Biblioteca e casa-museu: perfil do colecionador Anselmo Braamcamp Freire

Museu Municipal de Santarém | Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire
Santarém

Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire, no primeiro andar do antigo palácio dos Barões de Almeirim
Santarém, Biblioteca Pública e Museu Municipal

Um colecionador que doa o seu espólio bibliográfico e artístico com a intenção de o tornar aberto e acessível foi o pretexto para a criação de um museu e biblioteca que lhe perpetuam o nome e a memória.

Busto de Anselmo Braamcamp Freire
António Teixeira Lopes, s.d.
Santarém, Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire

Continuar a ler “Biblioteca e casa-museu: perfil do colecionador Anselmo Braamcamp Freire”

Museu do Neo-Realismo e a água que cai no deserto

“Neorrealismo” é um conceito múltiplo, que envolve múltiplos significados e contextos, que incluem, entre outros, a literatura, a arte, o cinema e a fotografia, e provoca análises divergentes e até contraditórias (vd. Leavitt, 2020, p. 11 e segs.). Em Portugal – tal como acontecera em Itália desde o tempo de Mussolini e, sobretudo, através da cinematografia de Luchino Visconti, a partir do filme seminal La terra trema (1948), cujo texto de abertura pode ser lido como um manifesto do neorrealismo italiano (id., p. 14) – o movimento neorrealista coincidiu com o tempo do Estado Novo e formalizou-se como uma reação, ou oposição, à propaganda do regime. Enquanto este patrocinava uma estética idealizada da ruralidade, onde se excluíam os sinais de pobreza, sofrimento ou injustiça, conferindo-lhe uma suavizada aura de humildade e alegre resignação, o movimento neorrealista centrou-se no retrato e caraterização das classes populares e trabalhadoras, denunciando as suas condições de exploração e de exclusão social e dando voz às suas lutas, reivindicações e revoltas.

Sem título
Lima de Freitas, 1957
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo

Continuar a ler “Museu do Neo-Realismo e a água que cai no deserto”

Museu Nacional Soares dos Reis: um museu renovado e as suas histórias

Depois de ter estado parcialmente encerrado para obras entre 2019 e abril de 2023, o Museu Nacional Soares dos Reis (MNSR) reabriu com uma exposição de longa duração e uma nova linguagem museográfica.

Integrando os espólios fundacionais do Museu de Pinturas e Estampas e outros objetos de Belas Artes, criado por D. Pedro IV de Portugal, em 1833, com o intuito de salvaguardar os bens sequestrados aos absolutistas e conventos abandonados na guerra civil (1832-34) sob direção de João Baptista Ribeiro, e recebendo, logo em seguida, os bens dos conventos extintos pelo Decreto de 30 de maio de 1834, o museu reivindica o título de primeiro museu público de arte do país.

Museu Soares dos Reis no Palácio dos Carrancas
Porto, MNSR
Foto: MIR, 2024

Continuar a ler “Museu Nacional Soares dos Reis: um museu renovado e as suas histórias”

Tesouros da Terra Santa

Exposição “O Tesouro dos Reis: Obras-primas do Terra Sancta Museum”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian (10 nov. 2023 – 26 fev. 2024)

Jerusalém é um lugar primacial ou umbilical, no sentido primevo de omphalo como centro do mundo. Se os gregos o localizavam em Delfos, assinalado por uma pedra erguida no templo de Zeus, a Bíblia através das palavras do profeta Ezequiel situa-o aqui: “Assim diz o Senhor Deus: Esta é Jerusalém; coloquei-a no meio das nações e das terras que estão ao redor dela” (Ez. 5:5).

Cidade de Jerusalém
Erhard Reuwich (desenho)
In: Breydenbach, B. (1486). Peregrinatio in Terram Sanctam. Mainz: Peter Schöffer the Elder.

