“Ver novas todas as coisas”: uma exposição sobre Inácio de Loyola

Exposição “‘Ver novas todas as coisas’: Da conversão à canonização de Inácio de Loyola”
Lisboa, Museu de São Roque (31 mar. – 19 jun. 2022)

Em 20 de maio de 1521, Iñigo (posteriormente Inácio) de Loyola foi ferido numa batalha em Pamplona. Durante a convalescença, leu a Vita Christi, de Rodolfo da Saxônia, e a Legenda Áurea, uma coletânea de narrativas hagiográficas, tomadas como exemplum e reunidas em meados do século XIII por Jacobus de Voragine, o que lhe provocou uma profunda transformação espiritual e a sua conversão religiosa. Inácio de Loyola descreveu esse momento de iluminação, dizendo que “se le empegaron abrir los ojos del entendimiento; y no que viese alguna visión, sino entendiendo y conociendo muchas cosas, tanto de cosas espirituales, como de cosas de la fe y de letras; y esto con una ilustración tan grande, que le parecían todas las cosas nuevas” (Fontes narrativi…, 1943, v. 1, p. 404).

Informação da exposição na igreja de São Roque
Foto: Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, 2022

Continuar a ler ““Ver novas todas as coisas”: uma exposição sobre Inácio de Loyola”

A arte é uma arma: a ausência da Rússia e a presença da Ucrânia na Bienal de Veneza

La Biennale di Venezia, 2022
Foto: La Biennale

A 59.ª Bienal de Arte de Veneza, a primeira após a pandemia, abre a 23 de abril, retomando uma periodicidade quase constante desde 18951. Continuar a ler “A arte é uma arma: a ausência da Rússia e a presença da Ucrânia na Bienal de Veneza”

  1. Esta edição da Bienal teve de ser adiada por um ano, devido à pandemia o que apenas tinha acontecido durante a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais []

Lamento por um museu destruído

O museu da aldeia de Ivankov, na região de Kyiv, foi destruído pelas forças russas, segundo o relato da investigadora Ustina Stefanchuk no Twitter.

O museu, considerado um dos mais representativos museus regionais da região, era inteiramente dedicada à história e cultura da cidade e à tragédia de Chernobyl, dado que Ivankov é próximo de Pripyat e, entre as coleções destruídas, estavam 25 pinturas únicas de Maria Prymachenko, uma conhecida artista ucraniana.

Obra de Maria Primachenko, na exposição “Maria Primachenko: Phantasmagoria”, no Museu Nacional de Arte Decorativa Folclórica Ucraniana, em 2019.

O valor da arte e do património não se sobrepõe ao das vidas humanas que se perdem numa guerra. Porém, a perda da arte e do património são valores vitais da nossa identidade e, por isso, é igualmente irreparável.

Um lamento imenso e profundo por este museu.

Em azul e amarelo, somos

Durante os últimos tempos, buscámos imagens que refletissem o isolamento e os receios provocados pela pandemia, mas também que trouxessem a esperança de que iríamos ultrapassar as provações.

Porém, quando a pandemia dá os primeiros sinais de abrandamento, somos engolidos pela tragédia da guerra. Como se fosse necessário desfazer a ingénua esperança de que iríamos renascer mais humanos, mais lúcidos e mais atentos às coisas simples. Como se fosse necessário lembrar-nos que é difícil conservar a memória e tirar lições do passado…

Concentrados nos dramas da pandemia, ignorámos os sinais de perigo, os indícios da loucura que se anunciava.

A guerra rebentou junto de nós – porque já não há lugares distantes – forçando-nos a deixar cair as máscaras da surpresa e da incredulidade, e atingiu-nos como um murro. Todos nós conhecemos alguém em perigo, todos nós somos ucranianos. São nossas as casas bombardeadas, ouvimos os mísseis a sobrevoar os nossos abrigos, são nossas aquelas lágrimas e os olhos abertos no estupor do medo.

Continuar a ler “Em azul e amarelo, somos”

Paisagens povoadas de gentes e histórias

Exposição “Paisagens povoadas: Narrativas da coleção do MNAC (1855-1920)
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea (16 fev. – 28 ago. 2022)

