Quantos lápis azuis aguenta a democracia?

George Orwell (1949), no mundo opressivo de 1984 , criou a personagem de Winston Smith, peão ao serviço do Partido Externo, cuja função, enquanto diligente funcionário do Ministério da Verdade, era corrigir documentos, sendo responsável pela propaganda e revisionismo histórico. Há umas décadas, a leitura desta obra constituía uma reflexão acerca dos métodos e efeitos de uma sociedade distópica que parecia distante e irreal em estados democráticos. Acreditávamos que, depois da lição das últimas ditaduras, do fascismo aos regimes totalitários que se implantaram na Europa e na América Latina, a censura estava definitivamente erradicada nas sociedades pós-ditatoriais, enquanto que, naquelas onde a democracia era baluarte essa questão nem se punha. Ingénua convicção, que a realidade tem vindo a desmentir!

Capa de 1984 (e-book), de Georges Orwell. Biblios, 2020.

Continuar a ler “Quantos lápis azuis aguenta a democracia?”

Natália Correia Guedes, a mestra

Natália Correia Guedes é homenageada no Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, a pretexto do Dia da Mulher e em reconhecimento do seu papel pioneiro na proteção e divulgação do património.

Homenagem a Natália Correia Guedes
Évora, Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo

A Dr.a Natália – sempre lhe chamei assim, apesar das tentativas inglórias de a tratar por ‘Professora’ depois de ter concluído o primeiro doutoramento em Museologia em universidades portuguesas – foi a minha “mestra”. Continua a ser, porque, quando ser mestra tem um efeito transformador, nunca se deixa de o ser.

Continuar a ler “Natália Correia Guedes, a mestra”

Trono de Sabedoria: interpretação museológica de um tema mariano

Exposição “Trono de Maria, lugar de sabedoria
Lisboa, Universidade Católica Portuguesa, Galeria Fundação Amélia de Mello (7 nov. – 21 mar. 2023)

A Universidade Católica Portuguesa (UCP) tem, desde 2018, uma galeria, onde tem vindo a apresentar exposições temporárias, estruturadas em três ciclos anuais: exposições temáticas; exposições individuais; e exposições de artistas emergentes ou que apresentem o resultado de projetos de investigação realizados por estudantes e docentes da universidade. A atual exposição1 é temática em torno da Virgem da Sapiência. “Santa Maria, Sede de Sabedoria” é, precisamente, a padroeira da instituição e titular da capela existente no campus.

Nossa Senhora da Sabedoria (Virgem da Sapiência)
Escola portuguesa, século XVI
Lisboa, UCP, capela de Santa Maria, Sede de Sabedoria

Continuar a ler “Trono de Sabedoria: interpretação museológica de um tema mariano”

  1. Não se é bom juiz em causa própria, diz o povo e tem razão. Porém, acerca desta exposição, não tenho de fazer o esforço da leitura e interpretação para tentar chegar ao sentido do discurso expositivo. Por outro lado, também conheço as condicionantes e as falhas provavelmente melhor do que qualquer visitante. A hesitação durou cerca de três meses após a abertura da exposição, até resolver escrever sobre ela, assumindo o risco de um olhar enviesado e subjetivo. []

Um jardim de brasões e alfaces

“O resultado ficou tão bonito”, disse Carlos Moedas (cit. in Filho, 2023, 15 fev.), presidente da Câmara de Lisboa, na (re)inauguração do jardim da Praça do Império (!) e a propósito dos 32 brasões que ‘ornamentam’ o passeio.
O projeto, assinado pela arquiteta paisagista Cristina Castel-Branco e desenvolvido pelo atelier ACB – Arquitetura Paisagista e foi assinado pela arquiteta paisagista Cristina Castel-Branco, foi selecionado através de um concurso de ideias por um júri independente em 2016.

Praça do Império
Lisboa
Foto: Filipe Amorim / Observador, 2013

Continuar a ler “Um jardim de brasões e alfaces”

Faraós, da vida real ao mito

Exposição “Faraós Superstars
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian (25 nov. – 06 mar. 2023)

Na altura em que se comemora o segundo centenário da decifração dos hieróglifos, por Jean-François Champollion, e o primeiro centenário da descoberta do túmulo de Tutankhamon por Howard Carter, a 26 de novembro de 1922, o Museu Calouste Gulbenkian apresenta a exposição “Faraós Superstars”. Foi também nesse ano que Calouste Gulbenkian iniciou uma profícua troca epistolográfica com Howard Carter, que se tornou o seu principal conselheiro para as aquisições de arte egípcia e que lhe terá aconselhado a compra da cabeça de Senuseret III, utilizada como imagem de cartaz da exposição.

