Selfie no museu

17 de março, Accademia delle Belle Arti di Brera, em Milão.
Um visitante, jovem estudante, em visita ao museu, encontrou a escultura Satiro ubriaco [sátiro adormecido], também conhecido como o Fauno Barberini, atribuída à oficina de Antonio Canova, datada de princípios do século XIX e de óbvia referência neoclássica, feita a partir da cópia de um original grego da época helenística, de cerca de 220 a.C., atualmente na Gliptoteca de Munique (Inv. 218). O jovem deve ter achado alguma graça à figura, ou à atitude, com o corpo estirado sobre uma rocha em evidente estado de embriaguez, a cabeça pendida sobre o ombro, o braço direito erguido a servir-lhe de apoio, as pernas despudoradamente abertas…
Continuar a ler “Selfie no museu”

#MuseumBlogs Day

19 de março, o dia (também) dos blogues de museu

a-muse-arte, a propósito do #MuseumBlogs Day
a-muse-arte, a propósito do #MuseumBlogs Day

Se tudo e todos têm um dia, como podiam os blogues de museus não marcar também um dia? No twitter, ao longo do dia têm sido ininterruptas as conversas sobre museus: notícias, comentários, reflexões, provocações, partilhas…

Continuar a ler “#MuseumBlogs Day”

O Tesouro de San Gennaro

Exposição “Le Trésor de Naples:  les joyaux de San Gennaro
Paris, Musée Maillol, 19 março – 20 julho 2014

O Tesouro de San Gennaro é considerado uma das principais coleções de ourivesaria e joalharia existentes no mundo, com um valor patrimonial comparável às joias da coroa de Inglaterra ou de França ou dos czares da Rússia. San Gennaro, bispo e mártir no século III, é o padroeiro da cidade de Nápoles, onde são veneradas as suas relíquias.

Collana di San Gennaro Ouro, prata, gemas e incorporação de joias. Michele Dato, 1679-1879.
Collana di San Gennaro
Ouro, prata, gemas e incorporação de joias. Michele Dato, 1679-1879.

Continuar a ler “O Tesouro de San Gennaro”

Um lugar à margem

J. Paul Getty Museum,  Kempf, D. (n.d.) Monkeys in the margins. Acedido em: http://www.pinterest.com/gettymuseum/monkeys-in-the-margins/

Durante séculos, ficaram à margem. Longe do olhar, nos capitéis, escondidos na talha das molduras, perdidos entre as ramagens luxuriantes dos manuscritos medievais, ficavam à margem dos temas principais. O macaco, ou o homem selvagem, acompanhados por uma multidão de seres pérfidos ou maliciosos – cabras, porcos, javalis, grifos, sereias, centauros – criavam uma antonímia complementar da representação religiosa. Ao macaco, em particular, atribui-se uma função caricatural da humanidade, mas também uma oportunidade catártica de, através dele, se expressar o seu lado inferior e bestial.

Decorated Text Page (detail), Flemish, 1450s. J. Paul Getty Museum
Decorated Text Page (detail), Flemish, 1450s.
J. Paul Getty Museum

Continuar a ler “Um lugar à margem”

Recontextualização da arquitetura de claustros medievais em Nova Iorque

Wu, N. (2014, mar.) “Building Stories: Contextualizing Architecture at the Cloisters“. In Heilbrunn Timeline of Art History. New York: The Metropolitan Museum of Art. http://www.metmuseum.org/toah/hd/buil/hd_buil.htm

Chapter House, 12th century French, Aquitaine; from the Cistercian abbey of Notre-Dame at Pontaut, south of Bordeaux Limestone brick, and plaster; 42 x 33 ft. (1 m 280 cm x 1 m 5 cm) The Cloisters Collection, 1935 (35.50)
Chapter House, 12th century
French, Aquitaine; from the Cistercian abbey of Notre-Dame at Pontaut, south of Bordeaux
The Cloisters Collection, 1935 (35.50)