Exposição “Paisagens Povoadas”
Lisboa, MNAC
Foto: MIR, 2022

A exposição “Paisagens povoadas”, com (excelente!) curadoria de Maria De Aires Silveira, cita a expressão “fórmula naturalista da arte moderna” cunhada por Ramalho Ortigão (1885, p. 342) para se referir à representação paisagística que se encontrava “inteiramente enunciada depois de duzentos anos na obra dos pintores holandeses” (id., ibid.)1. Enquanto que a paisagem se implantara na pintura flamenga e holandesa, com um caráter simbólico, didático e moralizador, em Portugal, só a partir da segunda metade do século XVIII, mercê do renovado interesse pela pintura oriunda do norte europeu – evidente nas práticas colecionistas – e também da vinda dos pintores franceses Jean Pillement (1728-1808), Alexandre-Jean Noël (1752-1834) e Nicolas Delerive (1755-1818), começa a registar-se um crescente interesse por este género. Porém, a pintura do Morgado de Setúbal (José António Benedito Soares de Faria e Barros, 1752-1809), artista autodidata com um inequívoco pendor naturalista, é um caso singular no panorama artístico português da época, enquanto a pintura de paisagem se mantinha incipiente ou secundarizada em fundos cenográficos de outras tipologias e temáticas. A corrente naturalista continuava a suscitar uma forte oposição nos meios académicos e eruditos, tradicionalmente ligados à teoria clássica, considerando que a observação sensível da natureza era inferior à experiência intelectual da criação artística. Durante a revolução francesa de 1848, um grupo de artistas, em que se incluíam Théodore Rousseau (1812-1867), Jean-Baptiste Camille Corot (1796-1875) e Jean-François Millet (1814-1875), refugiou-se em Barbizon, privilegiando a paisagem como tema central das suas pinturas. Por seu turno, a invenção e a produção comercial da bisnaga de tinta2 permitiu que o exercício da pintura saísse da oficina e se fizesse ao ar livre, em contacto direto com a natureza.

Continuar a ler “Paisagens povoadas de gentes e histórias”

  1. A expressão de Ramalho Ortigão encontra-se nas crónicas de viagem que realizou à Holanda entre 1833, publicadas nesse mesmo ano pela Tipografia da Gazeta de Notícias, no Rio de Janeiro. Aqui, segue-se a 1.ª edição da casa, do Porto, em 1855. []
  2. O pintor John Goffe Rand patenteou, em 1841, a invenção da bisnaga de tinta, um tubo de estanho com uma tampa de rosca, que permitia conservar a tinta por longos períodos de tempo sem secar. []

Museu Ibérico de Arqueologia e Arte em Abrantes

Quando a notícia de inauguração de um museu municipal, anunciado há mais de uma década, inclui a informação foi feito um investimento de 6,3 milhões de euros, a expetativa é grande. Avoluma-se quando isso implicou a requalificação de um antigo convento assinada pelo arquiteto Carrilho da Graça que, afinal, se mostra desiludido por o resultado não coincidir com o projeto inicial. E a expetativa aumenta, ainda mais, quando o projeto de museologia foi desenvolvido por Fernando António Batista Pereira e Luiz Oosterbeck, em colaboração com o P-06 Atelier e a equipa do museu ao longo de quase quinze anos. Quando a expetativa é grande, maior é o risco de desapontamento. Porém, isso não acontece, de forma alguma, no Museu Ibérico de Arqueologia e Arte (MIAA).

Entrada do museu
Abrantes, Museu Ibérico de Arqueologia e Arte
Foto: MIR, 2021

Continuar a ler “Museu Ibérico de Arqueologia e Arte em Abrantes”

Atas do Encontros de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa

O ICOM Portugal acaba de disponibilizar as atas dos Encontros de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa, em acesso livre e em formato digital pesquisável.

Entre 1988 e 2000, foram realizados cinco encontros. O primeiro, organizado pelas comissões nacionais portuguesa e espanhola do ICOM, aconteceu em Vila Viçosa em 1988, já com o objetivo de iniciar uma série de iniciar um ciclo encontros com frequência bienal em locais diferentes de ambos os países. Este propósito, no entanto, não veio a concretizar-se. Assim, em 1991, foi decidido dar continuidade à | Conferência Geral de Museus de Países de Língua Portuguesa, que se realizara em 1987 no Rio de Janeiro e que, apesar de ter tido um propósito idêntico de periodicidade bienal, também não tivera a continuidade prevista por Portugal ter falhado a organização do encontro previsto para 1989. Na altura, previa-se a criação de um “organismo aglutinador de Museus e instituições afins dos Países de Língua Portuguesa” (Programa do Encontro, 1991). Se este nunca chegou a efetivar-se e se, hoje, a sua criação pode parecer despropositada, o intento de refletir sobre os objetivos, meios e ações dos museus existentes nos países e comunidades de língua portuguesa, com realidades muito distintas entre si, e de proporcionar o conhecimento das suas coleções museológicas, não só foi oportuno, como ao longo de quatro edições, mostrou ser muito profícuo.