Por razões diversas, Jerusalém faz parte da geografia sagrada das três principais religiões monoteístas abraâmicas – cristianismo, judaísmo e islamismo. No judaísmo, Jerusalém é a cidade que o rei David proclamou como capital do reino no século X a.C. e o lugar do Templo de Salomão e do Segundo Templo onde, segundo a tradição, se situa o atual Muro das Lamentações. Segundo o islamismo, Maomé foi miraculosamente transportado de Meca para Jerusalém, de onde ascendeu ao Paraíso, segundo o primeiro verso do Al-Isra (a viagem noturna] que identifica a mesquita de al-Aqsa (a mais distante) como o destino da jornada do profeta. Para os cristãos, além das referências que lhe são feitas no Antigo Testamento, este é o lugar do Cenáculo, onde Jesus tomou a Última Ceia e instituiu a Eucaristia, antes de aí cumprir o périplo da sua Paixão e Morte no Monte Gólgota, onde a tradição situa o túmulo de Adão, perto do sítio do Santo Sepulcro. A partir destas referências que a valorizam como cidade santa Jerusalém torna-se um lugar mítico: “Stories about Jerusalem should not be dismissed because they are ‘only’ myths: they are important precisely because they are myths” (Armstrong, 2005, p. XVIII).

Continuar a ler “Tesouros da Terra Santa”

Museu do Côa: um preâmbulo à arte rupestre e muito mais do que isso

O Museu do Côa foi inaugurado em meados 2010. A abertura do espaço museológico ultrapassou o próprio acontecimento, ao cabo de um longo processo que desde meados da década de 1990 havia passado da esfera académica para se tornar em motivo de discussão pública, alargando-se a toda a sociedade e adquirindo uma inevitável dimensão política. As opiniões dividiam-se entre a valorização do impacto económico e social que a construção de uma barragem hidroelétrica, já em curso, teria no desenvolvimento da região e o reconhecimento da importância do património arqueológico existente no vale e do seu contributo para o esclarecimento da arte rupestre do Paleolítico Superior, desfazendo alguns mitos instalados e superando categorias de pensamento instituído mesmo na comunidade científica.

Sítio Arqueológico do Côa
Foto: Pedro Guimarães / Fundação Coa Parque (Arquivo), s/d

Continuar a ler “Museu do Côa: um preâmbulo à arte rupestre e muito mais do que isso”

Rosarium e a contemplação da alegria e luz, dor e glória

Exposição “Rosarium: Alegria e Luz, Dor e Glória”
Fátima, Convivium de Santo Agostinho, Basílica da Santíssima Trindade (26 nov. 2022 – out. 2024)

Há exposições cujo tema, simplesmente, não (me) chama. Até afugenta, como esta, cujo título nos traz a memória de uma religiosidade apavorada, entre o medo do inferno e o terror dos castigos eternos de que apenas escaparíamos pela recitação forçada do terço. Na expetativa desta exposição, nada permitia prever um discurso apaziguador e, menos ainda, um espaço ameno em que se sucedem momentos estéticos, cuja conceção estética convida à contemplação. Mesmo conhecendo a qualidade das exposições temporárias do Museu do Santuário de Fátima, por vezes, com temas que se afiguravam igualmente difíceis, esta não era apelativa. E, no entanto…

Visitantes na exposição
Foto: MIR, 2023

Continuar a ler “Rosarium e a contemplação da alegria e luz, dor e glória”

O brilho e a sumptuosidade do barroco: exposição dos andores de prata de Beja na igreja de S. Roque, em Lisboa

Exposição dos andores de prata do Museu Rainha D. Leonor
Lisboa, igreja de São Roque (20 jul. 2023 – jan. 2024)

O Museu Rainha Dona Leonor, em Beja, está temporariamente encerrado ao público por contingência dos trabalhos inerentes à obra de recuperação e valorização do seu edifício sede, o Convento da Conceição, no âmbito da candidatura “Valorização e Conservação do Convento de Nossa Senhora da Conceição – Museu Rainha Dona Leonor, em Beja” apresentada ao Alentejo 2020 pela Associação Portas do Território em parceria com a Direção Regional de Cultura do Alentejo e a Câmara Municipal de Beja.

Esta circunstância propicia a criação de novas estratégias na gestão das coleções, tal como a apresentação dos andores de prata de São João Evangelista e São João Batista, duas das mais emblemáticas peças do museu, na capela de São Francisco Xavier, na igreja de S. Roque, em Lisboa. Assinala-se a articulação de esforços do Museu Rainha D. Leonor e do Museu de São Roque, como exemplar da colaboração entre museus de diferentes tutelas e, também, da proficiência dos seus responsáveis1 na visualização do bem comum.

