João Ayres, o ‘perturbador artístico de Moçambique’

Exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”
Lisboa, Galeria Zé dos Bois (6 out. 2022 – 7 jan. 2023)

[…] the desire to bring together in thought what have hitherto appeared to be separate, coherent and homogenous entities and to redistribute what seemed preordained is what bestows upon temporary exhibitions a theoretical value and what makes them ‘exhibitions’. (Poinsot, 1996, p. 27)

Uma exposição temporária pode reordenar objetos em conjuntos inéditos, propiciando a sua releitura, outras modalidades de observação e de análise; mas pode, também, recuperar espólios esquecidos ou desconhecidos. Estes méritos são amplamente cumpridos na exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”, com curadoria na Natcho Chega, na Galeria Zé dos Bois (ZDB), com os trabalhos do pintor João Ayres (1921-2001) realizados entre 1948 e 1958. A exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”. De forma implícita, a exposição estrutura-se em três núcleos, a que correspondem diferentes expressões estéticas registadas ao longo da primeira década de João Ayres em Moçambique.

Exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”
Lisboa, Galeria Zé dos Bois
Foto: MIR, 2022

Continuar a ler “João Ayres, o ‘perturbador artístico de Moçambique’”

Um gabinete de curiosidades e muitas outras perplexidades

O “Gabinete de Curiosidades: Uma interpretação” do Museu de Ciência da Universidade de Coimbra foi recentemente inaugurado (18 de maio de 2022) na Sala Carlos Ribeiro do Colégio de Jesus, cumprindo um desígnio traçado por Paulo Trincão quando assumiu a direção do museu.

Gabinete de Curiosidades
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

Com uma equipa reforçada, coordenada por Paulo Trincão que também assina o projeto, o patrocínio da Fundação La Caixa que contribuiu com 250 mil euros, um trabalho executado ao longo de três anos sob a supervisão histórica de João Brigola, reputado especialista no domínio dos Gabinetes de Curiosidades e de História Natural, as colaborações especiais de Alberto Peña na seleção das peças juntamente com Ana Cristina Rufino, do designer de exposições David Pérez, responsável pelo conceito expositivo e da artista plástica Ana Yedros que definiu a componente visual e a distribuição dos objetos, esta exposição teve as condições necessárias para se concretizar com padrões de excelência.

Continuar a ler “Um gabinete de curiosidades e muitas outras perplexidades”

A queda de um museu

O Museu da Ciência da Universidade de Coimbra foi inaugurado em dezembro de 2006.

Museu de Ciência
Foto: Emanuel Brás, s.d.
(“João Mendes Ribeiro”, 2015)

Está instalado no antigo Laboratorio Chimico, criado no contexto da reforma pombalina da universidade, o qual foi construído de raiz, entre 1773 e 1777, sobre as antigas instalações do refeitório, das cozinhas e áreas anexas do extinto Colégio da Companhia de Jesus. Continuar a ler “A queda de um museu”

Harmónios: uma exposição de alerta para um património em risco

Exposição “Harmonium: Desenho, pintura e música em relação”
Funchal, Museu de Arte Sacra do Funchal (MASF) (7 jun. – 31 out. 2022)

Exposição “Harmonium”: entrada
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa, 2022

Em conformidade com o título, esta exposição, sob o signo do harmónio e da música litúrgica, põe em diálogo os instrumentos e as partituras compiladas na obra Um século de música sacra na Madeira (Silva, 2008), da autoria de João Arnaldo Rufino da Silva (1934-2016), com as pinturas e os desenhos de Eduardo de Freitas (n. 1955), tendo como ponto de partida os desenhos originais das ilustrações dos temas da liturgia e da devoção que conduzem a estrutura daquela obra. A triangulação entre o harmónio, a música litúrgica e a arte visual de inspiração religiosa, constitui uma advertência para um património em risco, ao divulgar os resultados do inventário dos instrumentos musicais de uso litúrgico, levado a cabo pelo MASF e pela diocese do Funchal, com particular incidência nos harmónios caídos em desuso. Continuar a ler “Harmónios: uma exposição de alerta para um património em risco”

Memórias do barlavento algarvio: Museu Dr. José Formosinho, em Lagos

O Museu Dr. José Formosinho faz parte do polinucleado Museu de Lagos1.

