Uma lição de museologia numa exposição temporária

Exposição “500 anos da dedicação da Sé do Funchal: Fé, arte e cultura: Um olhar sobre a obra do Padre Pita Ferreira”
Funchal, Museu de Arte Sacra do Funchal, 18 out. 2017 – 31 mar. 2018

Pode um museu subsistir quando uma parte considerável do espólio em exposição permanente é cedido a outra instituição, durante alguns meses? Pode! E a confirmação surge através de uma lição de museografia – e, por conseguinte, também de museologia – dada pelo Museu de Arte Sacra do Funchal (MASF), a apontar ainda vias de diálogo e cooperação entre instituições, apesar das diferentes missões e distintas tutelas.

Exposição “500 Anos da dedicação da Sé do Funchal “: núcleo 1, vista geral da sala 1
Funchal, MASF
Foto: Joana Sousa / Arquivo MASF, 2017

Continuar a ler

Procissão do Corpo de Deus em Lisboa

Exposição “Corpus Christi: A procissão do Corpo de Deus, por Diamantino Tojal
Lisboa, antigo Convento da Graça, 16 jun. 2017 – 1 jul. 2018

A Solenidade Litúrgica do Corpo e Sangue de Cristo começou a ser celebrada em meados do século XIII, ao mesmo tempo, crescia a devoção ao Santíssimo Sacramento, através de práticas que incluíam a adoração da hóstia fora da missa e as procissões do Santíssimo Sacramento. A solenidade teve início em 1246, na cidade de Liège, na atual Bélgica, por iniciativa de freira Juliana de Mont Cornillon, cumprindo o pedido feito durante as visões místicas de Cristo para que se fizesse uma festa litúrgica anual em honra da Sagrada Eucaristia. Na altura, o cónego Pantaleão de Troyes, futuro Papa Urbano IV era arcediago do Cabido Diocesano de Liège.

Missa de Bolsena (detalhe)
Rafael Sanzio, 1512
Vaticano, Musei Vaticani, Stanza di Eliodoro

Continuar a ler

Reflexo(e)s do outro lado do espelho

Exposição “Do outro lado do espelho
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian, 26 out. 2017 – 5 fev. 2018

You can just see a little peep of the passage in Looking-glass House, if you leave the door of our drawing-room wide open: and it’s very like our passage as far as you can see, only you know it may be quite different on beyond.
Lewis Carrol, 2010 (1871), p. 5

A Gulbenkian propõe-nos uma viagem ao universo de Alice, do outro lado do espelho, ao mesmo tempo que nos desafia a uma reflexão acerca da nossa identidade, da imagem, ou consciência, do eu e das suas pluralidades, das facetas projetadas no espelho poliédrico da nossa existência. É a epígrafe que marca a entrada na exposição, extraída da segunda aventura de Alice, na obra Alice do outro lado do espelho e o que ela encontrou por lá1: “Quem sou eu do outro lado do espelho?” – “And now, who am I? I will remembre if I can! I’m derermined to do it!” (Carrol, 2010, 23).

Exposição “Do outro lado do espelho”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2017

Continuar a ler

  1. Alice do outro lado do espelho e o que ela encontrou por lá, no original Through the looking-glass, and what Alice found there, publicado em 1871, é a continuação da obra Alice no País das Maravilhas (Alice’s Adventures in Wonderland), escrita em 1865, por Lewis Carroll, pseudónimo de Charles Lutwidge Dodgson. []

A arte que vem das ilhas do ouro branco

Exposição “As ilhas do ouro branco: Encomenda artística na Madeira: Séculos XV-XVI
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 16 nov. 2017 – 18 mar. 2018; prolongamento até 31 mar. 2018.

