Lições de museografia na Gulbenkian

Exposição “Art on display: Formas de expor 1949-69
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 23 mar. – 31 dez. 2019

A comemoração dos 50 anos do Museu Gulbenkian (vd. A vida de Calouste Gulbenkian em exposição), inaugurado a 2 de outubro de 1969, é pretexto para sublinhar o enorme contributo no âmbito da museografia e, de forma particular, na forma como concebe, desenvolve e analisa os aspetos museográficos, não só no museu, como também – sobretudo? – nas exposições temporárias que nos ficam na memória1

Átrio do museu
Exposição “Art on display 1949-69”
Lisboa, FCG
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler “Lições de museografia na Gulbenkian”

  1. Há dias, num jantar de amigos, demos por nós a evocar exposições que nos marcaram e recuámos aos finais da década de 1970, lembrando-nos de algumas, como se tivesse sido ontem. Como nota negativa, apenas o facto de todos partilharmos o desgosto pelo desaparecimento do papel de parede em tons de verde no enquadramento da coleção Lalique. []

A vida de Calouste Gulbenkian em exposição

Exposição “Calouste: uma vida, não uma exposição”
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 23 mar. – 31 dez. 2019

Calouste Sarkis Gulbenkian nasceu a 23 de março de 1869, perto de Istambul, na Turquia Otomana, no seio de uma família de ricos comerciantes e filantropos arménios. Os 150 anos do seu nascimento coincidem com os 50 anos do Museu Calouste Gulbenkian, inaugurado em outubro de 1969, de acordo com as disposições testamentárias de Gulbenkian relativas à sua vastíssima coleção de arte. No âmbito desta dupla comemoração, o museu organizou uma exposição sobre Calouste Gulbenkian, comissariada por Paulo Pires do Vale, traçando uma cronologia da sua vida numa sequência retrospetiva que inicia na construção do museu, no cruzamento entre o homem e a obra póstuma do seu legado.

Calouste Sarkis Gulbenkian em jovem
Fotógrafo: [s.n]
[s.L.], [s.d.]
Lisboa, Arquivos Gulbenkian PT FCG FCG:CSCA-S001/01-FOTO00001

Continuar a ler “A vida de Calouste Gulbenkian em exposição”

O tapete no centro de Arraiolos

Centro Interpretativo do Tapete de Arraiolos
Praça do Município 19
Arraiolos

Arraiolos deu o nome aos tapetes e é pelos tapetes que a vila de Arraiolos é conhecida. Os tapetes são bordados a pura lã de ovelha sobre uma base de estopa. Os fios tingidos fazem um ponto cruzado: um meio ponto oblíquo; o segundo, cruzando obliquamente sobre o primeiro; um terceiro passa por cima com o dobro do tamanho, abrindo o ponto seguinte. Primeiro faz-se o desenho, depois preenche-se o fundo.

Rotunda Norte
Arraiolos
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler “O tapete no centro de Arraiolos”

Museu da liturgia ausente

Museu da Liturgia
Rua Jogo de Bola, 15
Tiradentes (MG), Brasil 

Um museu que se diz “da liturgia” cria a expetativa de interpretar o culto, de interpretar o sentido dos rituais e de os relacionar com os princípios teológicos que os fundamentam, de justificar a forma e a função das alfaias. Cria a expetativa de uma abordagem antropológica na elucidação dos fenómenos sociais relacionados com a religiosidade. 

Museu da Liturgia.
Brasil, Tiradentes (MG)

O museu, inaugurado em 2012, ocupa a antiga casa paroquial, adjacente ao edifício da Câmara e nas proximidades da igreja matriz de Santo António. O acervo é constituído por cerca de 420 peças do período colonial mineiro, provenientes da paróquia de Santo António e totalmente restauradas.  Continuar a ler “Museu da liturgia ausente”

Desenho subjacente e imanente

“Drawing Room”
Lisboa, Sociedade Nacional de Belas Artes, 9 – 13 out. 2019

Drawing Room Lisboa
Foto: MIR, 2019

No início era o desenho. É o desenho que nos documenta e nos transmite a vida, o pensamento, as emoções do homem desde os tempos anteriores à história. O desenho sempre esteve lá, como impulso e como expressão, nas pinturas feitas no interior das grutas, nos traços gravados nas rochas, ou subjacente debaixo de camadas de tinta como suporte e guia da composição.

Continuar a ler “Desenho subjacente e imanente”

Sarah Affonso: tempos, lugares e coisas simples

Exposição “Sarah Affonso e a arte popular do Minho
Curadoria: Ana Vasconcelos
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian, 12 jul, – 07 out. 2019

Exposição “Sarah Affonso: Os dias das pequenas coisas
Curadoria: Maria de Aires Silveira e Emília Ferreira
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, 22 mar. – 2 jun. 2019

Numa iniciativa pouco comum, dois dos principais museus portugueses, o Museu Calouste Gulbenkian (MCC) e o Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC) do Chiado, articularam as respetivas programações num projeto expositivo colaborativo sobre a vida e obra da artista modernista Sarah Affonso (1899-1983), no ano em que se comemora o 120.º aniversário do seu Nascimento.