Dr. José Formosinho
José Higino (José Higino Amado da Cunha Júnior, 1902-1993)
Lagos, Museu Dr. José Formosinho (MJF)
Foto: MJF

Continuar a ler “Memórias do barlavento algarvio: Museu Dr. José Formosinho, em Lagos”

  1. Além do Museu Dr. José Formosinho, fazem parte do Museu de Lagos os núcleos Rota da Escravatura – Mercado de Escravos, Forte Ponta da Bandeira, Balneário Romano da Praia da Luz, além do Armazém do Espingardeiro e do Centro de Documentação atualmente encerrados. []

O hammam de Al-‘Ulyã: musealização dos banhos islâmicos de Loulé e da casa senhorial dos Barreto

O topónimo Loulé deriva do árabe Al-‘Ulyã1. Esta designação aparece referenciada em fontes árabes tardias, altura em que terá sido elevada à categoria de cidade, aglutinando núcleos de povoamento disperso no território. As fontes documentais têm vindo a ser confirmadas pela investigação arqueológica, a qual contribuiu para aumentar o conhecimento do período islâmico. A medina inseria-se num espaço muralhado. A entrada principal localizava-se a sul (porta de Faro). Junto a esta, encontrava-se a mesquita, posteriormente, na sequência conquista cristã em 1249, convertida em igreja (atual paroquial de São Clemente) e, na sua proximidade, o mercado. A alcáçova situava-se a noroeste do recinto e, entre os séculos XIV e XV, foi adaptada a residência do alcaide, onde, desde 1995, está instalado o Museu Municipal de Arqueologia, agora designado como Núcleo-sede do Museu Municipal de Loulé.

Castelo de origem árabe
Loulé
Foto: MIR, 2022

Continuar a ler “O hammam de Al-‘Ulyã: musealização dos banhos islâmicos de Loulé e da casa senhorial dos Barreto”

  1. David Lopes (1968) filia o topónimo no árabe al-‘alya, cujo significado remete para ‘altura’, ou ‘elevação’, numa alusão à topografia do local. Garcia Domingues (1987) segue esta versão. Em contrapartida, Luís Fraga da Silva (2002) propõe a filiação de Loulé no híbrido al-olea, ‘oliveira’, em correspondência com a dominância desta espécie na região desde a época romana. []

Europa oxalá: narrativas pós-memória

Exposição “Europa oxalá
Lisboa, Fundação Gulbenkian – Galeria principal (4 mar. – 22 ago. 2022)

A exposição, comissariada por António Pinto Ribeiro e pelos artistas Katia Kameli e Aimé Mpane, é temporária e itinerante, tendo sido apresentada no MUCEM – Musée des civilisations de l’Europe et de la Méditerranée, em Marselha (20 out. 2021-16 jan. 2022), e seguirá para o Museu Real da África Central – AfricaMuseum, em Tervuren, na Bélgica (6 out. 2022-5 mar. 2023).

Exposição “Europa oxalá”
Lisboa, Fundação Gulbenkian
Foto: MIR, 2022

O título “Europa oxalá” remete para a Europa do futuro (oxalá – do árabe inshā’Allāẖ, “se Deus quiser”, utilizada como interjeição para exprimir o desejo de que algo aconteça). A escolha deste título para a exposição de cerca de 60 obras de 21 artistas afro-europeus1, nascidos na Europa pós-colonial e cujas origens familiares se situam nas antigas colónias em África (Angola, Argélia, Benim, Cabo Verde, Congo, Guiné-Bissau, Madagáscar), aponta para problemáticas que ultrapassam o universo europeu e artístico em sentido restrito.

Continuar a ler “Europa oxalá: narrativas pós-memória”

  1. Sete destes artistas têm nacionalidade portuguesa: Carlos Bunga, Délio Jasse, Francisco Vidal, Márcio Carvalho, Mónica de Miranda, Pauliana Valente Pimentel e Pedro A. H. Paixão. []

Um tesouro real entre muitos brilhos e seus reflexos

Supponhamos que se completavam a aza direita, e as incompletas, do palacio […]. Como é fabrica vastissima, na ala que lhe construíssem de novo se poderia instalar faustosamente a Bibliotheca chamada da Ajuda, anexada d’um museu, onde as colleções de pinturas e obras d’arte sobrantes do adorno dos palacios reaes, estaria catalogada e reunida […].
(Fialho de Almeida, 1906, p. 502)

A exposição permanente do tesouro real português há muito que era reclamada e, por isso, tem sido aclamada e celebrada desde a abertura do Museu do Tesouro Real1, na ala poente do Palácio Nacional da Ajuda (PNA).