Esta segunda ilha [a Madeira] acharom boa, specialmente de muy nobres auguas corredyas, que levam pera regar a qualquer parte que querem; e começarom ally de fazer suas sementeiras muy grandes, de que lhes vierom muy abastosas novidades. De y virom a terra de boõs ares e saadya, e de muytas aves, que logo no começo tomavam com as maãos, e assy muytas bondades que acharam na dicta ilha.
Gomes Eanes de Zurara (1841, p. 387)

João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira, após o descerco de Ceuta, terão seguido para a costa africana com o propósito de combater os mouros e, devido a um temporal acostaram à ilha de Porto Santo1 Depois de dar a nova ao Infante D. Henrique, regressaram à ilha na companhia de Bartolomeu Dias que a quis povoar. Daí avistaram, então, um negrume a quebrar a linha do horizonte e “partiram em taõ boa hora que com pouca difficuldade lhes quiz Deos deparar outra Ilha também deserta, muito mòr que a do Porto Santo, à qual por ser chea de bosques puzeraõ nome de Madeira” (Góis, 1724, p. 24). Damião de Góis, na Crónica do Príncipe D. João registou o descerco em 1419, o que aponta para a chegada ao arquipélago no ano seguinte; Jerónimo Dias Leite, cronista madeirense e autor da obra Descobrimento da Ilha da Madeira, situa os factos no verão de 1419.

Exposição “As ilhas do ouro branco”
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2017

Continuar a ler

  1. O arquipélago madeirense era conhecido, pelo menos, desde meados do século XIV, sendo conhecidas as representações cartográficas das ilhas, no Atlas Medicis de Mediceo (c. 1370), na carta atribuída aos irmãos Pizzigani (1367), no planisfério catalão de Abraão Cresques (1375), na carta de Solleri (1385) e na carta de Pinelli, de 1390. []

Quando o rato não vai à montanha, vai a arte ao Colombo

Exposição “A arte chegou ao Colombo: O mundo fantástico de Paula Rego”
Lisboa, Centro Comercial Colimbo, 27 jun. – 27 set. 2017

“O mundo fantástico de Paula Rêgo” é o título da exposição temporária no átrio principal do Centro Comercial Colombo, em Lisboa. É uma estrutura efémera, feita em blocos de esferovite, ou poliestireno expandido (EPS), branco e linear, em três alas convergentes, com as entradas alinhadas ao eixo dos corredores do centro. No exterior, a superfície, com uma textura em harmónio, é rasgada pela inscrição do nome da artista. A exposição avizinha-se e adivinha-se, para lá do fosso imaginário, substanciado pela estrutura que, sendo simples, é nítida na marcação e na separação, fluída, entre o espaço comercial e o espaço museológico.

Exposição  “A arte chegou ao Colombo”
Lisboa, Centro Comercial Colombo
Foto: MIR, 2017

Continuar a ler

O que diz uma rua acerca de Lisboa renascentista

Exposição “A cidade global: Lisboa no Renascimento
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 24 fev. – 9 abr. 2017

A exposição baseia-se na obra homónima, The global city: On the streets of Renaissance Lisbon, editada por Annemarie Jordan Gschwend e K.J.P. Lowe, em 2016. A obra recebeu o prémio Almirante Teixeira da Mota, atribuído pela Academia Naval de Lisboa. Entre outros elogios da crítica, Theodore K. Rabb, afirmou no Times Literary Supplement:

What may be the most remaskable about this book is the high standard of interdisciplinary scholarship that it maintains. […] This is modern historical inquiry at its best: clear, precise, forthcoming about problems of evidence, and relentlessly focused on its central questions; what does this street tell us about Lisbon, and what does the movement of goods and people was essential to Portuguese Empire tell us about the world Lisbon shaped? (Rabb, 2016, 10 feb.)

A ideia de transformar esta obra numa representação museográfica da Lisboa quinhentista tornou-se realidade no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA).

A polémica das vistas da Rua Nova

No entanto, a exposição transformou-se em muito mais e do aquilo que era para ser.

Primeiro, porque a inauguração foi sendo sucessivamente atrasada, obrigando a reduzir o prazo de abertura dos quatro meses inicialmente previstos, para cerca de mês e meio, devido aos compromissos com os museus ou colecionadores particulares que cederam cerca de 250 peças. Atendendo a que os custos com empréstimos, seguros, montagem e desmontagem, transporte, se mantêm praticamente inalterados, seria previsível que o investimento tivesse fraco retorno.

