José Brandão: o design como desígnio

O Prof. José Brandão recebe o grau de Professor Emérito a 30 de maio, na Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa. É a primeira vez que este título é concedido pela Faculdade de Arquitetura e, com o Prof. Eduardo Afonso Dias, são os primeiros Professores Eméritos em Portugal na área científica do Design.

Eduardo Afonso Dias e José Brandão recebem título de Professor Emérito
Cartaz
FAUL, 2017

Continuar a ler

Museu dos Coches e de outros carros

O (novo) Museu Nacional dos Coches foi inaugurado inacabado, sem museografia, a pretexto da agenda política em vésperas de eleições legislativas (Vd. Roque, 2015). Fechou, depois, e agora, depois de um muito publicitado projeto museográfico de um milhão de euros, reabriu. Reabriu no dia 19 de maio, aproveitando, ainda, o ambiente festivo do dia dos museus. O milhão de euros era justificado pela iluminação e pela introdução das novas tecnologias, com tabelas interativas e projeções multimédia. Como a imprensa pode ser traiçoeira, mostrou-nos os técnicos a ajustar a iluminação a olho e as tabelas analógicas postas num suporte rente ao chão, enquanto a Diretora do Museu, sem entusiasmo aparente, se queixava da falta de pessoal, sobretudo, agora que a nova museografia convidava a parar junto às peças e se previa concentrações junto aos painéis informativos ou a ver as projeções.

VExpo 2017 no Museu dos Coches
Foto: Motor24

Continuar a ler

Dizer o indizível

(Porque calar não é possível)

18 de maio é o dia escolhido pelo Conselho Internacional dos Museus (ICOM) para celebrar o Dia dos Museus. O tema proposto para 2017 é “Museus e histórias controversas: dizer o indizível em museus”.  Se o museu sempre se assumiu como um instrumento discursivo em torno de um repositório de memórias, propõe-se, agora, uma ação mais interventiva na construção do discurso e das narrativas que, silenciosamente, se subentendiam sob a camada visível do que era exposto.

Contrariando o princípio anquilosado de isenção no discurso, o museu, desde a Nova Museologia, tende a assumir que qualquer exposição é uma versão dos fenómenos que compõem a realidade e que a pode utilizar de forma interventiva. As coleções museológicas são repositórios documentais que importa (re)analisar para lá das convenções e das retóricas que definem a história oficial (ou oficializada). Se não há uma verdade absoluta, se os caminhos do conhecimento e da consciência não são direitos, nem unívocos, tudo o que podemos expor são fragmentos e pontos de vista. Se assumirmos que é através da pluralidade de perspetivas, postas em confronto e sujeitas a debate, que reconstrói a realidade, todas as narrativas são possíveis e todas são, igualmente, questionáveis. O princípio da (impossível) isenção é sobreposto pelo (imprescindível) rigor na investigação e na apresentação da informação.

Asesinos ! Asesinos
Kader Attia, 2014
Foto: Nora Rupp

Assumir a pluralidade de perspetivas, não implica apenas quem enuncia o discurso, mas também quem o recebe, nas suas múltiplas individualidades. Por isso, dizer o indizível no museu, implica também falar a diversas vozes, em diferentes tons e registos, para que cada um encontre o seu próprio discurso, aquele que lhe corresponde e lhe é dirigido.

Dizer o indizível é ousar abordar aquilo que se julgou prudente esquecer: é decidir que não há histórias proibidas, por mais dolorosas, ou incómodas, ou constrangedoras; é aceitar que não há memórias interditas; é enfrentar o passado, as fraquezas, tanto quanto as grandezas, da nossa humanidade. É ter a audácia de enfrentar os fantasmas e os tabus, é ter a humildade de aprender com os erros da nossa civilização e fazer deles uma advertência face às ameaças do nosso quotidiano. Dizer o indizível, no museu, é sacudir a poeira dos cadáveres que têm estado esquecidos nas prateleiras das nossas reservas.

Saying the unspeakable in museums looks at how to understand the incomprehensible aspects of the contested histories inherent to the human race. It also encourages museums to play an active role in peacefully addressing traumatic histories through mediation and multiple points of view. (ICOM, 2017)

Essa é, cada vez mais, a missão do museu.

Iconografia dos santos Jacinta e Francisco

Jacinta e Francisco Marto, irmãos, eram dois pequenos pastores na zona de Aljustrel, onde haviam nascido. Francisco, o mais velho, nasceu em 11 de junho de 1908 e Jacinta a 11 de março de 1910. Os dois e a prima Lúcia, mais velha, vivenciaram aparições ou visões místicas, precedidas e seguidas por outros fenómenos extraordinários: as visões preparatórias do anjo, entre 1915 e 1916; as aparições da Virgem, entre 13 de maio e 13 de outubro de 1917. Os dois irmãos morreram vítimas da gripe pneumónica: Francisco, com 10 anos, a 4 de abril de 1919, em Ourém; Jacinta, com 9 anos, a 20 de fevereiro de 1920, no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa. Encontram-se sepultados na Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima. Foram beatificados a 13 de maio de 2000 e santificados a 13 de maio de 2017, altura em que se comemora o centenário das aparições.