Exposição “Faraós Superstars”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2023

Continuar a ler “Faraós, da vida real ao mito”

Uma torpe homenagem aos “heróis da pandemia”

Foi inaugurada, no dia 10 de fevereiro, a obra monumental “Heróis da pandemia”, fruto de uma iniciativa conjunta da Ordem dos Médicos e da Câmara Municipal de Lisboa. No Twitter, o presidente Carlos Moedas esclarece o sentido da obra: “Foram super-heróis durante a pandemia de Covid-19 e são-no tosos os dias na sua missão de salvar vidas. Hoje os médicos foram homenageados pelo ‘reconhecimento e a admiração que merecem’” (2023, 10 fev.). Por seu turno, no discurso inaugural, Miguel Guimarães, bastonário da Ordem dos Médicos justificou a necessidade de reconhecer e homenagear aqueles que tiveram “um papel notável, uma capacidade de liderança, de resiliência, de humanismo, solidariedade, de trabalho de equipa” (cit. in “Após Covid 19…”, 2023).

Imagem retirada da publicidade ao evento
Fonte: FB Ordem dos Médicos

Continuar a ler “Uma torpe homenagem aos “heróis da pandemia””

Água em tempos de seca: pretexto para duas exposições no Museu de Portimão

Exposição “Aquedutos de Portugal: Água e património”
Portimão, Museu de Portimão (28 jan. – 26 mar. 2023)

No Museu de Portimão, em consonância com o tema proposto para o Dia Internacional dos Museus 2023 “Museus, Sustentabilidade e Bem-Estar”, estão abertas duas exposições fotográficas que, complementando-se entre si, procuram sensibilizar para o combate às alterações climáticas e para o uso sustentável dos recursos.

Exposição “Aquedutos de Portugal: Água e património”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2023

A exposição ” Aquedutos de Portugal” apresenta fotografias de Pedro Inácio que, às qualidades como fotógrafo, junta as competências de investigador e de museólogo e a função de conservador responsável pelas exposições no Museu da Água e do Património Histórico da EPAL – Empresa Portuguesa das Águas Livres. A investigação no âmbito do património cultural da água permitiu-lhe fazer a história do sistema de abastecimento de água gravítico em Portugal, complementada, desde 2007, por um exaustivo levantamento fotográfico dos aquedutos portugueses. Destes estudos, resultaram as obras Aquedutos de Portugal: Arte e património (Inácio, 2011) e Património cultural da água: Roteiro de aquedutos (Inácio, 2021) e a exposição itinerante homónima que, desde 2011, tem percorrido mais de cinquenta lugares no país e no estrangeiro (Argélia, Espanha, Estados Unidos, França e Roménia) e é agora apresentada no Museu de Portimão1. Continuar a ler “Água em tempos de seca: pretexto para duas exposições no Museu de Portimão”

  1. Na continuidade desta itinerância, depois de Portimão, a exposição será montada no Museu do Traje de São Brás de Alportel. []

João Ayres, o ‘perturbador artístico de Moçambique’

Exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”
Lisboa, Galeria Zé dos Bois (6 out. 2022 – 7 jan. 2023)

[…] the desire to bring together in thought what have hitherto appeared to be separate, coherent and homogenous entities and to redistribute what seemed preordained is what bestows upon temporary exhibitions a theoretical value and what makes them ‘exhibitions’. (Poinsot, 1996, p. 27)

Uma exposição temporária pode reordenar objetos em conjuntos inéditos, propiciando a sua releitura, outras modalidades de observação e de análise; mas pode, também, recuperar espólios esquecidos ou desconhecidos. Estes méritos são amplamente cumpridos na exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”, com curadoria na Natcho Chega, na Galeria Zé dos Bois (ZDB), com os trabalhos do pintor João Ayres (1921-2001) realizados entre 1948 e 1958. A exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”. De forma implícita, a exposição estrutura-se em três núcleos, a que correspondem diferentes expressões estéticas registadas ao longo da primeira década de João Ayres em Moçambique.

Exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”
Lisboa, Galeria Zé dos Bois
Foto: MIR, 2022

Continuar a ler “João Ayres, o ‘perturbador artístico de Moçambique’”

Entrada no templo

O nascimento de Maria foi um acontecimento extraordinário. Joaquim e Ana, já de idade avançada, estavam já conformados com a impossibilidade de ter filhos, quando receberam uma mensagem divina anunciando-lhes o nascimento de Maria. Em agradecimento por esta graça sobrenatural, decidiram entregá-la no templo de Jerusalém logo que dispensasse os cuidados maternos, a fim de a consagrar a Deus.

A festa da Apresentação da Virgem no templo não se fundamenta no texto bíblico, mas no relato apócrifo do Protoevangelho de Tiago (Pr-Tg), retomado na versão posterior do Pseudo-evangelho de Mateus (Ps-Mt)1 :

E quando os três primeiros anos tinham passado e o tempo do aleitamento estava completo trouxeram a virgem ao templo do Senhor com ofertas. Havia à roda do templo, de acordo comos Salmos, quinze degraus a subir; isto porque, tendo o templo sido construído numa elevação, ao altar das oferendas, que ficava no exterior, não se podia aceder exceto por estes degraus. Num destes, então, os seus pais pousaram a rapariguinha, a santa virgem Maria. E quando trocavam as roupas que tinham trazido na viagem, como era habitual, por outras lavadas e melhores, a virgem do senhor subiu todos os degraus, um após o outro, sem qualquer ajuda, de tal modo que, pelo menos deste ponto de vista, dir-se-ia que já era crescida. (Ps-Mt 6)

Entrada no templo
Mário Rita, 2015
Coleção do artista

Mário Rita sintetizou este episódio na obra Entrada no templo, ou Apresentação da Virgem no templo2. A entrada no templo centra-se n a forma deliberada como, sozinha e pelo seu próprio pé, descalço e magnificado, sobe os degraus que a conduzem ao altar dos holocaustos à entrada do templo. A entrega corresponde ao abondono precoce da infância materializada no vestidinho infantil já incorpóreo, mas cujo peitilho sugere essa escadaria no topo de um caminho ascendente, a branco. Por seu turno, a expressão refletida da cabeça reclinada sobre o peito, separada da sua corporalidade, ou da materialidade do espaço exterior ao templo, é a marca da entrada no templo e da sua consagração, numa atitude excecional de maturidade e entrega à missão a que foi destinada.

  1. O Protoevangelho de Tiago, datado da 2.ª metade do século II, relata a natividade milagrosa e a infância da Virgem e o nascimento de Cristo. O Pseudo-evangelho de Mateus, mais tardio, datado do primeiro quartel do século VII, e muito semelhante ao texto de Tiago, é também conhecido como o Evangelho da Natividade de Maria, a partir do qual, ao longo da Idade Média, se desenvolveu o culto e a iconografia da Virgem (Roque, 2017, p. 105). []
  2. Esta obra encontra-se atualmente na exposição “Trono de Maria, lugar de Sabedoria”, na Galeria Fundação Amélia de Mello, no campus da Universidade Católica Portuguesa, em Lisboa. []

Um gabinete de curiosidades e muitas outras perplexidades

O “Gabinete de Curiosidades: Uma interpretação” do Museu de Ciência da Universidade de Coimbra foi recentemente inaugurado (18 de maio de 2022) na Sala Carlos Ribeiro do Colégio de Jesus, cumprindo um desígnio traçado por Paulo Trincão quando assumiu a direção do museu.

Gabinete de Curiosidades
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

Com uma equipa reforçada, coordenada por Paulo Trincão que também assina o projeto, o patrocínio da Fundação La Caixa que contribuiu com 250 mil euros, um trabalho executado ao longo de três anos sob a supervisão histórica de João Brigola, reputado especialista no domínio dos Gabinetes de Curiosidades e de História Natural, as colaborações especiais de Alberto Peña na seleção das peças juntamente com Ana Cristina Rufino, do designer de exposições David Pérez, responsável pelo conceito expositivo e da artista plástica Ana Yedros que definiu a componente visual e a distribuição dos objetos, esta exposição teve as condições necessárias para se concretizar com padrões de excelência.

