A (in)definição de museu

Quando o assunto é a definição de museu, é frequente encontrar, em epígrafe, uma citação de Richard Grove:

“A hospital is a hospital. A library is a library. A rose is a rose. But a museum is Colonial Williamsburg, Mrs. Wilkerson’s Figure Bottle Museum, the Museum of Modern Art, the Sea Lion Caves, the American Museum of Natural History, the Barton Museum of Whiskey History, The Cloisters, and Noell’s Ark and Chimpanzee Farm and Gorilla Show.” (Grove, 1968, cit. in Alexander & Alexander, 2008, p. 1)

Um hospital é um hospital, uma biblioteca é uma biblioteca, uma rosa é uma rosa, mas um museu não é “um” museu: é “aquele” museu e não outro. Cada museu, com um espólio exclusivo, constituído por peças únicas, é uma realidade singular, definida através dessa mesma exclusividade. Devido a esta multiplicidade de circunstâncias individualizadas, o museu, enquanto conceito genérico, revela-se na sua complexidade, difícil de definir, ou de descrever sumariamente.

Apolo e as Musas no Monte Hélicon
Claude Lorrain, 1680.
Boston, Museum of Fine Arts

Continuar a ler

Ser ou não ser património, uma questão de valor(es)

Umas (poucas) bonecas, algumas cartas (do tempo em que se escreviam cartas), uma caixa com recordações da adolescência, ofertas obtidas ao longo dos anos, uns botões de rosa secos, umas quantas fotografias, uns quantos livros e discos, tudo isso é o meu património. O meu património íntimo e pessoal, um universo que me é exclusivo. Objetos que me ligam ao passado e o transportam ao presente: ao ver isto, recordo amizades e amores, momentos únicos, espaços de contemplação ou de exaltação. Apenas a mim, falam desta maneira e evocam esses momentos e espaços, porque apenas eu os vivi e guardei e, como tal, os valorizei. São também eles que definem a minha identidade, porque fui a mim que marcaram e fui eu que os escolhi. Eu “sou” nesses fragmentos colhidos ao longo da vida, documentando os meus gostos, interesses e escolhas.

Museu da Inocência
Omar Pamuk, 2012
Istambul, Çukurcuma Caddesi
Foto: Susanna Smith

Continuar a ler

Museus com máscaras de cera

Umberto Eco descreveu o diorama, uma estratégia de reconstrução de ambientes em contexto museológico como uma viagem na hiper-realidade, onde a representação da realidade (“the real thing”), através de um artifício ficcionado (“the absolute fake”) e, portanto, falso, se torna real e autêntico: “the diorama aims to estavlish itself as a substitute for reality, as something even more real” (Eco, 1986, p. 8). O facto é que todo o museu é, em si, uma ficção, mesmo se todos os objetos expostos forem autênticos; nunca serão totalmente autênticos, no sentido em que a função (a função-signo, diria Barthes, 1964, p. 106, II.1.4) e o contexto original que os justificava em ambiente real lhes foi truncado no museu, quando, em contrapartida, “everything looks real, and therefore it is real; in any case the fact that it seems real is real, and the thing is real” (Eco, 1986, p. 16). Umberto Eco não falava apenas de dioramas que assentam num método próprio, com técnicas exaustivamente descritas, para a reprodução de um momento específico, mas referia-se especificamente a museus de cera: “The contents of a European wax museum are well-known: ‘live’ speaking images, from Julius Caesar to Pope John XXIII, in various settings. As a rule, the environment is squalid, always, subdued, diffident.” (Eco, 1986, p. 8)

Museu de Cera: os três pastorinhos videntes Jacinta, Lúcia e Francisco
Fátima
Foto: MIR, 2017

Continuar a ler