Francisco e Jacinta Marto
Aljustrel, outubro de 1917

Continuar a ler

Imagens de maternidade

As mais antigas representações da figura humana são as chamadas Vénus paleolíticas, provavelmente associadas a rituais de fertilidade, com um exagerado arredondamento das formas, com os seios, o ventre e a anca muito volumosos e a vulva saliente que André Leroi-Gouhran (1968, p. 90) apresentava num esquema circular inserido na configuração losangular do corpo, numa óbvia referência à progressiva transformação do corpo para a maternidade (Alvarez González, 2010, p. 8).

Vénus, dita de Kostenki
C. 23.000-21.000 a.C.
S. Petersburgo, Museu Hermitage

No advento da história, a arte egípcia associa a representação da maternidade e da fertilidade à figura de Ísis a amamentar o filho Hórus. A crescente popularidade da deusa no Último Período (712-332 a.C.) motivou a proliferação de estatuetas de Ísis antropomórfica, com os cornos recuperados de Hathor, e em lactans pose, isto é, no ato de amamentação, com o duplo sentido de protetora e transmissora da vida, tornando-se um poderoso símbolo do renascimento na época ptolomaica, onde surge “faite de sensibilité et mue l’hiératique épouse d’Osiris en une deéesse pleine de feminité” (Malaise, 2000, p. 1), denunciando a influência da arte helenística.

Esta iconografia da mãe a amamentar o filho foi, posteriormente, assimilada pela arte da antiguidade clássica, nomeadamente, nos ex-votos oferecidos às divindades Kourotrophos (Atena, Deméter, Afrodite, Artemisa, entre outras), protetoras da infância e da fertilidade, representando a própria deusa, sendo particularmente frequentes as figuras de Deméter com Perséfone ou de Afrodite com Eros. As afinidades entre a courotrofia e a maternidade, de resto, encontram-se já patentes nos hinos homéricos, onde a função biológica da mãe-nutridora se associa ao poder de mediadora e protetora na passagem da infância à idade adulta (Dalmon. 2015).

Mulher sentada a amamentar (kourotrophos)
Myrina, Aeolis, período romano imperial, c. 20-70
Boston, Museum of Fine Arts

Numa provável transferência da arte romana, a representação da Virgem com o Menino surgiu nas catacumbas nos temas iconográficos da Anunciação e da Epifania, enquanto na arte bizantina prevalece a representação da Theotokos (Mãe de Deus, ou a portadora de Deus). Nos primeiros tempos do cristianismo, “the representation of Mary in Egypt benefited from the prevalence and familiarity of this mother-goddess [Isis] with the powerful attributes of physical prowess and lifegiving energy” (Rubin, 2010, p. 42).

A representação da Virgem com o Menino em posição hierática, sentada sobre o trono, com o Menino ao colo foi adotada pela arte otaniana no contexto da propaganda dos atributos simbólicos do poder real, ao mesmo tempo que assimila o sentido bíblico e salomónico de Trono da Sabedoria (Roque, 2010). Porém, nestas representações, a alusão à maternidade era surgia como marginal ao tema da realeza.

Virgem e o Menino
Seguidor de Hans Memling, c. 1487
Nova Iorque, Metropolitan Museum of Art

Foi apenas no contexto da religiosidade renovada pelas mudanças políticas, culturais e sociais entre os séculos XI e XII, e do desenvolvimento do culto mariano, fundamentado pelo discurso teológico de São Bernardo e, depois, pelas pregações das ordens mendicantes incindindo na imagem humana e maternal da Virgem que surgiram os primeiros modelos da maternidade afetuosa, patentes nas Virgens do Leite e da Ternura e que irão determinar a representação da maternidade na arte ocidental.

Referências bibliográficas:
Alvarez González, M. (2010). The art of motherhood. Los Angeles: J. Paul Getty Museum.
Dalmon, S. (2015). Les Nymphes entre maternité et courotrophie dans les Hymnes homériques. Cahiers «Mondes anciens», (6). DOI : 10.4000/mondesanciens.1471
Leroi-Gourhan, A. (1968). The art of prehistoric man in Western Europe. London: Thames.
Malaise, M. (2000). Le problème de l’hellénisation d’Isis. In L. Bricault (Ed.), De Memphis à Rome: Actes du Ier Colloque International sur les Études Isiaques, Poitiers, Futuroscope, 8-10 avril 1999 (pp. 1-19). Leiden: Brill.
Roque, M.I. (2010). Obras de arte na UCP: Nossa Senhora da Sabedoria (Virgem da Sapiência). Lumen Veritatis: Boletim da Sociedade Científica da Universidade Católica Portuguesa, 16(1), 12. Acedido em https://www.academia.edu/4060773/Obras_de_arte_na_UCP_Nossa_Senhora_da_Sabedoria_Virgem_da_Sapi%C3%AAncia_