III Encontro em Bissau, 1991

Continuar a ler “Atas do Encontros de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa”

Rapture: memória metafórica para este tempo

You who are living, live the best life you can
Don’t count on the earth to preserve memory
Ai Quing,  19801

Exposição “Ai Weiwei: Rapture”
Lisboa, Cordoaria Nacional (4 jun. – 28 nov. 2021)

Se a exposição “Raptures” de Ai Weiwei, se tivesse prolongado, esta seria uma recomendação em época de Natal, para que, entre luzes, cores, brilhos, músicas e alegria, a consciência fosse despertada para outras realidades mais sombrias. Não seria, talvez, oportuno nestes dias já sobrecarregados por uma pandemia que se arrasta em contínuos números de infetados, hospitalizados e mortos, por uma ameaça constante que impede colos e abraços e nos impõe inusitadas solidões. Não seria oportuno, mas talvez nos alertasse para os nossos egoísmos quotidianos, relembrando a tragédia daqueles que, à pandemia, juntam a tragédia de um destino sem lar, sem um lugar a que chamem seu, a fugir do medo para chegar a um sítio fechado por arame farpado onde apenas abunda o medo e a desesperança.

Exposição “Rapture”; em primeiro plano, “Brainless Figure in Cork” (Figura sem cérebro em cortiça), 2021, autorretrato do artista algemado à cadeira, produzido na Corticeira Amorim que juntou a tecnologia industrial CNC à escultura convencional
Lisboa, Cordoaria Nacional
Foto: MIR, 2021

Continuar a ler “Rapture: memória metafórica para este tempo”

  1. Ai Quing, pai do artista, citado em Weiwei (2021). Vd. nota seguinte. []

Nostalgia num lugar abandonado

(com o pensamento em Riegl)

Há lugares que nos agarram. Alguns, porque têm a aura da autenticidade, ou os valores comemorativos, históricos ou da idade1 que percecionamos como património, ou como a herança cultural que nos define. Outros, porque todos esses valores se adivinham entre ruínas.

Continuar a ler “Nostalgia num lugar abandonado”

  1. Valores definidos por Alois Riegl (2010): o valor comemorativo é intencional, atribuído ao monumento pelos seus produtores para manter viva a memória de um acontecimento ou de alguém; o valor histórico, que não é intencional, deriva da forma como o monumento foi considerado e interpretado ao longo do tempo, promovendo umas obras em detrimento de outras; o valor de idade é inerente, pois todos os monumentos históricos podem ser categorizados como tendo um valor de antiguidade é inerente ao monumento. []

A ventura de Dom Manuel e um reino que se viu renovado

Exposição “Vi o reino renovar: Arte no tempo de D. Manuel I”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga (25 jun. – 26 set. 2021)

A exposição celebra os quinhentos anos da morte de D. Manuel I (1469–1521), cujo reinado de 26 anos lhe granjeou o cognome “O Venturoso”, Não é, porém, uma exposição centrada no rei, mas no reino que renovou e na arte desse tempo marcado pela conjuntura da favorável da expansão marítima. “O império está em franca expansão, há dinheiro e é preciso comunicar a todos o novo papel que Portugal tem no mundo. O rei precisa, também, de mostrar que é legítimo o seu direito ao trono enquanto primeiro monarca do novo ramo da dinastia de Avis” (Joaquim Caetano cit. in Canelas, 2021, p. 30).

Em primeiro plano, Anjo heráldico, de Diogo Pires-o-Moço, 1518-1522
Atrás, reproduções em gesso das estátuas de D. Manuel e D. Maria, de Nicolau de Chanterene, (1517) c. 1958
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

O título é colhido da obra Miscelânea e variedade de histórias, de Garcia de Resende, onde o cronista regista em verso a situação do reino:

[…]
vijmos seu edificar,
no reyno fazer alçar
paços, igrejas, mosteiros
grandes, pouos caualleiros,
vij ho reyno renouar.
(Resende, 1622, p. 155)

Continuar a ler “A ventura de Dom Manuel e um reino que se viu renovado”

A autofagia que engoliu o Museu Romântico

O Museu Romântico era isso mesmo: um espaço romântico, evocativo do espírito nostálgico e introspetivo do século XIX. Numa altura em que se pretende suscitar experiências sensoriais e emotivas no museu, este, apesar da apresentação convencional, cumpria esses desígnios, numa atmosfera que nos remetia para as páginas literárias carregadas de alvoroço amoroso e sentimentalismos exacerbados.

Museu Romântico
Porto

Continuar a ler “A autofagia que engoliu o Museu Romântico”

O fio que tece uma trama de rostos…

Exposição “Rostos de Fátima, fisionomias de uma paisagem espiritual”
Fátima, Convivium de Santo Agostinho, Basílica da Santíssima Trindade (28 nov. 2020 – 15 out. 2022)

Esta exposição tem, literalmente, um fio condutor.