Família
Sarah Affonso, 1937
Exposição “Sarah Affonso e a arte popular do Minho”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler “Sarah Affonso: tempos, lugares e coisas simples”

O “eu” que se expõe nas Metamorfoses da Humanidade

Exposição “Graça Morais: Metamorfoses da Humanidade”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, 22 mar. – 2 jun. 2019

A exposição Metamorfoses da Humanidade apresenta um conjunto de mais de oito dezenas de desenhos e pintura sobre papel da pintora Graça Morais.

Exposição “Graça Morais: Metamorfoses da Humanidade”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler “O “eu” que se expõe nas Metamorfoses da Humanidade”

Arte argentina no Palácio da Ajuda

Exposição “VII Mostra de Artistas Argentinos em Portugal”
Lisboa, Palácio Nacional da Ajuda, 20 mar. – 3 abr. 2019

Março foi o mês de Francofonia. A “Festa da Francofonia 2019”, organizada por um coletivo de países membros da OIF (Organização Internacional da Francofonia) com representação diplomática em Portugal (Andorra, Argentina, Bélgica, Canadá, Costa do Marfim, Egipto, França, Geórgia, Luxemburgo, Marrocos, Roménia, Senegal, Suíça e Tunísia), pretende dar a conhecer culturas do mundo francófono.

Exposição “VII Mostra de Artistas Argentinos em Portugal”
Lisboa, Palácio Nacional da Ajuda
Foto: MIR, 2019

Neste âmbito, a exposição “VII Mostra de Artistas Argentinos em Portugal”, sob a tutela da Embaixada da Argentina, país observador da OIF e coorganizador da Festa da Francofonia 2019, apresenta, no Palácio Nacional da Ajuda,  obras de 11 artistas contemporâneos, com diferentes linguagens, técnicas e suportes no âmbito das artes plásticas, numa seleção que se assume heterogénea e simplificada.

Continuar a ler “Arte argentina no Palácio da Ajuda”

Capela-múndi: um eixo na museologia de religião

Exposição “Capela-múndi: Exposição temporária comemorativa do centenário da construção da Capelinha das Aparições
Fátima, Convivium de Santo Agostinho, Basílica da Santíssima Trindade, 1 dez. 2018 – 15 out. 2019

“Capela-múndi”1 confirma a construção de uma linguagem museológica que o Museu do Santuário de Fátima tem vindo a amadurecer ao longo desta década e, em particular, nas exposições comemorativas do centenário das aparições. A exposição é comissariada por Marco Daniel Duarte, diretor do Museu do Santuário de Fátima, sendo a conceção arquitetónica de Joana Delgado e o design de Inês do Carmo.

Exposição “Capela-múndi”
Fátima, Santuário
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler “Capela-múndi: um eixo na museologia de religião”

  1. O título da exposição remete para o conceito da Capelinha como axis-mundi, isto é, o eixo do mundo, ou ponto de conexão entre o céu e a terra. []

Ponto de vista do colecionador

Exposição “Maria do Céu e Luís Pereira de Sampaio: Uma colecção em foco
Lisboa, Fundação Medeiros e Almeida, 5-28 fev. 2019

Uma coleção é a imagem do colecionador, através da qual desvenda o universo íntimo de quem a constrói, os seus gostos e as suas obsessões. Reflete, também, a vontade de viver rodeado pelos objetos em que fixa o gosto pessoal, num desígnio de acumulo, mas também o desejo de deixar uma marca e perpetuar-se numa ação que o transcende. A coleção é, por conseguinte, um microcosmos privado do colecionador e uma janela aberta sobre a sua alma. Mas é também e por isso mesmo um risco. E um risco que se amplia quando se expõe ao escrutínio externo, sujeitando-a ao juízo e ao parecer dos outros.

Exposição: entrada
Lisboa, Casa-Museu Medeiros e Almeida
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler “Ponto de vista do colecionador”

Os olhos escutam

Exposição “Os olhos escutam”
Lisboa, Universidade Católica Portuguesa, Galeria Fundação Amélia de Melo, 1 fev. – 30 abr. 2019

Esta é a primeira exposição de uma galeria de arte instalada numa universidade, numa iniciativa que se afigura inédita.

Exposição: entrada
Lisboa, UCP – Galeria Fundação Amélia de Melo
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler “Os olhos escutam”

Ano novo, velhos problemas no Museu de Arte Antiga

Na alvorada de um novo ano, entre votos e propósitos embrulhados em esperança, o Público anunciava a saída da direção do Museu Nacional de Arte Antiga, no próximo mês de junho. A decisão de não voltar a candidatar-se ao cargo de diretor do museu após o atual mandato foi comunicada por António Filipe Pimentel à Ministra da Cultura, Graça Fonseca, na passada quarta-feira, durante uma reunião relacionada com a proposta de Decreto-Lei para o “Novo Regime Jurídico de Autonomia de Gestão dos Museus, Monumentos, Palácios e Sítios Arqueológicos” e em que estavam presentes os diretores regionais de Cultura e os diretores das instituições tuteladas pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC). Em sintonia com esta decisão, José Alberto Seabra, diretor adjunto, também anunciou a sua aposentação.