Continuar a ler “Um gabinete de curiosidades e muitas outras perplexidades”

A queda de um museu

O Museu da Ciência da Universidade de Coimbra foi inaugurado em dezembro de 2006.

Museu de Ciência
Foto: Emanuel Brás, s.d.
(“João Mendes Ribeiro”, 2015)

Está instalado no antigo Laboratorio Chimico, criado no contexto da reforma pombalina da universidade, o qual foi construído de raiz, entre 1773 e 1777, sobre as antigas instalações do refeitório, das cozinhas e áreas anexas do extinto Colégio da Companhia de Jesus. Continuar a ler “A queda de um museu”

Harmónios: uma exposição de alerta para um património em risco

Exposição “Harmonium: Desenho, pintura e música em relação”
Funchal, Museu de Arte Sacra do Funchal (MASF) (7 jun. – 31 out. 2022)

Exposição “Harmonium”: entrada
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa, 2022

Em conformidade com o título, esta exposição, sob o signo do harmónio e da música litúrgica, põe em diálogo os instrumentos e as partituras compiladas na obra Um século de música sacra na Madeira (Silva, 2008), da autoria de João Arnaldo Rufino da Silva (1934-2016), com as pinturas e os desenhos de Eduardo de Freitas (n. 1955), tendo como ponto de partida os desenhos originais das ilustrações dos temas da liturgia e da devoção que conduzem a estrutura daquela obra. A triangulação entre o harmónio, a música litúrgica e a arte visual de inspiração religiosa, constitui uma advertência para um património em risco, ao divulgar os resultados do inventário dos instrumentos musicais de uso litúrgico, levado a cabo pelo MASF e pela diocese do Funchal, com particular incidência nos harmónios caídos em desuso. Continuar a ler “Harmónios: uma exposição de alerta para um património em risco”

A (nova) definição de museu

A nova definição de museu foi aprovada na Assembleia Geral Extraordinária do ICOM – Conselho Internacional de Museus (Praga, 24 ago. 2022):

Um museu é uma instituição permanente, sem fins lucrativos e ao serviço da sociedade, que investiga, coleciona, conserva, interpreta e expõe o património material e imaterial. Os museus, abertos ao público, acessíveis e inclusivos, fomentam a diversidade e a sustentabilidade. Os museus funcionam e comunicam de forma ética e profissional e, com a participação das comunidades, proporcionam experiências variadas para a educação, a fruição, a reflexão e a partilha de conhecimento (Trad. livre do inglês1).

Continuar a ler “A (nova) definição de museu”

  1. A versão portuguesa, publicada logo após a votação, apresenta erros de sintaxe e pontuação, nomeadamente, ao referir que “Os museus funcionam e comunicam ética, profissionalmente e, com a participação das comunidades […]”, pelo que não a seguimos aqui. Uma vez que o texto da definição já era conhecido, teria sido conveniente preparar uma tradução mais refletida e correta, que não desse a ideia de ter sido feita de forma apressada no decurso da sessão e com recurso a ferramentas eletrónicas… Dado que o sítio eletrónico do ICOM Portugal (consulta a 25 ago. 2022) mantém a definição anterior, é expetável que a versão divulgada nas redes sociais seja corrigida antes de se tornar oficial. []

Memórias do barlavento algarvio: Museu Dr. José Formosinho, em Lagos

O Museu Dr. José Formosinho faz parte do polinucleado Museu de Lagos1.

Dr. José Formosinho
José Higino (José Higino Amado da Cunha Júnior, 1902-1993)
Lagos, Museu Dr. José Formosinho (MJF)
Foto: MJF

Continuar a ler “Memórias do barlavento algarvio: Museu Dr. José Formosinho, em Lagos”

  1. Além do Museu Dr. José Formosinho, fazem parte do Museu de Lagos os núcleos Rota da Escravatura – Mercado de Escravos, Forte Ponta da Bandeira, Balneário Romano da Praia da Luz, além do Armazém do Espingardeiro e do Centro de Documentação atualmente encerrados. []
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search