Segundo e sobretudo, porque a exposição foi antecedida de acesa polémica entre investigadores, como há muito tempo não víamos, ultrapassando os corredores da academia, para ganhar o campo fértil dos jornais e, de imediato, das redes sociais. Como não há má publicidade, a curiosidade que atingiu o grande público agiu como propaganda eficaz e a exposição tem tido uma inusitada afluência de público, com frequentes filas de espera e o espaço expositivo frequentemente superlotado. Ou seja, esta polémica atenuou os efeitos do atraso e a elevada afluência de público significa receitas de bilheteira e o retorno financeiro que se julgava comprometido.

Vista da Rua Nova dos Mercadores: Rua Nova dos Ferros com a esquina do Largo do Pelourinho Velho
Autor flamengo desconhecido, 1570-1619
Óleo sobre tela
Londres, col. Kelmscott Manor, Society of Antiquaries of London
Imagem: Society of Antiquaries of London

Continuar a ler

Olhares sobre Almada Negreiros, o “ser moderno” em exposição na Gulbenkian

Exposição “José de Almada Negreiros: uma maneira de ser moderno”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian (MCG), 3 fev. – 5 jun. 2017

“Reparem bem nos meus olhos, não são meus, são os olhos do nosso século! Os olhos que furam para detrás de tudo.”
Almada Negreiros (1921). A Invenção do Dia Claro

Foi anunciada uma “exposição antológica mostra a obra de um artista que catalisa a vanguarda nos anos 1910 e atravessa todo o século XX” (Museu Calouste Gulbenkian, 2017). Foi prevista como uma das grandes exposições do ano e o afluxo de público nas primeiras semanas parecem confirmá-lo. Adivinhava-se, portanto, um prolongado e aprofundado olhar sobre a obra de Almada Negreiros (1893-1970), nas suas múltiplas linguagens e expressões, estendendo-se pela pintura, desenho, teatro, pintura mural, ilustração e artes gráficas, mas também pela dança, teatro, ou pelo romance, contos, conferências, ensaios, poesia… Esperava-se, também, que mostrasse, interpretasse e relacionasse a obra de um “autor profuso e diversificado”, com “uma conceção heteróclita do artista moderno” (Id., ibid.), reavaliando as suas conexões no contexto dos modernismos e das suas expressões híbridas e complexas.

Exposição “José de Almada Negreiros: uma maneira de ser moderno”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2017

Continuar a ler

O museu que vamos deixar de ver

Exposição “Obras em reserva: O museu que não se vê”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 18 maio 2016 – 23 out. 2016

Há um irresistível fascínio na visita às reservas. É a possibilidade de espreitar aquilo a que só alguns têm acesso, o inacessível que escapa à norma do exposto, aquilo que está vedado e se torna, por isso mesmo, mais apetecível à nossa curiosidade e a um inevitável impulso voyeurista. O horizonte onírico de quem se cinge ao espaço definido da cena expositiva, na expetativa do que se encontra em bastidores.

Exposição "O museu que vamos deixar de ver": núcleo 1 Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga Foto: MIR, 2016

Exposição “O museu que vamos deixar de ver”: núcleo 2
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2016

Continuar a ler

MAAT, a montanha e o rato

“Big, general audiences, with less specific traditions of modern and contemporary art and architecture are drawn by big, spectacular art and architecture.”
(Fraser, 2006, p. 156)

MAAT, Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia.

MAAT, Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia Lisboa Foto: MIR, 2016

MAAT, Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia
Lisboa
Foto: MIR, 2016

A intenção era criar uma nova ligação entre a cidade e o rio. E surgiu um miradouro, amplo e aberto, virado para a foz, mas isolado da cidade. A intenção era criar um novo ponto de referência da arquitetura contemporânea. E surgiu um edifício extenso, ainda inacabado, mas que se inaugurou para coincidir com a Trienal de Lisboa. A intenção era criar um novo museu para a arte contemporânea, arquitetura e tecnologia. E surgiu um espaço museológico à espera de confirmar como museu.