Musealização dos andores de S. João Evangelista e de S. João Batista
Lisboa, igreja de São Roque
Foto: MIR, 2023

Continuar a ler “O brilho e a sumptuosidade do barroco: exposição dos andores de prata de Beja na igreja de S. Roque, em Lisboa”

  1. Porque se justifica identificar os nomes de quem tornou isto possível, destaca-se, aqui, a mediação da APOM – Associação Portuguesa de Museologia, através do seu Presidente, João Neto, a iniciativa de Deolinda Tavares, diretora do Museu Rainha D. Leonor, o apoio de Ana Paula Amendoeira, Diretora Regional de Cultura do Alentejo,  e a disponibilidade oferecida por Margarida Montenegro, antiga Diretora da Cultura da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, entretanto substituída por Teresa Nicolau, e de Teresa Morna, diretora do Museu de S, Roque. []

Trono de Sabedoria: interpretação museológica de um tema mariano

Exposição “Trono de Maria, lugar de sabedoria
Lisboa, Universidade Católica Portuguesa, Galeria Fundação Amélia de Mello (7 nov. – 21 mar. 2023)

A Universidade Católica Portuguesa (UCP) tem, desde 2018, uma galeria, onde tem vindo a apresentar exposições temporárias, estruturadas em três ciclos anuais: exposições temáticas; exposições individuais; e exposições de artistas emergentes ou que apresentem o resultado de projetos de investigação realizados por estudantes e docentes da universidade. A atual exposição1 é temática em torno da Virgem da Sapiência. “Santa Maria, Sede de Sabedoria” é, precisamente, a padroeira da instituição e titular da capela existente no campus.

Nossa Senhora da Sabedoria (Virgem da Sapiência)
Escola portuguesa, século XVI
Lisboa, UCP, capela de Santa Maria, Sede de Sabedoria

Continuar a ler “Trono de Sabedoria: interpretação museológica de um tema mariano”

  1. Não se é bom juiz em causa própria, diz o povo e tem razão. Porém, acerca desta exposição, não tenho de fazer o esforço da leitura e interpretação para tentar chegar ao sentido do discurso expositivo. Por outro lado, também conheço as condicionantes e as falhas provavelmente melhor do que qualquer visitante. A hesitação durou cerca de três meses após a abertura da exposição, até resolver escrever sobre ela, assumindo o risco de um olhar enviesado e subjetivo. []

Faraós, da vida real ao mito

Exposição “Faraós Superstars
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian (25 nov. – 06 mar. 2023)

Na altura em que se comemora o segundo centenário da decifração dos hieróglifos, por Jean-François Champollion, e o primeiro centenário da descoberta do túmulo de Tutankhamon por Howard Carter, a 26 de novembro de 1922, o Museu Calouste Gulbenkian apresenta a exposição “Faraós Superstars”. Foi também nesse ano que Calouste Gulbenkian iniciou uma profícua troca epistolográfica com Howard Carter, que se tornou o seu principal conselheiro para as aquisições de arte egípcia e que lhe terá aconselhado a compra da cabeça de Senuseret III, utilizada como imagem de cartaz da exposição.

Exposição “Faraós Superstars”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2023

Continuar a ler “Faraós, da vida real ao mito”

Água em tempos de seca: pretexto para duas exposições no Museu de Portimão

Exposição “Aquedutos de Portugal: Água e património”
Portimão, Museu de Portimão (28 jan. – 26 mar. 2023)

No Museu de Portimão, em consonância com o tema proposto para o Dia Internacional dos Museus 2023 “Museus, Sustentabilidade e Bem-Estar”, estão abertas duas exposições fotográficas que, complementando-se entre si, procuram sensibilizar para o combate às alterações climáticas e para o uso sustentável dos recursos.

Exposição “Aquedutos de Portugal: Água e património”
Portimão, Museu de Portimão
Foto: MIR, 2023

A exposição ” Aquedutos de Portugal” apresenta fotografias de Pedro Inácio que, às qualidades como fotógrafo, junta as competências de investigador e de museólogo e a função de conservador responsável pelas exposições no Museu da Água e do Património Histórico da EPAL – Empresa Portuguesa das Águas Livres. A investigação no âmbito do património cultural da água permitiu-lhe fazer a história do sistema de abastecimento de água gravítico em Portugal, complementada, desde 2007, por um exaustivo levantamento fotográfico dos aquedutos portugueses. Destes estudos, resultaram as obras Aquedutos de Portugal: Arte e património (Inácio, 2011) e Património cultural da água: Roteiro de aquedutos (Inácio, 2021) e a exposição itinerante homónima que, desde 2011, tem percorrido mais de cinquenta lugares no país e no estrangeiro (Argélia, Espanha, Estados Unidos, França e Roménia) e é agora apresentada no Museu de Portimão1. Continuar a ler “Água em tempos de seca: pretexto para duas exposições no Museu de Portimão”