Tear (detalhe), no espaço introdutório da exposição
Foto: MIR, 2021

A primeira peça é um tear artesanal com uma peça em meia urdidura e de cuja teia parte um fio vermelho que une cada um dos pontos da exposição, ou os diferentes rostos que constroem a narrativa da exposição. Ao lado, sobre a imagem de uma meada de fios, as palavras-chave que constituem o mote desta narrativa, mas cuja chave de leitura apenas será revelada no final: esquecemos, lições, história, crise, sofrimento, forma de viver, humanidade, rostos, mãos, vozes.

A exposição está estruturada em duas partes sequenciais e complementares, marcada no chão com uma faixa onde se apresenta o respetivo título. A primeira parte “Paisagem humana: que rostos em Fátima?”, concreta e denotativa, mostra os rostos conhecidos daqueles que traçam a história e a fisionomia material do santuário de Fátima. A segunda “Fisionomias espirituais: que rostos de Fátima?”, conceptual e conotativa, assume uma função referencial e interpretativa do sentido espiritual do lugar.

Entrada da exposição
Foto: Santuário de Fátima

Continuar a ler “O fio que tece uma trama de rostos…”

Tudo o que eu quero – é uma exposição

Exposição “Tudo o que eu quero: Artistas portuguesas de 1900 a 2020”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian (2 jun. – 23 ago. 2021)

São cerca de 200 obras de 40 artistas portuguesas1 num arco cronológico que abrange todo o século XX e chega aos nossos dias e que integra pintura, escultura,  desenho,  objeto,  livro,  instalação, filme e vídeo.

Exposição “Tudo o que eu quero”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2021

Continuar a ler “Tudo o que eu quero – é uma exposição”

  1. Aurélia de Sousa, Mily Possoz, Rosa Ramalho, Maria Lamas, Sarah Affonso, Ofélia Marques, Maria Helena Vieira da Silva, Maria Keil, Salette Tavares, Menez, Ana Hatherly, Lourdes Castro, Helena Almeida, Paula Rego, Maria Antónia Siza, Ana Vieira, Maria José Oliveira, Clara Menéres, Graça Morais, Maria José Aguiar, Luísa Cunha, Rosa Carvalho, Ana Léon, Ângela Ferreira, Joana Rosa, Ana Vidigal, Armanda Duarte, Fernanda Fragateiro, Patrícia Garrido, Gabriela Albergaria, Susanne Themlitz, Grada Kilomba, Maria Capelo, Patrícia Almeida, Joana Vasconcelos, Carla Filipe, Filipa César, Inês Botelho, Isabel Carvalho, Sónia Almeida. []

D. Maria II: uma exposição anunciada para o centenário do nascimento da rainha

Exposição “D. Maria II: De princesa brasileira a rainha de Portugal: 1819-1853”
Lisboa, Palácio Nacional da Ajuda, Galeria do Rei D. Luís, (26 maio – 29 set. 2021)

O bicentenário do nascimento de D. Maria II (1819-1853) ocorreu em 2019. No âmbito das comemorações, realizou-se, no Palácio da Ajuda, o congresso internacional “D. Maria II, Princesa do Brasil, Rainha de Portugal: Arte, património e identidade” (12-14 novembro)1 e previa-se uma exposição monográfica. Após sucessivos adiamentos, a que o período conturbado da pandemia não terá sido alheio, a exposição abriu finalmente na Galeria do rei D. Luís, o segundo filho da rainha evocada.

Após o impacto do congresso, a ampla campanha de divulgação que precedeu a inauguração e, também, a vontade de regressar aos museus poucas semanas após o longo confinamento, o público respondeu de forma muito positiva e entusiasmada, considerando o número de visitantes no primeiro fim de semana após a abertura e a afluência de grupos em visitas guiadas na segunda-feira seguinte.

Exposição “D. Maria II: De princesa brasileira a rainha de Portugal”
Foto: MIR, 2021

Continuar a ler “D. Maria II: uma exposição anunciada para o centenário do nascimento da rainha”

  1. O Congresso foi organizado pelo ARTIS – Instituto de História da Arte, Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa e pelo Programa de Pós-graduação em Artes Visuais, Escola de Belas Artes, Universidade Federal do Rio de Janeiro, sob a coordenação de Clara Moura Soares e Marize Malta. Os contributos de mais de duas dezenas de investigadores, portugueses e brasileiros, foram publicados no mesmo ano (Soares & Malta, 2019). []
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search