Continuar a ler

Coleção Miró, uma história interminável

Exposição “Joan Miró: materialidade e metamorfose”
Porto, Serralves, 1 out. 2016 – 28 jan. 2017

Uma série de operações duvidosas levou à nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN); a nacionalização do BPN fez transitar um conjunto de 85 obras (pintura, desenho, colagem, escultura e tapeçaria) de Juan Miró, avaliada entre 35 e 54 milhões de euros, para a Caixa Geral de Depósitos; a fim de amortizar as dívidas do BPN, o Governo quis vendê-las em leilão organizado pela Christie’s de Londres, agendado para fevereiro de 2014, estimando um encaixe mínimo de 36 milhões de euros,  contra os pareceres pedidos pela então diretora-geral do Património, Isabel Cordeiro, a David Santos, diretor do Museu do Chiado, e a Pedro Lapa, do Museu Coleção Berard, que se pronunciaram pela permanência das obras em Portugal; defendendo que a venda constituiria uma perda irreparável, o Ministério Público, iniciou uma batalha jurídica contra a Parvalorem e a Parups, sociedades criadas para abater a dívida do BPN, a qual se prolongou, mantendo acesa a discussão pública e levou ao cancelamento do leilão; entretanto, as sociedades conseguiram impugnar o processo de classificação das obras, sob o pretexto de que as obras estavam em Portugal havia menos tempo do que o necessário para que esta fosse obrigatória1; ainda em 2014, o empresário luso-angolano Rui Costa Reis fez chegar uma proposta para adquirir a coleção no valor de 44 milhões de euros e garantia a manutenção das obras na cidade do Porto durante 50 anos, mas a oposição conseguiu travar a transação; com a mudança do Governo, o ministro da Cultura João Soares inverteu as tomadas de posição do seu antecessor, e em julho passado o atual ministro, Luís Filipe Castro Mendes, anunciava a vontade de que a coleção ficasse no Porto, o que foi prontamente acolhido pelo autarca da cidade, Rui Pereira.

Exposição "Joan Miró: Materialidade e Metamorfose" Porto, Serralves Foto: Adriano Miranda / Público, 2016

Exposição “Joan Miró: Materialidade e Metamorfose”
Porto, Serralves
Foto: Adriano Miranda / Público, 2016

Continuar a ler

  1. Segundo a Lei de Bases do Património Cultural , art. 68.º,  “salvo acordo do proprietário, é vedada a classificação como de interesse nacional ou de interesse público do bem nos dez anos seguintes à importação ou admissão”. []

Amália: Saudades do Brasil

Exposição “Amália: Saudades do Brasil
Consulado-Geral de Portugal em São Paulo (BR), 6-27 ago. 2016
Cidade das Artes, Rio de Janeiro (BR), 5 nov.-4 dez 2016

“O sal das minhas lágrimas de amor criou o mar
Que existe entre nós dois p’ra nos unir e separar”
Vinicius de Moraes

Amália Copacabana Palace, 1973, Colecção Privada, Créditos O Globo.

Amália Copacabana Palace, 1973, Colecção Privada, Créditos O Globo.

Continuar a ler

Museologia e tecnologia digital na Rota da Escravatura

Núcleo Museológico Rota da Escravatura
Lagos, Praça do Infante, edifício do Mercado dos Escravos

Núcleo Museológico Rota da Escravatura: entrada Foto: MIR, 2016

Núcleo Museológico Rota da Escravatura: entrada
Foto: MIR, 2016

É um museu pequeno e com poucos objetos. Nem é propriamente um museu, mas um núcleo museológico que aborda a memória de um passado negro. Estas poderiam ser as determinantes de uma iniciativa votada ao fracasso. Continuar a ler