  1. Na continuidade desta itinerância, depois de Portimão, a exposição será montada no Museu do Traje de São Brás de Alportel. []

João Ayres, o ‘perturbador artístico de Moçambique’

Exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”
Lisboa, Galeria Zé dos Bois (6 out. 2022 – 7 jan. 2023)

[…] the desire to bring together in thought what have hitherto appeared to be separate, coherent and homogenous entities and to redistribute what seemed preordained is what bestows upon temporary exhibitions a theoretical value and what makes them ‘exhibitions’. (Poinsot, 1996, p. 27)

Uma exposição temporária pode reordenar objetos em conjuntos inéditos, propiciando a sua releitura, outras modalidades de observação e de análise; mas pode, também, recuperar espólios esquecidos ou desconhecidos. Estes méritos são amplamente cumpridos na exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”, com curadoria na Natcho Chega, na Galeria Zé dos Bois (ZDB), com os trabalhos do pintor João Ayres (1921-2001) realizados entre 1948 e 1958. A exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”. De forma implícita, a exposição estrutura-se em três núcleos, a que correspondem diferentes expressões estéticas registadas ao longo da primeira década de João Ayres em Moçambique.

Exposição “Nanquim preto sobre fundo branco”
Lisboa, Galeria Zé dos Bois
Foto: MIR, 2022

Continuar a ler “João Ayres, o ‘perturbador artístico de Moçambique’”

Um gabinete de curiosidades e muitas outras perplexidades

O “Gabinete de Curiosidades: Uma interpretação” do Museu de Ciência da Universidade de Coimbra foi recentemente inaugurado (18 de maio de 2022) na Sala Carlos Ribeiro do Colégio de Jesus, cumprindo um desígnio traçado por Paulo Trincão quando assumiu a direção do museu.

Gabinete de Curiosidades
Coimbra, Museu de Ciência da UC
Foto: MIR, 2022

Com uma equipa reforçada, coordenada por Paulo Trincão que também assina o projeto, o patrocínio da Fundação La Caixa que contribuiu com 250 mil euros, um trabalho executado ao longo de três anos sob a supervisão histórica de João Brigola, reputado especialista no domínio dos Gabinetes de Curiosidades e de História Natural, as colaborações especiais de Alberto Peña na seleção das peças juntamente com Ana Cristina Rufino, do designer de exposições David Pérez, responsável pelo conceito expositivo e da artista plástica Ana Yedros que definiu a componente visual e a distribuição dos objetos, esta exposição teve as condições necessárias para se concretizar com padrões de excelência.

Continuar a ler “Um gabinete de curiosidades e muitas outras perplexidades”

A queda de um museu

O Museu da Ciência da Universidade de Coimbra foi inaugurado em dezembro de 2006.

Museu de Ciência
Foto: Emanuel Brás, s.d.
(“João Mendes Ribeiro”, 2015)

Está instalado no antigo Laboratorio Chimico, criado no contexto da reforma pombalina da universidade, o qual foi construído de raiz, entre 1773 e 1777, sobre as antigas instalações do refeitório, das cozinhas e áreas anexas do extinto Colégio da Companhia de Jesus. Continuar a ler “A queda de um museu”

Harmónios: uma exposição de alerta para um património em risco

Exposição “Harmonium: Desenho, pintura e música em relação”
Funchal, Museu de Arte Sacra do Funchal (MASF) (7 jun. – 31 out. 2022)

Exposição “Harmonium”: entrada
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa, 2022

Em conformidade com o título, esta exposição, sob o signo do harmónio e da música litúrgica, põe em diálogo os instrumentos e as partituras compiladas na obra Um século de música sacra na Madeira (Silva, 2008), da autoria de João Arnaldo Rufino da Silva (1934-2016), com as pinturas e os desenhos de Eduardo de Freitas (n. 1955), tendo como ponto de partida os desenhos originais das ilustrações dos temas da liturgia e da devoção que conduzem a estrutura daquela obra. A triangulação entre o harmónio, a música litúrgica e a arte visual de inspiração religiosa, constitui uma advertência para um património em risco, ao divulgar os resultados do inventário dos instrumentos musicais de uso litúrgico, levado a cabo pelo MASF e pela diocese do Funchal, com particular incidência nos harmónios caídos em desuso. Continuar a ler “Harmónios: uma exposição de alerta para um património em risco”

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search