gulbenkian (difíceis de obter e, por isso, alvo de intenso escrutínio” que, regressado ao país, “a sua paixão pelo Alentejo […] viria a materializar-se numa série de iniciativas muito interessantes e que bastante contribuíram para modificar a perceção sobre a arte, a história e a identidade da região” (Costa, 2020, p. 3). Dele diz-se, ainda, que foi escolhido “para dirigir benevolamente, um organismo [Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja, DPHA] que, partindo do nada, recuperou mais de uma centena de edifícios e inúmeras obras de arte, documentos, livros, etc., sem que a diocese gastasse nisso mundos e fundos” (id., ibid.). Numa altura em que a diocese celebra os 250 anos da sua refundação, José António Falcão e os outros membros do departamento são referidos como “os grandes ausentes”. A carta faz eco dos encómios, prémios e distinções que o DPHA e o próprio José António Falcão recolheram até 2017, altura em que o DPHA foi extinto, causando alguma agitação entre aqueles que se diziam surpresos e os que insinuavam justificações sombrias – e, a este respeito vale a pena consultar ambas as entradas na Wikipédia, relativas ao Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja e a José António Falcão, o “depositário de notável cursos studiorum” que se tornou “o ‘Homem do Património’ no Sul de Portugal”, fazendo uma leitura atenta e crítica, das linhas às entrelinhas, naquilo que diz e naquilo que ignora.

Afinal, talvez não tenha sido exatamente assim.

Continuar a ler “Falcão, de herói a vilão”

De boas intenções estão muitos “restauros” cheios

Segundo as notícias, um colecionador de arte particular em Valência terá encomendado a limpeza de uma pintura da Imaculada Conceição a um restaurador de móveis pela quantia de 1.200€.

Imagem da cópia da Inmaculadas de Murillo pertencente ao colecionista valenciano antes (esquerda) e depois do restauro (direita)  Imagem processada a partir de EUROPA PRESS / ACRE

Continuar a ler “De boas intenções estão muitos “restauros” cheios”

Petição pela demolição da Torre de Belém

Há uma petição1 em curso pela “Demolição da Torre De Belem e Monumento aos Descobrimentos”, evocando como argumento que “É inconcebivel que em pleno seculo XXVI and se mantenham simbolos alusivos ao racismo colonial. Exigimos a Demolição do Monumento aos Descobrimentos e Torre De Belem, como torre de vigia da entrada do mercado de escravos” – a citação é literal, mantendo os erros de português (que não têm a ver com o Acordo Ortográfico).

Continuar a ler “Petição pela demolição da Torre de Belém”

  1. No momento em que este post está ser escrito, a petição com quase uma centena de assinaturas. []

Padre António Vieira: a destruição do indestrutível

“O homem é o indestrutível e que no entanto pode ser destruído.”
Maurice Blanchot 1

Padre António Vieira
Marco Fidalgo, 2017
Lisboa, Largo Trindade Coelho

Pode, ou não, gostar-se da estátua em bronze do padre António Vieira (1608-1697), da autoria de Marco Fidalgo, inaugurada em 2017, no Largo Trindade Coelho, em Lisboa, fronteiro à igreja jesuítica de S. Roque e complexo residencial da antiga Casa Professa da Companhia de Jesus. A escultura, representa o padre António Vieira, rodeado por três crianças índias, erguendo a mão esquerda com o crucifixo, enquanto a direita pousa no ombro de um dos meninos.

Continuar a ler “Padre António Vieira: a destruição do indestrutível”

  1. In:  Blanchot, M. (2007). A conversa infinita (v. 1, p. 80). A experiência limite. Paulo: Escuta. []

Monumento Luís de Camões

“Estavam no Loreto; e Carlos parara, olhando, reentrando na intimidade daquele velho coração da capital. Nada mudara. A mesma sentinela sonolenta rondava em torno à estátua triste de Camões.”
Eça de Queirós. (1888). Os Maias.

O monumento a Luís de Camões, de autoria do escultor romântico Victor Bastos, erguido no centro da praça homónima em Lisboa, serviu de preâmbulo às comemorações do terceiro centenário da morte do poeta, refletindo uma forte intenção propagandística da história nacional, de acordo com a ideologia romântica da pátria, dos seus valores e heróis históricos. Através da glorificação da figura de Camões, fazendo a síntese entre a obra épica do poeta nacional e o seu carácter bélico, o monumento pretendia estender-se simbolicamente à glorificação da pátria.