Continuar a ler “Ano novo, velhos problemas no Museu de Arte Antiga”

Museologia de religião: Análise de uma exposição comemorativa do centenário das Aparições

Exposição “As cores do sol: A luz de Fátima no mundo contemporâneo
Fátima, Convivium de Santo Agostinho, Basílica da Santíssima Trindade, 26 nov. 2016 – 31 out. 2018

A história é conhecida de todos: depois das aparições do anjo, com um cariz preparatório, os três pequenos pastores Lúcia, Francisco e Jacinta, viram, pela primeira vez, a 13 de maio de 1917, uma senhora “muito formosa […], envolta num clarão mais brilhante que o sol” que lhes pedira que rezassem o terço e que tornassem àquele local, seis meses seguidos no mesmo dia e à mesma hora. Para aquela que seria a última aparição, a Virgem prometera-lhes um milagre, dizendo que “no último mês fazia um sinal no sol, que todos haviam de acreditar”.

Lúcia, Francisco e Jacinta
Cova da Iria, 1917
In: (1917, 29 out.). Ilustração Portuguesa, (610), 356.
Foto: Joshua Benoliel; Arquivo Fotográfico/
Santuário de Fátima

Continuar a ler “Museologia de religião: Análise de uma exposição comemorativa do centenário das Aparições”

“Tirando pelo natural” figurações, conceções e transgressões no Museu de Arte Antiga

Exposição “Do tirar polo natural: Inquérito ao retrato português
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), 28 jun. – 30 set. 2018 (prolongamento até 14 out.)

Do tirar pelo natural é o título do tratado escrito por Francisco de Holanda, em 1549, o primeiro tratado do mundo ocidental dedicado ao retrato feito por um português1. E esta é uma exposição de retratos, de figurações individuais e coletivas, ainda que, efetivamente, nem todas tenham sido tiradas pelo natural.

Francisco de Holanda. (1563). Do tirar polo natural [Manuscrito].
Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa
O culto da imagem está subjacente ao retrato e, sobretudo, à sua versão egocêntrica do autorretrato, onde o indivíduo é sujeito e objeto de expressão artística, a partir da qual se pode traçar o perfil sociológico de cada época e lugar, consoante as transformações registadas no tipo de figura a representar e a forma de o fazer.

Retratos de família
Lisboa, MNAA, Exposição “Do tirar polo natural”
Foto: MIR, 2018

Continuar a ler ““Tirando pelo natural” figurações, conceções e transgressões no Museu de Arte Antiga”

  1. Em 1563, Manuel Denis, pintor espanhol de ascendência portuguesa, traduziu para espanhol o Libro de la pintura antigua de Francisco de Holanda (Real Academia de Bellas Artes de San Fernando, Ms. 3-361), o qual é considerado como a cópia mais antiga conhecida e tradução direta do original português. É a partir deste manuscrito que, em 1790, Mons. Joaquim José Ferreira Gordo fez uma cópia para a Academia das Ciências de Lisboa (Ms. 650). Contém: “Da pintura antigua: Livro primeiro”; “Livro segundo da pintura antigua”; e “Do Tirar polo Natural”. É este manuscrito que se encontra nesta exposição. []

Um museu ao alcance de todos

Museu da Comunidade Concelhia da Batalha (MCCB) abriu em 2011 no centro histórico da Vila da Batalha, junto ao Mosteiro de Santa Maria Vitória. O tempo que, entretanto, passou podia ter sido pretexto para deixar cair os propósitos iniciais e abandonar-se ao desgaste que leva à decadência, ou aproveitar para amadurecer e consolidar uma missão que se assumia ambiciosa: ser um museu da região; ser um museu de todos, mas onde os locais identificassem a sua história, o seu património e as suas tradições, e abertos a todos, adotando uma matriz inclusiva e uma estratégia multimodal capazes de suprimir barreiras físicas, intelectuais, sensoriais ou linguísticas. Atendendo à complexidade dos equipamentos museográficos e dos instrumentos tecnológicos em que assenta, implicando uma constante manutenção e atualização, seria de temer que, ao cabo de sete anos, o museu tivesse envelhecido e não tivesse sido capaz de se manter fiel aos seus princípios. Sobretudo, considerando que a proximidade do Mosteiro da Batalha e o seu efeito mediático no turismo de massas poderiam ter um impacto negativo nos propósitos de um museu virado para a comunidade e induzir uma apresentação mais virada para um público indiferenciado e globalizado. Porém, não foi isso que aconteceu e este continua um espaço museológico estimulante com um discurso percetível e acessível.

Museu da Comunidade Concelhia da Batalha (MCCB)
Foto: MCCB | Público: Boa Cama Boa Mesa

Continuar a ler “Um museu ao alcance de todos”