Passados 226 anos, muitos projetos abandonados entretanto2 e muitas intenções frustradas, o palácio foi finalmente rematado a poente com um projeto de João Carlos Santos, atual diretor-geral do Património Cultural em regime de substituição3, numa intervenção arquitetónica contemporânea circunscrita aos limites da massa edificada preexistente.

Passaram também 20 anos sobre o roubo das joias da coroa portuguesa em exposição no museu municipal de Haia, na Holanda, ocorrido a 2 de dezembro de 2002, o qual constituiu um grave atentado ao património artístico e simbólico nacional, tendo o empréstimo de quinze joias emblemáticas sido alvo de intensa polémica por se destinar a uma apresentação de cariz didático numa instituição que não conseguia garantir a segurança necessária. Porém, foi a indemnização de 6,1 milhões de euros recebida em 2006 que permitiu esta obra por decisão da então ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, com o anunciado objetivo de albergar a exposição permanente do tesouro real. A obra teve início em 2016, através de um protocolo de colaboração entre a Direção Geral do Património (DGPC), a Associação de Turismo de Lisboa (ATL) e a Câmara Municipal de Lisboa (CML).

Casa-forte
Lisboa, Museu do Tesouro Real
Foto: MIR, 2022

Continuar a ler “Um tesouro real entre muitos brilhos e seus reflexos”

  1. O museu abriu ao público no dia 1 de junho de 2022 []
  2. Entre os vários planos apresentados, estão os projetos pioneiros apresentados ao longo do século XIX por Manuel Caetano de Sousa (1738-1802), com uma proposta barroca, José Costa e Silva (1747-1819) numa linguagem neoclássica, Francisco Xavier Fabri (1761- 1817) que sugeria a expansão do palácio para norte, António Francisco Rosa (séc. XVIII-1829), optando por uma solução mais reduzida do edifício, e Joaquim Possidónio Narciso da Silva (1806-1896) que recomendava a reorganização dos diversos espaços, tornando-os mais modernos e cómodos. Posteriormente, Raul Lino (1879-1974) apresentou dois projetos datados de 1935 e 1944. João Nuno Seabra, da Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN), apresentou um projeto, o único que foi efetivamente iniciado, em 1978, tendo sido interrompido devido a um acidente e cuja estrutura foi demolida em 1976. Duarte Lino Pimentel, em 1984, Gonçalo Byrne, em 1989 e por encomenda direta do Instituto Português do Património Cultural (IPPC, estrutura que antecedeu a atual DGPC – Direção Geral do Património) e Vasco Massapina, em 2012, também apresentaram estudos prévios para rematar o palácio a poente. []
  3. João Carlos Santos, foi designado diretor-geral do Património Cultural, em regime de substituição, no passado dia 3 de junho, por despacho do ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva. João Carlos Santos já ocupava este cargo desde a exoneração de Bernardo Alabaça, em junho de 2021, pela então ministra da Cultura, Graça Fonseca. []

“Ver novas todas as coisas”: uma exposição sobre Inácio de Loyola

Exposição “‘Ver novas todas as coisas’: Da conversão à canonização de Inácio de Loyola”
Lisboa, Museu de São Roque (31 mar. – 19 jun. 2022)

Em 20 de maio de 1521, Iñigo (posteriormente Inácio) de Loyola foi ferido numa batalha em Pamplona. Durante a convalescença, leu a Vita Christi, de Rodolfo da Saxônia, e a Legenda Áurea, uma coletânea de narrativas hagiográficas, tomadas como exemplum e reunidas em meados do século XIII por Jacobus de Voragine, o que lhe provocou uma profunda transformação espiritual e a sua conversão religiosa. Inácio de Loyola descreveu esse momento de iluminação, dizendo que “se le empegaron abrir los ojos del entendimiento; y no que viese alguna visión, sino entendiendo y conociendo muchas cosas, tanto de cosas espirituales, como de cosas de la fe y de letras; y esto con una ilustración tan grande, que le parecían todas las cosas nuevas” (Fontes narrativi…, 1943, v. 1, p. 404).