Continuar a ler “Recontextualização da arquitetura de claustros medievais em Nova Iorque”

Mérito e demérito entre o museu e o público

(Estas são opiniões incoerentes e politicamente incorretas)

Passar pelo museu não significa ver as obras expostas e, muito menos, compreender o que está exposto. Porque o museu continua a ser um espaço de eleição e de elites; porque o museu continua a ser um espaço sacralizado, cujo percurso se faz com a regularidade de um rito; porque o museu mantém um registo monológico, cumprindo as atribuições enquanto emissor da mensagem sem fundamentar a função comunicativa na relação que estabelece com os públicos-recetores.

Continuar a ler “Mérito e demérito entre o museu e o público”

Paris de Charles Marville: Um olhar sobre a cidade em mudança

Exposição “Charles Marville: Photographer of Paris
Nova Iorque, The Metropolitan Museum of Arte, 29 janeiro – 29 maio 2014

“regardez le jeu bizarre des ténèbres et des lumières
dans ce sombre labyrinthes d’édifices”
(Victor Hugo)

Percement de l'avenue de l'Opéra: chantier de la rue d'Argenteuil Charles Marville 1876, dezembro
Percement de l’avenue de l’Opéra: chantier de la rue d’Argenteuil
Charles Marville
1876, dezembro

Continuar a ler “Paris de Charles Marville: Um olhar sobre a cidade em mudança”

A materialização do desenho de Piranesi

Exposição “Diverse maniere: Piranesi, fantasy and excess
Londres, Sir John Soane’s Museum, 7 março – 31 maio 2014

Giovanni Battista Piranesi, nasceu em Mogliano di Mestre, junto a Veneza, no ano de 1720, e morreu em Roma, em 1778. Interessou-se por arqueologia e pelos cânones da arte clássica, aprendeu arquitetura e engenharia, completou a formação com o gravador Carlo Zucchi. Chegou a Roma, em 1740, integrado na comitiva do Embaixador de Veneza, e começou a trabalhar como assistente de Vasi, reputado gravador de vedute da cidade, em colaboração com o pintor Panini. Roma era, na altura, um lugar cosmopolita de grande prestígio, passagem obrigatória do Grand Tour, ponto de encontro artistas, escritores e intelectuais de toda a Europa.

Veduta del Pantheon. In Piranesi, G. B. (1756). Le anLeantichità romane, v. 1 antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.Leantichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.
Veduta del Pantheon. In Piranesi, G. B. (1756). Le  antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.

Continuar a ler “A materialização do desenho de Piranesi”

Calçada portuguesa, um mundo aos nossos pés

Chama-se calçada portuguesa ao pavimento empedrado que, a preto e branco, desenha aos nossos pés um mar ondulado, caravelas e rosas-dos-ventos, campos de imbricados, padrões geométricos, figuras, monstros e fantasias, símbolos e alegorias, siglas e brasões…

As origens remontam à Antiguidade e, em particular, aos mosaicos romanos com tesselas de calcário, mármores, por vezes, com a introdução de vidros e terracota, cujos contrastes cromáticos se conjugavam em tapetes de padrões, dos mais simples ou mais complexos, ou em cenas que podiam atingir um nível de elevada precisão nos detalhes do desenho sublinhado por linhas de contorno.

Continuar a ler “Calçada portuguesa, um mundo aos nossos pés”

O lado mais luminoso de Edvard Munch

Ao falar do lado negro de Paul Gauguin e ao ver alguns dos desenhos e xilogravuras que vão estar em exposição no MoMA, era inevitável lembrar Edvard Munch e comparar as faces negras e cadavéricas de um com as declinações do rosto contorcido do outro.

Se há ideias preconcebidas e truncadas em relação à obra de Gauguin, também há um preconceito redutor que limita Munch ao estereótipo de O grito.

Continuar a ler “O lado mais luminoso de Edvard Munch”