Ver através das mãos que desenham

O Rijksmuseum, sem acusar a pressão do número de visitantes e sem se atrever a tomar para a inibição da procura, tem vindo a manifestar algum incómodo perante o desconforto e cansaço do público em salas superpovoadas. A missão museológica de “dar a ver” as obras exposta fica comprometida face à multidão que passa ao longo do percurso expositivo, em direção a determinadas obras-primas consideradas essenciais. Nesse sentido, propõe um conjunto de visitas temáticas, que diversificam os percursos, também numa tentativa de descongestionar o acesso às obras mais mediáticas. Não obstante, estudos feitos no museu permitiram concluir que os visitantes não se demoram frente às obras expostas (cfr. Aart Van Harten, guia do museu, cit. in Guillermard , 2016, 5 fev.). Por isso mesmo, tem vindo a apresentar formas alternativas de ver para lá do percurso expositivo em que o visitante se move. Destaca-se a app, com um vasto número de informações complementares e largo espetro de ligações, propostas interpretativas, interativas e lúdicas para aquisição e aplicação de conhecimentos. Estratégias que levem o visitante a fixar o olhar, ao invés de passar sem ver.

Fachada do Rijksmuseum, com o anúncio da campanha #Hierteekenen, ou (#Startdrawing)

Fachada do Rijksmuseum, com o anúncio da campanha #Hierteekenen, ou (#Startdrawing)
Amsterdão, 2015

Continuar a ler

Os mármores do Pártenon: questões patrimoniais e museológicas

Pártenon

Em meados do século V a.C., Péricles decidiu a construção de um templo consagrado a Palas Atena, na Rocha Sagrada, designação atribuída à colina da Acrópole, em substituição do já existente e que havia sido danificado durante a invasão persa em 480 a.C.. O templo, de ordem dórica, octostilo1 e períptero2, integra uma dupla cela com pronaos e opistódomo com prostilo de seis colunas. Os arquitetos Iktinos e Kallikrates são reconhecidos como autores do projeto, cuja decoração escultórica é atribuída a Fídias e aos seus discípulos Agorakritos, Alkamenes e a outros escultores e pintores cujo nome se perdeu. Fídias foi o autor da estátua colossal criselefantina3 da deusa Atena Parténos (ou Atena virgem) no interior da cela.

Pártenon de Atenas Gravura de William Miller, a partir de desenho de H. W. Williams In Williams, H. W. (1829). Greece with classical illustrations. London: Longman Rees Orme Brown and Green; and Adam Black.

Pártenon de Atenas
Gravura de William Miller, a partir de desenho de H. W. Williams
In Williams, H. W. (1829). Greece with classical illustrations. London: Longman Rees Orme Brown and Green; and Adam Black.

Legenda: a - frontão b - sequência de métopas  c - friso d - estátua da deusa

Legenda:
a – frontão
b – sequência de métopas
c – friso
d – estátua da deusa

Continuar a ler

  1. Com oito colunas nas fachadas menores. []
  2. Com o perímetro integralmente definido por colunas alinhadas, criando um peristilo exterior. []
  3. Estátua inteiramente revestida a ouro, à exceção das zonas de carnação em marfim. []

Mário Rita, “le voyeur” no caminho da luz

Exposição “Les Voyeurs”, de Mário Rita
Lisboa, Miguel Justino Contemporary Art, 24 set. – 24 out. 2015

São para mim verdades do Homem que se renova […] pela singularidade que alguns conseguem ver. Esses tenho a certeza que levam na frente a Luz.
Mário Rita, 2015

Em Mário Rita, sobressai a força com que liberta o seu universo introspetivo na linha, no traço, nas manchas, no gesto subentendido. Entre o abstracionismo mais minimalista, o figurativismo e o neoexpressionismo mais intuitivo, Mário Rita exercita a capacidade do desenho a carvão nas representações de figuras fragmentadas ou intersecionadas, em que se misturam pinceladas fluídas de cor e colagens, velaturas e opacidades, ou, nas obras mais recentes, experimentando materiais inéditos como as colchas de seda cujas texturas e padrões que se insinuam sob a pintura. No desenho, ou na pintura, o impulso intuitivo do gesto predomina sobre a geometria da composição.

Exposição "Les voyeurs", 2015.

Exposição “Les voyeurs”, 2015. Foto: Mário Rita, 2015.

Continuar a ler