Informação da exposição na igreja de São Roque
Foto: Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, 2022

Continuar a ler ““Ver novas todas as coisas”: uma exposição sobre Inácio de Loyola”

Paisagens povoadas de gentes e histórias

Exposição “Paisagens povoadas: Narrativas da coleção do MNAC (1855-1920)
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea (16 fev. – 28 ago. 2022)

Exposição “Paisagens Povoadas”
Lisboa, MNAC
Foto: MIR, 2022

A exposição “Paisagens povoadas”, com (excelente!) curadoria de Maria De Aires Silveira, cita a expressão “fórmula naturalista da arte moderna” cunhada por Ramalho Ortigão (1885, p. 342) para se referir à representação paisagística que se encontrava “inteiramente enunciada depois de duzentos anos na obra dos pintores holandeses” (id., ibid.)1. Enquanto que a paisagem se implantara na pintura flamenga e holandesa, com um caráter simbólico, didático e moralizador, em Portugal, só a partir da segunda metade do século XVIII, mercê do renovado interesse pela pintura oriunda do norte europeu – evidente nas práticas colecionistas – e também da vinda dos pintores franceses Jean Pillement (1728-1808), Alexandre-Jean Noël (1752-1834) e Nicolas Delerive (1755-1818), começa a registar-se um crescente interesse por este género. Porém, a pintura do Morgado de Setúbal (José António Benedito Soares de Faria e Barros, 1752-1809), artista autodidata com um inequívoco pendor naturalista, é um caso singular no panorama artístico português da época, enquanto a pintura de paisagem se mantinha incipiente ou secundarizada em fundos cenográficos de outras tipologias e temáticas. A corrente naturalista continuava a suscitar uma forte oposição nos meios académicos e eruditos, tradicionalmente ligados à teoria clássica, considerando que a observação sensível da natureza era inferior à experiência intelectual da criação artística. Durante a revolução francesa de 1848, um grupo de artistas, em que se incluíam Théodore Rousseau (1812-1867), Jean-Baptiste Camille Corot (1796-1875) e Jean-François Millet (1814-1875), refugiou-se em Barbizon, privilegiando a paisagem como tema central das suas pinturas. Por seu turno, a invenção e a produção comercial da bisnaga de tinta2 permitiu que o exercício da pintura saísse da oficina e se fizesse ao ar livre, em contacto direto com a natureza.

Continuar a ler “Paisagens povoadas de gentes e histórias”

  1. A expressão de Ramalho Ortigão encontra-se nas crónicas de viagem que realizou à Holanda entre 1833, publicadas nesse mesmo ano pela Tipografia da Gazeta de Notícias, no Rio de Janeiro. Aqui, segue-se a 1.ª edição da casa, do Porto, em 1855. []
  2. O pintor John Goffe Rand patenteou, em 1841, a invenção da bisnaga de tinta, um tubo de estanho com uma tampa de rosca, que permitia conservar a tinta por longos períodos de tempo sem secar. []

Museu Ibérico de Arqueologia e Arte em Abrantes

Quando a notícia de inauguração de um museu municipal, anunciado há mais de uma década, inclui a informação foi feito um investimento de 6,3 milhões de euros, a expetativa é grande. Avoluma-se quando isso implicou a requalificação de um antigo convento assinada pelo arquiteto Carrilho da Graça que, afinal, se mostra desiludido por o resultado não coincidir com o projeto inicial. E a expetativa aumenta, ainda mais, quando o projeto de museologia foi desenvolvido por Fernando António Batista Pereira e Luiz Oosterbeck, em colaboração com o P-06 Atelier e a equipa do museu ao longo de quase quinze anos. Quando a expetativa é grande, maior é o risco de desapontamento. Porém, isso não acontece, de forma alguma, no Museu Ibérico de Arqueologia e Arte (MIAA).