Praça e monumento de Luiz de Camões
In  (1868). Album. Lisboa: Moreira Photographo.
Foto: Moreira, 1868.

Dominando a praça, a estátua colossal de bronze representando o poeta, com 4 metros de altura, ergue-se no topo de um alto pedestal, com 7,5 metros, de secção oitavada. Camões é representado de pé, com a perna esquerda avançada, evidenciando uma atitude determinada que se aproxima da representação convencional do herói destemido. A mão esquerda, junto ao peito, segura a sua obra máxima, Os Lusíadas, enquanto a mão direita assenta no coto da espada com a ponta da lâmina assente no chão, evocando a sua condição de militar, enquanto os livros que se encontram a seus pés aludem ao poeta. Na cabeça, evidencia-se a coroa de louros mantém o significado de distinção e glória, cujo uso remonta à referência mitológica do mito de Dafne que, transformada em loureiro para evitar a perseguição de Apolo, permite que ele colhesse as folhas e fizesse a coroa com a qual é representado e que se tornou seu atributo e, por extensão, atributo dos heróis.

Monumento de Luiz de Camões
Foto: Osvaldo Gago, 2011

Em cada uma das faces do pedestal, erguem-se as figuras em vulto de cronistas, poetas e cientistas dos séculos XV e XVI: Fernão Lopes, Fernão Lopes de Castanheda, Francisco Sá de Menezes, Gomes Eanes de Azurara, Jerónimo Côrte-Real, João de Barros, Pedro Nunes e Vasco Mouzinho de Quevedo.

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas

O conceito moderno de nação surgiu no século XVIII, no contexto do Iluminismo e da Revolução Francesa e ao mesmo tempo que se criavam os primeiros museus com o objetivo de salvaguardar e disponibilizar, a toda a sociedade, o repositório patrimonial que materializava a sua cultura e identidade.

Em Portugal, no último quartel do século XIX, foram várias as comemorações que serviram como pretexto para a exaltação de acontecimentos e heróis que incrementassem o orgulho nacional, ao mesmo tempo que funcionavam como veículo de propaganda da ideologia anticlerical e republicana, das quais a mais relevante ocorreu em 1880, assinalando o centenário da morte de Camões, figura que se tornou um símbolo da luta pela independência do reino contra a presença e influência dos ingleses e baluarte das ideias republicanas. O ideal heroico e romântico do poeta que cantara a saga dos Lusíadas era o reverso positivo de um Portugal em crise e desesperançado.

Luiz de Camões
Gravura de Joaquim Pedro de Sousa
[Lisboa: Imprensa Nacional 1873]
Assim, na sequência da implantação da República, a 5 de outubro de 1910, foi publicado, logo na semana seguinte, o decreto que estipulava os feriados nacionais, transferindo para os municípios a possibilidade de escolherem a data que melhor refletisse a sua história ou tradição. Lisboa escolheu, para feriado municipal, o dia 10 de junho, evocando as comemorações camonianas de 1880 e o papel que tiveram a divulgação do ideário republicano, ao mesmo tempo que, através da exaltação do mais celebrado dos poetas portugueses, procurava diminuir o impacto da festa de Santo António, padroeiro da cidade, a 13 do mesmo mês.

Durante o Estado Novo, Salazar transformou o dia em feriado nacional, com a designação de Dia de Camões, de Portugal e da Raça, acentuando o valor simbólico de Camões como epicentro da memória coletiva, dos seus heróis mais destacados e dos momentos mais gloriosos da história nacional, e anexando-lhe um inevitável propósito propagandístico do regime e do império colonial. Entretanto, em 1952, retomou a festividade do São Miguel Arcanjo, como Anjo Custódio do Reino, ou Anjo de Portugal – instituída em 1504 pelo papa Júlio II e a pedido do rei D. Manuel I – inserindo-a no Calendário Litúrgico também a 10 de junho, conferindo um caráter simbólico e religioso à celebração do dia nacional.

Após o 25 de abril, em que se esvazia o sentido dominante da anterior propaganda, o dia 10 de junho designa-se, a partir de 1978, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. As comemorações oficiais são presididas pelo Presidente da República, que todos os anos escolhe uma cidade para acolher as cerimónias oficiais e, em particular, a imposição de insígnias aos agraciados com graus das Ordens Honoríficas Portuguesas.

Portugal, nação que escolheu, como dia principal, aquele em que se assinala a data (incerta) da morte de um poeta.

(Texto feito a partir do post com o mesmo título, publicado no dia 10 de junho de 2015)