Entrada do museu
Abrantes, Museu Ibérico de Arqueologia e Arte
Foto: MIR, 2021

Continuar a ler “Museu Ibérico de Arqueologia e Arte em Abrantes”

Rapture: memória metafórica para este tempo

You who are living, live the best life you can
Don’t count on the earth to preserve memory
Ai Quing,  19801

Exposição “Ai Weiwei: Rapture”
Lisboa, Cordoaria Nacional (4 jun. – 28 nov. 2021)

Se a exposição “Raptures” de Ai Weiwei, se tivesse prolongado, esta seria uma recomendação em época de Natal, para que, entre luzes, cores, brilhos, músicas e alegria, a consciência fosse despertada para outras realidades mais sombrias. Não seria, talvez, oportuno nestes dias já sobrecarregados por uma pandemia que se arrasta em contínuos números de infetados, hospitalizados e mortos, por uma ameaça constante que impede colos e abraços e nos impõe inusitadas solidões. Não seria oportuno, mas talvez nos alertasse para os nossos egoísmos quotidianos, relembrando a tragédia daqueles que, à pandemia, juntam a tragédia de um destino sem lar, sem um lugar a que chamem seu, a fugir do medo para chegar a um sítio fechado por arame farpado onde apenas abunda o medo e a desesperança.

Exposição “Rapture”; em primeiro plano, “Brainless Figure in Cork” (Figura sem cérebro em cortiça), 2021, autorretrato do artista algemado à cadeira, produzido na Corticeira Amorim que juntou a tecnologia industrial CNC à escultura convencional
Lisboa, Cordoaria Nacional
Foto: MIR, 2021

Continuar a ler “Rapture: memória metafórica para este tempo”

  1. Ai Quing, pai do artista, citado em Weiwei (2021). Vd. nota seguinte. []

A ventura de Dom Manuel e um reino que se viu renovado

Exposição “Vi o reino renovar: Arte no tempo de D. Manuel I”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga (25 jun. – 26 set. 2021)

A exposição celebra os quinhentos anos da morte de D. Manuel I (1469–1521), cujo reinado de 26 anos lhe granjeou o cognome “O Venturoso”, Não é, porém, uma exposição centrada no rei, mas no reino que renovou e na arte desse tempo marcado pela conjuntura da favorável da expansão marítima. “O império está em franca expansão, há dinheiro e é preciso comunicar a todos o novo papel que Portugal tem no mundo. O rei precisa, também, de mostrar que é legítimo o seu direito ao trono enquanto primeiro monarca do novo ramo da dinastia de Avis” (Joaquim Caetano cit. in Canelas, 2021, p. 30).

Em primeiro plano, Anjo heráldico, de Diogo Pires-o-Moço, 1518-1522
Atrás, reproduções em gesso das estátuas de D. Manuel e D. Maria, de Nicolau de Chanterene, (1517) c. 1958
Exposição “Vi o reino renovar”
Foto: MIR, 2021

O título é colhido da obra Miscelânea e variedade de histórias, de Garcia de Resende, onde o cronista regista em verso a situação do reino:

[…]
vijmos seu edificar,
no reyno fazer alçar
paços, igrejas, mosteiros
grandes, pouos caualleiros,
vij ho reyno renouar.
(Resende, 1622, p. 155)

Continuar a ler “A ventura de Dom Manuel e um reino que se viu renovado”

O fio que tece uma trama de rostos…

Exposição “Rostos de Fátima, fisionomias de uma paisagem espiritual”
Fátima, Convivium de Santo Agostinho, Basílica da Santíssima Trindade (28 nov. 2020 – 15 out. 2022)

Esta exposição tem, literalmente, um fio condutor.

Tear (detalhe), no espaço introdutório da exposição
Foto: MIR, 2021

A primeira peça é um tear artesanal com uma peça em meia urdidura e de cuja teia parte um fio vermelho que une cada um dos pontos da exposição, ou os diferentes rostos que constroem a narrativa da exposição. Ao lado, sobre a imagem de uma meada de fios, as palavras-chave que constituem o mote desta narrativa, mas cuja chave de leitura apenas será revelada no final: esquecemos, lições, história, crise, sofrimento, forma de viver, humanidade, rostos, mãos, vozes.

A exposição está estruturada em duas partes sequenciais e complementares, marcada no chão com uma faixa onde se apresenta o respetivo título. A primeira parte “Paisagem humana: que rostos em Fátima?”, concreta e denotativa, mostra os rostos conhecidos daqueles que traçam a história e a fisionomia material do santuário de Fátima. A segunda “Fisionomias espirituais: que rostos de Fátima?”, conceptual e conotativa, assume uma função referencial e interpretativa do sentido espiritual do lugar.

Entrada da exposição
Foto: Santuário de Fátima

Continuar a ler “O fio que tece uma trama de rostos…”

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search